Retomando o dinheiro (Parte I)

0
Tempo estimado de leitura: 8 minutos

O dinheiro é um posto de comando crucial de qualquer economia e, portanto, de qualquer sociedade. A sociedade apoia-se sobre uma rede de trocas voluntárias, também conhecida como “economia de livre mercado”; essas trocas implicam uma divisão do trabalho na sociedade, na qual os produtores de ovos, pregos, cavalos, madeira e serviços imateriais, como ensino, assistência médica e concertos, trocam seus bens pelos bens de outros. A cada passo do caminho, cada participante em troca se beneficia imensamente, pois se todos fossem forçados a ser autossuficientes, aqueles poucos que conseguissem sobreviver seriam reduzidos a um padrão de vida lastimável.

A troca direta de bens e serviços, também conhecida como “escambo”, é irremediavelmente improdutiva além do nível mais primitivo, e de fato toda tribo “primitiva” logo encontrou seu caminho para a descoberta dos enormes benefícios de alcançar, no mercado, uma mercadoria particularmente comercializável, uma em demanda geral, para usar como um “meio” de “troca indireta”. Se uma determinada mercadoria está em uso generalizado como um meio em uma sociedade, então esse meio geral de troca é chamado de “dinheiro”.

O dinheiro-mercadoria torna-se um termo em cada uma das inúmeras trocas na economia de mercado. Eu vendo meus serviços como professor por dinheiro; uso esse dinheiro para comprar mantimentos, máquinas de escrever ou hospedagens em viagens; e esses produtores, por sua vez, usam o dinheiro para pagar seus empregados, comprar equipamentos e estoques e pagar aluguel de seus prédios. Daí a tentação sempre presente de um ou mais grupos tomarem o controle da função vital de suprimento de dinheiro.

Muitos bens úteis foram escolhidos como dinheiro nas sociedades humanas. Sal na África, açúcar no Caribe, peixes na Nova Inglaterra colonial, tabaco na região colonial da Baía de Chesapeake, búzios, enxadas de ferro e muitas outras mercadorias foram usados como dinheiro. Esses dinheiros não servem apenas como meio de troca; eles permitem que indivíduos e empresas se envolvam no “cálculo” necessário para qualquer economia avançada. Os dinheiros são negociados e calculados em termos de uma unidade monetária, quase sempre unidades de peso. O tabaco, por exemplo, era contabilizado em pesos de libra. Os preços de outros bens e serviços poderiam ser calculados em termos de libras de tabaco; um determinado cavalo pode valer 80 libras no mercado. Uma empresa poderia então calcular seu lucro ou prejuízo do mês anterior; ela poderia calcular que sua renda no mês passado foi de 1.000 libras e seus gastos 800 libras, o que lhe rendeu um lucro de 200 libras.

Ouro ou papel do governo

Ao longo da história, duas mercadorias foram capazes de competir com todos os outros bens e serem escolhidas no mercado como dinheiro: dois metais preciosos, ouro e prata (com o cobre entrando quando um dos outros metais preciosos não estava disponível). O ouro e a prata abundavam no que podemos chamar de qualidades “endinheiráveis”, qualidades que os tornavam superiores a todas as outras mercadorias. Eles estão em suprimento raro o suficiente para que seu valor seja estável, e de alto valor por unidade de peso; portanto, peças de ouro ou prata serão facilmente portáteis e utilizáveis em transações diárias; eles também são raros o suficiente, de modo que há pouca probabilidade de descobertas repentinas ou aumentos na oferta. Eles são duráveis para que possam durar praticamente para sempre, e assim fornecem uma “reserva de valor” para o futuro. E o ouro e a prata são divisíveis, de modo que podem ser divididos em pequenos pedaços sem perder seu valor; ao contrário dos diamantes, por exemplo, eles são homogêneos, de modo que uma onça de ouro terá o mesmo valor de qualquer outra.

O uso universal e antigo do ouro e da prata como moeda foi apontado pelo primeiro grande teórico monetário, o eminente escolástico francês do século XIV Jean Buridan, e depois em todas as discussões sobre dinheiro contando em livros didáticos sobre dinheiro e sistemas bancários até que os governos ocidentais aboliram o padrão-ouro no início da década de 1930.

Não há nenhum aspecto da economia de livre mercado que tenha sofrido mais escárnio e desprezo dos economistas “modernos”, sejam keynesianos francamente estatistas ou supostamente “de livre mercado”, do que o ouro. O ouro, há pouco tempo aclamado como o elemento básico e o fundamento de qualquer sistema monetário sólido, é agora regularmente denunciado como um “fetiche” ou, como no caso de Keynes, como uma “relíquia bárbara”. Bem, o ouro é de fato uma “relíquia” da barbárie em certo sentido; Nenhum “bárbaro” digno de seu sal jamais teria aceitado o falso papel e o crédito bancário que nós, sofisticados modernos, fomos levados a usar como dinheiro.

Mas os “entusiastas do ouro” não são fetichistas, não nos encaixamos na imagem padrão de avarentos passando os dedos por seu tesouro de moedas de ouro enquanto cacarejam de forma sinistra. A grande coisa sobre o ouro é que ele, e só ele, é dinheiro fornecido pelo livre mercado, pelas pessoas trabalhando. Pois a escolha que temos diante de nós sempre é: ouro (ou prata), ou governo. O ouro é dinheiro de mercado, uma mercadoria que deve ser suprida ao ser escavada do solo e depois processada; mas o governo, ao contrário, fornece praticamente sem custo papel-moeda ou cheques bancários do nada.

Sabemos, em primeiro lugar, que toda operação governamental é perdulária, ineficiente e serve ao burocrata e não ao consumidor. Preferimos ter sapatos produzidos por empresas privadas competitivas no mercado livre, ou por um monopólio gigante do governo federal? A função de fornecer dinheiro não poderia ser melhor tratada pelo governo. Mas a situação no dinheiro é muito pior do que no calçado ou em qualquer outra mercadoria. Se o governo produz sapatos, pelo menos eles podem ser usados, mesmo que sejam caros, apertados e não satisfaçam os desejos dos consumidores.

O dinheiro é diferente de todas as outras mercadorias: outras coisas sendo iguais, mais sapatos ou mais descobertas de petróleo ou cobre beneficiam a sociedade, pois ajudam a aliviar a escassez natural. Mas uma vez que uma mercadoria é estabelecida como um dinheiro no mercado, não é necessário mais dinheiro. Como o único uso do dinheiro é para troca e cálculo, mais dólares ou libras ou marcos em circulação não podem conferir um benefício social: eles simplesmente diluirão o valor de troca de cada dólar ou libra ou marco existente. Portanto, é uma grande vantagem que o ouro ou a prata sejam escassos e sejam caros para aumentar a oferta.

Mas se o governo consegue estabelecer notas de papel ou crédito bancário como dinheiro, como equivalente a gramas de ouro ou onças, então o governo, como fornecedor de dinheiro dominante, torna-se livre para criar dinheiro sem custos e à vontade. Como resultado, essa “inflação” da oferta monetária destrói o valor do dólar ou da libra, eleva os preços, prejudica o cálculo econômico e prejudica seriamente o funcionamento da economia de mercado.

A tendência natural do governo, uma vez no comando do dinheiro, é inflar e destruir o valor da moeda. Para entender essa verdade, devemos examinar a natureza do governo e da criação de dinheiro. Ao longo da história, os governos têm estado cronicamente sem receitas. A razão deve ser clara: ao contrário de vós e de mim, os governos não produzem bens e serviços úteis que possam vender no mercado; os governos, em vez de produzir e vender serviços, vivem parasitariamente do mercado e da sociedade. Ao contrário de todas as outras pessoas e instituições da sociedade, o governo obtém sua receita da coerção, da tributação. Em tempos mais antigos e sãos, de fato, o rei foi capaz de obter receita suficiente com os produtos de suas próprias terras e florestas privadas, bem como através de pedágios de rodovias. Para que o Estado conseguisse regularizar a tributação em tempos de paz foi uma luta de séculos. E mesmo depois que a tributação foi estabelecida, os reis perceberam que não podiam facilmente impor novos impostos ou taxas mais altas sobre taxas antigas; se o fizessem, uma revolução ficava prestes a eclodir.

Controlando a oferta de dinheiro

Se a tributação está permanentemente aquém do estilo de gastos desejado pelo Estado, como ele pode compensar a diferença? Obtendo o controle da oferta de dinheiro, ou, para dizer francamente, falsificando dinheiro. Na economia de mercado, só podemos obter um bom dinheiro vendendo um bem ou serviço em troca de ouro, ou recebendo um presente; a única outra maneira de obter dinheiro é se envolver no custoso processo de extrair ouro do solo. O falsificador, por outro lado, é um ladrão que tenta lucrar com falsificação, por exemplo, pintando uma peça de latão para parecer uma moeda de ouro. Se sua falsificação é detectada imediatamente, ele não causa nenhum dano real, mas na medida em que sua falsificação não é detectada, o falsificador é capaz de roubar não apenas dos produtores cujos produtos ele compra. Pois o falsificador, ao introduzir dinheiro falso na economia, é capaz de roubar de todos, roubando a cada pessoa o valor de sua moeda. Ao diluir o valor de cada onça ou dólar de dinheiro genuíno, o roubo do falsificador é mais sinistro e mais verdadeiramente subversivo do que o do ladrão de rua; pois ele rouba a todos na sociedade, e o roubo é furtivo e oculto, de modo que a relação de causa e efeito é camuflada.

Recentemente, vimos a manchete assustadora: “Governo iraniano tenta destruir a economia dos EUA falsificando notas de US$ 100”. Se os aiatolás tinham objetivos tão grandiosos em mente é duvidoso; os falsificadores não precisam de uma grande justificativa para abocanhar recursos imprimindo dinheiro. Mas toda falsificação é de fato subversiva e destrutiva, além de inflacionária.

Mas, nesse caso, o que dizer quando o governo assume o controle da oferta monetária, abole o ouro como dinheiro e estabelece suas próprias notas impressas como o único dinheiro? Em outras palavras, o que dizer quando o governo se tornar o falsificador legalizado e monopolista?

Não só a falsificação foi detectada, mas o Grande Falsificador, o Banco Central, em vez de ser vilipendiado como um gigantesco ladrão e destruidor, é saudado e celebrado como o sábio manipulador e governador de nossa “macroeconomia”, a agência na qual confiamos para nos manter longe de recessões e inflações, e com o qual contamos para determinar as taxas de juros, os preços do capital e o emprego. Em vez de ser habitualmente recebido com tomates e ovos podres, o presidente do Banco Central, seja ele quem for, seja o imponente Paul Volcker ou o coruja Alan Greenspan, é universalmente saudado como o Sr. Indispensável ao sistema econômico e financeiro.

De fato, a melhor maneira de penetrar nos mistérios do sistema monetário e bancário moderno é perceber que o governo e seu banco central agem exatamente como um Grande Falsificador, com efeitos sociais e econômicos muito semelhantes. Muitos anos atrás, a revista New Yorker, nos tempos em que seus cartoons ainda eram engraçados, publicou uma charge de um grupo de falsificadores olhando ansiosamente para sua impressora quando a primeira nota de US$ 10 foi impressa. “Rapaz”, disse um dos membros da equipe, “os gastos de varejo no bairro certamente terão um estímulo”.

E assim foi. À medida que os falsificadores imprimem dinheiro novo, os gastos aumentam naquilo que os falsificadores desejam comprar: bens pessoais de varejo para si mesmos, bem como empréstimos e outros fins de “bem-estar geral” no caso do governo. Mas a “prosperidade” resultante é falsa; tudo o que acontece é que mais dinheiro esgota os recursos existentes, de modo que os preços sobem. Além disso, os falsificadores e os primeiros destinatários do novo dinheiro esgotam os recursos antes de os pobres coitados que estão no fim da fila coloquem as mãos no novo dinheiro, ou que nem sequer o recebem. O dinheiro novo injetado na economia tem um efeito cascata inevitável; os primeiros recebedores do novo dinheiro gastam mais e aumentam os preços, enquanto os recebedores posteriores ou aqueles de renda fixa encontram os preços dos bens que devem comprar subindo inexplicavelmente, enquanto suas próprias rendas ficam para trás ou permanecem as mesmas. A inflação monetária, em outras palavras, não apenas aumenta os preços e destrói o valor da unidade monetária; ela também atua como um gigantesco sistema de expropriação dos recebedores tardios pelos próprios falsificadores e pelos outros recebedores anteriores. A expansão monetária é um esquema gigantesco de redistribuição oculta.

Quando o governo é o falsificador, o processo de falsificação não é mais uma questão de ser “detectado”, mas o estado se proclama abertamente como o executor de política monetária para o bem público. A expansão monetária torna-se, então, um gigantesco esquema de tributação oculta, o imposto recaindo sobre os grupos de renda fixa, sobre aqueles grupos distantes dos gastos e subsídios do governo e sobre os poupadores que são ingênuos o suficiente e confiantes o suficiente para manter seu dinheiro, para ter fé no valor da moeda.

Gastos e endividamento são incentivados, a parcimônia e o trabalho árduo desencorajados e penalizados. Não só isso: os grupos que se beneficiam são os grupos de interesse especial que são politicamente próximos do governo e podem exercer pressão para que o dinheiro novo seja gasto com eles para que sua renda possa subir mais rápido do que a inflação de preços. Empreiteiros do governo, empresas politicamente conectadas, sindicatos e outros grupos de pressão serão beneficiados às custas do público inconsciente e desorganizado.

 

 

 

Publicado originalmente como parte um de uma série de três artigos no The Freeman, setembro-novembro de 1995.