O que “inflação” realmente significa

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

A maioria dos comentaristas rotula os aumentos nos preços de bens e serviços ao longo de um período de tempo como inflação. Ludwig von Mises, entretanto, sustentou que a definição popular de inflação está errada. Ele escreveu em Economic Freedom and Interventionism (p. 99),

    Inflação, como este termo sempre foi usado em todos os lugares e especialmente neste país, significa aumentar a quantidade de dinheiro e notas em circulação e a quantidade de depósitos bancários sujeitos a cheque. Mas as pessoas hoje usam o termo “inflação” para se referir ao fenômeno que é uma consequência inevitável da inflação, que é a tendência de aumento de todos os preços e salários. O resultado dessa deplorável confusão é que não sobrou nenhum termo para significar a causa desse aumento de preços e salários. Não existe mais uma palavra disponível para significar o fenômeno que até agora se chamou de inflação.

O objeto da inflação é o peculato. Para estabelecer como o fenômeno da inflação surgiu, devemos voltar no tempo para rastrear suas origens. Historicamente, a inflação se originou quando o governante de um país como o rei forçava seus cidadãos a lhe dar todas as suas moedas de ouro sob o pretexto de que uma nova moeda de ouro substituiria a antiga. No processo, o rei falsificaria o conteúdo das moedas de ouro misturando-as com algum outro metal e devolvendo moedas de ouro diluído aos cidadãos.

Sobre isso, Rothbard escreveu em O que o governo fez com nosso dinheiro?, ” Nesta operação, a Casa da Moeda derretia e re-cunhava todas as moedas do reino, devolvendo aos súditos o mesmo número de “libras” ou “marcos”, mas agora com uma massa menor.  Os refugos de ouro e prata que sobravam deste processo eram fundidos em novas moedas, as quais eram embolsadas pelo rei e utilizadas para pagar suas despesas.”

O que estava passando por uma moeda de ouro puro era na verdade uma moeda de ouro diluído. Observe que o que temos aqui é uma inflação de moedas, ou seja, uma expansão no número de moedas. Por meio da inflação, o governante pode se envolver em uma troca de nada por algo – ele pode desviar, por meio de moedas extras, recursos dos cidadãos para si mesmo, diluindo as moedas de ouro originais recebidas dos cidadãos.

No padrão-ouro, a técnica de abusar do meio de troca tornou-se muito mais avançada por meio da emissão de recibos sem lastro em ouro, mas disfarçados de verdadeiros representantes do dinheiro propriamente dito, o ouro. A inflação, portanto, tornou-se um aumento no valor das receitas.

O detentor de recibos não lastreados poderia se envolver em uma troca de nada por algo. Isso produziu uma situação em que os detentores das receitas não garantidas desviaram os bens para si próprios, sem contribuir para a produção desses bens.

No mundo moderno, o dinheiro propriamente dito não é mais ouro, mas sim papel-moeda; portanto, a inflação, neste caso, é um aumento no estoque de papel-moeda.

Observe que não dizemos que aumentos na oferta de moeda causam inflação. O que estamos dizendo é que o aumento da oferta de moeda é simplesmente inflação.

O que importa, no que diz respeito à inflação, não é sua manifestação em termos de aumento dos preços dos bens, mas os danos que inflige ao processo de geração de riqueza. Isso é inferido do fato de que os aumentos na oferta monetária acionam uma troca de nada por algo, o que gera um resultado semelhante ao do dinheiro falsificado. Isso enfraquece os geradores de riqueza, enfraquecendo assim sua capacidade de gerar riqueza.

Para a maioria dos comentaristas, um aumento na atividade econômica costuma ser visto como um gatilho para um aumento geral dos preços, que eles rotulam erroneamente de inflação. No entanto, por que um aumento na produção de bens levaria a um aumento geral dos preços? Se o estoque de dinheiro permanecer intacto, teremos menos dinheiro por unidade de um bem – uma queda nos preços. (Observe que o preço de um bem é a quantidade de dinheiro paga por unidade do bem). Somente se o ritmo da expansão monetária ultrapassar o ritmo da produção de bens e serviços teremos um aumento geral dos preços. Esse aumento ocorreria por causa da inflação da moeda e não por conta do aumento da produção de bens. Consequentemente, um aumento na oferta de moeda, com todas as outras coisas sendo iguais, implica que uma quantidade maior de dinheiro entrará em vários mercados. Isso significa que os preços das mercadorias seguirão no mesmo caminho.

Além disso, observe que, quando o dinheiro é injetado, ele inicialmente entra em um determinado mercado. Uma vez que o preço de um bem subiu até o nível que é percebido como seu valor total, o dinheiro vai para outro mercado, cujos bens são considerados subvalorizados. A mudança de um mercado para outro dá origem a um atraso no aumento da moeda e seus efeitos sobre os preços médios.

Como regra, seria de se esperar que aumentos na oferta de moeda fossem seguidos por aumentos na taxa de crescimento dos preços de bens e serviços com um lapso de tempo. Este foi o caso de 1961 a 1979. A taxa de crescimento anual do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) dos EUA mudou em conjunto com a taxa de crescimento anual da oferta monetária, defasada em 23 meses.

Desde 1980, a correlação defasada entre a taxa de crescimento da oferta de moeda e a taxa de crescimento no IPC não parece ser significativa. Durante alguns períodos, o aumento na taxa de crescimento da oferta de moeda foi seguido por aumentos na taxa de crescimento do IPC e, em outras ocasiões, ele realmente diminuiu ou aumentou ligeiramente.

Alguns especialistas sugeriram que a quebra na correlação entre a taxa de crescimento anual do IPC e o impulso de crescimento defasado da oferta de moeda se deve à demanda instável por moeda – também rotulada como velocidade monetária instável.

O que importa não é se as mudanças na taxa de crescimento dos preços estão acompanhando as mudanças na oferta de moeda como tal, mas sim os aumentos na oferta de moeda.

Independentemente de quão bem as mudanças nos preços estão correlacionadas com a taxa de crescimento defasada da moeda, são os aumentos na oferta de moeda que enfraquecem o processo de geração de riqueza.

Aumentos na oferta de moeda, que minam o processo de geração de riqueza, também enfraquecem o pool de riqueza. Quando esse pool está se expandindo, o aumento na oferta de dinheiro gera a ilusão de que é a oferta de dinheiro que fornece financiamento para atividades geradoras e não geradoras de riqueza. Uma vez que o pool estagnou ou começou a declinar, os aumentos na taxa de crescimento da oferta monetária não podem mais exibir a ilusão de que o aumento na oferta monetária pode fazer a economia crescer.

Como os preços estáveis ​​podem enganar os legisladores

Seguindo a definição de que a inflação é um aumento na oferta de moeda, como podemos reconciliar um forte bombeamento monetário com aumentos moderados nos preços, convencionalmente rotulados como “inflação baixa”?

Se a taxa de crescimento da oferta monetária for de 5% e a taxa de crescimento da oferta de bens for de 1%, então os preços provavelmente aumentarão em média 4%. Se, entretanto, a taxa de crescimento na oferta de bens também for de 5%, então nenhum aumento nos preços ocorrerá, se todas as outras coisas forem iguais.

Se alguém sustentasse que a inflação é o aumento dos preços, concluiria que, apesar do aumento da oferta de moeda de 5%, a inflação é de 0%.

No entanto, se seguíssemos a definição de que a inflação se trata de aumentos na oferta de moeda, concluiríamos que a inflação é de 5%, independentemente do movimento do índice de preços.

Agora considere um caso em que, como resultado de forte expansão monetária e um aumento correspondentemente forte na produção de bens, os preços permanecem estáveis.

A maioria dos comentaristas provavelmente concluirá que os fundamentos econômicos estão em ótima forma. (Observe que o mandato do Fed é seguir uma política de estabilidade de preços).

Apesar da estabilidade de preços, vários efeitos colaterais desagradáveis ​​que emanam da expansão monetária, como o ciclo de expansão e contração e empobrecimento econômico, irão ocorrer.

Observe que os aumentos na oferta monetária desencadeiam a ameaça do ciclo de expansão e contração, independentemente da extensão da taxa de crescimento dos preços dos bens e serviços.

Sobre isso, Rothbard escreveu em A grande depressão americana: “O fato de os preços gerais serem mais ou menos estáveis ​​durante a década de 1920 foi interpretado pela maioria dos economistas como uma indicação de que não havia ameaça inflacionária e, portanto, os eventos da Grande Depressão os pegaram completamente desprevenidos.”

Conclusão

A inflação é sobre aumentos na oferta de moeda e não sobre aumentos nos preços. Os formuladores de políticas que se concentram em aumentos de preços a fim de estabelecer a situação da inflação, enquanto ignoram os aumentos na oferta de moeda, provavelmente interpretarão mal o estado da economia. Como resultado, esses formuladores de políticas e vários comentaristas econômicos provavelmente se surpreenderão com os choques econômicos inesperados.

Segue-se, então, que o emprego de uma definição inadequada do que se trata a inflação pode produzir um resultado econômico desastroso. Também implica que a política do banco central de estabilizar os preços a fim de assegurar uma inflação estável é errônea.

 

Artigo original aqui