O Deep State, a Igreja e a tirania da pseudo-pandemia Covid

1
Tempo estimado de leitura: 13 minutos

[Entrevista concedida por Sua Excelência o Arcebispo Carlo Maria Viganò a “Deutsche Wirtschaftsnachrichten”]

Deutsche Wirtschaftsnachrichten: Excelência, como você está vivendo pessoalmente a crise do vírus Corona?

Arcebispo C. M. Viganò: Minha idade, meu status como arcebispo e meu hábito de uma vida reclusa talvez não representem o que a maioria das pessoas está passando; no entanto, já faz um ano que eu mesmo não posso viajar, visitar pessoas que precisam de uma palavra de conforto. Perante uma verdadeira pandemia, não teria problemas em aceitar de boa vontade as decisões das autoridades civis e eclesiásticas, porque reconheceria o seu desejo de proteger as pessoas do contágio. Mas, para que haja uma pandemia, é necessário, antes de mais nada, isolar o vírus; requer que o vírus seja grave e que não seja possível curá-lo prontamente; requer que as vítimas do vírus representem um grande segmento da população. Em vez disso, sabemos que o SARS-CoV-2 nunca foi isolado, mas apenas sequenciado; que pode ser curado com o tempo, usando os tratamentos disponíveis, e que, em vez disso, a OMS e as autoridades locais de saúde boicotaram tais tratamentos impondo protocolos absurdos e vacinas experimentais; que o número de pessoas falecidas em 2020 está absolutamente alinhado com a média do número de pessoas falecidas nos anos anteriores. Esses dados são agora admitidos pela comunidade científica, embora a mídia permaneça conspiratoriamente silenciosa sobre eles.

O que testemunhamos é um plano nada científico e que deve despertar a indignação universal. Sabemos, pela admissão dos envolvidos, que esta pseudo-pandemia foi planejada durante anos, principalmente pelo enfraquecimento dos sistemas nacionais de saúde e dos planos pandêmicos. Sabemos que se seguiu um roteiro muito específico que foi concebido para dar a mesma resposta em todos os países e agilizar diagnósticos, hospitalizações, tratamentos e, sobretudo, medidas de contenção e informação aos cidadãos a nível global. Há uma diretoria que continua administrando a COVID-19 com o único propósito de impor limitações à força às liberdades naturais, direitos constitucionais, livre iniciativa e trabalho.

O problema não é o COVID em si, mas o aproveitamento do ocorrido para realizar o Grande Reinício que o Fórum Econômico Mundial anunciou há algum tempo e que hoje está sendo implementada ponto a ponto, com o intuito de tornar inevitáveis mudanças inevitáveis ​​que, de outra forma, seriam rejeitadas e condenadas pela maioria da população. Já que a democracia, cujos elogios foram cantados desde que controlada graças à influência da mídia, não teria permitido esse projeto de engenharia social almejado pela elite globalista, a ameaça de uma pandemia era necessária – apresentada como devastadora pela grande mídia – para convencer a população global a passar por quarentenas e lockdowns – ou seja, prisão domiciliar real – o cancelamento das atividades, a suspensão das aulas escolares e até a proibição da missa; e tudo isso foi obtido com a cumplicidade de todos os envolvidos, em particular dos dirigentes políticos, dos funcionários da saúde e até da própria hierarquia eclesiástica.

Os danos resultantes, ainda em curso, foram enormes e, em muitos casos, irreparáveis. Sinto um tormento indescritível ao pensar nas consequências devastadoras da forma como esta pandemia foi gerida: famílias destruídas, crianças e jovens afetados no seu equilíbrio psicofísico e privados do seu direito à socialização, idosos abandonados a morrer sozinhos em asilos, pacientes com câncer e doenças graves completamente abandonados, empresários forçados à falência, aos fiéis foram negaram os sacramentos e a possibilidade de ir à missa …. Mas esses são os efeitos de uma guerra, não de uma síndrome de gripe sazonal que, se tratada com o tempo, tem uma taxa de sobrevivência de 99,7% naqueles não afetados por uma condição anterior. E é significativo que, nesta corrida louca para o abismo, os princípios básicos de uma vida sã também sejam ignorados para enfraquecer o nosso sistema imunológico: estamos confinados em casa, somos mantidos longe da luz do sol e do ar fresco, para que possamos sofrer passivamente o terrorismo midiático da televisão.

Com que severidade serão julgados aqueles que intencionalmente proibiram o tratamento e prescreveram protocolos flagrantemente errôneos para obter um número de mortes que legitimariam o alarme social e medidas de contenção absurdas? Que castigo espera aqueles que criaram deliberadamente as condições para uma crise econômica e social global para destruir as pequenas e médias empresas e fazer crescer as multinacionais; que boicotou ou proibiu curas disponíveis para favorecer as empresas farmacêuticas; que apresentaram soros de genes como vacinas, submetendo a população a aplicação de um experimento com resultados e efeitos colaterais ainda desconhecidos que são certamente mais sérios do que os sintomas da COVID; quem favoreceu a narrativa apocalíptica nas cadeiras do Parlamento e nas redações da mídia? E os níveis mais altos da Hierarquia Católica que foram cúmplices desta farsa grotesca: como se justificarão diante de Deus, quando aparecerem em Sua presença para serem julgados?

Deutsche Wirtschaftsnachrichten: Em uma carta que você enviou ao então Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, você aludiu não apenas a um “Estado Profundo” (Deep State) – um termo que se tornou amplamente utilizado – mas também a uma “Igreja Profunda” (Deep Church). Você pode explicar isso?

Dom C. M. Viganò: A expressão “estado profundo” transmite muito bem a ideia de um poder paralelo, privado de legitimidade, mas que opera na vida pública em prol de interesses particulares. O estado profundo promove a vantagem da elite contra o bem comum que o estado tem o dever de promover. Do mesmo modo, não podemos deixar de reconhecer que nas últimas décadas se consolidou na esfera eclesial um poder semelhante, que denominei de igreja profunda, que contrapõe a busca de seus próprios interesses aos propósitos da Igreja dO próprio Cristo, antes de mais nada, a salus animarum.

Deste modo, assim como nos negócios públicos existem poderes ocultos que orientam as decisões dos governos e seguem a agenda globalista, na Igreja Católica existe um lobby muito poderoso que usurpa a autoridade da Hierarquia com os mesmos fins. Em essência, tanto o Estado quanto a Igreja estão ocupados por um poder ilegítimo que tem sua destruição e o estabelecimento da Nova Ordem Mundial como objetivo final. E não estamos falando de teorias de conspiração ou fantasia política: é comprovado pelo que acontece bem diante de nossos olhos, a tal ponto que o Secretário-Geral das Nações Unidas afirmou recentemente que o vírus foi usado para suprimir dissidentes.

Deutsche Wirtschaftsnachrichten: Até que ponto há sobreposição entre o estado profundo e a igreja profunda, pelo menos no mundo ocidental?

Arcebispo C. M. Viganò: A sobreposição entre o estado profundo e a igreja profunda ocorre em várias frentes. A primeira é, sem dúvida, a nível ideológico: a matriz revolucionária, anticatólica e essencialmente maçônica do pensamento globalista é a mesma, e não apenas a partir de 2013. Para ser sincero, bastaria considerar a significativa concomitância temporal entre a celebração do Concílio Ecumênico Vaticano II e o nascimento do chamado Movimento Estudantil: o “aggiornamento” doutrinal e litúrgico representou um impulso propulsor para as novas gerações com repercussões imediatas na esfera social e política.

A segunda frente está na dinâmica interna do estado profundo e da igreja profunda: ambas contam entre seus membros com pessoas que são desviantes, não apenas intelectual e espiritualmente, mas também moralmente. Os escândalos sexuais e financeiros que envolveram membros de alto escalão da política e das instituições e também da hierarquia católica demonstram que a corrupção e o vício são, por um lado, um elemento que os une e, por outro, um efetivo dissuasor, pela razão da chantagem comum a que todos estão sujeitos. As perversões de políticos e prelados notáveis ​​os forçam a obedecer à agenda globalista, mesmo quando sua colaboração parece irracional, imprudente ou contrária aos interesses dos cidadãos e dos fiéis. É por isso que existem governantes que, por ordem da elite, destroem a economia e o tecido social de sua nação; por isso, espetacularmente, cardeais e bispos que propagam a teoria do gênero e o falso ecumenismo, escandalizando os católicos: ambos cumprem os interesses de seu senhor, traindo sua missão de serviço à nação ou à Igreja.

Por outro lado, o plano para o estabelecimento da Nova Ordem Mundial não pode deixar incluir uma religião universal de inspiração maçônica, à frente da qual deve haver um líder religioso ecumênico, pauperista, ecológico e progressista. Quem seria mais adequado para esse papel do que Bergoglio para esse papel, recebendo os aplausos da elite e o entusiasmo tolo das massas doutrinadas no culto idólatra do pachamama?

Deutsche Wirtschaftsnachrichten: Que evidências ou indicações existem para isso?

Dom C. M. Viganò: Acho que a demonstração mais clara ocorreu precisamente em conjunção com a pandemia. A prostração dos mais altos escalões da Hierarquia ante a gestão insana da emergência COVID – uma emergência provocada astutamente e descaradamente ampliada pela mídia de todo o mundo – chegou ao ponto de proibir as celebrações litúrgicas antes mesmo que a autoridade civil o solicitasse; a proibir a administração dos sacramentos até mesmo aos moribundos; para ratificar a narrativa dominante ativa com cerimônias surreais, repetindo ad nauseam todo o léxico da Novilíngua: resiliência, inclusividade, “nada será como antes”, novo Renascimento, Build Back Better e assim por diante; a promover como “dever moral” um soro genético produzido com material fetal oriundo de aborto, ainda em experimentação e cujos efeitos a longo prazo são desconhecidos. E não só isso: com o “Conselho para o Capitalismo Inclusivo” promovido por líderes globalistas – entre os quais se destaca Lady Lynn Forester de Rothschild – com a participação do Vaticano, foi dada a ratificação oficial ao Grande Reinício do Fórum Econômico Mundial, incluindo a renda universal e a transição ecológica. No Santa Marta também começam a falar de transumanismo, ignorando obstinadamente o caráter anticristão dessa ideologia para se mostrar obsequioso à ditadura do pensamento único. Tudo isso é horrível, e alguém se pergunta por quanto tempo mais o Senhor tolerará tal afronta de seus ministros.

Por outro lado, a insistência obsessiva no ecologismo malthusiano levou à nomeação de indivíduos notoriamente anticatólicos para a Pontifícia Academia para a Vida, defensores do declínio demográfico por meio da esterilização, do aborto e da eutanásia. Todos eles, sob a orientação de um prelado de comprovada fidelidade bergogliana, derrubaram completamente os objetivos da Academia fundada por João Paulo II, dando à ideologia dominante um apoio de autoridade e prestígio como aquele que, mesmo quando a usurpa, detém autoridade na Igreja Católica. Não é de estranhar que o professor Walter Ricciardi, um dos chamados “experts” que defendeu o lockdown na Itália e o uso de máscaras até o fim, na ausência de qualquer evidência científica de sua eficácia e contra as recomendações do OMS, foi recentemente adicionado como membro da Academia. Ontem chegou a notícia de que o mediador dos contratos de fornecimento chineses para a emergência da COVID na Itália, Mario Benotti, foi recomendado pelo cardeal Pietro Parolin, que pelas interceptações do judiciário parece ter intervindo também em outros assuntos em relação a Alessandro Profumo, CEO do Leonardo Spa [diretor administrativo], que segundo Benotti poderia ser substituído pelo comissário Domenico Arcuri.

Tudo isso revela a colaboração do estado profundo e da igreja profunda em uma combinação feia cujo propósito é destruir as soberanias nacionais por um lado e a missão divina da Igreja por outro. Conexões perturbadoras estão surgindo com a fraude eleitoral americana, com o vírus criado no laboratório de Wuhan e, finalmente, com as relações comerciais da ditadura chinesa, o principal fornecedor de máscaras (que não obedece às normas CE) para a Itália e muitos outros países. Parece-me que fomos muito além de meras suposições.

Deutsche Wirtschaftsnachrichten: Uma objeção daqueles que rejeitam algo como uma teoria da conspiração seria: Como é possível que em quase todos os países do mundo quase todos os políticos estejam participando desse jogo? Como eles poderiam ter tanto poder e influência a ponto de colocar meio mundo em isolamento?

Arcebispo C. M. Viganò: Responderei com um exemplo. A Igreja é uma instituição supranacional, presente em todo o mundo com dioceses, paróquias, comunidades, conventos, universidades, escolas e hospitais. Todas essas entidades recebem ordens da Santa Sé, e quando o Papa ordena uma oração ou um jejum, todos os católicos do mundo obedecem; se um dicastério da Cúria Romana dá diretrizes, todos os católicos do mundo as seguem. O controle é amplo e imediato, graças a uma estrutura hierárquica eficiente. O mesmo ocorre nas nações, delimitadas dentro das fronteiras nacionais: quando o legislador legisla, os órgãos responsáveis ​​executam as leis.

O estado profundo e a igreja profunda também operam de forma semelhante: ambos fazem uso de uma estrutura fortemente hierárquica, na qual o componente “democrático” está praticamente ausente. As ordens são dadas do alto e quem as recebe as executa imediatamente, sabendo que a desobediência pode levar ao fracasso profissional, à condenação social e, em certos casos, até à morte física. Essa obediência vem da chantagem: eu te promovo, te dou poder, te torno rico e famoso, mas em troca você deve fazer o que eu te digo para fazer. Se você obedece e mostra que é fiel, seu poder e suas riquezas aumentam; se você desobedecer, está acabado. Imagino que os leitores alemães pensem espontaneamente no Fausto de Goethe.

Os políticos que governam as nações hoje são todos, com raras exceções, parte do estado profundo. Do contrário, eles não estariam onde estão. Vamos pensar no caso das eleições presidenciais americanas no último dia 3 de novembro: como o presidente Trump não foi considerado alinhado com o pensamento predominante, decidiu-se destituí-lo com uma fraude eleitoral de proporções inéditas, contra a vontade do povo. Os processos judiciais em andamento nos Estados Unidos estão confirmando a fraude e a irregularidade, e nos próximos meses acredito que outras provas desse golpe surgirão, as quais, por coincidência, trouxeram à Casa Branca um católico progressista democrata que está perfeitamente alinhado com a agenda do Grande Reinício. Olhando mais de perto, a renúncia de Bento XVI e a eleição de Jorge Mario Bergoglio parecem responder à mesma dinâmica e ter sido orquestrada pelo mesmo lobby de poder.

Também na Alemanha, pelo que tenho ouvido, saem notícias que demonstram que os dados foram falsificados na gestão da pandemia de forma a legitimar a violação dos direitos dos cidadãos. E apesar do preocupante número de pessoas com efeitos colaterais adversos ou que morreram na sequência da chamada vacina, continua o tamborilar constante sobre a obrigação de se vacinar, embora agora seja evidente que isso não garanta imunidade e não o evitará a necessidade de distanciamento social nem a obrigação de usar máscaras.

Há razões para acreditar que a gestão da COVID se organizou sob uma única direção e com um único roteiro. Há poucos dias, o governador do estado de Nova York, Andrew Cuomo, admitiu ter recebido instruções para internar idosos em asilos – idosos que morreram em consequência de protocolos terapêuticos errôneos, intubados e forçados a respiradores – do Imperial College de Londres, financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates. E, coincidentemente, os patrocínios do “filantropo” americano envolvem diversas realidades nacionais – inclusive governos – que se encontram economicamente dependentes de uma pessoa particular que teoriza o despovoamento do planeta por meio de uma pandemia.

Você me pergunta: quem poderia ter tanto poder e tanta influência que seria capaz de colocar meio mundo em isolamento? Alguém que tem enormes recursos à sua disposição, como algumas personalidades conhecidas como Bill Gates e George Soros; alguém que seja capaz de financiar a própria OMS, dirigindo suas decisões e obtendo lucros altíssimos, já que também é acionista das empresas farmacêuticas.

Deutsche Wirtschaftsnachrichten: Em sua carta aberta ao então presidente Donald Trump, você falou sobre um choque entre as forças da luz e as forças das trevas. Se você olhar agora para o ano de 2020, como esse confronto se desenvolveu até agora?

Dom C. M. Viganò: Como sempre acontece nos assuntos terrenos, a guerra entre o bem e o mal, entre os filhos da luz e os filhos das trevas, parece sempre balançar a favor destes últimos. Satanás, que é princeps huius mundi, tem muitos seguidores muito organizados e um número infinito de servos. Vice-versa, os bons parecem numericamente inferiores e mal organizados, muitas vezes anônimos e quase sempre privados de qualquer poder ou meio econômico que lhes permita agir com a mesma eficácia que seus inimigos. Mas sempre foi assim, porque a vitória não é de gente boa, mas de Cristo. Ego vici mundum: Fui eu quem conquistou o mundo, Nosso Senhor nos adverte. Damos a nossa pobre contribuição, às vezes até heroica, mas sem a graça de Deus nada podemos fazer: sine me nihil potestis facere.

2020 nos obrigou a olhar nos olhos da Medusa globalista, mostrando-nos como é fácil para o estado profundo impor uma tirania da saúde a bilhões de pessoas. Um vírus que não foi isolado, com uma taxa de sobrevivência altíssima, foi aceito como o instrumentum regni, com a cumplicidade de quem governa, da mídia e da própria hierarquia eclesiástica. A crise econômica desencadeada pelas quarentenas deve tornar inevitável o cancelamento da dívida e a instituição da renda universal, em troca da renúncia à propriedade privada e da aceitação do rastreamento por meio do passaporte de saúde. Quem recusar a vacina poderá ser internado em campos de detenção já preparados em vários países, inclusive na Alemanha. As violações dos direitos constitucionais e religiosos serão toleradas pelos tribunais, em nome de uma emergência eterna que prepara as massas para a ditadura. É isso que nos espera, de acordo com as confissões dos autores do Grande Reinício.

Mas essa sucessão de exacerbações, motivada por razões que agora são risíveis e refutadas pelas evidências, está minando muitas certezas, às quais as massas até agora deram um assentimento fideísta, muitas vezes beirando a superstição. As acusações iniciais de “negacionismo” contra aqueles que questionam o absurdo dos ditos especialistas fez com que muitos entendessem que o COVID se apresenta com conotações de religião justamente para que não possa ser questionado, pois se fosse considerado cientificamente teria que ser tratado como todos os outros coronavírus dos últimos anos. Essas contradições estão abrindo os olhos de muitos, mesmo em face da bajulação descarada da mídia e da multiplicação da censura dos dissidentes nas redes sociais.

Deutsche Wirtschaftsnachrichten: Como será o mundo se as forças que você chama de forças das trevas prevalecerem?

Arcebispo C. M. Viganò: Um mundo no qual o estado profundo deve prevalecer realizará os piores cenários descritos no Livro do Apocalipse, pelos Padres da Igreja e por vários místicos. Seria um reino infernal em que tudo o que lembra a sociedade cristã, mesmo de forma remota – da religião às leis, da família à escola, da saúde ao trabalho – seria banido, derrubado e pervertido. Os heterossexuais seriam perseguidos; famílias de um homem e uma mulher seriam proibidas; as crianças seriam obtidas em úteros alugados; a história seria censurada; a religião seria desacreditada; a honestidade e a disciplina seriam ridicularizadas; a honra seria considerada um conceito fascista; a masculinidade seria condenada como “tóxica”; a maternidade seria deplorada como “não sustentável”; a velhice seria forçada à eutanásia; a doença seria considerada apenas uma ocasião de lucro; a saúde seria vista como suspeita. E, depois de dois séculos de doutrinação, teríamos também de ver negado até o famoso sistema de democracia, em nome do qual os que nos governam o fazem sem eleições, tudo em nome da saúde pública.

Somente no reino de Cristo se pode ter paz e verdadeira concórdia. Na tirania de Satanás reinam o terror, a repressão, a guerra contra os bons e a licença dos vícios mais vis.

Deutsche Wirtschaftsnachrichten: O que você acha que pode ser feito para evitar tal desenvolvimento?

Dom C. M. Viganò: Devemos agir de forma que o que aconteceu até agora não consiga atingir seu objetivo final. Podemos e devemos denunciar as mentiras e enganos que diariamente nos são propostos por aqueles que nos consideram escravos estúpidos. Eles pensam que poderão nos sujeitar sem nenhuma reação de nossa parte. Se existem leis que tiram os direitos naturais dos cidadãos, todos devem levantar a voz em protesto com coragem, exigindo dos juízes que os responsáveis ​​por este golpe global sejam julgados e condenados.

Não podemos permitir, através do bicho-papão de uma pandemia criada por um comitê, que nações sejam prostradas por uma crise econômica e social induzida, nem que a população seja submetida às limitações da liberdade em violação da lei e do próprio bom senso. Se conseguirmos nos manter firmes e não recuar diante dessas provas gerais da ditadura, o estado profundo se retirará, aguardando tempos mais propícios, e teremos tempo para evitar o estabelecimento da tirania. Mas se deixarmos as coisas continuarem, tornaremos esse plano infernal irreversível.

Não esqueçamos que, como católicos, temos uma responsabilidade muito grande, tanto para com nossos pastores como para com aqueles que nos governam. Nossa obediência pode e deve cessar no momento em que somos solicitados a obedecer a leis pecaminosas ou contrárias ao Magistério imutável da Igreja. Se a nossa oposição for firme e corajosa como no tempo dos mártires, teremos feito a nossa parte para obter do céu aquelas graças que podem mudar a sorte da humanidade e retardar a perseguição do fim dos tempos.

Rezemos, portanto, rezemos com fé à Santíssima Virgem, Rainha das Vitórias e Auxiliadora, para que seja o nosso General nesta batalha histórica. Que o glorioso Arcanjo Miguel esteja ao seu lado, ele que lança no inferno Satanás e os outros espíritos malignos qui ad perditionem animarum pervagantur in mundo.

 

+ Carlo Maria Viganò, arcebispo

28 de fevereiro de 2021

Dominica II Quadragesimæ

1 COMENTÁRIO

  1. Ás vezes eu me pergunto se esse Arcebispo é real mesmo, uma pessoa de carne e osso. Ou um personagem que seria uma média entre o Paulo Kogos, Murray Rothbard e os Chiocca Brothers. Nunca pesquisei. Porque esse homem é um animal político, e o que me impressiona é ele ainda não ter sido excomungado da Santa Igreja. Ou no mínimo ter sido proibido de fazer declarações.

    Nestas horas, quando os genocidas covidianos se instalaram no poder e não há nada que possa ser feito – não irá haver um tribunal de Nuremberg para esses “heróis”, é que ser católico tem suas vantagens. Eu acredito que todos eles irão para op inferno – e isso é permanente. O racionalista ateu, mesmo que libertário, não tem muito o que fazer. Se olhar para essa realidade e não se entregar ao alcoolismo e niilismo porque perdeu, o racionalista ateu libertário em algum momento irá se tornar um liberal. Só assim ele imaginará que pode mudar essa situação.

    Os libertários são contra revoluções. Eu acredito que imaginem que a máfia estatal irá cair sob o peso de suas próprias contradições – ou falsificação de dinheiro em larga escala. O libertário ateu vai esperar por isso?