Como o Banco Central Comanda e Inflaciona

0
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

Tendo examinado a natureza da reserva fracionária e do banco central, e tendo visto como as bênçãos questionáveis do Banco Central foram fixadas à América, é hora de ver precisamente como o Banco Central, da forma que está atualmente constituído, conduz sua inflação sistêmica e seu controle do sistema monetário americano.

De acordo com sua essência, como um banco central pós-Peel Act, o Federal Reserve desfruta do monopólio da emissão de todas as notas bancárias. O Tesouro dos EUA, que emitiu dinheiro em papel como greenbacks durante a Guerra Civil, continuou a emitir “Certificados de Prata” de um dólar resgatáveis em barras de prata ou moedas no Tesouro até 16 de agosto de 1968. O Tesouro agora abandonou qualquer emissão de notas, deixando todas as notas de papel do país, ou “dinheiro”, para serem emitidos pelo Banco Central. Não apenas isso; desde que os EUA abandonaram o padrão ouro em 1933, as notas do Banco Central têm sido o curso legal para todas as dívidas monetárias, públicas ou privadas.

As notas do Banco Central, o monopólio legal do dinheiro em notas ou do dinheiro “padrão”, agora servem como base para duas pirâmides invertidas que determinam o fornecimento de dinheiro no país. Mais precisamente, os ativos dos Bancos do Banco Central consistem amplamente em dois itens centrais. Um é o ouro originalmente confiscado do público e posteriormente acumulado pelo Banco Central. Interessantemente, enquanto os passivos do Banco Central não são mais resgatáveis em ouro, ele protege seu ouro ao depositá-lo no Tesouro, que emite “certificados de ouro” com garantia de ser lastreados por não menos que 100% de barras de ouro confinados em Fort Knox e outros lugares de depósito do Tesouro. É certamente apropriado que o único armazenamento honesto que resta no sistema monetário esteja entre duas agências diferentes do governo federal: o Banco Central certifica-se de que seus recibos no Tesouro estão lastreados 100% nos cofres do Tesouro, ao passo que o Banco Central não concede a nenhum de seus credores esse alto privilégio.

O outro grande ativo possuído pelo Banco Central é o total de títulos do governo dos EUA que ele comprou e acumulou ao longo das décadas. Ao lado do passivo, também há duas figuras maiores: depósitos sob demanda retidos pelos bancos comerciais, que constituem as reservas desses bancos; e notas do Banco Central, o dinheiro emitido por ele. O Banco Central está na rara e invejável posição de ter seus passivos sob a forma de suas próprias notas constituindo a moeda com o curso legal no país. Em suma, seus passivos — notas do Banco Central — são o dinheiro padrão. Além disso, sua outra forma de passivo — depósitos à vista — são resgatáveis pelos detentores dos depósitos (i.e., bancos que constituem os depositantes, ou “clientes” do Banco Central) nessas notas que, é claro, o Banco Central pode imprimir à vontade. Ao contrário dos dias do padrão ouro, é impossível que o Banco Central vá à falência; ele detém o monopólio legal da falsificação (de criar dinheiro do nada) em todo o país.

O sistema bancário americano agora compreende dois conjuntos de pirâmides invertidas, os bancos comerciais distribuindo empréstimos e depósitos em pirâmide sobre a base de reservas, que são principalmente seus depósitos à vista no Banco Central. O próprio Banco Central determina seus próprios passivos de forma muito simples: pela compra e venda de ativos, que, por sua vez, aumenta ou diminui as reservas bancárias na mesma quantidade.

Na base da pirâmide do Banco Central e, portanto, da criação de “dinheiro” pelo sistema bancário no sentido de depósitos, está o poder do Banco Central de imprimir moeda com curso legal. Mas ele tenta o seu melhor para não imprimir dinheiro, mas sim “imprimir” ou criar depósitos sob demanda, verificação de depósitos, do nada, uma vez que seus depósitos sob demanda constituem as reservas sobre as quais os bancos comerciais podem piramidar uma criação múltipla de depósitos bancários, ou “dinheiro em talão de cheques”.

Vamos ver como esse processo tipicamente funciona. Suponha que o “multiplicador de dinheiro” — o múltiplo que os bancos comerciais podem formar em pirâmide no sobre as reservas, é 10:1. Esse múltiplo é o inverso da exigência de reserva mínima legalmente imposta pelo Banco Central a diferentes tipos de bancos, um mínimo que agora se aproxima de 10%. Quase sempre, se os bancos puderem expandir 10:1 sobre suas reservas, eles o farão, já que é assim que eles ganham dinheiro. Afinal, o falsificador tenderá fortemente a falsificar o tanto que ele puder para legalmente se safar. Suponha que o Banco Central decida que deseja expandir a oferta monetária total da nação em $10 bilhões. Se o multiplicador monetário for 10, o Banco Central escolherá comprar $1 bilhão de ativos, geralmente títulos do governo dos EUA, no mercado aberto.

As Figuras 10 e 11 a seguir demonstram esse processo, que ocorre em duas etapas. Na primeira, o Banco Central direciona seu Agente de Mercado Aberto na cidade de Nova York para comprar $1 bilhão em títulos do governo dos EUA. Para comprar esses títulos, o Banco Central escreve um cheque de $1 bilhão para si mesmo, a filial do Banco Central em Nova York. Em seguida, ele transfere esse cheque para um negociante de títulos do governo, digamos Goldman Sachs, em troca de $1 bilhão em títulos do governo dos EUA. Goldman Sachs vai ao seu banco comercial — digamos, o Chase Manhattan — deposita o cheque no Banco Central e, em troca, aumenta seus depósitos à vista no Chase Bank em $1 bilhão.

 

Figura 10. O Banco Central Compra

um Título de $1 Bilhão: Resultado Imediato

 

Bancos Comerciais
AtivosCapital próprio + passivos
 Depósitos sob demanda (para Goldman Sachs): + $ 1 bilhão
Depósitos no Banco Central

(reservas): + $1 Bilhão

 

 

O Banco Central
AtivosCapital próprio + passivos
Títulos do Governo dos EUA:

+ $1 bilhão

Depósitos sob demanda para

bancos (Chase): +$1 bilhão

 

Onde o Banco Central conseguiu dinheiro para pagar os títulos? Ele criou o dinheiro do nada simplesmente escrevendo um cheque para si mesmo. Belo truque, se você conseguir se safar!

O Chase Manhattan, feliz por receber um cheque do Banco Central, corre até a filial do Banco Central em Nova York e o deposita em sua conta, aumentando suas reservas em $1 bilhão. A Figura 10 mostra o que aconteceu no final desta Etapa um.

A oferta monetária total da nação, a qualquer hora, é o dinheiro padrão total (Notas do Banco Central) mais os depósitos nas mãos do público. Note que o resultado imediato da compra pelo Banco Central de um título do governo de $1 bilhão no mercado aberto é aumentar a oferta monetária total da nação em $1 bilhão.

Mas este é apenas o primeiro passo imediato. Como vivemos sob um sistema bancário de reserva fracionária, outras consequências surgem rapidamente. Há agora $1 bilhão a mais em reservas no sistema bancário e, como resultado, o sistema bancário expande seu dinheiro e crédito, a expansão começa com o Chase e rapidamente se espalha para outros bancos no sistema financeiro. Em um breve período de tempo, cerca de duas semanas, todo o sistema bancário terá expandido o crédito e a oferta de moeda em outros $9 bilhões, até um aumento na oferta de dinheiro em $10 bilhões. Consequentemente, o efeito alavancado, ou “múltiplo”, das mudanças nas reservas bancárias e das compras ou vendas de ativos pelo Banco Central que determinam essas reservas. A Figura 11, então, mostra as consequências da compra pelo Banco Central de $1 bilhão em títulos do governo após algumas semanas.

Note que o balanço patrimonial do Banco Central após algumas semanas permanece inalterado no conjunto (embora os bancos específicos que possuem os depósitos bancários mudem conforme os bancos individuais expandem o crédito e as reservas mudam para outros bancos que então participam da expansão em comum). A mudança nos totais ocorreu entre os bancos comerciais que formaram uma pirâmide de créditos e depósitos em cima de sua explosão inicial de reservas, para aumentar a oferta monetária total da nação em $10 bilhões.

 

Figura 11. O Banco Central Compra um Título de $1 bilhão:

Resultado Depois de Algumas Semanas

 

Bancos Comerciais
AtivosCapital próprio + passivos
Empréstimos e títulos:

+ $9 bilhões

Depósitos sob demanda:

+ $10 bilhões

Depósitos no Banco Central

(Reservas): + $1 Bilhão

 

 

O Banco Central
AtivosCapital próprio + passivos
Títulos do Governo dos EUA:

+ $1 bilhão

Depósitos sob demanda para

bancos: +$1 bilhão

 

Deve ser fácil ver o porquê de o Banco Central pagar por seus ativos com um cheque sobre si mesmo, ao invés de imprimir notas do Banco Central. Somente com o uso de cheques ele pode expandir a oferta monetária em dez vezes; são os depósitos sob demanda do Banco Central que servem como base para a pirâmide dos bancos comerciais. O poder de imprimir dinheiro, por outro lado, é a base essencial sobre a qual o Banco Central promete resgatar seus depósitos. O Banco Central apenas emite papel-moeda (Notas do Banco Central) se o público exigir dinheiro para suas contas bancárias e os bancos comerciais então terem de recorrer ao Banco Central para sacar seus depósitos. Ele quer que as pessoas usem cheques em vez de dinheiro, tanto quanto possível, para que ele possa gerar inflação de crédito bancário em um ritmo que ele possa controlar.

Se o Banco Central comprar qualquer ativo, portanto, aumentará a oferta de dinheiro na nação imediatamente por essa quantia; e, em poucas semanas, por qualquer múltiplo que seja dessa quantidade, aos bancos é permitido formar uma pirâmide sobre suas novas reservas. Se vender qualquer ativo (novamente, geralmente títulos do governo dos EUA), a venda terá o efeito simetricamente reverso. No início, a oferta de dinheiro na nação diminuirá pela quantidade precisa da venda de títulos; e em algumas semanas, ela diminuirá por um múltiplo, digamos dez vezes, desse valor.

Assim, o principal instrumento de controle que o Banco Central exerce sobre os bancos são as “operações de mercado aberto”, compras ou vendas de ativos, geralmente títulos do governo dos Estados Unidos. Outro poderoso instrumento de controle é a alteração da reserva legal mínima. Se os bancos tiverem de manter não menos do que 10% de seus depósitos na forma de reservas, e então o Banco Central repentinamente reduzir essa proporção para 5%, a oferta de moeda do país, isto é, os depósitos bancários, dobrarão repentina e rapidamente. E vice-versa, se a proporção mínima subitamente subisse para 20%, a oferta monetária do país seria rapidamente cortada pela metade. Desde que o Banco Central, após ter expandido as reservas bancárias na década de 1930, entrou em pânico com o potencial inflacionário e dobrou os requisitos de reservas mínimas para 20% em 1938, colocando a economia em uma queda livre de liquidação de crédito, o Banco Central tem sido muito cauteloso sobre o grau de suas mudanças nos seus requerimentos de reservas bancárias. O Banco Central, desde aquele período, mudou os requisitos de reserva dos bancos com bastante frequência, mas em etapas muito pequenas, em frações de 1%. Não deve ser surpresa que a tendência de mudança do Banco Central tenha sido decrescente: sempre reduzindo os requisitos de reserva dos bancos e, portanto, aumentando os múltiplos da inflação do crédito bancário. Assim, antes de 1980, o requisito de reserva mínima média era cerca de 14%, em seguida, foi reduzido para 10% e menos, e o Banco Central agora tem o poder de reduzi-lo a zero, se assim o desejar.

Assim, o Banco Central tem o poder quase absoluto de determinar a oferta de dinheiro, se quiser.[1] Ao longo dos anos, o impulso de suas operações tem sido consistentemente inflacionário. Pois não apenas a tendência de seus requisitos de reserva sobre os bancos tem se tornado cada vez menor, mas a quantidade de seus títulos do governo dos EUA acumulados tem aumentado consistentemente ao longo dos anos, transmitindo assim um ímpeto inflacionário contínuo ao sistema econômico. Assim, o Banco Central, começando com zero títulos do governo, adquiriu cerca de $400 milhões em 1921 e $2,4 bilhões em 1934. No final de 1981, o Banco Central acumulou nada menos do que $140 bilhões em títulos do governo dos Estados Unidos; em meados de 1992, o total havia chegado a $280 bilhões. Não há um retrato mais claro do ímpeto inflacionário que o Banco Central tem constantemente dado, e continua dando, à nossa economia.

 

_____________________________

Notas

[1]     Tradicionalmente, os livros didáticos monetários e bancários listam três formas de controle do Banco Central sobre as reservas e, portanto, o crédito dos bancos comerciais: em adição aos depósitos compulsórios e operações de mercado aberto, existe a taxa de “desconto” do Banco Central, taxa de juros cobrada em seus empréstimos aos bancos. Sempre de importância muito mais simbólica do que substantiva, esse instrumento de controle tornou-se trivial, agora que os bancos quase nunca pedem empréstimos ao Banco Central. Em vez disso, eles emprestam reservas uns dos outros no mercado overnight de “fundos federais”.