A máscara da sua escravidão: imagem, história e significado da Escrava Anastácia

0
Tempo estimado de leitura: 19 minutos

A imagem da Escrava Anastácia tem feito várias aparições em vários protestos anti-lockdown recentes em todo o mundo. A forma como a semelhança desta escrava brasileira amordaçada tem sido usada para ilustrar as várias formas de restrições populacionais pandêmicas, particularmente o uso obrigatório de máscaras, tem sido criticada por vários meios de comunicação por sua percepção de apropriação cultural e irreverência para o sofrimento histórico dos negros.

Este artigo representa uma oportunidade de abordar essa alegação de cooptação e de explicar os méritos de associar as atuais limitações sanitárias a uma, de fato, forma de escravidão.

O amordaçamento trans-histórico de dissidentes por regras tirânicas. Acima Anastácia no pelourinho da minissérie brasileira de 1990 intitulada “Escrava Anastácia” e, abaixo, manifestante anti-lockdown em Melbourne, Austrália em 2020.

    Anastácia fala em silêncio após as orações, como se telepaticamente. Acho que consigo decifrar pelo som de certas palavras… O silêncio da Anastácia diz: “Fala por mim!”

Escrava Anastácia é uma santa popular venerada no Brasil, com grande número de devotos entre os umbandistas. Ela também é venerada por muitos negros católicos brasileiros, tendo um importante santuário na proeminente igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Negros em Salvador da Bahia, embora nunca tenha sido reconhecida ou canonizada pela Igreja Católica Romana.

Escrava Anastácia: Referência da imagem, NW0191. Fonte: Jacques Arago, Souvenirs d’un aveugle. Voyage autour du monde por M.J. Arago. . . (Paris, 1839-40), vol. 1, voltado para a p. 119. Citação: Iron Mask and Collar for Punishing Slaves, Brazil, 1817-1818 ″, Slavery Images: A Visual Record of the African Slave Trade and Slave Life in the Early African Diáspora.

Uma oração popular para a santa popular diz o seguinte:

Anastácia, tu que sofrestes a maldade dos senhores de Engenho e foste uma das Mártires do Cativeiro; Sede-nos benfeitora nos momentos de Aflição e de Angústia.

Em Que nossos Corações sofrem as Amarguras da Má Sorte e dos rudes golpes do nosso destino.

Tu que és venerada por uma legião de devotos pelos milagres que realizastes, ajuda-me neste instante de desespero e de aflições de aperto, tirando-me desta situação desagradável por que passo.

Lembra-te da tua última existência terrena e saberás sentir e reconhecer minhas desventuras, Tu agora na aruanda Celeste, ainda estás muito próxima de nós e ante a tua condição de Anjo-Mártir tens mais Facilidade de prestar-me o socorro que tanto necessito e aliviar essa carga de sofrimento e apartar-me quais grilhões, Libertando-me a liberdade de pensar e de Agir para sair desta posição incomoda que me encontro.

Eia! Anjo-Mártir de Luz e Brilho, ajudai-me a afastar da mente e do coração as sombras da infelicidade que me abatem e me tiram as forças para reagir por meus próprios esforços a libertação do julgo severo das adversidades que oferece aqueles que nasceram desprovidos da sorte e da fortuna.

Sede nosso Anjo-Guia dando-nos esperança no futuro, lenindo nossas dores, solucionando os nossos problemas e aliviando-nos transes difíceis.

Acendendo esta Vela para ti símbolo da minha FÉ e da minha Confiança permita-me fazer um pedido; trata-se do seguinte:

[Expõem o problema, de saúde, financeiro, má situação; desajuste amoroso etc…]

Se me Atenderes, prometo lembrar de ti com todo o respeito, veneração e carinho.

Assim Espero.

Assim Seja…..

Nos colchetes anteriores, posso inserir o seguinte:

    Bem-aventurada Anastácia, Como a liberdade de expressão e a liberdade acadêmica me protegem de retaliações institucionais em decorrência do questionamento dos decretos de máscara? Vós que prontamente socorrereis todos os que falam com coragem face à censura e ao silenciamento, cuida-me!

Sua hagiografia inclui múltiplas histórias que enfatizam a nobreza de sua personagem apesar de seu amordaçamento discursivo e físico pelo poder opressor do sistema de escravidão. Em algumas histórias, ela é a filha mestiça de uma princesa africana e de um traficante de escravos equipado com um focinho de metal para evitar que revele a infidelidade do comerciante e o estupro de sua mãe (Burdick, 1998).

Em outras histórias, Anastácia é ela mesma vítima de estupro, ou pelo menos tentativa de estupro, por um fazendeiro de escravos que também a pune e silencia com a engenhoca de metal. Em algumas versões da história, a dona da fazenda amordaça Anastácia para se salvar de qualquer vergonha pública que pudesse advir da divulgação da infidelidade do marido. Em outras variações dessa história, os motivos de seu amordaçamento envolvem a ajuda que ela forneceu a um escravo fugitivo e sua liderança na organização de uma revolta de escravos.

Em todas essas narrativas, o amordaçar busca silenciar seus gritos contra a injustiça e uma voz que leva à libertação. Como forma de vergonha pública, serve de dissuasão para aqueles escravos de engenho que pudessem se inspirar em Anastácia. Seu martírio acontece por causa da fome ou do tétano produzido pelo metal que enferruja em sua boca. Sua habilidade de fazer milagres, mesmo quando amordaçada, incluía curar seus opressores.

Isso representa um martírio idealizado, uma resistência admirável, bem como uma impermeabilidade moral e uma vitória final sobre a pressão negativa da escravidão. Sua compaixão por seus perseguidores, bem como seu suposto passado mestiço, são vistos por muitos devotos como um sinal de esperança de reconciliação racial no Brasil e em todas as terras afetadas pelo tráfico de escravos.

A comparação entre a colocação coerciva de máscara covid nos manifestantes anti-lockdown e o amordaçar dos escravos insurretos é impossível de se fazer? A comparação entre esses dois rebeldes amordaçados é um anacronismo irredimível?

    Abençoada Anastácia, meus colegas de trabalho, professores e funcionários denunciaram-me ao diretor por me verem nas áreas comuns do edifício sem usar máscara! Sim, sendo bom Pavlik Molozovs (Catriona 2005)! Eu não vivenciei essa cultura delatora desde a Cuba comunista! A preocupação deles com “a vida dos outros” (Henckel 2006) lembra demais as técnicas do Bloco Oriental de controle social para que eu continue a interagir com eles. Você que foi denunciada por um informante no engenho, tenha misericórdia de nós!

A aparição de Anastácia em protestos anti-lockdown representa uma oportunidade de entender a atual tirania médica como uma forma de escravidão e de forjar laços de solidariedade entre comunidades cuja liberdade está ameaçada em todos os grupos raciais. A reivindicação de cooptação merece ser descompactada, pois uma reivindicação válida de usurpação cultural poderia facilmente funcionar no sentido de romper alianças importantes em um modelo de dividir para conquistar.

Embora existam especificidades claras entre o sofrimento dos africanos sob o sistema de escravidão e a privação das liberdades civis sofrida pela maioria dos cidadãos ao redor do mundo durante a atual pandemia de pânico, Anastácia nos lembra de certas constantes trans-históricas no processo de desumanização e subjugação de populações através do amordaçar e silenciar de seus corpos para reprimir seus protestos.

Que Anastácia fale pela liberdade hoje!

Bendita Anastácia, Sempre que falo da irracionalidade das máscaras poderem filtrar vírus, sou rapidamente calado por pessoas que me dizem que não sou médica e, portanto, não tenho o direito de falar sobre o assunto! Você, que entendeu como o poder despótico e coercitivo atua para silenciar os dissidentes, fortaleça nossa decisão de falar a verdade com ousadia em meio às mentiras.

Embora esteja fora do escopo deste artigo discutir em detalhes a eficácia das máscaras para prevenir a infecção por patógenos aerotransportados, quero enfatizar que os dados sugerem que seu uso para esse propósito é questionável. Gostaria de direcionar aqueles com grande interesse em “seguir a ciência” sobre máscaras para o estudo mais recente financiado pela OMS, publicado em uma revista médica revisada por pares, disponível no site do CDC, provando que “as máscaras não demonstraram proteção contra influenza confirmada em laboratórios” (Xiao et al. 2020).

A ineficácia das máscaras para conter infecções respiratórias superiores era a política oficial da OMS e do CDC antes do atual pânico na saúde (Molteni e Rogers 2020) e continua a ser confirmada por pesquisas em andamento (Guerra e Guerra 2021).

Prisioneiros de Guantánamo. Cidadãos não americanos detidos em instalações de detenção extraterritoriais com o objetivo de contornar estrategicamente as garantias constitucionais, liberdades civis e direitos humanos dos EUA. Observe como o amordaçamento constitui um elemento trans-histórico na desumanização das populações cativas.

    Bem-aventurada Anastácia, vejo-me impossibilitado de entrar no supermercado por me recusar a usar máscara. Você, cuja máscara a impedia de comer e acabou morrendo de fome, tenha misericórdia de nós!

Embora a eficácia médica do uso de máscara no atual clima cultural pandêmico seja duvidosa, os elementos sociais e psicológicos de controle exercidos pelo uso obrigatório de máscara são muito mais claros. Quais são os efeitos das máscaras na psique daqueles que são forçados a viver sob a atual tirania médica? O fato de os ditames sobre as máscaras não virem em grande parte dos imunologistas, mas do que parecem ser psicólogos comportamentais comprometidos, como Susan Michie, que prediz que usaremos máscaras para sempre (Stone 2021), nos obriga a considerar que as máscaras são menos impulsionadas por razões de saúde e mais pelo uso malévolo do conhecimento de Pavlovian e dos estudos de conformidade para quebrar a psique, a dignidade e a integridade dos indivíduos e a coerência social das sociedades, tornando-os mais suscetíveis à manipulação e reconfiguração de acordo com normas conducentes à sua própria subjugação.

O uso obrigatório de máscaras durante o atual pânico da saúde transforma os cidadãos em escravos. Como símbolos de escravidão,

  • As máscaras nos privam de oxigênio. Produzem hipóxia, levando-nos a um estado de fraqueza física e mental em que a população está mais sujeita a lavagens cerebrais ideológicas e menos capaz de verificar o grau de opressão.
  • As máscaras são símbolos de submissão. Sua praticidade médica é muito questionável, mas as pessoas são forçadas a usá-las. O despotismo é estabelecido no cumprimento forçado de regras arbitrárias. Calígula planejou tornar seu cavalo um cônsul só porque ele podia.
  • As máscaras são o fetiche sinistro do poder. Dado que as máscaras apresentam um papel proeminente na escravidão e no sadomasoquismo (BDSM), que investem na dinâmica mestre-escravo, não podemos ver o poderoso elemento psicológico de subjugação que representam para aqueles que são forçados a usá-las? Podemos considerar o prazer pervertido que a visão desses usuários de máscaras traz para os planejadores dessas políticas?
  • Junto com o lockdown, as máscaras reforçam a criação de uma cultura carcerária. A terminologia e a estética são emprestadas das prisões, especialmente aquelas em que a tortura tem lugar de destaque. Lembre-se do encapuzamento das vítimas de tortura na prisão de Abu Ghraib e das tampas de boca daqueles em Guantánamo. Se pudermos considerar a transmutação histórica dos escravos de engenho para a prisão, podemos perceber a desumanização persistente e insidiosa das populações cativas e escravizadas por meio do mascaramento – uma técnica de dominação adequadamente articulada no título e no texto de Black Skin, White Masks de Frantz Fanon.
  • O uso obrigatório de máscara leva ao apagamento da personalidade e à homogeneização das massas. O uso coletivizado de máscaras resulta em uma uniformidade forçada na qual o indivíduo cede lugar à coletividade sem nome como o neo-meta-cidadão.
  • As máscaras são teatrais. Elas têm sido usadas ​​há milênios para a investigação e reformulação da personalidade. A própria palavra “pessoa” tem uma fonte etimológica no nome das máscaras usadas por atores em produções teatrais gregas antigas. Como adereços teatrais, as máscaras ocultam e ofuscam nossas identidades, tornando-nos estranhos aos outros e a nós mesmos.
  • Antropologicamente, as máscaras desempenham um papel na elaboração de identidades liminares. Como tal, elas não são por si mesmas, mas preparam o indivíduo para seus novos papéis na sociedade. As máscaras moldam as subjetividades dos indivíduos. Elas podem ser removidas quando seu programa for assimilado pelos indivíduos recém-reformulados. Por mais transitório que seja o atual regime de mascaramento facial, a população deve enfrentar que estamos sendo obrigados a passar por um rito de passagem, um processo de ressocialização para o novo normal. Quanto mais aceitamos que estamos participando da ritualização de nossa expropriação e escravidão usando a máscara, menos seremos capazes de colocá-la.
  • As máscaras são insígnias do estado. Elas são uma demonstração visível de fidelidade ao sistema de controle tecnocrático medicalizante. Assim como o lenço vermelho de pescoço do pioneiro movimento jovem comunista professou publicamente lealdade a um único partido e ao líder supremo, a máscara é o símbolo da adesão política ao novo normal, confirmando a conformidade com o “pensamento correto”, à la Mao Zedung.
  • A supressão da expressão facial inibe a comunicação não verbal necessária à organização social que pode levar à revolução. As máscaras procuram desativar nosso potencial revolucionário.
  • Silenciamento verbal: as máscaras reduzem a produção verbal geral. Junto com a imposição do distanciamento (anti) social, seu uso fomenta o isolamento do indivíduo e a atomização (Arendt 1951) da sociedade em rebeldes ineficazes, incapazes de se consolidar em unidades coerentes sob um discurso ou bandeira comum.
  • As associações que simbolicamente e funcionalmente mascaram com focinheiras falam da desumanização e da domesticação da população sob essas diretrizes.
  • Assim como as máscaras funcionam como artefatos liminares em ritos de passagem e como parte do treinamento dos animais, essas máscaras covid são arautos de novas invasões à nossa integridade. Usar as máscaras está a apenas uma etapa anterior a receber as injeções e, em seguida, aceitar os passaportes de vacina e os links neurais implantáveis ​​até que a pessoa original seja enterrada por um ciborgue. As máscaras funcionam como um teste de conformidade empírico para a aceitabilidade projetada de futuras tecnologias corporais de controle. Onde você vai traçar a linha?
  • As máscaras promovem uma cultura de medo. Cada máscara é um outdoor anunciando um estado de emergência, colocando os indivíduos em um constante modo de lutar ou correr do sistema nervoso simpático, o que reduz seu campo de possibilidade de se concentrar na suposta ameaça de infecção sempre presente. Enquanto isso, o sistema oligárquico de dominação corrói nossas liberdades civis em todo o mundo. As máscaras fazem parte da política de subjugação por meio do alarmismo.
  • As máscaras são dissuasores da solidariedade. Elas promovem a percepção constante de seu vizinho como um vetor patogênico sem nome em vez de seu aliado. As máscaras dividem e conquistam.

    O silêncio de Anastácia diz: “Ocupe!” O que isso significa, eu pergunto. “Ocupe o espaço que foi atribuído a você.” Isso significa usar minha posição atual no meio acadêmico como uma plataforma a partir da qual desafiar os delírios histéricos coletivos desse pânico político na saúde? Anastácia re-afirma enigmaticamente, mas com firmeza: “Apenas ocupe…”

As principais reportagens da mídia criticaram a utilização da efígie de Anastácia em protestos contra lockdown, categorizando-a como uma instância de apropriação cultural (Vil lareal 2020, Da Costa 2020). Não é permitido fazer uso da imagem da escravidão para descrever as medidas de lockdown sem ser tachado de racista, especialmente se forem brancos (Chesler 2021).

Será que o poder castiga aqueles que perguntam se nossas atuais privações de liberdade são semelhantes à escravidão porque há alguma verdade na pergunta?

Esse argumento de apropriação cultural apresenta Anastácia como tendo sido sequestrada e descontextualizada por elementos sociais dominantes que não têm interesse em sua política de libertação racial. Essas reportagens se concentram na branquitude dos manifestantes segurando a imagem da escrava negra como evidência de algo incongruente que fala de cooptação e roubo.

No entanto, nenhuma dessas reportagens se preocupa em elaborar a hagiografia de Anastácia em qualquer profundidade significativa ou em desempacotar as camadas simbólicas que sua obra de vida incorpora. Para artigos que afirmam se preocupar profundamente com os abusos de vidas afro-diaspóricas, essas omissões são nada menos que problemáticas. Em vez de usar essas instâncias para sondar o curioso aparecimento de imagens do catolicismo popular brasileiro no mundo industrializado e para indagar sobre as várias formas que a escravidão pode assumir, os autores apresentam os manifestantes de maneira essencialista como racistas, a fim de evitar fazer as correspondências óbvias entre as punições de escravidão e as sanções de lockdown.

Aqueles que veem a analogia como hiperbólica não deveriam, no mínimo, admitir que as estratégias de silenciamento nesses dois sistemas de opressão não são estranhamente semelhantes? A fim de contornar a inconveniente apresentação da tirania médica atual como uma revisitação de sistemas de controle que antes eram geralmente condenados e evitar o reflexo nada lisonjeiro de nós mesmos como escravos sob esse novo sistema, os artigos recorrem a uma curiosa estratégia retórica: eles usam um ataque ad hominem que desacredita a fonte do argumento ao focar na etnia do manifestante, ao mesmo tempo que nunca confronta o cerne do argumento apresentado.

O fato de o ataque ter levado a um pedido de desculpas da manifestante californiana me faz traçar uma conexão ainda mais poderosa entre Anastácia e ela como mulheres subjugadas, apesar de suas origens racialmente diferentes. Além de calar as pessoas, o mascaramento tem o efeito de induzir e representar uma identidade de vergonha e punição por uma transgressão social, exibindo visivelmente a consequência de uma sentença de culpa como um impedimento para outros que ousem protestar contra seu silenciamento. A pressão experimentada pela manifestante para se desculpar é análoga ao decreto de usar a máscara covid e a focinheira de escravo. Todos têm o propósito de silenciar a dissidência. A retratação da denúncia é prova do crime.

Peça de museu: Iron Mask da coleção de Michael & Ruby Doub.

    Anastácia diz: “Leve-me com você!” “Onde,” eu pergunto? “Para o protesto em Trafalgar Square? Você quer marchar pela Oxford Street com os manifestantes no sábado?” “No seu coração”, ela diz. “Em seu coração…”

Na verdade, existe um “Culto Covidiano” (Hopkins 2020). Gostaria de complementar a conversa instanciada por sua frase provocativa, questionando a suposta negatividade associada a esse tipo de religiosidade. No estudo da religião, os “cultos” foram eufemisticamente rebatizados de “novas religiões” para serem mais relativistas e menos julgadores, curvando-se talvez às exigências do politicamente correto.

Imagem H: Efígie de Anastácia em seu altar não oficial fora da Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Negros em Salvador, Bahia, Brasil.

Independentemente do termo que escolhemos usar, o papel do ritual, do dogma e das inquisições e pelourinhos daqueles que, questionando ortodoxias covid, cometem o pecado de blasfêmia, todos exibem um impulso que é concomitante com os aspectos mais brutais das religiões através dos séculos. No entanto, percebendo o poder do discurso religioso, poderíamos aproveitá-lo para fins produtivos? Poderíamos usar nosso julgamento para nos tornarmos mais cientes de nossos próprios usos e habilidades para implantar a iconografia religiosa em direção ao ideal de liberdade?

O culto a Anastácia pode superar o Culto Covidiano? Ao fazer essas perguntas provocativas, não pretendo que recriemos literalmente o movimento pela liberdade como uma nova religião; em vez disso, exorto-nos a perceber o tremendo poder que a performance, o ritual e o espetáculo neo-religiosos possuem, a forma de espada de dois gumes, nossas próprias implantações incipientes de tais iconografias e sinalizam para nosso uso pleno da linguagem do espírito, cujo sinônimo também é liberdade. E para aqueles de nós dentro do movimento de liberdade com alguma forma de prática espiritual, especialmente aqueles com formação cristã, o retrato biográfico e visual da não canônica Anastácia pode ajudar a ilustrar o que muitos de nós sentimos: que há um elemento metafísico em tudo isso, dizer o contrário é estar “negando o demoníaco” (Curtin 2021), pois parece que “não lutamos contra carne e sangue, mas contra principados, contra potestades, contra os príncipes das trevas deste mundo, contra a maldade espiritual nos lugares altos” (Efésios 6:12).

    Anastácia diz que quando eles te calam, o poder flui por suas mãos. O poder não está nas palavras; está na ação-inação. O que ela quer dizer com trabalhar com as mãos sem trabalhar? A verdade não pode ser impedida. Vai polir a rocha. Ela abrirá um grande desfiladeiro. Vai fluir. Quando silenciado, estenda suas mãos …

Detratores dessa equivalência que estou fazendo entre os mecanismos da escravidão e as restrições covid às liberdades civis apontarão para as especificidades de cada sistema de dominação e se apoiarão na inexatidão inerente às analogias para argumentar.

Antecipando tais argumentos, enfatizarei que a escravidão assume muitas formas diferentes em diferentes contextos espaciais e temporais. Se na era pré-industrial as algemas, bolas e correntes eram de ferro, numa era tecnológica marcada pela transmissão invisível de dados pelo espaço, os mecanismos de escravidão tornam-se mais evanescentes, finos como fios, diáfanos como tecidos.

Por mais leves que as máscaras cirúrgicas possam ser, seu peso na psique iluminada pode ser sentido tão pesado quanto o dispositivo da escrava Anastácia. O pano pode ser tão corrosivo quanto o ferro enferrujado na pele do desperto, cuja consciência está ciente de sua intenção de reprimir e censurar. Certamente, a escravidão sofrida pelos afrodescendentes no início do período moderno não é exatamente o mesmo que o controle sobre os corpos das pessoas que a nova normalidade busca impor. Mas se deixamos de ver as continuidades e nos recusamos a ver além dos sintomas e da superfície, negamos a nós mesmos a capacidade de perceber as transmutações e adaptações que a escravidão adquire em cada época.

Aqueles que se recusam a ver os decretos atuais das máscaras como uma tecnologia de escravidão são enganados pela camuflagem. A natureza semelhante a do camaleão da escravidão é um de seus truques de sobrevivência duradouros. Tão variadas são as formas de escravidão que seu principal teórico se esforça para fornecer uma definição prática dela. Para Orlando Patterson, em seu Slavery as Social Death, o que torna a escravidão singular é o conceito de “morte social” em que ao escravo é negada a conexão com um lugar de origem e com as gerações ascendentes e descendentes.

O escravo negro no início da América Moderna é um fracionário, quase/não/ sub-humano, sem cidadania ou família. Parece-me evidente que as limitações das interações vocais e visuais das máscaras tornam os sujeitos socialmente mortos análogos. O apagamento de metade de nossos rostos produz uma fracionamento de nossas subjetividades. É uma tentativa contra o nosso senso de personalidade e o de nossos vizinhos, que cada vez mais devemos considerar como ameaças potenciais à nossa saúde.

A imposição desse mascaramento sobre a população resulta em uma população uniformizada e homogeneizada, na qual as coletividades não são mais visualmente e legalmente uma coleção de indivíduos – pois o que mais são os indivíduos, senão eus que promulgaram escolhas? – mas, em vez disso, massas indistintas, amordaçadas e multidões complacentes. Os amordaçados são escravos porque perderam parte de sua personalidade. É comum entre esses escravos recusar-se a ver suas máscaras como reduções de sua individualidade ou como algo semelhante à escravidão. É constrangedor ver a si mesmo quando você perdeu sua face. É preferível a escuridão da cabeça de avestruz assustado dentro do buraco. Não há ninguém mais cego do que aqueles que não querem ver.

A maioria das pessoas que viveu durante o período da Idade Moderna em ambos os lados do Atlântico racionalizou a escravidão como condição natural. O mais lamentável é que essa ideologia foi instilada entre os escravos, levando muitas pessoas de ascendência africana a aceitar sua escravidão nas plantações e engenhos do Novo Mundo. É por isso que não me surpreende ver como a maioria das pessoas ao redor do mundo parece alheia à sua subjugação durante o atual regime de dominação.

Shakespeare nos fornece uma dramatização de como essa lavagem cerebral ocorre. Em The Tempest (1611), Caliban é escravizado por Próspero por meio de seus encantamentos. Próspero usa amuletos mágicos para confundir e convencer Caliban de que sua posição legítima é a de um escravo. Quando Caliban exige uma explicação racional para sua escravidão, a culpa de Próspero leva Caliban a acreditar que ele tentou estuprar Miranda, a filha de Próspero.

Um elemento semelhante dos usos discursivos do mau olhado escravizador pode ser estudado no “Discurso do senhor e do escravo” de Hegel (1807) em que miticamente, o escravo é constituído como tal à medida que perde a batalha com o pretenso mestre. Como o mestre poupa a vida do escravo no duelo, ele convence o escravo de que sua vida não é mais sua, que ele morreu para si mesmo e deve viver apenas para o mestre. O papel que a culpa desempenha na supressão do anseio inato por liberdade é ecoado nas inúmeras maneiras em que o atual regime medicalizado de poder faz lavagem cerebral nas massas para que aceitem seus confinamentos e sequestros sem fim.

Quantas vezes já ouvimos os novos normais condenar os excessos das aglomerações ilegais e os chamados eventos de super-propagação como a razão para as limitações de nossas liberdades civis? Sob essa retórica, a população merece lockdowns. Eles causaram isso a si mesmos por terem sucumbido à tentação de entrar em contato com os perigos patológicos inerentes à natureza e seus semelhantes, seduzidos pelo clima ensolarado a se aglomeraram em praias e parques supostamente infestados de patógenos.

O Caliban de Shakespeare e o escravo de Hegel são manipulados por meio do remorso por suas supostas inadequações morais (tentativa de estupro, fraqueza pugilística) para acreditar que são responsáveis ​​por seu atual rebaixamento de status e, portanto, devem nobremente suportar as limitações que causaram a si mesmos. A delatora e traidora da Anastácia foi uma dessas escravas que, tendo internalizado a ideologia da escravidão, sinalizou sua virtude e fidelidade ao sistema ao denunciá-la por ter ajudado um fugitivo. Se por meio dessa analogia, os novos normais funcionam como escravos de lavagem cerebral, então aqueles de nós no movimento da liberdade podem encontrar inspiração na figura de Anastácia que apontou para o caminho da liberdade, e a identificação final na figura do escravo fugitivo quilombola.

A internalização da culpa por seu próprio sofrimento é o elemento constitutivo mais importante da cegueira que impede muitos de nossos contemporâneos de compreender o cerceamento de nossas liberdades constitucionais como uma forma de escravidão. A capacidade de desconstruir e rejeitar essa falsa atribuição de culpa é o fundamento de nossa liberdade. Nossas liberdades de expressão, reunião e religião não nos são concedidas: são inalienáveis. A transcendência dessa culpa cega, infundada e debilitante está no cerne do despertar das massas atualmente adormecidas. O reconhecimento do atual medo sanitário como uma ilusão provocada pelos truques baratos de Próspero, a irracionalidade do conceito de confinamento derivado da prisão e o mascaramento psicossocio-somático que tenta silenciar aqueles que profetizam contra a tirania médica e todas as tiranias é o espírito de Anastácia hoje, vivo entre nós.

Parece apropriado que a língua espanhola usasse a mesma palavra para se referir a um escravo recém-chegado como a uma focinheira. A palavra “bozal” designa tanto um escravo recém-desembarcado, aquele que nasceu na África, em oposição a palavra “crioulos” usada para se referir a escravos nascidos nas colônias do Novo Mundo. O fato de essa mesma palavra ser usada para se referir a um certo tipo de escravo e a focinheira usada por animais domésticos como cachorros reflete o uso histórico desses dispositivos nesses escravos que tiveram um gostinho de liberdade, aqueles que tinham memórias de liberdade em uma terra ancestral.

Esses escravos bozales eram os mais propensos a liderar rebeliões, como ilustram os mitos que cercam Anastácia. Para falantes de uma língua na qual a palavra para um tipo de escravo também indexa uma cobertura de boca, essa polissemia implica que, em algum nível subconsciente, há uma compreensão de que a máscara decretada politicamente é um símbolo de sua escravidão. O riso deles quando confrontados com essa coincidência linguística implora para ser interpretado como uma evacuação de uma ansiedade psicológica e de um reconhecimento incômodo. Independentemente das línguas que possamos falar, muitos de nós sabemos e suspeitamos que há algo performativo no uso da máscara, que estamos sendo coagidos a participar de um bal masqué em que elementos constitutivos de nossa identidade estão sendo remodelados de maneiras que vão contra nossos melhores interesses. Independentemente do idioma que você fale, a mensagem de Anastácia é inteligível para você como parte da resistência consciente.

    Você se lembra de ter fugido para as colinas que sinalizei para você há alguns séculos, quando morávamos no Brasil, não lembra? Por minha iniciativa, estás a começar a recordar aquela bela e próspera colônia de fugitivos, que Palenque, nos frescos e férteis planaltos tropicais, ajudaste a estabelecer, da qual atacaste os povoados portugueses e por fim garantiste a liberdade de inúmeros dos nossos irmãos? Você lembra. No meu silêncio, lembre-se. Você é livre. Você é a liberdade!

 

BIBLIOGRAFIA

Arendt, Hannah. The Origins of Totalitarianism. New York: Shocken, 1951.

Burdick, John. Blessed Anastácia: Women, Race, and Popular Christianity in Brazil. Routledge, 1998.

Catriona, Kelly, Comrade Pavlik: The Rise and Fall of a Soviet Boy Hero, Granta Books, 2005.

Chesler, Josh. “Eric Clapton and Van Morrison’s Anti-Lockdown Track Is Out Now.” Spin. 12/18/2021.

Curtin, Edward. “Denying the Demonic.” Off-Guardian. April 18, 2021.

Da Costa, Cassie. “White Anti-Quarantine Protesters Have Cruelly Co-opted an Enslaved Black Woman from the 18th Century. The Daily Beast. 5/22/20.

Frantz Fanon. Peau Noire, Masques Blancs. (Black Skin, White Masks). France: Éditions du Seuil, 1952.

Guerra, Damian and Daniel J. Guerra. “Mask Mandate and use Efficacy in State-Level COVID-19 Containment.” MedRxiv. 05/18/2021.

Hegel, Georg Wilhelm Friedrich. The phenomenology of spirit. Cambridge Hegel Translations.

Translation of Phänomenologie des Geistes (1807) by Pinkard, Terry. Cambridge: Cambridge University Press, 2018.

Henckel von Donnesmarck, Florian. The Lives of Others / Das Leben der Anderen. Bayerische Rundfunk, 2006. .

Hopkins.C.J. “O culto covidiano” Consent Factory. October 13, 2020.

Molteni, Megan and Adams Rogers. “How Masks went from Don’t Wear to Must Have.” Wired. 07/02/20.

Patterson, Orlando. Slavery as Social Death. Cambridge: Harvard UP, 1982.

Shakespeare, William. The Tempest. 1611.

Paul of Tarsus. “Epistle to the Ephesians.” New Testament.

Stone, Josh. “Face masks should continue ‘forever’ to fight other diseases, says Sage scientist.” The Independent. 06/11/2021.

Villareal, Daniel. “California Woman Apologizes for Holding Sign of Lockdown Protest

Comparing Wearing Masks to Slavery.” Newsweek. 5/21/2020.

Xiao, J., Shiu, E., Gao, H., Wong, J. Y., Fong, M. W., Ryu, S….Cowling, B. J. (2020). Nonpharmaceutical Measures for Pandemic Influenza in Nonhealthcare Settings—Personal Protective and Environmental Measures. Emerging Infectious Diseases, 26(5), 967-975.

 

Artigo original aqui

Todos os nossos artigos sobre máscaras estão reunidos aqui