O erro básico que detonou o mundo

0
Tempo estimado de leitura: 12 minutos

Qual foi a base para o pânico que apagou as luzes da civilização? A data mais importante aqui pode ser 11 de março de 2020. Foi quando o próprio Congresso entrou em pânico injustificado e concordou com uma quarentena por insistência dos “especialistas“. Os governadores estaduais, com poucas exceções, fizeram o mesmo, e o resto do mundo aderiu ao frenesi do lockdown.

Em fevereiro, as pessoas estavam ansiosas para saber a resposta para as seguintes perguntas. Este “novo vírus” teria padrões conhecidos que associamos à gripe, resfriados sazonais e outros patógenos previsíveis e controláveis? Ou seria algo totalmente diferente, sem precedentes em nossas vidas, aterrorizante e universalmente mortal?

Crucial neste estágio foi a mensagem de saúde pública. Em pandemias anteriores, pós-1918 ao longo do século XX, a mensagem central era manter a calma, ir ao médico se se sentir doente, evitar infectar outras pessoas deliberadamente e, de outra forma, confiar nos sistemas em vigor e manter a sociedade funcionando. Essa foi por muito tempo considerada uma mensagem de saúde pública responsável, e foi exatamente o que fizemos durante a maior parte de janeiro e fevereiro, quando as publicações, independentemente de sua perspectiva política, mantinham a sobriedade e a racionalidade.

Algo mudou dramaticamente desta vez. Eles promoveram o pânico, explorando o medo primitivo da doença. A realidade da pandemia, ao que parece, é conhecida. A gravidade de seu impacto foi radicalmente díspar entre os dados demográficos, atingindo principalmente os idosos e enfermos, com 40% das mortes atribuídas a asilos com uma idade média de morte quase igual à média da expectativa de vida. É regionalmente migratório. Ela segue um padrão sazonal da pandemia ao equilíbrio endêmico.

O que tem sido diferente é a mensagem que foi quase universalmente estruturada para criar frenesi público, desde o apelo do New York Times de 28 de fevereiro para usarmos “técnicas medievais” até a última exigência do Salon de que entremos ainda mais em pânico.

Minha própria sensação de desgraça iminente começou em 6 de março com o cancelamento de South by Southwest em Austin, Texas, uma ação apenas do prefeito, e completamente sem precedentes modernos. Escrevi sobre isso em 8 de março. Quatro dias depois, o presidente Trump fez um discurso nacional que terminou com um anúncio chocante de que todos os voos da Europa seriam interrompidos para manter o coronavírus longe, embora o vírus estivesse aqui desde janeiro. No dia seguinte, 13 de março, o governo divulgou o que equivalia a um plano de paralisação da nação.

Nessa linha do tempo, no entanto, está faltando uma etapa crucial.

Devemos ser gratos a Ronald B. Brown, da Waterloo University, por seu extraordinário artigo publicado em Disaster Medicine and Public Health Preparedness (Vol 14, No. 3): “Lições de saúde pública aprendidas com os vieses na superestimação da mortalidade por coronavírus.” Também aparece no site dos National Institutes of Health com a data de 12 de agosto. A tese do autor era que a reação exagerada e quarentenas sem precedentes começaram com o que foi uma confusão terminológica que levou ao deslocamento de um ponto decimal em um relatório do National Institutes of Health.

Foi um erro aparentemente pequeno, mas forneceu a base sobre a qual Anthony Fauci testemunhou no Comitê de Reforma e Supervisão da Câmara sobre a seriedade do novo coronavírus se espalhando pelo globo.

Aqui está o vídeo em questão. Ao observar, você notará a aparente precisão dos dados que, na verdade, mascaram um grande problema. Ele obscurece a enorme diferença entre a taxa de mortalidade por infecção, a taxa de letalidade e a taxa de mortalidade geral. Em nenhum momento ele menciona as taxas de sobrevivência. Nenhuma pessoa presente contestou suas afirmações. Na chuva de dados, ele finalmente resume de uma forma que aterrorizou a todos. Covid, disse ele, é “10 vezes mais letal do que a gripe sazonal”.

Mesmo sem considerar essa previsão, sua atitude se resumia a: isso é inteiramente novo, muito mortal e totalmente incontrolável sem medidas extremas. A mensagem implícita de Fauci ao Congresso e ao povo foi que era hora de entrar em pânico.

Fauci estava afirmando o que na verdade ele não poderia saber, combinando dois conjuntos de dados distintos e extrapolando de maneiras que lhe permitiram fazer uma afirmação completamente sem fundamento que obviamente acabou sendo falsa. Dois anos atrás, 61.000 americanos de todas as idades morreram de gripe, sem exceção de outras doenças. Se você impõe incorretamente a isso uma “taxa de letalidade” de 0,1% e extrapola para infecções da Covid, você acaba com pelo menos 800.000 mortes apenas da Covid – não “com” ou “envolvendo” a Covid, como o CDC classifica as mortes hoje (que por si só representa uma grande mudança). Esta é uma previsão assustadora no momento; parecia adicionar peso às estimativas do Imperial College de Londres de que 2,2 milhões de pessoas morreriam sem a quarentena. Esse testemunho levou toda uma geração de legisladores a acreditar que nenhuma das medidas médicas tradicionais poderia funcionar. Não há como comparar isso com a gripe ou qualquer doença respiratória. Esta fi a outra alegação que justificou uma emergência nacional única em muitas gerações que exigiu o fim do nosso modo de vida.

O problema é que toda a afirmação foi baseada em uma distorção terminológica que provocou um erro matemático básico. Como Brown explica:

    O viés de amostragem nos cálculos de mortalidade por coronavírus levou a uma superestimação da mortalidade 10 vezes maior no testemunho do Congresso dos EUA em 11 de março de 2020. Esse viés provavelmente seguiu do viés de informação devido à classificação incorreta de uma taxa de mortalidade TM (infection fatality rate, relativa à proporção de mortes em relação a todos os casos de pessoas infectadas; diagnosticadas ou não) da influenza sazonal como taxa de letalidade TL (case fatality rate, relativa à proporção de mortes em relação aos casos diagnosticados), evidente em um editorial do NEJM.org. As evidências da OMS confirmaram que o TL aproximado do coronavírus geralmente não é maior do que o da influenza sazonal. No início de maio de 2020, os níveis de mortalidade de COVID-19 estavam consideravelmente abaixo das superestimações previstas, um resultado que o público atribuiu às medidas de mitigação bem-sucedidas para conter a disseminação do novo coronavírus.

Vamos acompanhar Brown aqui enquanto ele conduz o leitor pelas diferenças cruciais entre a TM e a TL. TMs de amostras de toda a população “incluem infecções não diagnosticadas, assintomáticas e leves”. Para calcular a TM média em toda a população, você faz amostras aleatórias para julgar sua prevalência. Os resultados incluem casos – o que costumávamos chamar de pessoas “doentes” reais – mas se estendem a pessoas que apenas carregam vestígios do vírus morto, mas não correm perigo substancial de transmiti-lo ou terem quaisquer consequências graves. Os casos, por outro lado, “são baseados exclusivamente em grupos relativamente menores de casos diagnosticados de doença moderada a grave no início de um surto”. A TL é um grupo menor. Brown fornece o gráfico a seguir para mostrar como a epidemiologia há muito considera a diferença.

Com base apenas neste gráfico, você pode ver por que é crucial manter esses termos corretos. A TL é maior; TM é menor; a taxa bruta de mortalidade é ainda mais baixa. A TL mede a gravidade; a TM mede a prevalência. Essas são as duas questões gerais que é preciso saber para avaliar se e em que extensão um surto de vírus é leve, moderado, sério ou grave. Isso é importante devido à realidade evoluída, há muito observada, dos vírus respiratórios: há um trade off entre as forças. Quanto mais grave o vírus, mais rápido ele se extingue. Quanto mais suave (e “mais inteligente”) for, mais pode se espalhar. Misturar gravidade e prevalência é bagunçar todas as categorias importantes que os especialistas em doenças infecciosas usam para avaliar o impacto social de um novo vírus.

Além disso, se você for comparar a gravidade de uma pandemia, terá que comparar maçãs com maçãs, o que significa, no mínimo, que devemos ter o cuidado de distinguir maçãs de laranjas e peras. Isso é precisamente o que as primeiras mensagens em torno do coronavírus não fizeram.

Casos não são mortes; e ainda mais crucial, os casos em um sentido tradicional significam que as pessoas estão realmente doentes, não apenas que foram testadas positivamente por um teste de PCR. Para aumentar a confusão, a maioria das fontes de dados da Covid hoje usa o termo “casos” para identificar qualquer teste positivo, com ou sem sintomas, quando a palavra correta seria “infecções”. Além disso, o próprio teste de PCR apresenta seus próprios problemas. Como observa Brown, “Uma limitação séria dos testes de RT-PCR é que a detecção de ácido nucleico não é capaz de determinar a diferença entre vírus infecciosos e não infecciosos”. O uso generalizado do teste PCR deu sua própria contribuição para obscurecer todas essas distinções cruciais.

Agora considere um artigo extraordinário do New England Journal of Medicine que apareceu em 28 de fevereiro, com Anthony Fauci como coautor. A importância do artigo era alegar que Covid e gripe são bastante semelhantes em gravidade. “As consequências clínicas gerais da Covid-19 podem, em última análise, ser mais semelhantes às de uma gripe sazonal severa (que tem uma taxa de letalidade de aproximadamente 0,1%) ou uma gripe pandêmica (semelhante às de 1957 e 1968) em vez de uma doença semelhante a SARS ou MERS, que tiveram taxas de letalidade de 9 a 10% e 36%, respectivamente.”

O que importa aqui não é a previsão como tal, mas a troca da palavra infecção por caso: a gripe tem “uma taxa de letalidade de aproximadamente 0,1%”. Isso estava incorreto até mesmo no momento da redação. Você pode chamar isso de um erro de impressão, desleixo ou ambiguidade descarada. Independentemente disso, até mesmo a Organização Mundial da Saúde identificou o valor de 0,1% como a taxa de mortalidade da gripe. O artigo de Fauci contradizia diretamente a OMS e ia contra tudo que já era conhecido. Mas sua alegação da TL sobre a gripe é precisamente o que o levou a alegar na frente do comitê do Congresso que Covid seria mortal de uma forma que desafia toda a experiência desta geração.

Brown explica mais:

    Como a campanha para mitigar a transmissão do coronavírus foi implementada de março a maio de 2020, os totais esperados de mortalidade por coronavírus nos Estados Unidos pareciam muito mais baixos do que a superestimativa relatada no depoimento do Congresso em 11 de março. Comparado com a temporada mais recente de influenza A grave (H3N2) em 2017-2018, com 80.000 mortes nos EUA relatadas por funcionários do CDC, os totais de mortalidade por coronavírus dos EUA haviam chegado a 80.000 em 9 de maio de 2020. Até então, relativo para a influenza de 2017-2018, estava claro que a mortalidade total por coronavírus para a temporada não chegaria nem perto de 800.000 mortes inferidas da superestimação de mortalidade de 10 vezes relatada ao Congresso. Mesmo após o ajuste para o efeito de medidas de mitigação bem-sucedidas que podem ter diminuído a taxa de transmissão do coronavírus, parece improvável que tantas mortes tenham sido completamente eliminadas por uma intervenção não farmacêutica, como o distanciamento social, que se destinava apenas a conter a transmissão da infecção, não suprimir infecções e fatalidades relacionadas. Também no início de maio de 2020, uma pesquisa do estado de Nova York com 1.269 pacientes COVID-19 admitidos recentemente em 113 hospitais descobriu que a maioria dos pacientes vinha seguindo ordens de ficar em casa por 6 semanas, o que levantou suspeitas de autoridades estaduais sobre a eficácia do distanciamento social. Ainda assim, as pesquisas mostraram que o público acredita que o distanciamento social e outras medidas de mitigação reduziram as mortes por COVID-19 previstas e mantem as pessoas protegidas contra o coronavírus.

No momento da redação deste artigo, no entanto, as mortes “envolvendo” ou “com” Covid passaram de 300.000, que embora menos da metade do que o Congresso ouviu que seriam em 11 de março, ainda é bastante alto, desde que essas mortes não tenham sido amplamente classificadas incorretamente. No entanto, em 24 de março, o CDC fez um anúncio de grande importância. Ele agora calcularia a mortalidade por coronavírus, incluindo mortes “eventuais” e “prováveis” no código de Classificação Internacional de Doenças (CID).

Isso se tornou um convite à classificação incorreta. Pessoas que, de outra forma, teriam sido classificadas como portadoras de doença cardíaca ou alguma outra comorbidade agora podem ser classificadas como Covid. Isso também incluiu um incentivo financeiro para fazer exatamente isso. Por esse motivo, quando o CDC anunciou que “para 6% das mortes, Covid-19 foi a única causa mencionada”, foi um choque para as pessoas. Isso significa que 94% das mortes atribuídas à Covid foram associadas a comorbidades adicionais que impediram o sistema imunológico de lutar contra o vírus.

Após o testemunho de Fauci em 11 de março, em que ele combinou TM e TL, a mídia enlouqueceu com a Covid e a comparação da gripe. O seguinte artigo, por exemplo, foi divulgado pelo BusinessInsider em junho: “A taxa de mortalidade por coronavírus nos EUA é quase 50 vezes maior do que a da gripe. Veja como elas se comparam por faixa etária.” Se você olhar atentamente os gráficos, verá algo duvidoso: eles calcularam a taxa de letalidade por infecção da gripe em comparação com a taxa de letalidade da Covid. Isso necessariamente gera uma superestimativa absurda para as mortes de Covid. Os gráficos são assustadores – e não têm nada a ver com a realidade.

Vamos pular dos dias do testemunho no Congresso para um mês depois, quando o pânico em grande escala atingiu o país. Falando em uma entrevista coletiva na Casa Branca, Fauci fez uma afirmação que é inacreditável sob qualquer perspectiva. Ele disse em uma coletiva de imprensa na Casa Branca que as restrições e o “distanciamento social” não poderiam ser e não seriam relaxados até que não houvesse “nenhum novo caso, nenhuma morte”. Tal coisa aconteceu apenas uma vez na história dos vírus: com a varíola. Dos primeiros experimentos com inoculação até a erradicação final, levaram cerca de 250 anos. E, no entanto, aqui temos Fauci explicando que a vida não poderia ser normal e funcional novamente até que esse vírus generalizado, relativamente leve para 95% da população, fosse completamente erradicado do planeta!

E agora temos a vacina, e muitas perguntas restantes sobre ela, como por que populações não vulneráveis ​​prefeririam tomá-la ao invés de obter exposição necessária para a imunidade adquirida naturalmente. Fazer uma pergunta tão básica está muito perto de ser um tabu, mesmo com os legisladores e outras instituições brincando com a ideia de torná-la obrigatória. Mesmo assim, muitos dos defensores da quarentena no início deste ano estão dizendo que isso não nos permitirá voltar ao normal, tirar as máscaras, ir ao cinema ou viajar novamente. Essa é precisamente a crença que você pode esperar de uma turba que participou do que John Ioannidis chamou de “fiasco de evidências do século” e está tentando desesperadamente separar sua pessoa da perda de toda credibilidade do meio científico.

Se Brown está correto ao dizer que todo o pânico realmente surgiu de um lapso cerebral por parte de Fauci – ou mesmo talvez a uma “mentira nobre” deliberada para enganar o público a aceitar o inaceitável – pouco importa. O problema que enfrentamos agora é uma enorme confusão de terminologia, de modo que “infecções” que podem incluir até 90% de falsos positivos (de acordo com o New York Times) são chamadas de casos, enquanto a condição outrora distinta chamada de casos que costumava indicar que realmente está doente não tem mais um significado preciso. A cacofonia da confusão estatística aqui realmente confunde a mente.

Em meio a tudo isso, o próprio CDC finalmente atualizou suas próprias estimativas da taxa de mortalidade de Covid-19. O CDC sabiamente levou em consideração a enorme estratificação demográfica de resultados graves. Não existe uma taxa que se aplique a toda a população ou a qualquer indivíduo em particular. Existem apenas estimativas de resultados em retrospectiva. Eles são todos os seguintes:

  • 0,003% para 0-19 anos
  • 0,02% para 20-49 anos
  • 0,5% para 50-69 anos
  • 5,4% para mais de 70 anos

Invertendo os dados para declarar pela taxa de sobrevivência por idade:

  • 99,997% para 0-19 anos
  • 99,98% para 20-49 anos
  • 99,5% para 50-69 anos
  • 94,6% para mais de 70 anos

John Ioannidis resume a disparidade por idade com a seguinte taxa de mortalidade para pessoas com menos de 70 anos: 0,05%. Esta conclusão foi revisada por pares e publicada pela Organização Mundial da Saúde.

Como isso se compara com a gripe? Nós realmente não sabemos. Como escreveu o jornalista científico Shin Jie Yong: “Parece não haver dados sobre a TM específica por idade da gripe sazonal”. O que isso significa é que o testemunho crucial de Fauci de 11 de março, no qual ele previu casualmente com base em números ruins, que Covid seria dez vezes pior do que a gripe, não pode ser confirmado ou negado com base em casos graves específicos por idade.

No entanto, podemos reunir os dados com base nos anos de vida perdidos. Aqui, a gripe sazonal é muito pior. O JusttheFacts reporta:

    Se 500.000 mortes por Covid-19 finalmente ocorrerem nos Estados Unidos – ou mais do que o dobro do nível de uma projeção proeminente – a doença roubará cerca de 6,8 milhões de anos de vida de todos os americanos que estavam vivos no início de 2020.

Em contraste:

* a gripe vai roubá-los cerca de 35 milhões de anos.

* suicídios irão roubá-los 132 milhões de anos.

* acidentes irão roubá-los 409 milhões de anos.


Como os testes se expandiram dramaticamente em toda a população, a taxa estimada de mortalidade de Covid cairá ainda mais. Assim, podemos observar um gráfico de “casos” (na verdade, testes positivos) em todo o mundo e compará-lo com efeitos graves e ver algo notável que deve fazer cada pessoa questionar fundamentalmente por que decidiram fechar o mundo e destruir bilhões de vidas.

Outra estatística que vale a pena repetir, a Covid – com base em infecções vs. mortes – tem uma taxa de sobrevivência de quase 99,9%. Imagine como o mundo teria sido diferente se Fauci tivesse dito isso ao Congresso naquele dia fatídico de 11 de março. Ou o que aconteceria se Fauci tivesse revelado que a idade média de morte de Covid seria quase igual à média de expectativa de vida nos EUA e a ultrapassaria na maior parte do mundo? As pessoas presentes não iriam entender por que estavam realizando aquelas audiências.

Todas essas categorias de colocação de dados trazem consigo o perigo de criar uma ilusão de controle. Os vírus não vêm com pequenas engrenagens dentro deles com essas taxas. Os seres humanos coletam dados e os criam, e nenhum deles (seja TM, TL, taxas de infecção, taxas de mortalidade, taxas de sobrevivência) pertence infalivelmente a um único indivíduo. Nossa resposta a um vírus depende de nossa saúde, idade, imunidades cruzadas, memória de células T e milhares de outros fatores que nenhum político controla.

O que sabemos é que uma confusão terminológica, um ponto decimal mal colocado, um erro de uma palavra na descrição dos dados e uma enorme quantidade de presunções arrogantes sobre como controlar um vírus desencadeou uma série de eventos que transformaram nosso grande e próspero país em um desastre de confusão, desmoralização, serviços médicos perdidos, empresas fechadas, artes e educação destruídas e longas filas de pão. Os quarentenadores que criaram esse desastre terrível, as pessoas que traíram nossa confiança com uma chuva de bobagem estatística, precisam olhar para a ciência e os dados como eles são, e são claros.

 

Artigo original aqui.