O socialismo destrói o caráter humano

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Os verdadeiros socialistas não querem um mundo melhor, querem um mundo perfeito. É por isso que muitas vezes veem a melhoria gradativa com desdém ou mesmo hostilidade, e porque estão dispostos a sacrificar a felicidade de uma geração presente pela felicidade imaginada de uma geração que virá em um futuro distante. Para adaptar muito ligeiramente as palavras do Louco de Twelfth Night: A alegria presente não tem risos. O que está por vir é muito certo. No atraso, há muito. . .

Se você disser a um socialista que centenas de milhões de pessoas foram tiradas da pobreza nas últimas décadas por meios opostos aos do socialismo, ele imediatamente retrucará que muitos milhões também não foram tiradas da pobreza, como se sempre houve, ou poderia haver, uma época em que todas as pessoas se beneficiassem igualmente da melhoria das condições econômicas, ou como se a pobreza fosse o fenômeno que precisa ser mais explicado do que de riqueza. Até que todos sejam retirados da pobreza, ninguém deve ser. Oscar Wilde, em A alma do homem sob o socialismo (1891), escreveu que “é imoral usar a propriedade privada para aliviar os horríveis males que resultam da instituição da propriedade privada”. A única solução real para o problema da pobreza, segundo ele, era a abolição da propriedade; e até que fosse abolida, a pessoa que usava seu dinheiro dessa maneira era o pior e mais perigoso tipo de explorador, pois ela disfarçava o fato da exploração dos explorados, tornando a exploração suportável.

O texto de Wilde é, sob muitos aspectos, um locus classicus de um certo tipo de pensamento que, embora (ou talvez, mais precisamente, porque) seja profundamente adolescente por natureza, mantém seu apelo em um mundo que é perenemente insatisfatório para seus habitantes, e não necessariamente para o pior entre eles. Wilde – um homem muito inteligente, é claro – observou que o caráter dos seres humanos nem sempre era bom, mas atribuiu esse fato decepcionante à influência da instituição da propriedade privada. Abolindo a propriedade privada “teremos um Individualismo verdadeiro, belo e saudável. Ninguém vai desperdiçar sua vida acumulando coisas e os símbolos das coisas. Eles irão viver. Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas existem, só isso.”

Isso é obviamente semelhante à ideia marxista de que o homem só se tornará verdadeiramente ele mesmo após a instituição do comunismo. O que exatamente o homem era até então (o que também significa o que ele é agora, uma vez que o comunismo ainda não foi instituído) não está muito claro, mas não é nada muito lisonjeiro para ele; na verdade, implica um desprezo pela vasta massa da humanidade passada, presente, e quase certamente a por vir. Falando por mim mesmo, vivi ou ministrei aos miseráveis ​​da terra durante grande parte da minha carreira, mas nunca me ocorreu por um único momento que eles eram nada menos do que totalmente humanos, tão humanos e individuais quanto eu fui eu mesmo.

Wilde continua:

Será uma coisa maravilhosa – a verdadeira personalidade do homem – quando a virmos. Ela vai crescer de forma natural e simples, como uma flor ou como uma árvore cresce. Não haverá discórdia. Nunca será contestada ou duvidada. Não vai provar as coisas. Ela saberá tudo. E, no entanto, não se ocupará com o conhecimento. Terá sabedoria. Seu valor não será medido por coisas materiais. Não terá nada. E, no entanto, terá tudo, e tudo o que se tirar dela, ainda terá, tão rico será.

Me espanta o fato de que alguém pudesse acreditar em tal baboseira, ainda mais um homem tão talentoso intelectualmente como Wilde; mas não é nem um pouco difícil encontrar intelectuais que concordem, por exemplo Slavoj Zizek, o filósofo superstar esloveno que certamente atrairá multidões de jovens admiradores para suas apaixonadas denúncias do mundo como ele é aonde quer que vá. Parece que os sonhadores utópicos são como os pobres, nós os temos sempre conosco.

Tendo denunciado os efeitos da propriedade privada sobre a personalidade humana, Wilde (tomo-o apenas como exemplo) passa – de fato como Marx e Engels antes dele – a imaginar os maravilhosos resultados que a abolição da propriedade privada sob o socialismo terá para as relações pessoais e íntimas:

O socialismo aniquila a vida familiar, por exemplo. Com a abolição da propriedade privada, o casamento em sua forma atual deve desaparecer. Isso faz parte do programa. O individualismo aceita isso e o torna algo bom. Ele converte a abolição da restrição legal em uma forma de liberdade que ajudará no pleno desenvolvimento da personalidade e tornará o amor do homem e da mulher mais maravilhoso, mais bonito e mais enobrecedor.

Por acaso, observei de perto esse amor mais maravilhoso, mais belo e enobrecedor do homem e da mulher sob condições, de fato, do socialismo, bem como a abolição da restrição legal – isto é, toda estrutura legal ou obrigação social nas relações familiares – com seu supostamente pleno desenvolvimento da personalidade, e não era tão adorável quanto Wilde (ou, nesse caso, Marx e Engels) imaginou ou descreveu, para dizer o mínimo. Na verdade, era terrível, por razões que certamente qualquer pessoa moderadamente sensata com mais de 20 anos teria esperado e compreendido que fosse. A ausência de contenção não conduziu nem mesmo à liberdade, como outro escritor anglo-irlandês, Edmund Burke, apontou quase exatamente um século antes de Wilde:

Os homens são qualificados para a liberdade civil, na proporção exata de sua disposição de colocar freios morais em seus próprios apetites; na proporção em que seu amor à justiça está acima de sua ganância; na proporção em que sua integridade e sobriedade de entendimento estão acima de sua vaidade e presunção; na proporção em que estão mais dispostos a ouvir os conselhos dos sábios e bons, ao invés da bajulação de patifes. A sociedade não pode existir a menos que um poder de controle sobre a vontade e o apetite seja colocado em algum lugar, e quanto menos houver dentro, mais deve haver fora. É ordenado na constituição eterna das coisas que os homens de mente intemperante não podem ser livres. Suas paixões forjam seus grilhões.

Claramente, existe a possibilidade de regressão intelectual, bem como de progresso. As pessoas que viveram o sonho de Wilde, que eu vi de perto como um médico trabalhando em uma parte pobre de uma cidade britânica, viviam sob um regime socialista tão completo quanto, embora menos autoritário do que o da antiga União Soviética. Sua moradia, educação, saúde e renda derivavam da coletividade, não de algo que eles mesmos faziam. Elas viviam com a maior segurança – os serviços públicos sempre estariam lá para elas – exceto, talvez, quando saíssem de suas casas, quando pudessem ser atacados por seus pares. É verdade que elas se apegavam a certa quantidade de propriedade privada, mas ela consistia principalmente em roupas, alguns eletrodomésticos, o aparato eletrônico de distração mental e alguns móveis sem valor. Mesmo Wilde dificilmente poderia querer dizer que as pessoas não deveriam possuir suas próprias roupas; e na verdade elas viviam em um ambiente que era notavelmente igual. Seu padrão de vida material foi dissociado com sucesso de qualquer esforço que elas pudessem obter.

Suas relações sexuais careciam de restrições legais exatamente como Wilde imaginara. Nesse aspecto, ele foi um profeta; mas, infelizmente, o resto de sua visão infelizmente carecia de acuidade ou verossimilhança. As pessoas sendo privadas de quaisquer razões econômicas ou contratuais para praticarem o  autocontrole e acreditando que nunca estariam em situação melhor ou pior se elas se esforçassem (exceto talvez pelo crime), as relações entre os sexos, uma vez sujeitas a restrições do tipo que Wilde queria que fossem removidas para que toda a beleza da personalidade humana pudesse emergir, tornaram-se fluidas da pior maneira possível. Não se tinha um pai presente durante a infância de sua prole; uma série de padrastos tornou-se um padrão muito comum. O ciúme, o mais poderoso instigador da violência entre homens e mulheres, aumentou de forma surpreendente. O homem não era muito um lobo como um predador sexual do homem. A confiança desapareceu e a violência tomou seu lugar. Foi criado um ambiente social no qual um ciclo de pobreza relativa (se não absoluta), que era uma suposta justificativa para o socialismo em primeiro lugar, agora existia como uma espécie de profecia autorrealizável. Se os socialistas amassem tanto os pobres que desejassem preservá-los em sua pobreza, dificilmente poderiam ter feito melhor.

O socialismo não é só, ou nem mesmo essencialmente, uma doutrina econômica: ele é uma revolta contra a natureza humana. Ele se recusa a acreditar que o homem é uma criatura decaída e busca melhorá-lo tornando todos iguais uns aos outros. Não é surpreendente que o desenvolvimento do Novo Homem fosse o objetivo final das tiranias comunistas, sendo a versão mais antiga do homem tão imperfeita e mesmo desprezível. Mas esses sonhos fúteis e repreensíveis, não obstante os resultados desastrosos quando foram levados a sério por homens impiedosos no poder, estão longe de ser desconhecidos às gerações atuais de intelectuais. O homem, sabendo que é imperfeito, continuará a sonhar e acreditar em esquemas não apenas de melhoria aqui e ali, mas de perfeição, de uma vida tão perfeitamente organizada que todos serão felizes, gentis, decentes e altruístas, sem absolutamente nenhum esforço. A ilusão é eterna, especialmente entre os intelectuais.

 

 

Artigo original aqui.