O que significa ‘A Busca da Felicidade’

0
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

A ideia da “busca da felicidade” está no DNA social americano. No entanto, esse “direito inalienável”, imortalizado na Declaração de Independência dos Estados Unidos, muitas vezes intriga as pessoas. O que exatamente Thomas Jefferson quis dizer?

A maioria das pessoas acha que felicidade é se sentir bem, mas não foi isso que Jefferson quis dizer. Prazer e felicidade não são a mesma coisa. Nossa felicidade não depende de tudo dar certo em nossa vida ou de conseguirmos o que queremos.

Em seu artigo de revisão jurídica, “As Origens da Busca da Felicidade”, Carli Conklin observou o mal-entendido generalizado da sociedade sobre a natureza da felicidade. Jefferson não quis dizer: “O direito inalienável à busca da felicidade” fornece um “direito absoluto de buscar aquilo que faria a pessoa se sentir bem”.

Conklin descreveu Jefferson como um “escritor meticuloso e deliberado e proponente dos direitos e deveres do homem” que não incluiria uma frase vaga em uma “declaração bastante particular dos direitos naturais e políticos do homem”.

Jefferson foi influenciado pelos Comentários de William Blackstone sobre as Leis da Inglaterra. Conklin escreveu sobre o argumento de Blackstone: “A busca pela felicidade é o principal método pelo qual os homens podem conhecer e aplicar a lei da natureza no que se refere aos humanos”. O próprio Blackstone escreveu que os indivíduos podem “descobrir. . . o que a lei da natureza orienta em todas as circunstâncias da vida; considerando qual método tenderá mais eficazmente para nossa própria felicidade substancial.

Conklin esclareceu as implicações do argumento de Blackstone: “Felicidade neste sentido é sinônimo do conceito grego de eudaimonia; evoca uma sensação de bem-estar ou um estado de florescimento que é o resultado de uma vida adequada ou virtuosa.

Jefferson aderiu a esse significado de felicidade. Em uma carta para sua filha mais velha, Martha (Patsy), Jefferson aconselhou que viver uma vida virtuosa é a chave para a felicidade. “Tédio”, escreveu Jefferson, é “o veneno mais perigoso da vida”. De acordo com Jefferson, o antídoto é “desenvolver diariamente aqueles princípios de virtude e bondade que o tornarão valioso para os outros e feliz consigo mesmo”. Jefferson não deixou margem para dúvidas sobre os meios para a felicidade: “Saúde, aprendizado e virtude garantirão sua felicidade; eles lhe darão uma consciência tranquila, estima privada e honra pública.

Apontando-nos de volta para Blackstone, Conklin coloca desta forma:

         Em vez de ser ‘passageira ou temporal’, essa felicidade é ‘real’ e ‘substancial’. É real porque ‘não é fictícia; não é imaginária; [mas] verdadeira; genuína.’ É substancial porque pertence à substância ou essência do que significa ser totalmente humano. Assim, para Blackstone, buscar a felicidade era buscar uma vida adequada ou bem ordenada; um que estava em harmonia com a lei da natureza no que se refere ao homem.

A sabedoria de Blackstone e Jefferson é consistente com as mais recentes pesquisas acadêmicas sobre felicidade. Uma vez que estamos além das necessidades da vida – e não, essas necessidades não incluem carros elétricos – mudanças hedônicas ou outras nas circunstâncias da vida fazem pouco para impactar a felicidade. Uma pesquisadora, Sonja Lyubomirsky, explicou: “A felicidade, mais do que qualquer coisa, é um estado de espírito, uma maneira de perceber e abordar a nós mesmos e ao mundo em que residimos”.

Leonard Read acreditava que a busca pela felicidade era um processo espiritual. Em seu livro  Elementos da liderança libertária, Read escreveu: “Somos verdadeiramente felizes apenas quando estamos em um estado perpétuo de incubação, nossa própria consciência se abrindo para a Consciência Infinita”. Por “incubação”, Read referia-se às ideias do filósofo grego Heráclito, que acreditava, nas palavras de Read, “Somos criaturas em trânsito. Não podemos vagar como somos, apenas sendo nossos pequenos e alegres eus; devemos crescer e, se não o fizermos, decaímos.

O famoso autor de  O Homem em Busca de um Sentido, Viktor Frankl, enfatizou que a felicidade deve ser obtida indiretamente ao buscar uma vida significativa. Em seu livro  Dizer Sim à Vida Apesar de Tudo, Frankl explicou que a vida não é sobre conseguir o que queremos: “O prazer em si não pode dar sentido à nossa existência; assim a falta de prazer não pode tirar o sentido da vida.”

Frankl afirmou: “A felicidade não deveria, não deve e nunca pode ser uma meta, mas apenas um resultado; o resultado do cumprimento do dever.

Consistente com Blackstone e Jefferson, Frankl nos aconselhou a “’realizar uma revolução copernicana’, uma virada conceitual de 180 graus, após a qual a pergunta não pode mais ser ‘O que posso esperar da vida?’ mas agora só pode ser ‘O que a vida espera de mim?’ Que tarefa na vida está esperando por mim?”

Em Anna Karenina, o Vronsky de Leo Tolstoi experimentou o tédio contra o qual Jefferson adverte. Tendo obtido o amor de Anna Karenina, Vronsky “logo sentiu que a realização de seus desejos lhe dava apenas um grão da montanha de felicidade que ele esperava… Ele logo percebeu que estava brotando em seu coração um desejo por desejos – tédio. Sem intenção consciente, ele começou a se agarrar a cada capricho passageiro, tomando-o por um desejo e um objeto.”

Tolstoi iluminou a lição de que uma vida girando em torno da autogratificação não funciona: a “realização” de Vronsky mostrou a ele o erro eterno que os homens cometem ao imaginar que sua felicidade depende da realização de seus desejos.

Por que importa que a “busca da felicidade” seja tão mal compreendida?

Não há direito à felicidade; certamente, os outros não são obrigados a te fazer feliz. Você é livre para buscar a felicidade se não atropelar os direitos dos outros de buscar a felicidade deles.

O falecido ministro e autor Hugh Prather alertou: “A infelicidade é desfocada, agitada e, acima de tudo, assustada. Sem integridade, sem direção interior calma, ela segue a deixa de qualquer problema que se perceba diante dela agora.”

Quando buscamos a felicidade, temos a responsabilidade de remover nossas barreiras autocriadas para a felicidade. Apontar o dedo para os outros enquanto “permanece inconsciente de nossos padrões de pensamento mais sombrios” é uma barreira para a felicidade. Em vez disso, Prather nos encorajou a nos tornarmos mais conscientes de nossos “pensamentos mesquinhos, malévolos e embaraçosos”.

Prather nos aconselha a examinar como usamos o tempo. Temos um propósito valioso? Se não, nós “agitaremos… e saltaremos desordenadamente e sem esperança para cada mudança que o tempo traz”. Ao fazer isso, aumenta a prova de nossa “insignificância e ineficácia”. O descontentamento cresce.

Sentindo-se infeliz, alguém pode raciocinar que alguém ou alguma outra coisa deve estar errada. Eles, não eu, não têm virtude. Não entender a verdadeira natureza da felicidade promove a irresponsabilidade e ameaça a liberdade.

Uma sociedade com uma população menos disposta a buscar a felicidade, no sentido que Jefferson, Blackstone e Frankl aconselharam, é uma sociedade em que populistas autoritários se multiplicam para explorar o vácuo. Autoritários e coletivistas apontam para uma miríade de “problemas” que obstruem a felicidade e nos garantem que têm soluções.

A felicidade é um trabalho interno, e aqueles que entendem a natureza da felicidade cultivam virtudes atemporais que levam a uma vida com significado e propósito. Hoje, mais do que nunca, a busca pela felicidade é essencial para preservar a liberdade.

 

 

Artigo original aqui

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui