A vingança dos Putin-Nazistas!

5
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

E eles estão de volta! É como uma daquelas séries de filmes de terror da Hammer Film Productions dos anos 1960 com Peter Cushing e Christopher Lee… O Retorno dos Putin-Nazistas! A Vingança dos Putin-Nazistas! O Retorno da Vingança da Noiva dos Putin-Nazistas! E desta vez eles não estão brincando com o roubo das eleições de Hillary Clinton com anúncios anti-masturbação no Facebook. Eles estão indo direto para a jugular da “Democracia”!

Sim, isso mesmo, pessoal, Vladimir Putin, líder dos Putin-Nazistas e “Ditador Maligno do Dia” oficial, lançou um ataque Kamikazi às Forças Unidas do Bem (e da Liberdade) para nos provocar a perder a paciência e travar uma guerra termonuclear global que acabará com toda a espécie humana e a maioria das outras formas de vida na Terra!

Estou me referindo, é claro, à invasão inexplicável e totalmente não provocada de Putin da Ucrânia, um país totalmente pacífico e livre de nazistas que estava apenas quiete em seu canto cuidando de sua vida não nazista, cantando Kumbaya e assim por diante, e não de forma alguma colaborando ou sendo cinicamente usados ​​pelos capitalistas globalistas da GloboCap para ameaçar e eventualmente desestabilizar a Rússia para que os meninos da GloboCap possam voltar lá e retomar a orgia calígula de “privatização” de que desfrutaram ao longo dos anos 1990.

Não, claramente, Putin acabou de perder a cabeça e não tem nenhum objetivo estratégico (além do extermínio total da humanidade), e está apenas correndo pelos corredores do Kremlin gritando “JOGUE AS BOMBAS! EXTERMINE OS BRUTOS!” com olhos esbugalhados e com o rosto pintado de verde como o Coronel Kurtz em Apocalypse Now… porque que outra explicação existe?

Ou… OK, claro, existem outras explicações, mas todas são apenas “desinformação russa” e “propaganda Putin-Nazi” disseminada por “racistas que reverenciam Putin, amam Trump, semeiam discórdia”, “transfóbicos, anti-vacina teóricos da conspiração”, “extremistas domésticos negacionistas da Covid” e outros blasfemos e hereges traidores, que estão sendo pagos por Putin para nos infectar com dúvidas, conhecimento histórico e pensamento crítico, porque nos odeiam por nossa liberdade … ou qualquer outra coisa.

Vamos dar uma olhada rápida em algumas dessas “desinformações russas” e “propaganda”, apenas para nos vacinar contra isso. Precisamos estar familiarizados com elas, para que possamos desligar nossas mentes e gritar clichês e chavões oficiais sempre que as encontrarmos na Internet. Pode ser um pouco desconfortável fazer isso, mas pense nisso como uma “vacina” contra propaganda russa, como um reforço de verificação de fatos de mRNA ideológico (com garantia de ser “seguro e eficaz”)!

OK, a primeira coisa que precisamos examinar, descartar, negar e fingir que nunca soubemos, é esse absurdo sobre “nazistas ucranianos”. Só porque a Ucrânia está cheia de neonazistas, e os membros recentes de seu governo eram neonazistas, e seus militares têm unidades neonazistas (por exemplo, o notório Batalhão Azov), e tem um feriado nacional celebrando um nazista, e membros do governo penduram seu retrato em seus escritórios, e as milícias militares e neonazistas estão aterrorizando e assassinando russos étnicos desde que os EUA e as Forças do Bem apoiaram e encenaram uma “revolução” (ou seja, um golpe) em 2014 com a ajuda de muitos neonazistas… isso não significa que a Ucrânia tenha um “problema nazista”. Afinal, seu atual presidente é judeu!

Se um traidor mencionar os nazistas ucranianos, desligue sua mente o mais rápido que puder e acerte-os com aquele clichê de acabar com o pensamento… “O PRESIDENTE DA UCRÂNIA É JUDEU!” Ou “TODO PAÍS TEM NAZISTAS!” Essa é outra boa!

A outra coisa que precisamos examinar, descartar, e nunca mais pensar, é o papel que as Forças Unidas do Bem desempenharam na orquestração dessa bagunça, começando com como membros do governo dos EUA executaram esse golpe em 2014, e como eles financiaram e trabalharam com neonazistas conhecidos – não nazistas secretos, dissimulados, meia-boca, mas odiadores de judeus, nazistas que fazem a saudação Sieg Heil – para fomentá-lo e, eventualmente, coloca-lo no poder. Tudo isso, é claro, é apenas “propaganda russa”, apesar do fato de ter sido minuciosamente documentado, não apenas pelos habituais “fontes de teoria da conspiração”, mas por porta-vozes oficiais das Forças do Bem, como a BBC, The Nation, e até mesmo o The Guardian.

Se algum traidor Putin-nazista mencionar esses fatos (ou enviar links para os inúmeros artigos que documentam o golpe de 2014), novamente, desligue sua mente imediatamente e grite “HISTÓRIA ANTIGA! HISTÓRIA ANTIGA!” e, em seguida, injete em si mesmo um enorme “reforço” da verdade verificada da mídia das Forças Unidas do Bem. Eu recomendo o The Guardian e o The New York Times, mas se você quiser ir diretamente à fonte, basta seguir Illia Ponomarenko do Kyiv Independent no Twitter. Tenho certeza de que Illia e seus “irmãos de armas” neonazistas do Azov-Battalion irão limpá-lo de toda essa “desinformação” e “propaganda Putin-Nazi”.

OK, isso é suficiente “inoculação” por enquanto. Não queremos nos expor a muito dessas coisas, ou somos responsabilizados por apoiar os nazistas errados.

Felizmente, as Forças Unidas do Bem (e da Liberdade) estão censurando quase tudo e, em no lugar disso, estão nos alimentando com histórias sentimentais, como aquela sobre “o Fantasma de Kiev”, o piloto de caça ucraniano completamente fictício que abateu toda a Força Aérea Putin-Nazista enquanto dizia frases curtas como Bruce Willis nos filmes Duro de Matar!

Como o New York Times explicou, histórias falsas como essa, ou aquela sobre os mártires da Ilha da Cobra que disseram aos russos para “se foderem”, e depois foram trucidados por um esquadrão da morte Putin-Nazista, mas depois apareceram vivos alguns dias depois, não são desinformação, e mesmo que sejam, não importa, porque são boas para o moral!

E, afinal, isso é o que importa. Se vamos derrotar esses Putin-nazistas, e a praga apocalíptica imaginária, e o Trump, e o terrorismo, e o extremismo doméstico, e a mudança climática, e o racismo, e o que quer que seja, precisamos manter as massas ocidentais agitadas em um estado perpétuo de histeria totalmente irracional e alucinada de ódio como um episódio eterno de Dois Minutos de Ódio de Orwell em 1984.

Realmente não importa quem as massas estão sendo instruídas a odiar esta semana… os russos, os não vacinados, os terroristas, os populistas, os apologistas de Assad, os teóricos da conspiração, os anti-vacinas, os desinformacionistas… ou quem quer que seja. No final, há apenas um inimigo, o inimigo das Forças Unidas do Bem, o inimigo do império capitalista global supranacional irresponsável (ou “GloboCap”, como gosto de chamá-lo).

Esse inimigo Goldstein genérico da GloboCap é um inimigo interno. A GloboCap não tem inimigos externos. Domina todo o planeta. É um grande mundo capitalista globalista. Tem sido nos últimos 30 anos ou mais. A maioria de nós ainda não consegue entender essa parte da realidade, então ainda vemos o mundo como uma competição entre estados-nação soberanos, como os EUA e a Rússia. Não é. Sim, ainda existem estados-nação, e eles competem entre si (como corporações competem por vantagens dentro do sistema que compõem), mas o conflito fundamental de nossa era é uma operação de contra-insurgência global.

O que temos experimentado nos últimos 30 anos, repetidamente, de muitas formas diferentes, é um sistema de poder globalmente hegemônico realizando uma operação “Clear and Hold”. A GloboCap vem gradualmente desestabilizando, reestruturando e privatizando o mundo pós-Guerra Fria, primeiro na Europa Oriental e no Grande Oriente Médio e, mais recentemente, aqui em casa nas nações ocidentais. Para aqueles que não estão familiarizados com o termo “Clear and Hold”…

    “Clear and Hold é uma estratégia de contra-insurgência na qual os militares livram uma área de guerrilheiros ou outros insurgentes e, em seguida, mantêm a área livre de insurgentes enquanto conquistam o apoio da população para o governo e suas políticas”.

Pare um minuto e pense sobre isso. Pense nos últimos dois anos. Pense nos últimos 30 anos. Sério, só como exercício, imagine a GloboCap como um exército ocupante e o mundo inteiro como o território que está ocupando. Imagine a GloboCap estabelecendo o controle, mirando e neutralizando uma variedade de insurgências… qualquer insurgência, independentemente de sua natureza, toda e qualquer resistência à sua ocupação, ou falta de apoio ao seu “governo e políticas”. Não importa quem são os insurgentes… comunistas obstinados, fundamentalistas islâmicos, nacionalistas, populistas… não faz diferença. A ocupação não se importa com o que eles acreditam ou por que estão resistindo. O objetivo da operação é controlar o território e trazer a população a bordo da nova “realidade”.

Bem-vindo à nova realidade … uma “realidade” na qual “a história parou [e] nada existe exceto um presente sem fim no qual o Partido está sempre certo”. Sim, eu sei que você está cansado de eu citar Orwell, mas, dadas as circunstâncias, não posso evitar. Basta refletir sobre como a GloboCap seguiu perfeitamente da narrativa da Pandemia Apocalíptica de volta à narrativa Putin-Nazista, que substituiu perfeitamente a narrativa da Guerra ao Terror no verão de 2016, e como instantaneamente os Novos Normais mudaram de odiar “os não vacinados” para odiar os russos, e aí fui repreendido novamente por citar Orwell.

Olha, eu odeio desapontar Edward Norton e milhões de outros esquerdistas fanáticos, mas os EUA não vão entrar em guerra com a Rússia, ou não intencionalmente em todo caso. A Rússia tem mísseis balísticos com ogivas termonucleares. Esta não é uma reprise da Segunda Guerra Mundial. E não é a Terceira Guerra Mundial, ou a Guerra Fria revisitada. Não é isso que está acontecendo na Ucrânia.

O que está acontecendo na Ucrânia é que a Rússia não está jogando o jogo. Por alguma razão, ela não quer ser desestabilizada, reestruturada e privatizada pela GloboCap. Está agindo como um estado-nação soberano… coisa que ela é, e ela não é, e é este fato paradoxal que a GloboCap está tentando marcar na Rússia, assim como países em todo o império capitalista global nos marcaram por nos últimos dois anos, como Trudeau marcou aqueles manifestantes em Ottawa quando ele cancelou seus direitos e se tornou totalmente fascista.

O que está acontecendo é que a Rússia está se rebelando contra a GloboCap e, diferentemente dos outros partidos rebeldes com os quais a GloboCap tem lidado recentemente, a Rússia tem armas termonucleares.

Não estou tentando dizer para quem torcer. Torça pela GloboCap se quiser. Estou apenas pedindo a você, antes que você voe para “Kyiv” e se junte à luta contra os Putin-Nazistas, ou faça papel de idiota na Internet gritando por Armageddon nuclear, ou taque uma bomba em seu restaurante russo local, ou espanque uma pessoa de aparência russa, para talvez parar por um momento ou dois e tentar entender o que realmente está acontecendo, e quem são os principais atores, e onde os esforços da GloboCap para “Clear and Hold” todo o planeta estão inexoravelmente nos levando.

Eu sei, isso é pedir muito hoje em dia, mas não posso deixar de pensar em todas aquelas armas nucleares, e a falibilidade dos seres humanos, e sim, todos os ucranianos não nazistas que vão sofrer e morrer desnecessariamente enquanto assistimos a ação na TV, e torcer para que nossos personagens favoritos ganhem, e assim por diante… como se fosse uma porra de um filme.

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorQuando irão encerrar a esdrúxula exigência de máscara nos aviões?
Próximo artigoGlobalistas fomentaram a guerra na Ucrânia para estabelecer a tirania da Nova Ordem Mundial
é um dramaturgo, romancista e satírico político premiado. Suas peças foram produzidas e fizeram turnê em teatros e festivais, incluindo Riverside Studios (Londres), 59E59 Theatres (Nova York), Traverse Theatre (Edimburgo), Belvoir St. Theatre (Sydney), o Du Maurier World Stage Festival (Toronto), Needtheater (Los Angeles), 7 Stages (Atlanta), Festival Fringe de Edimburgo, Adelaide Fringe, Festival de Brighton e Festival Noorderzon (Holanda), entre outros. Seus prêmios de redação incluem o 2002 First of the Scotsman Fringe Firsts, o Scotsman Fringe Firsts em 2002 e 2005 e o 2004 de Melhor peça de Adelaide Fringe. Sua sátira política e comentários foram apresentados no NPR Berlin, no CounterPunch, ColdType, The Unz Review, OffGuardian, ZeroHedge, Dissident Voice, The Greanville Post, ZNet, Black Agenda Report e outras publicações, e foram amplamente traduzidos.

5 COMENTÁRIOS

  1. […] Tendo provocado Putin a tomar medidas precipitadas, eles agora o colocam uma vez que o maior vilão do mundo em seu esforço para redirecionar a frustração e a raiva de suas próprias populações por seus próprios excessos totalitários em mansão. Eles conseguiram um intensidade notável, pois os povos ocidentais agora protestam entusiasticamente contra alguém que nunca lhes fez nenhum mal e obedientemente participam do ritual diário de dois minutos de ódio. […]

  2. Que artigo impressionante. Tanto pela narrativa anti-globalista quanto pelas fontes sobre os nazistas ucranianos. No mesmo link sobre o “feriado nazista”, tem uma nota sobre a proibição de um livro anti-nazista…. loucura total!

    Obrigado Instituto Rothbard! Cada vez que eu leio um artigo aqui eu me convenço que se eu não me cuidar, posso me tornar algum tipo de idiota útil da máfia estatal e seus aliados globalistas. Nós libertários condenamos a guerra de agressão, mas não por uma estratégia política, mas por princípios. Portanto, isso é muito diferente de sair por aí com uma bandeirinha da Ucrânia procurando um russo malvadão embaixo da cama.