O fim do Império Global Americano

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Uma questão que não recebeu muita consideração nas últimas décadas é como exatamente o Império Americano Global terminará? Todos os impérios chegam ao fim, mas nem todos terminam da mesma forma. Normalmente, eles se dissolvem em suas partes constituintes, como vimos com a União Soviética. Isso pode ou não trazer consigo um espasmo de violência, mas uma junção não natural eventualmente retorna à sua natureza. O que torna cada império único é seu nascimento e sua morte.

Como todo império antes dele, o Império Global Americano terminará. Isso pode ser o que estamos vendo com a atual crise na Europa sobre a Ucrânia. A Rússia está bem distante da dissolução do Império Soviético. A Europa também evoluiu além dos velhos arranjos tornados necessários pela Guerra Fria. O único jogador preso no passado é o Império Global Americano, que continua como se estivesse em 1960. Agora estamos vendo sinais do fim do império americano na Europa.

O ponto de partida é o fato de que as coisas que vêm de Washington são tão bizarras que nem os ucranianos entendem. A retórica foi muito além do tipo normal de moralização que distinguiu o império americano. Washington e agora Londres conjuraram uma realidade na qual os russos estão prontos para invadir a Ucrânia, enquanto os russos e os ucranianos estão preferindo encontrar uma solução pacífica. A coisa toda está fazendo parecer que Washington enlouqueceu.

Tudo isso acontecendo apesar da realidade de que, se os russos querem invadir a Ucrânia, não há nada que a OTAN possa fazer a respeito. Se os russos quisessem invadir Berlim, não há muito que a OTAN pudesse fazer para detê-los. Com o tempo, o Ocidente seria capaz de reunir e incapacitar os russos economicamente, depois faze-los recuar militarmente, mas no curto prazo todos entendem que a OTAN é um tigre de papel. É também um vestígio inútil de uma era passada que deveria ter sido descartada uma geração atrás.

Este é um ponto de partida para a crise. Os alemães querem terminar o Nord Stream 2 e construir laços econômicos mais próximos com a Rússia. Os russos querem restaurar seu antigo relacionamento com a Europa Ocidental. Eles não aceitarão as condições americanas de que devem abraçar a religião do Ocidente. Não haverá arco-íris e transexuais na cultura russa. Não haverá cenas de soldados russos marchando de salto alto alegando sentir pena de seus ancestrais.

Os alemães e os franceses parecem estar prontos para fazer o acordo com os russos e iniciar uma nova era para ambos os lados. Os russos podem manter seu modelo tradicional de organização e a Europa começará a normalizar as relações econômicas com o resto da Eurásia. Isso deixa pouco espaço para o Império Americano Global, que se baseia na afirmação de que há apenas uma maneira moral de organizar uma sociedade. Esse novo arranjo potencial é uma repreensão à própria ideia de império.

Outro ponto de partida para entender a crise atual como um estágio na dissolução do Império Global Americano está na própria reação. Até a mídia americana perdeu a noção de quantas vezes o pessoal de Biden afirmou que uma invasão é iminente. Parece que é uma coisa semanal agora. O Departamento de Estado jura que os tanques estão acelerando seus motores e então nada acontece. Os líderes europeus devem estar se perguntando se o império está perdendo o controle da realidade.

A histeria poderia muito bem ser a única coisa que restava. Mais uma vez, se a Rússia traçar a linha da expansão da OTAN e assumir o controle da Ucrânia, há muito pouco que Washington possa fazer a não ser fazer muito barulho. A promessa de sanções econômicas paralisantes é tão ridícula quanto o resto dos berros. A Europa precisa comprar coisas importantes da Rússia para existir. A Alemanha e a França vão concordar com coisas superficiais para agradar a Washington, mas não estão cometendo suicídio por causa da Ucrânia.

O que podemos estar vendo é uma fase final do Império Global Americano em que realidades conflitantes criam muito atrito. Uma realidade é que o domínio dos EUA sobre a Europa sempre foi antinatural para ambos os lados. Na Guerra Fria era visto como uma necessidade, então era uma contradição tolerável. Essas condições não existem há mais de uma geração e a realidade está se reafirmando. A Europa Ocidental será dominada pela França e Alemanha e a Europa Oriental pela Rússia.

Outro conjunto de realidades conflitantes é que os EUA, por sua herança histórica, nunca quis ser um ator importante nos assuntos mundiais. O discurso de convencimento dos líderes imperiais sempre foi baseado nessa suposta relutância. O Império Americano Global foi uma necessidade nascida da guerra e da tragédia. Essa necessidade acabou há muito tempo e, no entanto, a elite gerencial do império insiste em mantê-lo. Enquanto isso, o público está lidando com o colapso cultural e econômico.

Nunca houve um momento em que o americano médio se sentiu mais divorciado de seu governo do que agora. O cara com quem o império conta para agitar a bandeira e responder aos tambores de guerra não tem certeza de qual lado apoiar. Esta é uma daquelas verdades não ditas sobre este caso da Ucrânia. O reservatório de patriotismo agora está seco entre a coorte de americanos que sempre foram os mais patriotas. A resposta dessas pessoas sobre a Ucrânia é um encolher de ombros ou talvez um sorriso irônico.

Isso pode ser o que o fim do império parece por dentro. Teremos espasmos de berros e gritos de Washington, mas o mundo lentamente sairá da sombra de Washington. Enquanto isso, a política interna se tornará cada vez mais insustentável, com a revolta populista substituindo a organização eleitoral. O sistema simplesmente para de funcionar, pois o motivo para continuar funcionando não faz mais sentido. O fim do império é um milhão de pequenas avarias no sistema.

 

 

Artigo original aqui