O conflito entre o Ocidente e a Rússia é religioso  

0

A guerra atualmente em andamento na Ucrânia – que coloca a Ucrânia como um representante do Ocidente coletivo contra a Rússia – é principalmente ideológica ou religiosa, com a Rússia representando o que resta da Europa cristã e “o Ocidente” representando uma ideologia totalitária que abomina a religião em geral e o cristianismo em particular. Essa afirmação pode soar estranha, dado o fato de que alguns ocidentais – embora menos a cada dia – ainda veem “o Ocidente” (basicamente a Europa e a América do Norte) como cristão e a Rússia como comunista ou criptocomunista. Mas este não é mais o caso, e não tem sido por um tempo considerável. De fato, os trinta anos que se passaram desde a queda do Muro de Berlim e o fim da União Soviética, viram uma completa inversão de papéis; o Ocidente coletivo é agora um bloco de poder totalitário e agressivamente antirreligioso que busca exportar sua ideologia anticristã e anti-humana para o resto do mundo. E a Rússia é odiada pela elite dominante do Ocidente precisamente porque resistiu a esse processo e, além disso, foi na direção oposta: tendo sido um proponente ativo do “materialismo científico” e do ateísmo, a Rússia voltou às suas raízes cristãs ortodoxas e reverteu as políticas e atitudes mais perniciosas da era soviética.

Para demonstrar a verdade disso, precisamos olhar para a história da Rússia e sua interação com o Ocidente desde o início dos anos 1990.

Em 1991, quando a União Soviética foi oficialmente abolida, ficou claro que o Ocidente havia vencido a Guerra Fria. A própria Rússia, sob seu novo presidente Boris Yeltsin, proclamou abertamente o fim de todas as hostilidades. Os satélites da Rússia na Europa Oriental foram autorizados a seguir seu próprio caminho, e as repúblicas autônomas dentro da União Soviética foram autorizadas a se declararem países independentes. O antigo sistema soviético de propriedade estatal foi oficialmente abolido e quase tudo foi privatizado. A imprensa e a mídia em geral ficaram livres de toda censura e agora podiam dizer o que quisessem. A Rússia sob Yeltsin estendeu a mão da amizade ao Ocidente – um gesto que não foi correspondido e, em última análise, foi esnobado pelo Ocidente.

A euforia de 1991 logo cedeu e a década de 1990 acabou sendo uma década catastrófica para a Rússia e seu povo. Em primeiro lugar, a política de privatização revelou-se desastrosa. Foi aprovada uma lei que proibia estrangeiros de comprar serviços e indústrias russas; apenas os russos poderiam fazê-lo. Infelizmente, ninguém na Rússia, até então um país comunista, tinha dinheiro. No entanto, certos grupos dentro do país – principalmente judeus étnicos – tinham conexões importantes e ricas no exterior. Estes organizaram o envio de fundos para a Rússia com o objetivo de comprar as indústrias estatais do país. Desesperado por quaisquer dólares e euros que pudesse colocar em suas mãos, o governo Yeltsin vendeu essas indústrias por uma pequena fração de seu valor real. (Os recursos naturais da Rússia por si só a tornam potencialmente um dos países mais ricos do planeta). Os compradores dessas indústrias tornaram-se os notórios “oligarcas”, que saquearam sistematicamente o país por quase dez anos, no que foi descrito como o maior saque da história. Em vez de reinvestir parte dos lucros nos negócios, os oligarcas exportaram quase todos os lucros, empobrecendo tanto seus funcionários quanto o país em geral. O resultado foi que grandes segmentos da população começaram a passar por severas dificuldades. Muitos chegaram perto da fome e muitos morreram de hipotermia durante os rigorosos invernos russos. Alguns funcionários públicos eram pagos com repolho, e estima-se que a Rússia tenha sofrido mais de cinco milhões de mortes a mais entre 1991 e 2000. A maioria delas foi causada por doenças simples como a gripe, que evoluiu para pneumonia por falta de fundos para comprar um antibiótico. Mas as mortes por todas as causas, incluindo assassinato, suicídio, alcoolismo e dependência de drogas, dispararam. A Rússia era um país desmoronando, e a população começou a despencar.

Durante este tempo, um movimento de independência da Chechênia, estimulado por fundos da Arábia Saudita e (supostamente) do Ocidente, lançou uma campanha violenta contra as autoridades russas. Seguiu-se uma guerra selvagem, que custou dezenas de milhares de vidas e acabou resultando em 1997 no reconhecimento de Yeltsin de uma Chechênia semi-independente. Movimentos de independência começaram a aparecer em outras regiões autônomas e ficou claro que a própria Rússia estava à beira da desintegração.

Durante tudo isso, a atitude do Ocidente, ou daqueles que controlam o Ocidente, foi marcante. A mídia ocidental, naquela época nas mãos de algumas megacorporações, praticamente não conseguia esconder a felicidade ao relatar o trauma da Rússia. Em seu sofrimento, o povo russo tornou-se o alvo da shadenfreude do Ocidente. E deve-se ter em mente que foi precisamente na década de 1990 que as corporações americanas começaram a “terceirização” maciça de suas indústrias para outros locais menos dispendiosos. Fábricas inteiras, juntamente com suas máquinas e tecnologia, foram exportadas em massa, principalmente para a China. Quase nada foi para a Rússia. Isso apesar do fato de a China continuar sendo um país comunista e, de fato, totalitário. Nem mesmo o massacre da Praça Tiananmen (1989) e a subsequente repressão brutal conseguiram deter o entusiasmo da plutocracia americana pela exportação de trabalho e negócios. Assim, a Rússia, que estendeu a mão amiga ao Ocidente e permitiu que os povos subjugados fossem livres, continuou a ser tratada como inimiga e foi efetivamente saqueada pelos interesses ocidentais, enquanto a China, que não fez tal coisa, passou a ser tratada como um parceiro comercial e de negócios favorito. Como explicar uma disparidade tão surpreendente?

Parece não haver outra explicação lógica além de assumir uma antipatia cultural/religiosa subjacente em relação à Rússia e seu povo por parte de um segmento muito grande da plutocracia dominante do Ocidente. Sugiro que este é o caso, e é a religião da Rússia que está na raiz disso.

Durante a era comunista, o cristianismo foi suprimido na Rússia e em todo o bloco soviético. Na pior das hipóteses, sob Lenin e Stalin, o regime comunista massacrou milhões de cristãos. As vítimas eram principalmente ortodoxas, mas os cristãos de todas as denominações sofreram. Mesmo após a morte de Stalin e na década de 1980, a religião continuou a ser perseguida. Todas as crianças eram obrigadas a frequentar aulas de ateísmo, durante as quais o cristianismo e a fé religiosa em geral eram ridicularizados. No final do comunismo, a Igreja Ortodoxa era uma pequena fração remanescente do que havia sido sob os czares, mas isso logo começou a mudar. As dificuldades geraram um reavivamento espiritual; em meados da década de 1990, a Igreja Ortodoxa Russa, assim como outros ramos do cristianismo, começou a experimentar um crescimento notável. Só na primeira década do século XXI, e na presidência de Vladimir Putin, é que este movimento se tornou realmente significativo.

Putin ocupava uma posição de alto escalão no governo Yeltsin e, sem dúvida, era visto pelos oligarcas, na época os verdadeiros governantes da Rússia, como um par de mãos seguras nas quais se podia confiar para continuar as políticas que lhes permitiram saquear o país por quase uma década. Foi nomeado primeiro-ministro em 9 de agosto 1999 e, apenas quatro meses depois, em dezembro, presidente interino da Rússia, após a inesperada renúncia de Boris Yeltsin. A eleição presidencial de 20 de março de 2000 foi facilmente vencida por Putin com 53% dos votos. Uma razão para a popularidade de Putin foi que ele foi visto como um líder forte durante a Segunda Guerra da Chechênia, que começou em 7 de agosto de 1999, apenas dois dias antes de sua nomeação como primeiro-ministro. A guerra terminou em abril de 2000, com a Chechênia novamente como parte da Federação Russa, uma vitória que aumentou a reputação de Putin como um homem forte, disposto e capaz de restaurar a estabilidade e fazer cumprir a lei.

Nos cinco anos seguintes, Putin mostrou que os plutocratas governantes estavam muito enganados se o imaginavam sob seu controle e como parte de sua equipe. Pelo contrário, o novo presidente começou a quebrar seu poder. A década seguinte testemunhou uma série de casos e julgamentos legais que deixaram alguns dos oligarcas na prisão e outros forçados a pagar uma compensação substancial. Outros, sem dúvida os mais criminosos, fugiram do país e seus bens foram confiscados. A quebra do poder dos oligarcas, juntamente com o da “máfia russa” que impunha seu domínio corrupto, começou a restaurar alguma forma de normalidade.

Em paralelo com suas reformas econômicas, Putin supervisionou um renascimento da fé ortodoxa russa. Em um ato carregado de significado simbólico, ele fez uma visita ao grande assentamento monástico ortodoxo do Monte Athos, na Grécia, em 2001, com apenas um ano de sua presidência. Embora esta tentativa tenha que ser sido abortada devido a uma tempestade que aterrou seu helicóptero, e uma segunda tentativa em 2004 similarmente abortada quando ele teve que retornar à Rússia para lidar com o cerco da Escola de Beslan, ele finalmente chegou à Montanha Sagrada em 2005. Lá ele estabeleceu um vínculo com os monges que transformou sua comunidade e impactou a vida dos russos comuns. Um grande programa de construção de igrejas começou, e o número de frequentadores da igreja começou a crescer. Putin deixou claro que considerava a Ortodoxia como a religião nacional da Rússia e a Igreja recebeu uma posição legal favorecida. E tais gestos simbólicos foram apoiados por uma nova legislação que começou a transformar a sociedade russa: as leis de aborto do país, até então algumas das mais liberais do mundo, foram endurecidas. Em outubro de 2011, o Parlamento russo aprovou uma lei restringindo o aborto às primeiras 12 semanas de gravidez, com exceção de até 22 semanas se a gravidez fosse resultado de estupro. A nova lei também tornou obrigatório um período de espera de dois a sete dias antes que um aborto pudesse ser realizado, para permitir que a mulher “reconsiderasse sua decisão”.

Durante esse período, a imagem da Rússia na mídia ocidental passou de condescendência para hostilidade total. Já em 2005, os estudiosos Ira Straus e Edward Lozansky observaram uma cobertura negativa pronunciada da Rússia na mídia dos EUA, contrastando o sentimento negativo da mídia com o sentimento amplamente positivo do público americano e do governo dos EUA. À medida que a Rússia exibia sinais crescentes de um renascimento cristão, as reportagens da mídia no Ocidente tornaram-se cada vez mais hostis. Só raramente, porém, os jornalistas atacaram abertamente a Rússia por sua “cristianização”; normalmente, os colunistas, conscientes do fato de que um grande número de pessoas no Ocidente continuavam a se descrever como cristãos, retratavam seus comentários anti-russos como resultado da “agressão”, “corrupção” ou “falta de democracia” da Rússia. No entanto, tudo isso mudou com a nova lei do aborto de 2011. Neste ponto, os ataques contra a Rússia tornaram-se explicitamente ideológicos. Os russos, nos disseram, estavam oprimindo as mulheres e dando as costas ao “progresso”.

Não foi até 2013, no entanto, que a retórica anti-russa se tornou hiperbólica. Naquele ano, o parlamento russo aprovou a chamada lei de “Propaganda Gay”. O projeto de lei, descrito como “Protegendo Crianças de Informações Prejudiciais à sua Saúde e Desenvolvimento”, proibiu explicitamente as paradas do Orgulho Gay, bem como outras formas de material LGBT, como livros e panfletos, que tentavam normalizar a homossexualidade e influenciar as crianças em suas atitudes em relação à homossexualidade. Na verdade, desde cerca de 2006, muitos distritos na Rússia impuseram suas próprias proibições locais a esse material, embora essas regras não tivessem poder fora de sua própria jurisdição. O projeto de lei, que foi sancionado por Putin em 30 de junho de 2013, foi extremamente popular e foi aprovado no Parlamento russo por unanimidade, com apenas uma abstenção. Mas o impacto sobre a nomenklatura, que forma os guardiões da opinião aceitável, foi imediato. Quase por unanimidade, os meios de comunicação ocidentais começaram a comparar Putin com Adolf Hitler; ele era um “bandido”, um “fascista”, um “assassino”. Entre acessos de raiva, ele se tornou o alvo de uma sátira mordaz. Ele foi escalado para o papel de um vilão caricatural de James Bond, rotineiramente assassinando e torturando aqueles de quem ele guardava rancor. Há até evidências, reconhecidamente um tanto circunstanciais, de que órgãos de inteligência ocidentais, como a CIA e o MI5, se envolveram ativamente na propaganda anti-russa.

O efeito desse dilúvio de demonização sobre os ocidentais comuns logo começou a aparecer: enquanto em 2006 apenas 1% dos americanos listavam a Rússia como “o pior inimigo dos EUA” em 2019, 32% dos americanos, incluindo 44% dos eleitores democratas, compartilhavam dessa visão. No entanto, apenas 28% dos republicanos concordaram; uma notável inversão de opinião. Durante a Guerra Fria, os eleitores republicanos, tradicionalmente o elemento mais religioso e nacionalista da divisão política americana, viam os russos como a maior ameaça; agora eram os democratas, menos religiosos ou não religiosos (e mais pró-LGBT) que mantinham essa opinião.

Mas as elites ocidentais não limitaram seus esforços a editoriais irados no London Times ou no Washington Post: as sanções econômicas começaram agora a ser discutidas. Houve apelos imediatos para boicotar os Jogos Olímpicos de Inverno, realizados em fevereiro de 2014 em Sochi, na Rússia. Embora o apelo ao boicote tenha sido geralmente resistido por atletas, muitos políticos ocidentais se recusaram a comparecer, e a temperatura russofóbica na mídia ocidental aumentou. E as coisas estavam prestes a ficar muito piores.

Em 2010, Viktor Yanukovych, natural de Donetsk, de língua russa, foi eleito presidente da Ucrânia, derrotando a primeira-ministra Yuliya Tymoshenko, no que foi considerado por observadores internacionais como uma eleição livre e justa. Em novembro de 2013, Yanukovych atrasou a assinatura de um acordo de associação da União Europeia pendente, alegando que seu governo desejava manter laços econômicos com a Rússia, bem como com a União Europeia. De fato, a Rússia havia oferecido um resgate de empréstimo mais favorável do que a União Europeia estava preparada para oferecer. Isso levou a protestos e à ocupação da Praça da Independência de Kiev, uma série de eventos apelidados de “o Euromaidan” por aqueles a favor do alinhamento da Ucrânia com a União Europeia. Embora às vezes parecesse que os protestos iriam fracassar, não há dúvida de que quase desde o início houve um esforço conjunto por parte dos políticos ocidentais para mantê-los. A partir do início de dezembro, vários políticos de Berlim e Bruxelas fizeram viagens para “elevar o moral” à praça, e estas foram seguidas, em 15 de dezembro, pela chegada dos senadores americanos John McCain e Chris Murphy. Para a multidão reunida, McCain anunciou que “estamos aqui para apoiar sua justa causa”. Os russos, por sua vez, condenaram a “intromissão grosseira” dos EUA nos assuntos da Ucrânia.

Victoria Nuland, então Secretária de Estado Adjunta para Assuntos Europeus e Eurasianos no governo Obama, chegou à Ucrânia pouco depois e imediatamente começou a atiçar as chamas de uma situação já volátil. Em discurso após discurso, ela prometeu aos manifestantes e desordeiros que os EUA estavam por trás deles. O resultado foi que, no início de fevereiro de 2014, a Ucrânia parecia estar à beira de uma guerra civil; violentos confrontos entre manifestantes antigovernamentais e a polícia deixaram muitos mortos e feridos. Temendo por sua vida, em 21 de fevereiro Yanukovych fugiu da capital, viajando inicialmente para a Crimeia e, finalmente, para a Rússia. Um novo governo interino, escolhido a dedo por Nuland, e virulentamente anti-russo, foi imediatamente instalado em Kiev.

Ao considerar as ações dos EUA e do Ocidente coletivo neste momento, temos que lembrar que a Ucrânia era e é uma sociedade profundamente dividida. Metade do país, aproximadamente o norte e o oeste, se considera ucraniano e é historicamente antagônico em relação à Rússia. A outra metade, predominantemente sul e leste, é pró-russa e se vê simultaneamente ucraniana e russa. Uma olhada no mapa eleitoral do país demonstra essa divisão da maneira mais gráfica, pois foi a parte russa do país, o sul e o leste, que colocou Yanukovych no poder de forma esmagadora. Ao apoiar uma derrubada violenta deste último, o governo americano deliberadamente jogou seu peso atrás da metade anti-russa da população. E é impossível acreditar que a elite política em Washington não entendeu o que estava fazendo. Eles tinham que saber que estavam tornando a luta civil – se não a guerra civil total – uma certeza absoluta.

A guerra civil não tardou. Como as turbas antigovernamentais em Kiev estavam no processo de expulsar Yanukovych, grandes protestos contra o golpe começaram a ocorrer no sul e no leste. A Crimeia, que era majoritariamente russa e só havia sido transferida para a jurisdição de Kiev em 1954 por Khruschev, realizou um referendo, resultando em 97% dos votos pela reunião com a Rússia. Putin, enfurecido com as ações americanas em Kiev, aceitou o resultado da votação e anunciou formalmente o retorno da Crimeia à Federação Russa. Simultaneamente a isso, cidades e vilas em todo o sul e leste do país viram protestos massivos “anti-Maidan”, com muitas pessoas pedindo a secessão da Ucrânia e a união com a Rússia. O novo regime nomeado por Washington em Kiev reagiu com força. Quarenta e sete manifestantes pró-Rússia em Odessa foram sitiados no prédio do Sindicato da cidade e queimados até a morte por uma multidão neonazista. Vendo como as coisas estavam indo, as províncias etnicamente russas (“Oblasts”) de Lugansk e Donetsk declararam independência e se prepararam para se defender. Isso rapidamente se transformou em uma guerra em grande escala e, nos dois anos seguintes, cerca de 14.000 pessoas, principalmente civis de etnia russa, morreram, enquanto o governo de Kiev lutava para devolver as duas províncias à Ucrânia.

Os combates em Lugansk e Donetsk (o “Donbas”) diminuíram após a assinatura do chamado Acordo Minsk 2 em 2015. Este acordo, intermediado pela Rússia, os EUA e a ONU, proporcionou um grau de autonomia para as duas províncias separatistas, bem como reconhecimento e respeito por sua língua e cultura russas. O acordo também pedia a suspensão imediata de todas as ações militares.

Se o acordo de Minsk tivesse sido totalmente implementado, é bem possível que todas as hostilidades tivessem terminado, mas esse nunca foi o caso. O novo governo de Kiev, que desde maio de 2014 foi chefiado por Petro Poroshenko, não fez qualquer tentativa de cumprir as disposições do Acordo. Pelo contrário, a língua russa, até então uma das línguas oficiais da Ucrânia, foi rebaixada e a cultura russa em geral denegrida. Pior ainda, nenhum dos que cometeram assassinato em Odessa e em outros lugares foi levado à justiça, e as milícias neonazistas responsáveis ​​por essas atrocidades foram realmente integradas ao exército ucraniano. Pior de tudo, o bombardeio esporádico de alvos civis em Lugansk e Donetsk continuou – pelos próximos seis anos.

Repetindo; o “Ocidente” coletivo não poderia ignorar os perigos de sua interferência nos assuntos da Ucrânia. Este era um país profundamente dividido; intervir em nome de uma parte do país em detrimento da outra não poderia deixar de aprofundar as divisões e, em última análise, causar a desintegração do Estado. Que o Ocidente tenha ficado do lado da metade anti-russa da população estava inteiramente em harmonia com o tom cada vez mais histérico da retórica anti-russa na mídia ocidental nos anos que antecederam a Revolução Maidan. E podemos aceitar com uma pitada de sal a ideia de que Nuland e o governo Obama estavam preocupados com a “corrupção” no regime de Yanukovych: os EUA são e sempre estiveram em termos muito amigáveis ​​com governos muito mais corruptos, violentos e totalitários do que os de Yanukovich.

Eu sugeriria que a verdadeira razão, ou certamente uma razão extremamente importante, embora tácita, para a missão de Nuland foi que o pivô de Yanukovych em direção à Rússia foi visto pelo establishment “woke” em Washington como um sinal de que a Ucrânia seguiria a Rússia para adotar uma cultura social cada vez mais amigável a cristã; uma que os “esquerdistas” e “progressistas” em Washington desprezavam. Devemos notar também que uma das primeiras ações de Poroshenko como Presidente da Ucrânia foi fornecer cargos para a Open Society Foundation de George Soros e, simultaneamente, apoiar o estabelecimento de contribuições LGBT no sistema educacional. As paradas de “orgulho” gay tornaram-se uma característica regular da vida em Kiev, onde, embora claramente impopulares para a grande maioria da população, recebiam apoio e proteção maciços das forças de segurança.

 

 

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.