O capitalismo das partes interessadas do FEM é apenas fascismo global com outro nome

2

O conceito de “fascismo” foi originalmente inserido na Enciclopédia Italiana pelo filósofo italiano Giovanni Gentile, que afirmou que “o fascismo deveria ser chamado mais apropriadamente de corporativismo porque é uma fusão do estado e do poder corporativo”. Benito Mussolini mais tarde levaria o crédito pela citação como se ele mesmo a tivesse escrito, mas é importante nota-la porque ela descreve o objetivo principal da ideologia, em vez de simplesmente rotular pessoas que não gostamos para desonestamente minar sua legitimidade.

Apesar do fato de que os esquerdistas hoje frequentemente atacam os conservadores como “fascistas” por causa de nosso desejo de proteger as fronteiras nacionais e a herança ocidental, a verdade é que todo fascismo está profundamente enraizado em filosofias e pensadores esquerdistas.

Mussolini era um socialista de longa data, um membro do partido que admirava muito Karl Marx. Ele se desviou dos socialistas por causa de seu desejo de permanecer neutro durante a Primeira Guerra Mundial e passou a defender uma combinação de socialismo e nacionalismo, o que hoje conhecemos como fascismo. Adolph Hitler também era um socialista e admirador de Karl Marx, assim como Mussolini. Na verdade, é difícil encontrar onde Marx, os comunistas e os fascistas realmente diferem um do outro – Um senso mais profundo de nacionalismo parece ser um dos poucos pontos de discórdia.

Embora Marx visse a existência de Estados-nação como temporária para o proletariado e para a classe dominante, ele observou que os industriais estavam apagando as fronteiras nacionais de qualquer maneira. Marx argumenta no Manifesto Comunista com certo otimismo:

    “As diferenças e antagonismos nacionais entre os povos já tendem a desaparecer cada vez mais, devido ao desenvolvimento da burguesia, ao crescimento do livre comércio e do mercado mundial, e à crescente uniformidade dos processos industriais e das condições de vida correspondentes.”

Marx viu o desenvolvimento do poder corporativo como útil e o próximo passo necessário para o socialismo, observando que as sociedades anônimas (corporações) e o sistema de crédito são:

     “A abolição do modo de produção capitalista dentro do próprio modo de produção capitalista.”

Em outras palavras, as corporações são vistas como uma ferramenta para a eventual transição para uma “utopia” socialista e a morte do livre mercado. Mais uma vez, vemos que há muito pouca diferença de motivação entre a esquerda política e os fascistas. A progressão natural de todas as formas de marxismo, comunismo, socialismo, fascismo etc. tudo acaba levando a um tipo de ideologia globalista e ao apagamento da separação cultural. Os métodos podem diferir um pouco, mas o resultado final é o mesmo. Alguns pensam que isso é uma coisa boa, mas na verdade é algo bastante diabólico.

O globalismo requer uma dinâmica social abrangente, uma única mente coletiva, caso contrário não pode sobreviver. Se as pessoas têm a capacidade de escolher ou criar melhores opções (ou opções diferentes) para viver, então o globalismo perde significado. A existência de escolha tem que ser apagada. Este é um comportamento que a esquerda política abraçou totalmente e eles estão mais do que satisfeitos em trabalhar lado a lado com oligarcas corporativos para tornar seu sistema ideal uma realidade. Há muito deixou de existir o progressista anticorporativo – Eles AMAM o domínio corporativo, mas apenas se essas empresas promoverem e aplicarem modelos esquerdistas para a sociedade.

O fascismo de Mussolini está na raiz da própria governança corporativa que os esquerdistas aplaudem e cobiçam hoje. Eles têm muito mais em comum com os fascistas do que imaginam.

O novo fascismo é uma filosofia renomeada melhor representada por algo chamado “Capitalismo das Partes Interessadas”. É um termo frequentemente usado por globalistas no Fórum Econômico Mundial (FEM) e pelo seu chairman, Klaus Schwab. A definição amigável da mídia de Capitalismo das Partes Interessadas é:

     Uma forma de capitalismo em que as empresas não apenas otimizam os lucros de curto prazo para os acionistas, mas buscam a criação de valor de longo prazo, levando em consideração as necessidades de todas as partes interessadas e da sociedade em geral.

Mas quem são “todas as partes interessadas” na opinião do FEM?

Bem, de acordo com Klaus Schwab, eles são todos da civilização humana, agora e no futuro. Em outras palavras, o objetivo do capitalismo das partes interessadas é que os líderes corporativos e a burocracia globalista assumam a responsabilidade pelo mundo inteiro, não apenas por seus próprios funcionários, acionistas e lucros. E tais líderes não estariam agindo como indivíduos, estariam agindo como um coletivo. Em outras palavras, o capitalismo das partes interessadas exige que todas as grandes corporações atuem como uma unidade única com um único propósito e uma ideologia coletivista unificada – um monopólio ideológico.

Como afirma Klaus Schwab:

       “A característica mais importante do modelo de partes interessadas hoje é que as apostas do nosso sistema são agora mais claramente globais. Economias, sociedades e meio ambiente estão mais intimamente ligados entre si agora do que há 50 anos. O modelo que apresentamos aqui é, portanto, fundamentalmente global por natureza, e as duas principais das partes interessadas também.

…O que antes era visto como externalidades na formulação de políticas econômicas nacionais e na tomada de decisões corporativas individuais agora precisarão ser incorporados ou internalizados nas operações de cada governo, empresa, comunidade e indivíduo. O planeta é, portanto, o centro do sistema econômico global, e sua saúde deve ser otimizada nas decisões tomadas por todas as outras partes interessadas”.

O conceito de capitalismo das partes interessadas é patentemente enganoso porque finge que as corporações serão responsabilizadas pelo público dentro de alguma forma de “democracia empresarial”, como se o público tivesse um voto sobre o que as corporações fazem. Na realidade, serão as corporações dizendo ao público o que é aceitável pensar e fazer e as corporações em conjunto com os governos usando seu poder para punir as pessoas que não concordam.

O grande truque de mágica é que essas mesmas corporações unificadas usam o escudo da “propriedade privada” e dos direitos empresariais como forma de controlar a sociedade sem repercussões. Afinal, um princípio básico do conservadorismo e da constituição dos EUA são os direitos de propriedade privada. Portanto, intervir para interromper a governança corporativa seria violar um de nossos amados ideais. Parece um dilema, mas na verdade não é.

Como mencionado acima, as corporações são, em sua essência, um conceito socialista: elas são criadas por meio de carta do governo, recebem personalidade jurídica e recebem proteções especiais do governo. Elas NÃO são entidades de livre mercado, e Adam Smith, o criador da maioria dos ideais de livre mercado, se opôs às corporações como destrutivas e propensas ao monopólio.

Visto que elas recebem proteções do governo, incluindo estímulos monetários e resgates, as corporações não devem desfrutar das mesmas proteções de propriedade privada que as empresas comuns. São criações parasitas, alheias ao mundo natural dos negócios. Em uma sociedade baseada na liberdade, elas seriam desmanteladas para evitar resultados autoritários.

O capitalismo das partes interessadas também é uma premissa incrivelmente arrogante porque pressupõe que os líderes corporativos têm a sabedoria ou inteligência objetiva para expandir seu papel além dos negócios e nas esferas sociais e políticas. Isso, em muitos aspectos, já aconteceu, resultando em caos, mas a governança corporativa aberta é o objetivo final e isso é tudo menos objetiva ou benevolente.

Quais são alguns exemplos desse tipo de governança corporativa/política (fascismo) em ação?

Que tal a censura de mídia social da Big Tech inclinando-se PESADAMENTE contra conservadores e ativistas da liberdade? Que tal evidências de conluio entre grandes empresas de tecnologia e governo, como o governo Biden e o DHS trabalhando em íntima colaboração com o Twitter e o Facebook para remover ativamente vozes e pontos de vista que não gostam? Que tal líderes corporativos conspirando para destruir concorrentes de mídia social conservadores como Parler?

Que tal empréstimos ESG financiados por patrocinadores corporativos como Blackrock ou organizações sem fins lucrativos globalistas como a Fundação Rockefeller?

Se todos os credores corporativos aplicassem ESG em suas práticas de empréstimo, todos os indivíduos e empresas teriam que adotar ideologias sociais de esquerda e reivindicações ambientais duvidosas para ter acesso ao crédito. O ESG é um incentivo monetário criado pelas elites corporativas para manter todos os outros negócios alinhados. Se continuar, o ESG pode acabar com a oposição política ao globalismo no espaço de uma única geração.

E o Conselho para o Capitalismo Inclusivo? Esta é a expressão mais flagrante de fascismo global aberto que já vi, com elites financeiras e políticos trabalhando em conjunto com a ONU e até líderes religiosos como o Papa Francisco. Seu objetivo é instituir uma única plataforma de governança mundial centralizada construída em torno das mesmas agendas descritas no ESG e capitalismo das partes interessadas, tornando as corporações membros de um novo conselho global que eles chamam de “Os Guardiões”. Eles nem estão mais tentando esconder a conspiração, ela está aberta.

Klaus Schwab tem o cuidado especial de mencionar com frequência que os eventos de crise global são a “oportunidade” necessária para empurrar o público para os braços do Capitalismo das Partes Interessadas por meio de um ponto de nexo chamado “Grande Reinício”. Ou seja, ele acha que o medo e o desespero generalizados devem existir (ou ser projetados) para perpetuar a estrutura do capitalismo das partes interessadas rapidamente.

Obviamente, os globalistas estão em uma linha do tempo cada vez menor, embora seja difícil dizer por quê. Eles estão arrancando a máscara mais rápido nos últimos dois anos do que na década anterior. É mais do que provável que eles entendam até certo ponto que, se forem muito lentos, o público terá tempo para montar uma defesa contra eles.

Eles vão conjurar todos os tipos de distrações e bodes expiatórios para evitar que as pessoas que pensam na liberdade revidem. Eles vão nos apontar para a Rússia, eles vão nos apontar para a China, eles vão nos apontar para idiotas úteis entre os esquerdistas. Eles vão apontar a Rússia, a China e os esquerdistas para nós. Eles vão tentar nos mandar para a guerra, vão nos chamar de rebeldes, vão nos chamar de terroristas, vão dizer que começamos todo o colapso e que somos culpados pelos males do mundo. Nada disso importa. O que importa é que os globalistas no topo paguem o preço pelos danos que causam.

Quando a cabeça da cobra for removida, só então podemos descobrir quem é o culpado; quem eram os heróis, quem eram os vilões e quem eram os idiotas. Só então podemos reconstruir com a verdadeira liberdade de pensamento.

 

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. Pelo jeito, esses filmes antigos que diziam que um dia o mundo seria dominado por sindicatos corporativistas poderosos não estão tão errados. A questão é mais que nós, a ralé, nunca estivemos muito bem informados sobre o que acontece no “fundo”, isso é, nas sociedades elitistas, formadas por todo tipo de narcisistas e indivíduos ansiosos por poder e controle social. Eles planejam todo tipo de coisa maléfica que muitos nem acreditariam nem mesmo vendo os fatos pessoalmente, e os poucos que tentam avisar o populacho sobre isso são chamados de meros teoristas de conspirações.

  2. o bitcoin é a maior ameaça a eles. por isso estão tirando as máscaras em tão pouco tempo…pena que a maioria dos policiais são emburrecidos e não burros….
    eu disse aos conhecidos que assim que o estado for ameaçado de existir, ele se debaterá muito ainda, levando consigo muitas vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.