Quando começou a traição da direita americana?

1
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

[A Editora Konkin acaba de lançar a tradução do livro A Traição da Direita Americana, de Murray Rothbard, disponível em pré venda aqui]

Ao contrário da crença popular, a traição da direita americana e do Partido Republicano não começou com o governo de George W. Bush, seu pai George HW Bush, Ronald Reagan ou Barry Goldwater. Começou muito antes como este livro de Murray N. Rothbard detalha.

Este é um livro fabuloso que eu esperei ansiosamente ser publicado por quase trinta anos. E ele atendeu todas as minhas expectativas e confirma o brilhantismo de seu autor. Murray Rothbard permanece insuperável em insight analítico e clareza de percepção.

O ex-candidato presidencial e ex-congressista republicano Ron Paul muitas vezes se descreve como pertencente à tradição não intervencionista da “Velha Direita” na política americana, e diz que seu herói ou mentor a esse respeito é o senador republicano de Ohio Robert A. Taft, filho do presidente e chefe de justiça dos Estados Unidos William H. Taft.

Para os porta-vozes da grande mídia com sua visão superficial da história política americana, isso é muito desconcertante. Seu conhecimento superficial dos eventos raramente se estende além dos anos Reagan, se é que é tão antigo.

A “Velha Direita” surgiu em oposição ao estado de guerra e de bem-estar social das políticas do New Deal de Franklin Roosevelt e do Fair Deal de Harry Truman de estatismo corporativista doméstico e intervencionismo imperialista estrangeiro.

Os republicanos da “velha direita” no Congresso, como o senador Taft, o deputado Howard Buffett (pai do investidor bilionário Warren Buffett), o deputado George Bender e o deputado HR Gross, eram pró-paz e opositores da guerra, militarismo, imperialismo e alistamento militar obrigatório. Reminiscentes de Ron Paul, eles lutaram contra a centralização tirânica do poder no poder executivo e a não declarada Guerra da Coréia que não terminou em vitória, como Paul fez com a Guerra do Iraque.

Havia mentiras e duplicidade de inteligência envolvidas no conflito coreano, como houve com a guerra no Iraque. Howard Buffett estava convencido de que a guerra desastrosa na Coreia foi lançada agressivamente pelos EUA, conforme descrito no testemunho secreto do Comitê de Serviços Armados do Senado pelo diretor da CIA, o almirante Roscoe Hillenkoeter, muito parecido com o papel desempenhado por George Tenent e o Escritório de Planos Especiais do Pentágono em relação ao Iraque.

Mas depois da Segunda Guerra Mundial esta gloriosa tradição sofreu reveses cruciais (como o roubo bem documentado da nomeação republicana de Taft em 1952 pelas forças de Eisenhower) e, eventualmente, no início dos anos 1950, a “Velha Direita” estava sendo substituída por uma “Nova Direita” de militaristas agressivos comprometidos com um papel imperialista global para os Estados Unidos.

Há muito acredito que o papel secreto da comunidade de inteligência (em particular o da revista National Review do agente da CIA William F. Buckley) em precipitar essa mudança decisiva de opinião foi crucial e Rothbard confirma essas suspeitas. Este fantástico novo livro detalha como essa traição aconteceu. Originalmente escrito no início da década de 1970 e atualizado na década de 1990 antes de sua morte, foi finalmente publicado e está mais atual do que nunca.

Para uma descrição fantástica da história da Convenção Republicana de 1952 e muito mais, veja A Choice Not An Echo, de Phyllis Schlafly, um dos verdadeiros clássicos americanos da publicação política moderna. Embora o panfleto de Schlafly de 1964 tenha sido projetado para defender a candidatura presidencial do senador Barry Goldwater do Arizona, ele continua sendo uma exposição direta de como os “criadores de reis secretos”, o establishment dos banqueiros internacionais Morgan/Rockefeller anglófilo da costa nordeste, tentaram incansavelmente destruir e sabotar as forças republicanas populares da “Velha Direita” nas eleições presidenciais de 1936 em diante.

Outro livro relacionado é Desperate Deception: British Covert Operations in the United States, 1939–44, de Thomas E. Mahl, que detalha a vasta campanha secreta da inteligência britânica, do governo Roosevelt e do establishment anglófilo para empurrar os Estados Unidos para a Segunda Guerra Mundial e destruir a “Velha Direita” no processo. Como apontado acima, esses esforços continuaram sob a CIA, sucessora do Escritório de Serviços Estratégicos da Segunda Guerra Mundial.

Este processo continua hoje pela semente demoníaca da CIA, os neocons.

Esses caras odiavam Robert Taft e a “Velha Direita” e fizeram todo o possível para destruir sua influência e impacto na política americana. Seus descendentes do establishment odeiam Ron Paul e tentaram fazer de tudo para destruí-lo e sua candidatura presidencial.

Estes três livros são leitura obrigatória para todos os admiradores de Ron Paul conhecerem sua história e o que estamos enfrentando.

Nossa maior graça salvadora hoje é que a Internet destruiu o anteriormente todo-poderosa eficácia dos guardiões da mídia tradicional do establishment na definição dos parâmetros do debate político.

Conhecimento é poder.

Aja de acordo com esse conhecimento.

Leia este livro.

 

Artigo original aqui

1 COMENTÁRIO