O Que Pode Ser Feito?

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Já deve estar muito claro que não podemos confiar em Alan Greenspan, ou qualquer presidente do Banco Central, para travar a boa luta contra a inflação crônica que destruiu nossas poupanças, distorceu nossa moeda, cobrou redistribuição oculta de renda e riqueza, e trouxe-nos devastadores booms e quebras. Apesar da propaganda do establishment, Greenspan, o Banco Central e os banqueiros comerciais privados não são os “falcões da inflação” que gostam de se rotular. O Banco Central e os bancos não são parte da solução para a inflação; em vez disso, eles são parte do problema. Na verdade, eles são o problema. A economia americana sofreu com a inflação crônica e com booms e quedas destrutivas, porque essa inflação foi invariavelmente gerada pelo próprio Banco Central. Esse papel, na verdade, é o próprio propósito de sua existência: cartelizar os bancos comerciais privados e ajudá-los a inflacionar o dinheiro e crédito juntos, injetando reservas para os bancos e resgatando-os se eles tiverem problemas. Quando o Banco Central foi imposto ao público pelo cartel dos grandes bancos e seus economistas contratados, eles nos disseram que o Banco Central era necessário para fornecer a estabilidade necessária ao sistema econômico. Depois que o Banco Central foi fundado, durante a década de 1920, os economistas e banqueiros do establishment proclamaram que a economia americana estava agora em uma maravilhosa Nova Era, uma era em que o Banco Central, empregando suas ferramentas científicas modernas, estabilizaria o sistema monetário e eliminaria quaisquer futuros ciclos econômicos. Resultado: é inegável que, desde que o Banco Central nos visitou em 1914, essas inflações têm sido mais intensas e nossas depressões muito mais profundas do que nunca.

Só existe uma maneira de eliminar a inflação crônica, bem como os booms e quebras trazidos por esse sistema de crédito inflacionário: e isso é eliminar a falsificação que constitui e cria essa inflação. E a única maneira de fazer isso é abolindo a falsificação legalizada: isto é, abolir o Federal Reserve System e retornar ao padrão-ouro, para um sistema monetário onde um metal produzido no mercado, como o ouro, serve como moeda padrão, e não bilhetes de papel impressos pelo Banco Central.

Embora não haja espaço aqui para entrar em detalhes intrincados de como isso poderia ser feito, seus recursos essenciais são claros e simples. Seria fácil retornar ao ouro e abolir o Banco Central, e fazer isso de uma só tacada. Tudo o que precisamos é da vontade. O Banco Central é oficialmente uma “corporação”, e a maneira de aboli-la é a maneira como qualquer corporação, certamente qualquer corporação inerentemente insolvente como o Banco Central, é abolida. Qualquer empresa é eliminada pela liquidação de seus ativos e distribuição pro rata aos credores da empresa.

A Figura 12 apresenta um retrato simplificado dos ativos do Banco Central, em 6 de abril de 1994.

Dos ativos do Banco Central, exceto o ouro, todos são facilmente liquidados. Os $345 bilhões de títulos do governo dos EUA e de outras agências do governo federal de propriedade do Banco Central deveriam ser simples e imediatamente cancelados. Esse ato reduziria imediatamente a responsabilidade dos contribuintes pela dívida pública em $345 bilhões. E, de fato, por que os pagadores de impostos deveriam ser tributados pelo Tesouro dos EUA, a fim de pagar os juros e a quantia em dinheiro em títulos segurados por outro braço do governo federal — o Banco Central? Os contribuintes precisam ser desgastados e roubados, apenas para preservar a ficção contábil de que o Banco Central é uma empresa independente do governo federal.

“Outros ativos do Banco Central”, sejam eles empréstimos a bancos ou edifícios de propriedade do Banco Central, também podem ser sucateados, embora talvez alguns dos ativos possam ser recuperados. A moeda de tesouro, simplesmente papéis velhos emitidos pelo Tesouro, também deveriam ser canceladas imediatamente; e os SDR’s ($8 bilhões) foram uma experiência sem esperança de papel mundial do governo que os Keynesianos tinham pensado que constituiria a base de um novo papel-moeda fiduciário mundial. Estes dois deveriam ser imediatamente cancelados.

 

Figura 12. Ativos do Banco Central, 6 de abril de 1994

 

 $ em bilhões
Ouro11
Governo dos EUA e outros Títulos Federais345
Moeda do Tesouro em Destaque & SDRs30
Outros Ativos do Banco Central35
Total$421

 

Ficamos com os $11 bilhões do único bem real do Banco Central — sua reserva de ouro — que supostamente deverá representar cerca de aproximadamente $421 bilhões em passivos do Banco Central. Do total de passivos do Banco Central, aproximadamente 11 bilhões de dólares são “capitais”, que devem ser amortizados e anulados com liquidação, e 6 bilhões são depósitos do Tesouro no Banco Central que devem ser cancelados. Isso deixa o Banco Central com $11 bilhões de reserva de ouro para compensar os $404 bilhões de passivos do Banco Central.

Felizmente para o nosso processo de liquidação proposto, a avaliação do Banco Central de “11 bilhões de dólares” de sua reserva de ouro é extremamente falsa, uma vez que se baseia no “preço” totalmente arbitrário do ouro a $42,22 por onça. O Banco Central possui uma reserva de 260 milhões de onças de ouro. Como é que isto deve ser avaliado?

A reserva de ouro do Banco Central deve ser reavaliada a um nível maior, para que o ouro possa pagar todos os passivos do Banco Central — a maior parte das notas e depósitos do Banco Central, a 100 cents de dólar. Isto significa que a reserva de ouro deve ser reavaliada de modo que 260 milhões de onças de ouro serão capazes de pagar $404 bilhões em títulos do Banco Central.

Quando os Estados Unidos estavam no padrão ouro antes de 1933, a reserva de ouro foi fixada por definição em $20 por onça de ouro; o valor foi fixado em $35 por onça desde 1933 até ao fim de qualquer vestígio do padrão ouro em 1971. Desde 1971 temos estado com um dinheiro totalmente fiduciário, mas a reserva de ouro do Banco Central tem sido arbitrariamente avaliada pelos estatutos dos EUA em $42,22 por onça. Uma desvalorização absurda acontecendo na sua frente, considerando que o preço do ouro no mercado mundial tem variado de $350 a $380 por onça nos últimos anos. De qualquer modo, à medida que regressamos ao padrão ouro, a nova avaliação do ouro precisa ser o que for necessário para permitir que a reserva de ouro do Banco Central seja atribuída 100 por cento para todos os seus credores. Não há nada de sagrado em qualquer definição inicial do ouro dólar, desde que nos atenhamos a ele uma vez que estejamos no padrão ouro.

Se quisermos revalorizar o ouro para que os 260 milhões de onças de ouro possam pagar $404 bilhões em passivos do Banco Central, então o novo valor fixo do ouro deve ser $404 bilhões divididos por 260 milhões de onças, ou $1555 por onça de ouro. Se reavaliarmos a reserva de ouro do Banco Central ao “preço” de $1555 por onça, então os seus 260 milhões de onças valerão $404 bilhões. Ou, dito de outra forma, o “dólar” seria então definido como 1/1555 de uma onça.

Uma vez que esta reavaliação for feita, o Banco Central poderia e deveria ser liquidado, e a sua reserva de ouro parcelada; as notas do Banco Central poderiam ser retiradas e trocadas por moedas de ouro cunhadas pelo Tesouro. Entretanto, os depósitos sob demanda dos bancos no Banco Central seriam trocados por barras de ouro, que seriam então localizadas nos cofres dos bancos, sendo os depósitos dos bancos resgatáveis por seus depositantes em moedas de ouro. Em suma, de uma só vez, o Banco Central seria abolido, e os Estados Unidos e os seus bancos voltariam então ao padrão ouro, com “dólares” resgatáveis em moeda de ouro a $1555 por onça. Todos os bancos ficariam então, mais uma vez, como antes da Guerra Civil, por conta própria.

Uma grande vantagem deste plano é a sua simplicidade, bem como a mudança mínima requerida no setor bancário e na oferta monetária. Mesmo que o Banco Central fosse abolido e o padrão de moedas de ouro restaurado, não haveria, neste momento, qualquer ilegalidade no sistema bancário de reserva fracionária. Os bancos ficariam, portanto, intactos, mas, com o Banco Central e o seu parceiro júnior, o seguro de depósitos federal, abolidos, os bancos ficariam, finalmente, por sua conta, cada banco responsável pelas suas próprias ações.[1] Não haveria emprestador de última instância, não haveria resgate do contribuinte. Pelo contrário, ao primeiro sinal de desistência no resgate de qualquer um dos seus depósitos em ouro, qualquer banco seria obrigado a fechar as suas portas imediatamente e liquidar os seus ativos em nome dos seus depositantes. Um padrão de moedas de ouro, associado a uma liquidação imediata para qualquer banco que não cumprisse as suas obrigações contratuais, traria um sistema bancário livre tão “rígido” e sólido que qualquer problema de crédito inflacionário ou falsificação seria mínimo. Essa é talvez uma “segunda melhor” solução ao ideal de tratar os banqueiros com reserva fracionária como sendo embusteiros, mas seria suficiente pelo menos como uma excelente solução por enquanto, ou seja, até que as pessoas estejam prontas para prosseguir com a atividade bancária de 100% de reserva.

 

______________________________

Notas

[1]     Alguns defensores do livre mercado advogam “privatização” seguros de depósitos ao invés de sua abolição. Como vimos acima, entretanto, os depósitos bancários com reserva fracionária não são de modo algum “seguráveis”. Como se “segura” uma indústria inerentemente insolvente? Com efeito, não é acidental que o primeiro colapso de esquemas de seguros de Poupança e Empréstimos no meio da década de 1980 ocorreram nos sistemas dirigidos pela iniciativa privada de Ohio e Maryland. Privatizar funções do governo, enquanto sendo geralmente uma ideia admirável, pode se tornar um fetiche irreflexível e absurdo, se a alternativa da abolição for negligenciada. Algumas atividades governamentais, em suma, não deveriam, no final das contas, existir. Tomemos, por exemplo, a “função” do governo dominante na União Soviética de colocar desertores em campos de trabalho forçado. Presumivelmente, nós não iremos querer tal atividade privatizada e, portanto, feita mais eficientemente, mas completamente eliminada.