A OMS inverte o discurso, agora aconselha contra as quarentenas ‘punitivas’

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Mesmo com a OMS exortando as nações a absterem-se de impor quarentenas, muitos governos continuam a usar essa estratégia.

Durante meses, a esmagadora maioria da população do planeta foi submetida a quarentenas cruéis e enervantes: negócios fechados, viagens restritas e reuniões sociais reduzidas ao mínimo.

Os efeitos da pandemia COVID-19 afundaram nossas economias, mantiveram entes queridos separados, impediram funerais e tornaram a liberdade pessoal e econômica uma vítima tanto quanto nossa saúde. Um relatório afirma que isto pode custar US$ 82 trilhões globalmente nos próximos cinco anos – quase o mesmo que nosso PIB global anual.

Muitas dessas quarentenas iniciais foram justificadas por recomendações de políticas da Organização Mundial da Saúde.

O diretor-geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, escrevendo em uma atualização de estratégia em abril, pediu às nações que continuassem as quarentenas até que a doença estivesse sob controle.

Mas agora, mais de seis meses desde que as quarentenas se tornaram uma ferramenta política favorita dos governos globais, a OMS está pedindo seu fim imediato.

O Dr. David Nabarro, representante especial da OMS para COVID-19, disse a Andrew Neil do Spectator do Reino Unido na semana passada que os políticos estavam errados ao usar quarentenas como o “método de controle primário” para combater o COVID-19.

“As quarentenas têm apenas uma consequência que você nunca deve menosprezar: tornar as pessoas pobres muito mais pobres”, disse Nabarro.

O Dr. Michael Ryan, Diretor do Programa de Emergências de Saúde da OMS, expressou um sentimento semelhante.

“O que queremos tentar evitar – e às vezes é inevitável e aceitamos isso – mas o que queremos tentar e evitar são essas quarentenas em massa que são tão punitivas para as comunidades, a sociedade e tudo o mais”, disse o Dr. Ryan, falando em uma reunião em Genebra.

Estas são declarações impressionantes de uma organização que tem sido uma autoridade chave e voz moral responsável por lidar com a resposta global à pandemia.

As sugestões da OMS têm sustentado toda e qualquer quarentena nacional e local, ameaçando jogar 150 milhões de pessoas na pobreza até o final do ano.

Como afirmou Nabarro, a grande maioria das pessoas prejudicadas por esses lockdowns estão em pior situação.

Todos nós conhecemos pessoas que perderam seus negócios, perderam o emprego e viram suas economias se transformarem em fumaça. Isso é especialmente verdadeiro para aqueles que trabalham nos setores de serviços e hotelaria, que foram dizimados por políticas de quarentena.

E mesmo enquanto a OMS exorta as nações a se absterem de impor quarentenas, muitos governos continuam a usar essa estratégia. Escolas em muitos estados permanecem fechadas, bares e restaurantes estão proibidos e grandes aglomerações – além de protestos esquerdistas de justiça social – são condenadas e proibidos à força.

Os efeitos das quarentenas prolongadas sobre os jovens estão agora se tornando mais claros. Um estudo recente da Universidade de Edimburgo diz que manter as escolas fechadas aumentará o número de mortes devido ao COVID-19. Somado a isso, o estudo diz que as quarentenas “prolongam a epidemia, em alguns casos resultando em mais mortes a longo prazo”.

Se quisermos evitar mais danos, devemos encerrar imediatamente essas políticas desastrosas. Quaisquer novas chamadas para impor quarentenas devem agora ser vistas com o maior ceticismo.

É hora de a loucura acabar. Não apenas porque a Organização Mundial da Saúde diz, mas porque nossas próprias vidas dependem disso.

Como os médicos e cientistas declararam na Declaração Grand Barrington assinada este mês em Massachusetts, os “impactos na saúde física e mental das políticas COVID-19 vigentes” causaram, eles próprios, efeitos devastadores na saúde de curto e longo prazo.

Não podemos continuar a arriscar nossa saúde e bem-estar no longo prazo fechando nossas economias e nosso povo no curto prazo. Esse é o único caminho a seguir se buscarmos nos recuperar dos efeitos desastrosos da política governamental em torno do COVID-19.

 

Artigo original aqui.