O futuro digital dos mercados e do dinheiro

1

[Discurso proferido na Common Sense Society Netherlands em 13 de junho de 2022 no Grand Hotel Karel V em Utrecht.]

Muito obrigado pelo convite. Estou muito feliz por ter a oportunidade de compartilhar alguns pensamentos com você sobre um tópico no qual tenho muito interesse e que acredito ser de extrema importância para as pessoas ao redor do mundo – e que é “o futuro digital dos mercados e do dinheiro”.

Então vamos mergulhar de cabeça nele!

Quando eu tinha a idade de vocês, queridos alunos, não havia celulares, nem internet, nem Google, nem Amazon, nem Facebook, nem Twitter, nem TikTok, nem YouTube. As pessoas não tinham Apple Pay, PayPal, Alipay ou WeChat Pay.

Felizmente, porém, já tínhamos dinheiro. As compras eram pagas com dinheiro – moedas e notas – com cheques e com dinheiro eletrônico, transferindo depósitos à vista de uma conta bancária para outra. Como o banco on-line não existia, as pessoas ficavam muito ocupadas preenchendo muitos canhotos de cheques.

Digitalização

Os tempos mudaram muito desde então. A digitalização, em particular, foi drasticamente desenvolvida e trouxe mudanças verdadeiramente revolucionárias nos últimos vinte anos.

Elas vêm com a transformação digital, ou seja, a transição gradual dos sistemas econômicos e sociais existentes para a era digital, e também com a disrupção digital: mudanças radicais desencadeadas por tecnologias e modelos de negócios inovadores.

A digitalização provou ser um poderoso catalisador para a mudança econômica e social. Ela conecta pessoas de lugares e origens culturais muito diferentes em todo o mundo, aproximando-as mais do que nunca; estimula a concorrência em mercados já estabelecidos e impulsiona e espalha inovações globalmente.

O que a digitalização não fará, porém, é mudar o conceito de mercado como tal; tenho certeza disso. Porque o conceito de mercado está intrinsecamente ligado à ação humana.

A ação humana significa, em geral, que nós, como seres humanos, substituímos uma situação que achamos menos satisfatória por uma situação que consideramos mais favorável.

E não podemos deixar de fazê-lo; não podemos não agir – por razões lógicas. Porque se você diz: “Os humanos podem optar por não agir”, você está agindo (falar é uma forma de ação), então você comete uma contradição performativa, dizendo algo falso.

Por razões lógicas, sabemos que é apodicamente verdade que os humanos agem. E enquanto nos envolvermos com nossos semelhantes, haverá mercados de todos os tipos, mesmo na era da digitalização.

E isso é uma notícia muito boa! Porque os mercados – devo dizer: mercados livres – são mutuamente benéficos para todas as partes envolvidas. Deixe-me lhe dar um exemplo.

Você passa por uma loja de frutas e fica com fome. Você entra e compra maçãs por um euro. Pergunta: Que valor você atribui às maçãs? Resposta: Você valoriza as maçãs mais do que um euro – caso contrário, você não fecharia o negócio.

E o lojista? Bem, ele valoriza o euro que recebe mais do que as maçãs que entrega. Caso contrário, ele não teria participado da transação.

Como você pode ver: A transação do mercado livre é benéfica para você e para o lojista. Vocês dois estão melhor depois do acordo. Essa é a beleza do livre mercado – é mutuamente benéfico para todos os participantes.

O que é dinheiro

Com os novos mercados de bens e serviços no mundo digitalizado, surgem novas demandas por serviços de pagamento e novos requisitos para certas propriedades do dinheiro. Tomemos, por exemplo, a internet das coisas, pagamento por uso ou pagamentos máquina a máquina (M2M).

Para aproveitar essas oportunidades de negócios inovadoras, as pessoas exigem dinheiro programável.

O dinheiro programável é frequentemente apresentado como dinheiro habilitado pela tecnologia de contabilidade distribuída, ou o sistema blockchain, que é de fato um exemplo proeminente que combina valor digital e programabilidade em um único sistema.

A busca por dinheiro programável estimulou os esforços para tokenizar o dinheiro do banco comercial ou, mais proeminentemente, para emitir moeda digital do banco central.

Devo observar neste contexto que os mercados de unidades criptográficas – como bitcoin e ethereum, e stablecoins como tether e moeda USD, para citar apenas alguns – surgiram por razões muito diferentes.

O principal motivo dos defensores das unidades de criptografia é a busca por dinheiro melhor, dinheiro descentralizado, dinheiro que está além do controle manipulador dos governos e seus bancos centrais. A programabilidade é, por assim dizer, um recurso adicional bem-vindo das unidades de criptografia.

Mas antes de entrarmos em mais detalhes sobre os desenvolvimentos monetários atuais e futuros na era da digitalização, gostaria de falar brevemente sobre alguns insights fundamentais e atemporais da teoria monetária.

Deixe-me perguntar-lhe: O que é dinheiro? A resposta é que o dinheiro é o meio de troca mais amplamente aceito. É o bem mais líquido e mais comercializável que existe.

O dinheiro não é um bem de consumo nem um bem de capital. É um bom sui generis; é um bem usado para troca; é o bem de troca.

Como você provavelmente sabe, considera-se que o dinheiro possui três funções: meio de troca, unidade de conta e reserva de valor.

No entanto, após uma inspeção mais detalhada, o economista austríaco Ludwig von Mises (1881-1973) argumentou que o dinheiro tem apenas uma função, a saber, a função de meio de troca. A unidade de conta e a função de reserva de valor são apenas subfunções da função de meio de troca.

Na verdade, a função unidade de conta é apenas uma expressão da função meio de troca: ela descreve a relação de troca entre as unidades monetárias que devem ser entregues para obter os bens em questão (digamos, cem dólares americanos por uma camisa).

E a função de reserva de valor representa apenas um adiamento da troca do presente para o futuro.

Então, se concordarmos que o dinheiro tem apenas uma função, a função de meio de troca, chegamos a um insight bastante surpreendente, a saber, que não importa quanto dinheiro existe na economia.

Uma oferta monetária de, por exemplo, €15 bilhões é tão boa ou tão ruim quanto uma oferta monetária de, digamos, €5 bilhões. Se a quantidade de dinheiro for grande, os preços dos bens serão relativamente altos; se for pequena, os preços das mercadorias serão relativamente baixos. Novamente, qualquer quantidade de dinheiro é tão boa ou ruim para financiar uma determinada transação de bens e serviços quanto qualquer outra.

Podemos concluir que se o dinheiro é útil apenas para troca, um aumento na quantidade de dinheiro não trará nenhum benefício social. Apenas reduz o poder de compra da unidade monetária (em comparação com uma situação em que a quantidade de dinheiro na economia permaneceu inalterada).

Um aumento na quantidade de dinheiro leva a uma redistribuição de renda e riqueza. Os primeiros recebedores do novo dinheiro se beneficiam à custa dos recebedores tardios.

Os primeiros recebedores podem gastar seu novo dinheiro em bens e serviços a preços inalterados. À medida que o dinheiro se move de mão em mão, os preços das mercadorias aumentam, de modo que os recebedores tardios ​​poderão comprar mercadorias apenas a preços mais altos.

Em outras palavras: um aumento na quantidade de moeda em uma economia nunca é neutro. Ele cria vencedores (os primeiros recebedores do novo dinheiro) e perdedores (os últimos recebedores do novo dinheiro).

Dinheiro para cálculo econômico

Muitas vezes é esquecido ou pelo menos subestimado que o dinheiro é uma ferramenta indispensável em uma economia avançada caracterizada pela divisão do trabalho e do comércio.

A moeda serve como denominador comum, como numerário para todos os preços de bens. Permite, assim, o cálculo do retorno sobre as diversas alternativas de ação econômica.

Em uma economia complexa, apenas o cálculo monetário pode alocar recursos para seus usos mais produtivos – ou seja, usos que satisfaçam melhor a demanda do consumidor.

As economias modernas e avançadas de hoje não poderiam existir sem usar o dinheiro para o cálculo econômico.

É claro que nem todo tipo de dinheiro serve. O que é necessário é dinheiro sólido, dinheiro que não mude seu poder de compra com muita rapidez e de forma totalmente inesperada.

Devo observar aqui que não existe moeda estável no sentido de que a relação de troca do dinheiro em relação aos bens comercializáveis ​​permaneceria e poderia permanecer constante ao longo do tempo.

Da lógica da ação humana sabemos que o homem muda de momento a momento e suas valorações e volições mudam com ele. Às vezes as pessoas valorizam mais um bem, às vezes menos; e novos produtos surgem no mercado, substituindo produtos já estabelecidos. Não há ponto fixo nesta flutuação incessante. Isso também se aplica ao “bem monetário” em relação a todos os outros bens e serviços.

Moeda Commodity

Se olharmos para trás na história, descobrimos que as pessoas, sempre que tinham a liberdade de escolher seu dinheiro, preferiam metais preciosos, ouro e prata em particular.

A razão é óbvia: para servir como dinheiro, a coisa/o bem em questão deve ter certas propriedades: O “item de dinheiro” deve ser escasso, durável, altamente divisível, portátil, armazenável e ter um alto valor por unidade de peso, para citar apenas algumas qualidades.

Como o ouro e a prata são commodities supremamente “semelhantes ao dinheiro”, eles foram escolhidos pela livre oferta e demanda no mercado como dinheiro quando estavam disponíveis.

Um pouco de história monetária

Agora você pode perguntar: Por que não estamos mais usando ouro e prata como dinheiro? Deixe-me tentar fornecer uma resposta curta.

No último quarto do século XIX, a maioria dos países acabou adotando o ouro como meio de pagamento. Isso significava, pelo menos em teoria, que as pessoas, em suas transações diárias, usavam notas e moedas de ouro, que eram resgatáveis ​​em ouro físico nos bancos emissores.

No início da Primeira Guerra Mundial, no entanto, muitos países encerraram o resgate de ouro de suas moedas. Por quê? Bem, os governos queriam financiar seus gastos de guerra por meio do “imposto inflacionário”, isto é, emitindo papel-moeda sem lastro. E assim, eles cortaram o vínculo entre o ouro físico e o dinheiro que imprimiam.

O resultado foi inflação alta, em alguns países, e até hiperinflação (como, digamos, na Alemanha, Áustria e Hungria).

Depois que a guerra terminou em 1918, a maioria das nações não conseguiu retornar ao ouro como moeda. A grande exceção foram os Estados Unidos. Mesmo na Primeira Guerra Mundial, o dólar americano manteve seu lastro em ouro.

Em 1944, quarenta e quatro nações assinaram o Acordo de Bretton Woods, que entrou em vigor após o fim da Segunda Guerra Mundial em 1945. O sistema de Bretton Woods tornou o dólar americano a moeda de reserva mundial. Trinta e cinco dólares americanos equivaliam a uma onça de ouro.

A propósito: o sistema de Bretton Woods não era um padrão-ouro; era algo como um padrão-ouro falso ou pseudo. Mas funcionou, pelo menos inicialmente. A razão pela qual acabou desmoronando foi que os americanos não seguiram as regras.

Eles continuaram emitindo cada vez mais dólares americanos que não eram lastreados em ouro físico. As pessoas em todo o mundo perderam a fé na promessa de que os EUA poderiam trocar o dólar por ouro.

À medida que mais e mais nações corriam para trocar seus dólares americanos por ouro no Fed de Nova York, o estoque de ouro dos EUA diminuiu e os EUA corriam o risco de não cumprir suas obrigações de pagamento em ouro.

Em 15 de agosto de 1971, o presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, tomou medidas decisivas. Ele anunciou que o dólar americano não seria mais resgatável por ouro.

Essa decisão unilateral de Nixon trouxe ao mundo um sistema de papel-moeda sem lastro, ou moeda fiduciária.

A decisão de Nixon, na verdade, representou o maior ato de expropriação monetária da história moderna. E isso nos trouxe o problema da moeda fiduciária que ainda nos assombra hoje.

O economista americano Milton Friedman colocou de forma sucinta e bastante diplomática:

    “Emergiu um sistema monetário mundial que não tem precedente histórico: um sistema no qual todas as principais moedas do mundo estão… em um padrão de papel-moeda irredimível…. As consequências finais desse desenvolvimento estão envoltas em incerteza”.

O problema da moeda fiduciária

O regime atual em todo o mundo de moeda de papel ou “fiduciária” é um sistema econômica e socialmente altamente problemático – com consequências negativas que se estendem além do que a maioria das pessoas imagina.

A moeda fiduciária pode ser caracterizada por três fatores. (1) É moeda monopolizada pelo Estado e seu banco central. (2) A moeda fiduciária é criada por meio de empréstimos bancários, é criada do nada. (3) É moeda desmaterializada na forma de bilhetes de papel coloridos e bits e bytes nos discos rígidos dos computadores.

A moeda fiduciária é, de certa forma, “inócua”. É inflacionária – ela perde seu poder de compra ao longo do tempo.

A moeda fiduciária beneficia alguns às custas de muitos outros – então podemos dizer que a moeda fiduciária é socialmente injusta.

A moeda fiduciária causa ciclos de expansão e recessão – ela põe em movimento uma ascensão econômica artificial seguida de um colapso.

A moeda fiduciária leva ao superendividamento – ela é criada por meio da expansão do crédito, e o peso da dívida das economias supera o crescimento da renda.

A moeda fiduciária permite que o estado se torne cada vez maior e mais poderoso – às custas das liberdades civis e da liberdade.

Esses e outros insights foram apresentados pelos estudiosos da Escola Austríaca de Economia há muitos anos.

Infelizmente, eles dificilmente são considerados pela maioria dos principais economistas, bancos centrais, políticos ou burocratas para identificar a causa raiz da atual crise financeira e econômica e, com estas informações, usados para formular soluções adequadas.

A TACE

Vamos falar um pouco sobre o ciclo de expansão e recessão. Como é que a economia experimenta uma recuperação seguida de uma queda? A Teoria Austríaca dos Ciclos Econômicos (TACE) fornece uma resposta.

Em um sistema monetário fiduciário, o banco central e os bancos comerciais concedem empréstimos a consumidores, empresas e governos, criando assim dinheiro novo. Literalmente falando, isso equivale a criar dinheiro do nada.

A nova oferta de crédito baixa artificialmente a taxa de juros de mercado (do nível que prevaleceria se não houvesse aumento do crédito que não fosse lastreado na poupança).

As taxas de juros suprimidas dessa maneira enviam sinais enganosos e incentivam mais consumo e investimento, ao mesmo tempo em que desencorajam a poupança. Uma expansão ocorre. No entanto, induz a economia a viver além de seus recursos e as empresas a fazer investimentos ineficientes.

A expansão não pode ser sustentada; deve entrar em recessão, diz a teoria, pois a expansão leva a distorções no sistema de preços e produção.

Uma vez que o novo dinheiro tenha percorrido a economia em termos de afetar preços e salários, a ilusão expansionista do crédito e da injeção de dinheiro evapora, e as pessoas retornam à sua relação consumo-poupança-investimento original, o que eleva a taxa de juros do mercado e transforma a expansão em recessão.

É claro que a recessão é necessária para que a economia volte a um processo de crescimento saudável. No entanto, qualquer recessão é dolorosa e a maioria das pessoas não gosta.

Em um esforço para evitar a recessão, o banco central intervém e injeta novo crédito e dinheiro, suprimindo artificialmente a taxa de juros do mercado mais uma vez, e a recessão iminente se transforma em mais uma expansão. E assim por diante.

Esta é a explicação da TACE de por que há uma recorrência de expansão e recessão, ou um ciclo de expansão e recessão.

Enquanto a expansão e recessão são problemáticas por várias razões, aqui está um grande problema com a moeda fiduciária que precisa ser mencionado: ela deixa as pessoas – na verdade toda a economia – viciadas, por assim dizer.

O vício

A moeda fiduciária molda a produção e a estrutura de emprego das economias. Os lucros e os empregos das empresas dependem do aumento crônico do crédito e do dinheiro disponibilizado a taxas de juros cada vez mais baixas; governos e suas burocracias crescem e se tornam cada vez mais poderosos com a ajuda da moeda fiduciária.

Quanto mais tempo o sistema monetário fiduciário existir, mais fortes serão os interesses em manter o sistema monetário fiduciário funcionando e mais difícil será acabar com ele.

Eventualmente, pode surgir uma situação em que proteger o regime de moeda fiduciária do colapso se torne o objetivo político supremo, essencialmente substituindo todas as outras questões políticas.

Tomemos, por exemplo, o resgate em curso da moeda euro – que, como o dólar americano e todas as outras principais moedas oficiais – é uma moeda fiduciária.

Quantidades maciças de dívida nacional são empilhadas para evitar que a economia e o sistema monetário fiduciário do euro caiam no precipício; enormes somas são canalizadas para bancos em dificuldades financeiras. Esses valores não são utilizados de forma produtiva.

De fato, há uma verdade inconveniente sobre a moeda fiduciária, que Ludwig von Mises colocou sucintamente:

      “Seria um erro supor que a moderna organização de trocas deve continuar a existir. Ela traz em si o germe de sua própria destruição; o desenvolvimento do meio fiduciário deve necessariamente levar ao seu colapso”.

Essencialmente, Mises está dizendo que a moeda fiduciária (ele usa o termo meio fiduciário) gradualmente destrói o sistema de livre mercado ao longo do tempo e o substitui por uma ordem coletivista-socialista.

Uma conclusão sombria – pois todos sabemos que o socialismo não funciona e não pode funcionar. Isso é comprovado não apenas por uma grande quantidade de experiência, mas também por uma visão indiscutível derivada de uma sólida teoria econômica.

Moeda Digital do Banco Central

Isso me traz de volta à digitalização, novos mercados e inovação em serviços de pagamento e dinheiro.

Como mencionei anteriormente, a demanda por dinheiro digital programável é um importante argumento oficial sobre o motivo pelo qual os bancos centrais de todo o mundo estão em processo de emissão de moeda digital do banco central.

Os bancos centrais querem, em primeiro lugar, manter seu monopólio de moeda fiduciária dessa maneira: eles não querem dinheiro privado competindo com as moedas fiduciárias dos bancos centrais.

Isso é problemático, uma vez que existem algumas questões com as moedas digitais do banco central (que, eu acho, tendem a ser negligenciadas ou ignoradas no debate atual).

Primeiro, as moedas digitais do banco central não são “dinheiros melhores”. Elas representam dinheiro fiduciário. Como tal, as moedas digitais do banco central fiduciário sofrem dos mesmos defeitos econômicos e éticos que as moedas fiduciárias analógicas e eletrônicas.

Em segundo lugar, as moedas digitais do banco central provavelmente substituirão o dinheiro ou permitirão que os governos eliminem moedas e notas. E assim, as pessoas provavelmente perderão seus únicos meios de fazer pagamentos anônimos, e o pouco que resta de sua privacidade financeira desaparecerá.

Terceiro, sem dinheiro em espécie, você não pode mais sacar seu dinheiro do sistema bancário. Pode ser expropriado por meio de taxas de juros negativas impostas pelo banco central.

Quarto, à medida que as moedas digitais do banco central se tornam cada vez mais aceitas, elas podem ser facilmente instrumentalizadas para outros propósitos políticos. Basta pensar no sistema de crédito social da China.

Imagine como seria apenas ter acesso à moeda digital do banco central se você cumprir as diretrizes do governo (ou cumprir os desejos daqueles grupos de interesse especiais que determinam as ordens do governo).

Caso contrário, você sofre desvantagens: não poderá mais viajar, encomendar determinados jornais e livros ou comprar mantimentos; suas contas podem ser congeladas e seu dinheiro até confiscado se você ousar discordar demais das diretrizes do governo.

A lista de tais atrocidades antiliberdade que se tornam uma possibilidade em um mundo de moedas digitais de bancos centrais continua indefinidamente.

A ideia marxista de um banco central

Talvez este seja o momento certo para direcionar sua atenção para o fato de que a ideia de banco central – e, portanto, moeda do banco central, seja em forma analógica ou digital – não é um conceito capitalista, mas marxista.

Em seu Manifesto do Partido Comunista (1848), publicado junto com Frederick Engels, Karl Marx clama por “medidas” – que para ele significavam “invasões despóticas aos direitos de propriedade” – que seriam “inevitáveis ​​como meio de revolucionar completamente o modo de produção”, isto é, de alcançar o socialismo-comunismo.

A quinta medida de Marx diz: “Centralização do crédito nas mãos do Estado, por meio de um banco nacional com capital estatal e monopólio exclusivo”.

Sem dúvida, manter o monopólio da moeda certamente coloca o monopolista em uma posição bastante poderosa. Ele pode determinar quem recebe crédito e dinheiro e quem não recebe; ele influencia o custo do crédito e do capital e a distribuição de renda e riqueza.

Então não é surpresa que, especialmente com o monopólio da moeda fiduciária, os governos tenham se tornado maiores e mais poderosos – medidos em termos de gastos do governo e dívida do governo em relação ao PIB, o número de regulamentações e leis, etc.

Grande Reinício

Você deve ter notado que o sistema de livre mercado, do capitalismo, está em descrédito.

As pessoas culpam o livre mercado, o capitalismo, por todos os tipos de males – crises financeiras e econômicas, desemprego, disparidades de renda e riqueza, poluição etc.

Mas deixe-me dizer-lhe que não temos capitalismo, nem na Europa, nem nos EUA, nem na China.

O que temos é intervencionismo: um sistema econômico e social no qual o Estado interfere no funcionamento do livre mercado – por exemplo, por meio de ordens, leis, proibições, regulamentações, impostos, subsídios; intrometendo-se com educação, saúde, transporte, pensões, meio ambiente e crédito e moeda.

A partir de uma sólida teoria econômica, sabemos, no entanto, que o intervencionismo não funciona, que ou não atinge seus objetivos – ou, se o fizer, causa efeitos colaterais indesejados e negativos.

Infelizmente, o fracasso do intervencionismo encoraja seus adeptos a recorrer a intervenções ainda mais amplas e ainda mais agressivas.

À medida que o intervencionismo se espalha, o sistema de livre mercado é cada vez mais minado e se torna cada vez mais disfuncional. A economia se transforma em uma economia de controle (ou, para usar uma expressão alemã, Befehls und Lenkungswirtschaft), em que o Estado dá as ordens e os produtores e consumidores recebem ordens.

Diante desse cenário, é claramente preocupante que os conceitos de “Grande Reinício”, de “Grande Transformação” e de “Política Verde” sejam expressões da ideia de intervencionismo.

Se a teoria do intervencionismo estiver correta, e temo que esteja, o mundo ocidental está se afastando da ordem econômica e social livre – que em última análise é uma criação do Iluminismo europeu – e em direção a uma economia e ordem social não livres.

Temos que ficar atentos: em um regime intervencionista, a digitalização aumenta muito as chances de tomada de poder pelos governos e suas burocracias e grupos de interesses especiais, que a usam para seus próprios fins (como para os interesses das grandes empresas, da indústria farmacêutica e dos grandes bancos).

E é realista supor que todos essas partes querem atingir seus objetivos, se possível, controlando o dinheiro em uso.

Por esse motivo, a emissão de moedas digitais de bancos centrais, em particular, deve suscitar grandes preocupações por parte daqueles que desejam preservar uma sociedade livre, próspera e pacífica.

Um mercado livre de moeda

Então, qual é a solução para o “problema da moeda fiduciária”, como eu o esbocei?

Os economistas da Escola Austríaca há muito encontraram uma solução bastante simples e direta:

Acabar com o monopólio monetário dos governos, substituí-lo por um livre mercado de moeda, privatizar o dinheiro.

A ideia se baseia na percepção de que não há realmente nenhuma razão econômica ou ética convincente para que o estado detenha o monopólio da moeda.

Na verdade, por que você e eu não deveríamos ter a liberdade de escolher o tipo de moeda que melhor se adapta aos nossos propósitos? E por que as pessoas não deveriam ser livres para oferecer a seus semelhantes “algo” que eles usariam de bom grado como moeda?

O surgimento do mercado de unidades criptográficas atesta o que acabei de dizer – e, na verdade, ressalta o trabalho do economista austríaco Carl Menger.

As pessoas dotadas de um nível mínimo de inteligência percebem que cooperar com outras pessoas é benéfico — porque melhora seu bem-estar material; e que para colher esses benefícios, é necessário um meio de troca indireto, ou seja, moeda.

Em outras palavras, um livre mercado de moeda não é uma ideia maluca e irrealista; na verdade, é natural. O dinheiro é um fenômeno do livre mercado. Surgiu espontaneamente da troca voluntária, como Carl Menger explicou de forma convincente já em 1871.

Mas espere, um mercado livre de moeda não resultaria em caos, com milhares de moedas competindo entre si? Não, não resultaria. O lado da demanda determinaria o que é dinheiro. Você e eu e as pessoas com quem negociamos escolheríamos o tipo de moeda que consideramos melhor.

Suponha que as pessoas escolham o ouro como dinheiro propriamente dito. Você depositaria seu ouro com custodiantes, ou depósitos, bancos, que forneceriam serviços de armazenamento e liquidação. Em troca, você recebe um App no ​​seu iPhone para efetuar pagamentos com facilidade.

O banco central seria fechado. Não haveria mais política de taxas de juros, expansão monetária e inflação crônicas, e nenhuma expansão e recessão como são causadas em um sistema monetário fiduciário.

Desafios adiante

A digitalização, sem dúvida, trará grandes melhorias e novas oportunidades para a vida das pessoas. No entanto, não devemos nos deixar cegar pela conveniência e ignorar que a digitalização também tem um lado negativo.

Pense em segurança e privacidade de dados, ou manipulação de dados digitais e hackers de dados; pense em informações pessoais caindo em mãos erradas e sendo mal utilizadas.

Ou imagine a distopia de um governo digital mundial baseado em identidades digitais, passaportes de saúde digitais, dispositivos de rastreamento digital, dinheiro digital do banco central etc. – o que certamente se tornou uma ameaça realista nem um pouco negligenciável.

Portanto, o desafio é fazer uso sensato dos potenciais produtivos da digitalização e, ao mesmo tempo, garantir que seus inconvenientes sejam tratados com responsabilidade e mitigação.

Isso é especialmente necessário quando se trata de dinheiro. Como tentei apontar em minha palestra, a monopolização da moeda nas mãos dos governos não é uma boa ideia, especialmente na era da digitalização.

Um livre mercado de dinheiro, livre escolha de moeda e livre concorrência entre bancos de custódia trarão o que presumivelmente a maioria das pessoas neste mundo deseja: dinheiro confiável e sólido que apoie a cooperação produtiva e pacífica entre os homens.

Senhoras e senhores,

Cheguei ao fim da minha explanação e espero ter podido dar um contributo construtivo para identificar os problemas do nosso atual sistema monetário e, perante uma economia e uma sociedade cada vez mais digitalizadas, delinear uma fundamentada e convincente solução para o “problema do dinheiro”.

Obrigado pela sua atenção.

 

 

Colabore para a tradução da importantíssima obra THE THEORY OF MONEY AND CREDIT (“Teoria da Moeda e do Crédito”), de Ludwig von Mises aqui

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO

  1. Se alguém quiser saber o que é propaganda ideológica do sistema para criar um consenso, é só acompanhar de perto o debate na mídia mainstream sobre a criação destas moedas digitais pelo Falsificador Central. Eles sequer negam que as intenções são exatamente essas colocadas aqui pelo camarada Polleit, inclusive que o PIX é o pontapé inicial. E como não poderia deixar de ser, com a estrita cooperação do sistema bancário monopolista…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.