Por que ninguém mais fala sobre a Suécia?

0
Tempo estimado de leitura: 10 minutos

Uma das tendências mais consistentemente repetidas do COVID tem sido as declarações prematuras de vitória de áreas assim que é notado um nível de “sucesso” no “controle” da pandemia.

Aconteceu em países de todo o mundo – Vietnã, Japão, Taiwan, Austrália, Mongólia – apenas para citar alguns exemplos. Todos eles foram elogiados por sua capacidade de “controlar” o vírus com máscaras e medidas de saúde pública, para depois vermos os casos invariavelmente dispararem.

Reportagens incompetentes da mídia e declarações dogmáticas de “especialistas” perigosamente ignorantes têm sido um aspecto irritantemente persistente das mensagens sobre COVID, com seus delírios incoerentes se tornando cada vez mais desesperadores com o passar do tempo.

Além dos elogios imprecisos, a incompreensível incapacidade dos especialistas de acertar é talvez melhor exemplificada pela Suécia.

“Especialistas” e a mídia declararam que a Suécia era o exemplo de alerta do mundo, um lugar estranho e perigoso que evitava as máscaras e lockdowns da Nova Ciência™ e se apegava aos princípios de saúde pública estabelecidos e ao planejamento pré-pandêmico.

Ao longo de grande parte de 2020 e 2021, a Suécia foi persistentemente criticada pela mídia e no Twitter devido a comparações com seus vizinhos, um padrão curiosamente não aplicável à maioria dos outros países ao redor do mundo. No entanto, à medida que avançamos em 2021, esses mesmos meios de comunicação de repente ficaram quietos enquanto os vencedores que escolheram se debatiam sem sucesso contra surtos cada vez maiores.

Então, vamos ver o que aconteceu recentemente que resultou no silêncio ensurdecedor, e examinar o que isso significa para a Nova Ciência™, pode ser?

Contexto

Para começar, temos que ver o quão hiperbólica e imprecisa tem sido a cobertura da mídia sobre a Suécia desde o início da pandemia.

Aqui está a Time de outubro de 2020, com o título fornecendo um resumo impressionantemente sucinto:

É um desastre. UM DESASTRE! Não deveria ser um modelo para o resto do mundo, dizem eles.

A primeira seção do artigo expõe claramente o cerne da incompetência da mídia:

    A experiência sueca do COVID-19 de não implementar medidas precoces e fortes para proteger a população tem sido calorosamente debatida em todo o mundo, mas neste ponto podemos prever que é quase certo que resultará em um fracasso líquido em termos de morte e sofrimento. Em 13 de outubro, a taxa de mortalidade per capita da Suécia era de 58,4 por 100.000 pessoas, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, 12ª maior do mundo (sem incluir as minúsculas Andorra e San Marino).

Perceberam? É “quase certo que resultará em um fracasso líquido em termos de morte e sofrimento”. A “12ª maior” taxa de mortalidade ajustada dela população, eles disseram.

Quão bem isto se saiu na prova do tempo?

Nada bem! Foi reprovado pelo tempo.

A Suécia agora ocupa o 40º lugar. Onze meses depois, passaram da 12ª para a 40ª. Peru, Hungria, República Tcheca, Brasil, Argentina, Colômbia, Paraguai, Bélgica, Itália, México, Croácia, Reino Unido, Estados Unidos, Polônia, Chile, Espanha, Romênia, Uruguai, Portugal, França, África do Sul, todas as classificações à frente da Suécia. Quase todos eles impuseram máscaras e lockdowns e até agora isso resultou em uma “fracasso líquido” em termos de “morte e sofrimento” em comparação com a Suécia.

O artigo continuou:

    Apesar disso, o diretor da Agência de Saúde Pública da Suécia, Johan Carlson, afirmou que “a situação sueca continua favorável” e que a resposta do país tem sido “consistente e sustentável”.

Ah, sim, a afirmação ridícula de que a resposta da Suécia foi “consistente e sustentável”.

Exceto, é claro, isso é exatamente o que o gráfico acima ilustra: uma abordagem que era consistente e sustentável porque não dependia de mandatos de máscara e fechamentos de negócios de tempos indeterminados como métodos para “controlar” o COVID. Enquanto outros países viram suas taxas de mortalidade cumulativas dispararem, a Suécia caiu vertiginosamente no ranking devido aos seus métodos consistentes e sustentáveis.

O artigo é incrivelmente extenso e, olhando para trás agora, ridiculamente inútil. O horror do autor com a aceitação da Suécia de que a pandemia se espalharia amplamente pela população, levando a níveis maiores de imunidade natural, parece ainda mais monumentalmente ignorante, dada a força e durabilidade da imunidade conferida pela infecção anterior.

E havia muitos, MUITOS outros iguais. Confira a manchete deste artigo da World Politics Review:

Haverá um ajuste de contas sobre a desastrosa estratégia de “imunidade do rebanho” da Suécia?

Frida Ghitis, quinta-feira, 17 de dezembro de 2020

Um “ajuste de contas”! “Desastrosa”!

O Business Insider foi similarmente hiperbólico:

A rebelde política COVID-19 da Suécia parece um desastre – mas o país está discretamente determinado a levar isso até o fim apesar do custo em vidas

Sinéad Baker, 25 de julho de 2020, 4:56

Sua política “rebelde”! O “custo em vidas!”

O The Telegraph intitulou um artigo: “A Suécia mostrou como não combater o coronavírus, enquanto luta agora para salvar as aparências”. Existem dezenas e dezenas de artigos semelhantes de todo o mundo.

Portanto, mais uma vez, permita-me lembrar que a Suécia ocupa o 40º lugar no mundo em taxa de mortalidade. Eu me pergunto se o Insider descreveu a estratégia de lockdown e máscara do líder mundial em taxas de mortalidade, o Peru, como uma política “rebelde”, com o governo determinado a impor lockdown e uso de máscara, apesar do “custo em vidas”.

Claro que não! Não se trata dos resultados reais, mas sim de seguir A Ciência™. Faz diferença se A Ciência™ leva a mais mortes? Um maior “custo em vidas?” Claro que não! O que importa é que a mídia aprove ou desaprove o que você decide fazer.

Ah, a propósito, aqui está o excesso de mortalidade na Suécia desde 2017, de acordo com o EUROMOMO:

Isso mesmo, só se passaram algumas semanas desde a onda inicial na última primavera em que a Suécia viu um “aumento substancial” acima dos intervalos normais, e eles estiveram na linha de base ou perto dela durante quase todo o ano de 2021. Eu me pergunto quantas pessoas ao redor do mundo estão cientes disso.

É a mesma história vista em Los Angeles, onde as políticas de passaporte de vacinas totalmente hilariantes em seu timing e completamente inúteis acabam de ser anunciadas. A esmagadora maioria das pessoas está tão irremediavelmente iludida pela propaganda da mídia que ainda acredita que máscaras e fechamentos são importantes, apesar da realidade contradizer diretamente suas suposições:

Nos 530 dias desde que o CDC, sem evidências, recomendou o uso de máscara, Los Angeles teve apenas 37 dias em que as máscaras não eram obrigatórias em todas os locais fechados.

A taxa de mortalidade de COVID deles está entre os 10 primeiros em todo o mundo.

Como é que alguém ainda acha que os “especialistas” têm alguma ideia do que estão fazendo?

A representação dos resultados da Suécia pela mídia é uma excelente ilustração de seu desejo não de informar, mas de coagir. Eles não estão funcionando simplesmente como mensageiros de informação, mas ativistas, totalmente consumidos pelo desejo de forçar os outros a se conformarem com suas opiniões.

Eles se recusam a apresentar informações que vão contra os decretos ditatoriais sem fim, em vez disso, promovem o cumprimento inquestionável. Ouça-nos, faça o que lhe é dito e use uma máscara, ou será sua culpa se pegar COVID e morrer. Ouça-nos e faça o que lhe é dito, ou você será rotulado de “anti” e afastado da sociedade aceitável que o “jornalismo” policia.

Então, vamos ver como as coisas estão indo ultimamente em algumas regiões que cumpriram os decretos de especialistas e da mídia.

Israel e Suécia

Contrastando com a Suécia, Israel tem sido uma das queridinhas da mídia por fazer exatamente o que a máfia do pensamento coletivo lhes manda. Eles foram vacinados de forma mais agressiva e recorrente do que em qualquer outro lugar do planeta, e eles tiveram uma série aparentemente interminável de decretos de máscara e multas por descumprimento.

Como resultado, o The Wall Street Journal creditou o compromisso de Israel de usar máscaras no outono passado com a redução dos casos a níveis baixos … apenas para ver os casos dispararem imediatamente depois:

Então, no início de 2021, eles foram saudados como um exemplo bem-sucedido de “cobertura universal e infraestrutura comunitária” devido às suas altas taxas de vacinação, conforme explicou o Health Affairs:

Israel deve seu sucesso de vacinação COVID-19 a um sistema de cobertura universal e infraestrutura comunitária

E como esta manchete da Reuters ecoou em maio:

Israel deve encerrar as restrições de COVID-19 após o sucesso da vacina

Então, como está a brilhante história de sucesso de Israel em comparação com o desastre absoluto da Suécia?

Oh não. Eita nóis.

A Suécia está atualmente com uma média de cerca de 90 casos por milhão. Israel tem uma média de 1.218. Isso é muito pior! Na verdade, é 1.253% pior do que a Suécia.

Agora, é muito provável que a Suécia veja outro aumento durante o outono e inverno, assim como aconteceu no ano passado, mas uh … esse é o ponto, não é? Os aumentos acontecem em ondas, independentemente de supostos esforços de “mitigação”. E, novamente, Israel tem sido repetidamente e infinitamente elogiado por seu sucesso. A Suécia é um “desastre” e um “rebelde”. No entanto, Israel registrou 13.279 casos por 100.000 desde que começou a contar, a 11ª maior taxa do mundo, enquanto a Suécia registrou 11.111 casos por 100.000.

Mas isso não importa, porque Israel fez o que eles mandaram, e a Suécia não. Não há máscaras, nem passaportes de vacina, nem fechamentos draconianos de negócios. Eles têm uma abordagem “consistente e sustentável” que levou a … menos infecções confirmadas do que países como Israel.

Você deve estar se perguntando, bem, esses são apenas casos, e quanto às mortes? Isso é o que realmente importa, certo?

Aqui estão as tendências recentes por essa medida também:

Entre 10 de julho e 7 de setembro, a Suécia registrou 56 mortes no total. Israel registrou 56 apenas no dia 8 de setembro, com uma população significativamente menor! Sucesso!

Agora, para ser justo, Israel tem uma taxa de mortalidade cumulativa mais baixa, embora, infelizmente, eles estejam se aproximando rapidamente. Embora sua taxa de mortalidade recente seja significativamente mais alta, a Time nunca vai criticar Israel como um “desastre”, porque eles fizeram o que lhes foi dito. E isso é tudo que importa.

Europa

Mas não é só Israel, também houve uma mudança interessante nas taxas de casos entre os “vizinhos” da Suécia.

Esta é a aparência dos casos na Finlândia e na Noruega em comparação com a Suécia desde 1º de junho de 2021:

Bem, hmm. Não é assim que deveria ser, não é?

Mais uma vez, para ser justo, as taxas cumulativas nos outros dois países são mais baixas do que na Suécia, mas como é possível que eles tenham números semelhantes ou piores durante qualquer período de tempo, dado o desastre rebelde e absoluto da política da Suécia?

Suas recentes taxas de mortalidade por 100k são quase idênticas também:

Como isso pôde acontecer?!

Nesta altura, é certamente absurdo dar crédito à narrativa absurda da mídia, dos especialista e do Twitter que afirma que a Suécia só pode ser comparada aos seus vizinhos. Nenhum outro país na terra está sendo mantido nesse padrão. Ninguém diz que os EUA só podem ser comparados ao Canadá ou ao México; na verdade, muitos especialistas afirmam seriamente que deveríamos ter seguido a estratégia da Nova Zelândia, um pequeno país insular isolado, menor do que muitas áreas metropolitanas dos Estados Unidos. Ninguém diz que a Alemanha só pode ser comparada à França, Áustria ou Holanda. Ou Espanha com França e Portugal. Ou países da América do Sul aos seus vizinhos. Tornou-se apenas uma desculpa abreviada conveniente em uma tentativa desesperada de confirmar preconceitos pré-existentes.

Ah, e por falar na Alemanha, veja como as mortes na Suécia e na Alemanha estão nos últimos 15 meses:

A Alemanha deu uma “aula magistral em comunicação científica” de acordo com a CNBC, a Suécia é um desastre rebelde e, ainda assim, a Alemanha teve pior desempenho na maior parte do ano passado. Eu me pergunto se você pesquisou americanos ou britânicos ou qualquer outro lugar onde a mídia seja incansavelmente dedicada à pseudociência, se eles seriam capazes de identificar qual dos dois países teve pior desempenho nesse período.

Eu não acho que se sairia muito bem!

__________________________________________________________

Então, para responder à pergunta, por que ninguém fala mais sobre a Suécia? É porque ela não é mais útil para a mídia promover sua agenda.

Quando os números da Suécia pareciam desproporcionalmente ruins, era uma ferramenta valiosa no manual da mídia de máscaras, lockdowns e infindáveis ​​e condescendentes incitadores de medo. “Vejam o que acontece se vocês não fizerem o que mandamos, peões.”

Agora que a Suécia caiu para 40º na taxa de mortalidade de COVID e continuou a relatar taxas recentes extremamente baixas de casos e mortes, eles de repente estão desinteressados.

É um microcosmo da confusão desastrosa e indefinida em que vivemos – especialistas incorretamente, gritaram histericamente que máscaras e fechamentos de empresas e limites de capacidade eram absolutamente necessários para manter COVID “sob controle”, e a mídia imediatamente assumiu seu papel de promotores do pensamento de grupo incompetente e de repressores profissionais de qualquer um que discordasse.

A Suécia foi contra o rebanho, portanto, eles devem ser desprezados e rotulados pelos juízes da opinião aceitável.

Jamais haverá um reconhecimento ou aceitação de culpa por parte da mídia, pois ela é incapaz de corrigir seus preconceitos e admitir que A Ciência™ estava errada. Eles colocaram sua fé inquestionável em especialistas com um nível de competência que eles simplesmente não possuem. E se houvesse alguma sanidade ou justiça no mundo, eles seriam responsabilizados por sua imprecisão e a influência que tiveram na política COVID.

Mas é claro, como todos sabemos, a sanidade e a Idade da Razão e das Luzes terminaram com “15 dias para achatar a curva”, 549 dias atrás.

 

 

Artigo original aqui