Populistas anti-establishment vencem novamente nas eleições europeias

6
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

As eleições europeias aconteceram em um período de quatro dias desde a última quinta-feira, 23 de maio, até o domingo, 26 de maio, e considerando que os resultados atrasaram nos países que votaram mais cedo, o primeiro grande choque aconteceu no domingo às 18h. Colégios eleitorais se encerram e as primeiras projeções foram possíveis.

O que aconteceu na Alemanha seria, como se verificou nas horas seguintes, a tendência geral da Europa: os democratas-cristãos, supostamente de centro-direita, perderiam, mas ainda assim ficariam em primeiro lugar. Os social-democratas – os socialistas democráticos que Bernie Sanders tanto gosta – sofreriam grande derrota, ficando muitas vezes relegados aos escalões inferiores dos partidos – na Alemanha, eles por fim ficaram em terceiro lugar, com 15%.

Enquanto isso, movimentos novos ou historicamente pequenos conseguiram grandes vitórias. No maior país da Europa, seria o Partido Verde, com 22%, o melhor resultado nacional da história do partido. A “Onda Verde” continuaria em outros países. No Reino Unido, eles obtiveram 11%, na França, surpreendentes 13, na Finlândia 16, em Luxemburgo 19 e na Áustria, 14. Era isso – não havia verdes eleitos em nenhum país do sul ou leste da Europa –, mas, mesmo assim, os ganhos foram impressionantes com 67 membros no novo Parlamento Europeu, acima dos 50 até agora, para os alarmistas de nossa era – alguns deles acreditam que o mundo terminará na próxima década ou duas se os governos em todo o mundo não pararem o aquecimento global, o que torna a alegria deles um pouco irritante.

Outra onda que conquistou a Europa – embora menos limitada geograficamente – foi um dos movimentos nativistas, muitas vezes chamados de “populistas de direita”. Matteo Salvini, líder da Lega da Itália e que tentou unir a direita (até agora sem sucesso), obteve 34%, facilmente chegando em primeiro lugar. Mais surpreendente, Marine Le Pen venceu seu oponente de longa data Emmanuel Macron, que a partir de agora terá uma tarefa um pouco mais difícil de reformar a UE para o pior, considerando que ele nem sequer está em primeiro lugar na França quando se trata de política da UE .

O Fidesz de Viktor Orbán e o Partido da Lei e da Justiça Polonês ganharam mais uma vez, o Fidesz marcou 52% na Hungria, enquanto o segundo chegou aos 42. Além disso, a AfD alemã aumentou sua participação para 11%, mais do que nas últimas eleições europeias em 2014, mas menos do que o esperado, e o Vox da Espanha e o Fórum Holandês pela Democracia entram no Parlamento pela primeira vez. O mais proeminente é claro, mas com (provavelmente, dependendo do continuado debate sobre Brexit ) pequenas consequências a longo prazo, o Brexit Party de Nigel Farage é o primeiro na Grã-Bretanha por uma ampla margem com mais de 30%.

Ao lado de uma boa saída para o grupo centrista, muitas vezes fanaticamente pró-UE ALDE, que ficará em terceiro lugar, tudo isso é uma má notícia para o establishment. Seu tamanho foi dizimado, tanto na centro-esquerda quanto na centro-direita. Isto apenas dá continuidade à uma tendência que está em curso há muitos anos. A Alemanha – onde a CDU ainda está em primeiro lugar – é apenas a ponta do iceberg. Na França, os republicanos e os socialistas há muito tempo saíram de cena, na Itália, o Partido Democrático de esquerda ficou em segundo lugar, mas o Forza Itália ficou com apenas 8% em quarto lugar. Os Tories na Grã-Bretanha ficaram em quinto. A lista poderia continuar e continuar.

Resta saber se esses resultados e, portanto, essa extrema fragmentação na política europeia, se tornarão a nova norma,– as eleições europeias ainda são vistas como uma eleição em que se pode tentar algo novo ou simplesmente votar em um partido por protesto. No entanto, esses resultados se encaixam na visão geral em que o status quo nos sistemas majoritariamente bipartidários, independentemente de estar no nível nacional ou europeu, está perdendo, enquanto novas forças estão ganhando força. Essas novas forças são muito diferentes umas das outras, concentrando-se em tópicos promissores como a mudança climática ou lutando contra esse mesmo status quo, como os movimentos eurocéticos tentam fazer.

Embora diferentes, eles compartilham uma semelhança importante: todos defendem mais intervencionismo e centralização do governo de uma forma ou de outra. Os federalistas, ou seja, os que defendem uma “união cada vez mais estreita” e maior integração, como Emmanuel Macron, concordam sobre a maioria dos problemas com o atual status quo, senão pelo fato de que querem apenas mais UE, mais centralização em Bruxelas e mais rápido. Os verdes querem centralizar em algum nível de poder, independentemente de ser um governo nacional, em Bruxelas ou globalmente, para salvar o mundo. E os nacionalistas, os coletivistas de direita, que infelizmente são saudados como os salvadores do Velho Continente por conservadores e libertários hoje em dia, querem mais centralização em seu próprio país – a UE é problemática nessa visão, porque os impede de atacar o seu próprio estado de direito, de restringir a liberdade de imprensa, restringir a livre iniciativa ou construir uma nova oligarquia.

É difícil, nessa rede de centralização, encontrar espaço para respirar. Mas, como escrevi em um artigo no domingo, no dia das eleições, ainda há um vislumbre de esperança: o surgimento de vozes alternativas – independentemente de serem os verdes, a apologética da UE ou os nacionalistas – mostra que os europeus querem algo diferente, uma alternativa ao status quo. Cabe agora aos partidários da liberdade e do mercado fornecer essa alternativa, que defende os princípios liberais, fornece uma visão europeia baseada na descentralização e no pluralismo – e também, de maneira que o meio ambiente possa ser protegido não pelo governo, mas pela iniciativa privada.

 

Tradução de Paulo Roberto Cavalcante Junior

Artigo original aqui.

6 COMENTÁRIOS

  1. Aqui, Fernando,

    “E os nacionalistas, (…), querem mais centralização em seu próprio país – a UE é problemática nessa visão (nessa visão dos nacionalistas), porque os impede (impede os nacionalistas) de atacar o seu próprio estado de direito, de restringir a liberdade de imprensa, restringir a livre iniciativa ou construir uma nova oligarquia.” (Os parênteses são meus)

    O autor está deixando implícito que os nacionalistas querem atacar a liberdade de imprensa, por exemplo, mas a UE os impede (???). Concordo com a íntegra do artigo, mas todo o parágrafo supramencionado veio de alguma dimensão alternativa que não a nossa.

    Abraço

    • Apesar de terem algumas boas propostas, esses nacionalistas não são libertários. E apesar de sermos contra a UE, podemos reconhecer que ela pode ter alguns lados bons, como o Jesus Huerta de Soto fez uma vez em artigo polêmico dizendo que o Euro era melhor para alguns países como a Espanha dele, pois evitava que os governos nacionais inflacionassem sua moeda.

  2. O autor deveria desligar a CNN.

    [i]E os nacionalistas, os coletivistas de direita, que infelizmente são saudados como os salvadores do Velho Continente por conservadores e libertários hoje em dia, querem mais centralização em seu próprio país – a UE é problemática nessa visão, porque os impede de atacar o seu próprio estado de direito, de restringir a liberdade de imprensa, restringir a livre iniciativa ou construir uma nova oligarquia.[/i]

    Quem não-ironicamente escreve isso? Os caras que não querem transformar a Europa no Oriente Médio querem restringir a liberdade de imprensa
    e a livre iniciativa? Não são justamente os degenerados corruptos do politicamente correto que estão já fazendo isso há décadas?

    Assumir que é a UE (que aprovou o Artigo 13) impedindo que justamente os partidos que mais se beneficiam da liberdade de imprensa comecem a coibi-la chega a ser chistoso. A UE, mais uma camada de burocratas distanciando-se do povo mas legislando para ele, tem é que afundar no Rhein. Acabou.

    Não me importa quem prepondera na política européia: se é verdadeiramente contra a UE, acaba sendo amigo da liberdade. Ela é a antítese de tudo que qualquer libertário (ou cidadão são qualquer) quer para a humanidade.