Os custos devem ser comparados aos benefícios (último artigo de Walter Williams)

2
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Uma das primeiras lições em um curso de economia é que toda ação tem um custo. Isso contrasta fortemente com as lições na arena política, onde os políticos praticamente ignoram os custos e falam sobre benefícios e coisas gratuitas. Se olharmos apenas para os benefícios de uma ação, uma política ou um programa, faríamos essa coisa porque há um benefício em qualquer ação, política ou programa.

Pense em um exemplo simples. O Departamento de Trânsito estima que 36.096 pessoas perderam suas vidas em acidentes de trânsito de veículos motorizados em 2019 nos EUA. Praticamente todas essas vidas poderiam ter sido salvas se tivéssemos um limite de velocidade de 10 km/h. O grande benefício de um limite de velocidade de 10 km/h é que aqueles mais de 36.000 americanos estariam conosco, em vez de perdidos na carnificina das rodovias. Felizmente, olhamos para os custos de ter um limite de velocidade de 10 km/h e concluímos corretamente que salvar aquelas vidas de mais de 36.000 não compensa os custos e os inconvenientes. A maioria de nós acha muito insensível, ao falar sobre a vida, pesar explicitamente os custos e os benefícios. Dizemos simplesmente que um limite de velocidade de 10 km/h não seria prático.

E quanto aos benefícios e custos de lidar com a pandemia COVID-19? Grande parte da classe médica e dos políticos dizem que quarentenas, distanciamento social e uso de máscaras são as soluções. Os dados do CDC sobre as taxas de mortalidade mostram que, se alguém tiver menos de 35 anos, as chances de morrer de COVID-19 são muito menores do que de um acidente de bicicleta. Devemos proibir as bicicletas? Dr. Martin Kulldorff, professor de medicina da Universidade de Harvard, bioestatístico e epidemiologista, Dr. Sunetra Gupta, professor da Universidade de Oxford e epidemiologista com experiência em imunologia, e Dr. Jay Bhattacharya, professor da Escola de Medicina da Universidade de Stanford, médico e epidemiologista foram os iniciadores da Declaração de Great Barrington. Mais de 50.000 cientistas e médicos, bem como mais de 682.000 pessoas comuns, assinaram a Declaração de Great Barrington opondo-se a uma segunda quarentena do COVID-19 porque consideram que isso causa muito mais danos do que benefícios.

Esforços para evitar que muito jovens peguem COVID-19, dado que a maioria nem perceberá que tem ou sofrerão apenas sintomas leves, podem ser contraproducentes, pois atrasam o ponto em que um país obtém imunidade coletiva. De acordo com o CDC, as mortes por COVID-19 em jovens (de bebês a estudantes universitários) são quase inexistentes. A primeira faixa etária a fornecer uma contribuição substancial para o número de mortes é de 45-54 anos, que contribui com quase 5% de todas as mortes por coronavírus. Mais de 80% das mortes ocorrem em pessoas com 65 anos ou mais. Isso aumenta para mais de 92% se a faixa etária de 55-64 anos for incluída.

Assim, apenas um número ínfimo de pessoas com menos de 25 anos morre de COVID-19. Mesmo assim, as escolas foram fechadas e dezenas de milhões de crianças tiveram suas aulas canceladas. Exigir que crianças de 5 anos usem máscaras durante o dia na escola é um absurdo. A aula virtual pode servir como um substituto para o ensino em sala de aula, mas tem resultados mistos. Alguns pais podem fornecer a seus filhos as ferramentas necessárias, talvez contratar professores particulares e ter um interesse ativo no que seus filhos estão fazendo online. Outros pais não terão interesse, capacidade ou tempo.

Aqui está uma pergunta de quarentena para você. As autoridades governamentais permitem que mercados e farmácias permaneçam abertos durante as quarentenas. Elas permitiram que lojas como Carrefour, Pão de Açúcar e Lojas Americanas permanecessem abertas. No entanto, essas lojas vendem itens que também são vendidos em lojas que foram fechadas. A falta de igualdade de tratamento fez com que muitos funcionários perdessem seus empregos e muitos varejistas que antes eram financeiramente prósperos ​​pediram falência.

Como disse o satírico político H. L. Mencken: “Todo o objetivo da política prática é manter a população alarmada (e, portanto, clamando para ser conduzida à segurança), ameaçando-a com uma série infinita de monstros, todos eles imaginários.” A propósito, a melhor hora para assustar as pessoas, estar errado e persistir em estar errado é quando os custos de estar errado são arcados pelos outros.

 

Artigo original aqui.

2 COMENTÁRIOS

  1. As vezes as pessoas se surpreendem com a capacidade da máfia estatal de ser contraditória, o que no caso fica bem explícito no caso da permanência aberta dos grandes supermercados, praticamente shoopings centers hoje em em dia. O mundo só não parou ainda justamente por os mafiosos do governo não conseguem pensar em tudo. Alguém mais ligado poderia ter obrigado os super a vender só itens básicos. Só que isso seria humanamente impossível. Assim, fica claro que o vírus é só uma desculpa, para planos que apenas vagamente poderemos saber quais são.