O complexo de culpa

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

A selfie é talvez o artefato cultural definidor de nosso tempo. Eu e a Monalisa, Eu e as pirâmides, Eu e o Coliseu, com ênfase no Eu, é claro; pelo menos o COVID-19 pôs fim a tudo isso por um tempo, bem como às arengas públicas da pequena Greta, que de alguma forma conseguem combinar as qualidades do zumbi e do histérico. Infelizmente, tudo isso pode voltar.

Às vezes, lê-se a respeito de uma pessoa que foi tirar uma selfie e morreu na queda de um precipício porque estava tentando obter uma imagem melhor de si mesma. Sei que em teoria a morte acidental é algo trágico e lamentável, mas não estaria dizendo a verdade se negasse que não experimentei um arrepio de prazer ao ler sobre tal morte, ou seja, de um martírio pela egolatria.

Curiosamente, o melhor comentário sobre selfies que já vi foi uma charge no jornal de língua inglesa do Bahrein. Um jovem estava tirando uma selfie ao lado do cadáver em um caixão aberto pouco antes do funeral. Se não fosse um paradoxo, eu diria que a superficialidade não poderia ir mais fundo.

Tenho aversão a tirar fotos minhas, ainda mais se forem selfies. Não por uma modéstia louvável; pelo contrário, é por uma outra manifestação de vaidade, embora uma negativa. Até ver uma fotografia minha, posso pensar que sou mais bonito do que sou e fico alarmado com a minha aparência real. É a mesma coisa com falar em público (o que raramente faço): acredito, enquanto falo, que não pareço tão ruim. Então eu ouço a gravação e penso: “Quem é esse bufão pomposo?” Não, selfies não são para mim.

Mas a pose e a postura tornaram-se um fenômeno de massa, a tatuagem de nosso tempo. Talvez isso seja ainda mais  verdadeiro na moralidade dos justiceiros sociais contemporâneos. Considerando que não faz muito tempo que os jovens das classes médias procuravam expressar sua simpatia pelas classes inferiores e supostamente oprimidas imitando suas tatuagens e modo de vestir, sendo a imitação a forma mais elevada de empatia disponível para os egoístas, eles agora expressam o mesmo desejo ao fazer da justiça social o critério de sua moralidade. Eles pensam que estão se rebelando quando, é claro, estão se conformando. Eles não percebem que é mais difícil e mais corajoso contradizer um amigo do que criticar uma sociedade.

A visão de jovens de classe média ajoelhando-se – uma expressão com a qual agora estamos lamentavelmente familiarizados – e erguendo as mãos como se estivessem prestes a levar um tiro, me enoja. É o mesmo tipo de sensibilidade falsa, se é que é essa a palavra, que encoraja as pessoas a usarem jeans rasgados com cuidado, como se, ao fazer isso, estivessem expressando solidariedade para com os pobres. Em vez da devida gratidão por poderem comprar comida e roupas decentes, graças aos esforços de todas as gerações anteriores, eles preferem fingir que sentem culpa. Se alguma coisa foi institucionalizada, não é o racismo, mas a culpa, embora uma culpa de um tipo peculiar, substituto e desonesto.

A culpa é uma resposta apropriada às próprias más ações ou omissões, e seu nível deve ser proporcional à má ação ou omissão. Por exemplo, outro dia desliguei o telefone na cara de alguém que ligou para me vender alguma coisa. Isso foi rude da minha parte, e não houve motivo para grosseria. A mulher estava apenas fazendo seu trabalho, do qual acho improvável que ela estivesse gostando, muito menos ganhando bem. O inconveniente para mim de sua ligação foi muito leve. Minha rudeza provavelmente tornou o dia dela um pouco pior do que deveria ter sido. Eu poderia, com muito pouco esforço, agradecê-la, mas disse que não estava interessado no que ela estava tentando vender.

Claramente, não seria razoável da minha parte ser consumido pela culpa depois disso, ou me revirar à noite pensando nisso. (A culpa desproporcional é um vício, uma manifestação do pecado do Orgulho.) Mesmo assim, senti uma pequena pontada de culpa e resolvi ser mais educado da próxima vez; embora em minha própria defesa, devo acrescentar que normalmente sou razoavelmente educado em tais circunstâncias. Outro dia, por exemplo, recebi pela primeira vez um telefonema de televenda evangélica, sendo a salvação o produto em oferta, e até bati um papo gostoso com a vendedora.

Embora eu sinta culpa por minhas próprias ações ruins ou omissões, os tipos de coisas que estão sob meu controle direto, não sinto culpa por minha própria vida ter sido comparativamente afortunada, provavelmente mais afortunada do que a da maioria da humanidade. Pelo contrário, sinto gratidão, ou talvez, mais precisamente, devo dizer alegria. Sinto tristeza pelos infelizes, mas não sinto culpa por eles, pois não sou responsável por suas tristezas. É verdade que não fiz nada para merecer as oportunidades que tive, mas também não fiz nada para não merecê-las. Eu peguei o mundo como o encontrei e sentir-me culpado por minha relativa boa sorte seria um sinal não de sensibilidade moral ou virtude, mas de grandiosidade moral. A grandiosidade moral provavelmente causou mais danos ao mundo do que a indiferença, na medida em que não reconhece limites ao seu poder de criar um mundo supostamente melhor.

Uma postura moral poderia dizer que um mundo em que os seres humanos são reduzidos a televendas é terrível. Televendas não deveriam existir e, portanto, como alguém reage a uma mulher de televendas não é importante ou irrelevante. É mais importante trabalhar pela abolição do próprio trabalho do que ser educado com aqueles que o fazem.

Mas, embora os bons efeitos de ser educado sejam certos, os efeitos da abolição das televendas não são. Na verdade, eles são inerentemente incertos, pois tais medidas, se tomadas, sempre têm consequências imprevistas e não intencionais. No entanto, os posers e postuladores preferem se concentrar em problemas distantes porque não exigem nada deles, exceto a expressão das opiniões corretas e, às vezes, um protesto, demonstração ou mesmo tumulto, o que é claro é um prazer e não uma disciplina, considerando que agir virtuosamente é uma disciplina.

 

Artigo original aqui.