Quando irão encerrar a esdrúxula exigência de máscara nos aviões?

2
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Como aqueles cavalos selvagens que simplesmente se recusam a ser montados, eu me vejo como alguém que nunca, jamais se rendeu ao hábito de usar máscara. É sempre horrível. É sempre desconfortável. Cada momento em que sou forçado a usar uma dessas porcarias é um momento de sofrimento completamente desnecessário imposto por tiranos hipocondríacos e sedentos de poder, cujo objetivo principal é tornar as pessoas infelizes pelo maior tempo possível.

Claro, adultos e até crianças se “acostumam” às máscaras ao longo do tempo, mas aqueles que defendem esse argumento devem lembrar que os prisioneiros também acabam sendo institucionalizados. Eu nunca me acostumei com o uso de máscaras, e considero isso uma medalha de honra.

Ao contrário de muitos, tive a sorte de morar em um estado em que eu pude ignorar amplamente o “decreto da máscara” que não pegou em minha cidade. Os comércios raramente, ou nunca, chamavam a atenção das poucas pessoas sem máscara que passavam por suas portas, mesmo durante o auge da pandemia. Eles queriam que as pessoas usassem máscaras, mas preferiam não afastar os clientes. Mas aeroportos, aviões, trens e estações de trem são uma questão totalmente diferente. Lá, peões como você e eu somos forçados – sob a proverbial arma – a usar máscaras por horas a fio com pouco ou nenhum alívio.

Tive a infelicidade de ter que voar várias vezes durante esta época ridícula, e cada vez é um sofrimento. Mas ter que participar dessa encenação de teatro Kabuki quando quase todo o resto do país, incluindo a cidade de Nova York, está vivendo normalmente, é de alguma forma mais sofrível.

Na semana passada, quando as restrições Covid desapareceram mesmo nos lugares mais infelizes, pelo “crime” de simplesmente precisar voar para o Texas, me vi novamente forçosamente amordaçado enquanto atravessava uma paisagem infernal sombria e irracional onde o tempo inexplicavelmente parou.

Comparado com o mundo “livre”, aeroportos e aviões são como realidades distópicas, alternativas com uma ordem forçada que não possui absolutamente nenhuma base na realidade. Nele, nós zumbis mascarados vagamos aparentemente sem rumo de um lugar para outro, mal olhando para cima, claramente agitados e infelizes, mas impotentes para remediar a situação sem que sejamos banidos dos voos ou, pior, em ir parar em uma cela de prisão. Amordaçar passageiros à força que já foram tratados como gado por décadas é o jogo de poder esquerdista perfeito, e eles estão jogando este jogo para obter o máximo impacto.

Como os anúncios no sistema de som antes do voo deixam abundante e desagradavelmente claro até os detalhes excruciantes do que precisa acontecer após cada mordida e gole, espera-se que os viajantes permaneçam totalmente mascarados de cima do nariz até abaixo da boca durante cada segundo que estiverem sem comer e beber de sua existência nesses lugares infernais. Já é tortura suficiente em voos relativamente curtos e pontuais, mas Deus o ajude se seu voo estiver atrasado, e nem mesmo Deus poderá ajudá-lo se você ficar preso por horas em uma pista dentro de um avião que passe por “problemas mecânicos”. Afinal, respirar livremente é menos importante do que “seguir as regras”.

Viajar é estressante o suficiente sem isso, e ainda assim é isso que nossos senhores tirânicos impõem em nome da “segurança”. Eles sabem muito bem que as máscaras de pano não valem o material de camiseta necessário para fabricá-las e que o ar reciclado nos aviões os tornam tão seguros ou mais seguros do que em qualquer outro lugar fechado, e ainda assim o decreto federal das máscaras em viagens provavelmente será estendido mesmo além da suposta expiração de 18 de março.

Por quê? Eu digo que é porque eles podem. É um fato científico que se esses traficantes de poder hipocondríacos e loucos pudessem controlar a sociedade como eles podem controlar esses lugares com o punho de ferro da TSA, estaríamos de máscaras para sempre. Eles não podem, é claro, e é por isso que a política mudou o suficiente para eles “relaxarem” dcretos em quase todos os lugares.

Mas aeroportos e aviões são um animal diferente. Lá, o “teatro de segurança” praticado há décadas se encaixa perfeitamente no mais novo, mas ainda mais sinistro, “teatro de máscaras” da era Covid. Se os passageiros ainda são forçados a tirar os sapatos por causa das ações toscas de algum infeliz há mais de vinte anos, você acha que forçá-los a amordaçar as pessoas pelas próximas duas décadas e além é um problema para esses demônios?

 

 

Artigo original aqui

2 COMENTÁRIOS

  1. “Como aqueles cavalos selvagens que simplesmente se recusam a ser montados, eu me vejo como alguém que nunca, jamais se rendeu ao hábito de usar máscara. É sempre horrível. É sempre desconfortável. Cada momento em que sou forçado a usar uma dessas porcarias é um momento de sofrimento completamente desnecessário imposto por tiranos hipocondríacos e sedentos de poder, cujo objetivo principal é tornar as pessoas infelizes pelo maior tempo possível”

    Esse cara sou eu! minha inscrição de lápide está pronta…

    Ao contrário da cidade do autor, aqui em Porto Alegre até mercadinho de favela exige a frauda covidiana. E estou falando sério, não é sensacionalismo. Ontem cruzei a pé uma favela inteira aqui de Porto Alegre e aproveitei para observar isso. Ao menos na rua ninguém usa a máscara do demônio…
    Hoje tem Internacional X grêmio aqui na cidade. No setor onde eu vou estão as organizadas e ninguém usa pano na cara. Agora nas sociais e nos camarotes os cordeirinhos do sistema amam o teatro covidiano. Eu nem poderia entrar no estádio Beira rio, já que exigem passaporte nazisanitário…