Revisão de As Origens da Segunda Guerra Mundial

0
Tempo estimado de leitura: 27 minutos

[Memorando para o Sr. Kenneth Templeton do William Volker Fund, 18 de abril de 1962.]

Não é sempre que se tem o privilégio de analisar um livro de importância monumental, um “avanço” verdadeiramente significativo do obscurantismo ao conhecimento e insight histórico. Mas tal livro é a magnífica obra de A.J.P. Taylor, The Origins of the Second World War (Londres: Hamish Hamilton, 1961 — agora Nova York: Athenaeum, 1962). Como Taylor aponta e explica no início deste livro, o revisionismo da Segunda Guerra Mundial, em todos os países do mundo, tem sido praticamente inexistente. Nos Estados Unidos, o revisionismo de Pearl Harbor progrediu muito e construiu um conjunto bem-sucedido de literatura histórica, de modo que seus oponentes tiveram que um a um bater em retirada. Mas, em nítido contraste com a situação após a Primeira Guerra Mundial, as origens da “guerra de 1939 na Europa foram uma porta trancada”, e a profissão histórica, bem como todo o público em geral e a opinião oficial, em todos os países envolvidos, apegaram-se severa e tenazmente a quase as mesmas visões que foram mantidas no auge do próprio conflito. Embora tenha havido uma mudança substancial na visão de que toda a Alemanha é e sempre foi culpada pela guerra, não houve mudança na visão sobre Hitler e seu governo, e da suposta única culpa que eles incorreram. A extensão da atmosfera sufocante é indicada pela má reputação automática, o choque e a vergonha, que qualquer desvio dessa linha de propaganda incorre se expresso verbalmente ou impresso. Qualquer dúvida sobre a linha oficial de que (a) Hitler estava empenhado em conquistar o mundo, e (b) a única maneira de enfrentar a situação era tomar uma posição “firme” e detê-lo, acarreta automaticamente a acusação de ser “pró-Hitler” ou “pró-nazista”. Da mesma forma, o “apagão histórico” opera hoje na Guerra Fria; qualquer insinuação de que os soviéticos não são os únicos responsáveis pela Guerra Fria é rebatida com a acusação de ser “pró-comunista” ou “suave com o comunismo”. Tudo isso é incomensuravelmente auxiliado pelo velho truque de propaganda de identificar a política interna de um Estado com sua política externa; pintar a política interna de um governo como suficientemente perversa (por exemplo, Hitler, comunismo), e os ignorantes e superficiais concordarão automaticamente que esse governo perverso deve ser culpado, e exclusivamente culpado, de quaisquer guerras ou ameaças de guerra que possam surgir, e que inversamente, os “bons” Estados Unidos (ou Grã-Bretanha ou França) serão singularmente inocentes e virtuosos. Nos Estados Unidos, mesmo o revisionismo de Pearl Harbor teve que enfrentar probabilidades pesadas e opressivas, e seus defensores poderiam ser descartados pelo establishment como “meros jornalistas” (Morgenstern, Chamberlin) ou como ex-isolacionistas e oponentes da entrada dos EUA na guerra (Barnes, Tansill, et al.) – embora isso dificilmente fosse uma desqualificação para os elogios mais entusiásticos dados a ex-isolacionistas renegados como Langer, Commager et al. E, o revisionismo de Pearl Harbor não enfrentou dificuldades em comparação com o revisionismo sobre Hitler e a Alemanha – pois o emocionalismo da guerra incitado aqui e no exterior contra o Japão não era nada comparado ao frenesi incitado contra a Alemanha e contra Hitler. Aqui, o frenesi da propaganda nascida da guerra do apagão foi virtualmente total.

Nesse miasma surgiu, quase como um deus ex machina milagroso, o renomado professor de Oxford, A.J.P. Taylor. O choque aqui é particularmente notável e extraordinário porque Taylor se destacou, mesmo entre seus colegas historiadores do establishment, pelo maledicência e abrangência de sua germanofobia, que ele aplicou a praticamente todas as guerras europeias, além da Segunda Guerra Mundial. E agora, depois de ser amplamente anunciado pelos “meninos do apagão” como um grande historiador, o professor Taylor não apenas mudou radicalmente de ideia, como publicou o primeiro trabalho revisionista real sobre 1939. Os ataques pessoais a Taylor foram previsivelmente numerosos, cruéis e virulentos. Mas o importante é que Taylor era muito proeminente para ser ignorado e, portanto, seu livro está sendo, e será, lido e marca o primeiro grande avanço revisionista sobre 1939. É uma lição inspiradora, esta história, pois mostra que, independentemente de quão virulenta e determinada a supressão da verdade, a verdade aparecerá, e em algum lugar intelectuais e acadêmicos corajosos e de mente independente a captarão e a publicarão para o mundo. E ela será ouvida. Por que a mudança completa da orientação e abordagem de Taylor sobre a Alemanha? Abundam as difamações pessoais fervorosas (por exemplo, por Trevor-Roper e por Rowse), e foi sugerido que tudo isso é um jogo divertido, pour epater le bourgeois. Nada disso merece comentários. Mas uma revisão que pode ser notada, e uma das mais cruéis, foi a do Prof. Stephen Tonsor na National Review. Tonsor, quase sem mencionar o conteúdo, acusou histericamente que tudo isso era um panfleto “presentista”, não sobre Hitler, mas que visa “apaziguar” a Rússia soviética. Mas se esse tivesse sido o motivo da mudança de Taylor, ele teria mudado há muito tempo, no início da Guerra Fria. Ainda em 1958, o Prof. Taylor, em seu livro The Troublemakers: Dissent Over Foreign Policy, 1792–1939 (Indiana University Press, 1958), enquanto elogiava todos os dissidentes pró-paz da política externa na história britânica moderna, elogiou os dissidentes pró-guerra da política de apaziguamento do final dos anos 1930. Ainda em 1958, então, Taylor se agarrou tão tenazmente quanto antes à sua linha germanofóbica (o livro é dedicado ao eminente germanofóbico Alan Bullock). A política “presentista” em relação à Rússia, portanto, dificilmente poderia ter sido o motivo. Não, há apenas uma explicação. A.J.P. Taylor começou a investigar os documentos e, ao fazê-lo, começou a perceber a verdade. O poder da verdade, e seu corajoso reconhecimento da verdade, varreu todos os seus próprios vieses e preconceitos, e em seguida ele deu o passo enormemente corajoso de ousar publicar essas descobertas altamente importantes para o mundo. Apesar da saraivada de difamações, Taylor já causou um impacto considerável; o distinto e altamente respeitável History Book Club escolheu o livro de Taylor como um de seus livros do mês, e no History Book Club News o livro de Taylor recebeu uma resenha incrivelmente favorável de ninguém menos que Walter Millis, um dos ex-líderes da “brigada do apagão” (Millis não compreendeu todas as implicações das descobertas de Taylor, mas este é certamente um excelente começo).

O tema central de Taylor é simplesmente este: Alemanha e Hitler não foram os únicos culpados de começar a Segunda Guerra Mundial (na verdade, eles praticamente não foram os culpados); Hitler não estava empenhado em conquistar o mundo, e que por esta razão havia armado a Alemanha até os dentes e preparado um “cronograma”. Hitler, em resumo, (nos assuntos externos) não era um monstro ou daimon exclusivamente maligno, que continuaria a devorar países diabolicamente até ser detido por uma força superior. Hitler era um estadista alemão racional, perseguindo – com considerável percepção intuitiva – uma política alemã tradicional pós-Versalhes (à qual poderíamos acrescentar insinuações de desejos de expansão para o leste em um ataque ao bolchevismo). Mas basicamente, Hitler não tinha um “plano mestre”; ele era um germânico com a intenção, como todos os germânico, de revisar o intolerável e estúpido Diktat de Versalhes, e fazê-lo por meios pacíficos e em colaboração com os britânicos e franceses. Uma coisa é certa: Hitler não tinha projetos, nem planos, nem mesmo vagas insinuações, de se expandir para o oeste contra a Grã-Bretanha e a França (muito menos os Estados Unidos). Hitler admirava o Império Britânico e desejava colaborar com ele. Não só Hitler fez isso com perspicácia, ele fez isso com paciência, como Taylor mostra excelentemente; a lenda (que talvez todos nós tenhamos aceitado em um grau ou outro) é que Hitler inconvenientemente criou uma crise europeia atrás da outra, no final da década de 1930, avançando avidamente de uma vitória para outra; na verdade, as crises surgiram naturalmente, foram desenvolvidas a partir de condições externas (em grande parte do rompimento das condições inerentemente instáveis ​​impostas pelo Diktat de Versalhes) e por outros, e que Hitler esperava pacientemente o resultado para usar em seu benefício e da Alemanha.

A tragédia europeia foi que foi geralmente admitido, pela maioria dos britânicos, pelos franceses (quando sua grandeza não estava envolvida) e pela opinião mundial, que os alemães estavam moralmente certos, que as resoluções de Versalhes mereciam ser radicalmente revistos (por exemplo, o truncamento, e depois o proibido Anschluss, da Áustria; o aborto geográfico sob o despotismo tcheco que se autodenominava a “democracia da Tchecoslováquia”; a tirania polonesa sobre os alemães no Corredor e Danzig, para não falar da Alta Silésia, etc.). Sendo moralmente e geralmente efetivado como foi, o acordo de Versalhes também estava fadado ao fracasso, pois os povos prejudicados continuamente clamavam por reparação. Taylor ressalta que foi o grande mérito do desconhecido Ramsay MacDonald ter percebido isso e ter estabelecido uma linha de “apaziguamento” para a Grã-Bretanha até 1939. Foi a tragédia da Europa que uma vez que essa foi reconhecida como a política correta (a política racional ao mesmo tempo a mais moral e a mais conveniente) não tenha sido buscada com a maior rapidez e determinação possível. A Grã-Bretanha demorou; e nem todos os estadistas britânicos tiveram a perspicácia de aprovar o “apaziguamento” como manifestado por MacDonald, Stanley Baldwin ou Sir John Simon. Locarno, o fim relutante das reparações, etc., foram passos dados com morosidade, hesitação e lentidão. Se o apaziguamento tivesse sido buscado com firmeza até o final da década de 1920, talvez Hitler nunca tivesse chegado ao poder. Assim, a tragédia da Europa foi, portanto, esta: que a Grã-Bretanha (o líder da coalizão anglo-francesa) entendeu que o apaziguamento era a única política racional, mas, estando o país “no topo”, um vencedor em Versalhes sobre uma Alemanha vencida, indesculpavelmente demorou e atrasou em colocá-la em execução. Como resultado, Hitler foi forçado a vociferar e ameaçar, ou parecer fazê-lo, a fim de obter concessões que a Grã-Bretanha deveria ter concedido uma década antes. Como resultado, à medida que cada “crise” se desenvolvia no final da década de 1930, parecia – mesmo para Chamberlain e os britânicos – que Hitler estava exigindo, através de ameaças cruéis, e um passo de cada vez, concessões de uma Grã-Bretanha e França relutantes e assustadas. Hitler foi apresentado como o errado aos olhos da Europa e do mundo, quando ele estava eminentemente certo, e tudo porque os britânicos se recusaram a buscar seu objetivo de apaziguamento racional rápida e obstinadamente.

A história de Taylor das várias crises é fascinante; por um lado, mostra que, por causa dessa lentidão, a política de Hitler, na verdade prudente, moderada e passiva (e até pacifista), também foi feita para parecer bélica e beligerante pelas decisões quase totalmente irracionais e repentinas das nações envolvidas (o austríacos, tchecos e poloneses) para serem duras, para adotar uma “postura firme” contra o dito “agressor”. Repetidas vezes, esses países foram quase completamente arruinados por sua própria “dureza” irracional e suas decisões de “manter-se firme”. Em minha revisão do importante trabalho de Jakobson sobre a Guerra Russo-Finlandesa (Rothbard para Resch, 21 de março de 1962), indiquei que a Finlândia quase se destruiu por sua política irracionalmente “dura” contra as demandas moderadas e razoáveis ​​da Rússia soviética (e foi mais tarde salva pelos corajosos atos de “apaziguação” do presidente Paasikivi, autor da bem-sucedida “Posição Paasikivi” para a paz e a coexistência pacífica). Uma história semelhante ocorreu com Hitler.

Tomemos primeiro a “heroica pequena Áustria”, cujo chanceler Schuschnigg supostamente foi “intimidado” por Hitler, e onde as tropas de Hitler “invadiram” o país. A Áustria foi talvez a vítima mais evidente da Primeira Guerra Mundial e Versalhes. Despojada da maior parte de seu território, ela se viu em um mundo de moedas flutuantes, tarifas e controles cambiais, a Áustria estava longe de ser uma entidade econômica viável. Pela primeira vez reduzida a ser exclusivamente alemã, e é eminentemente compreensível que um forte movimento de Anschluss com a Alemanha tenha se desenvolvido. Mas as condições na Áustria eram problemáticas, porque a Áustria, na década de 1930, era governada por uma ditadura fascista liderada por Dollfuss e depois Schuschnigg; os nazistas austríacos, que favoreciam o Anschluss, tiveram que tentar gerar revoltas, uma vez que o caminho democrático para o poder estava impedido. Taylor aponta, aliás, um fato muito importante: que os nazistas na Áustria, Sudetos, Danzig, etc., não eram, como sempre foi considerado, meras “marionetes” de Hitler, sujeitos às suas ordens. (O mesmo erro foi cometido com os partidos comunistas domésticos sujeitos a “ordens de Moscou”; no caso dos nazistas, o erro foi ainda maior. Eram movimentos ideológicos, que naturalmente admiravam e até eram influenciados por Hitler, mas não podiam ser “controlados” por ele. De fato, na maior parte do tempo Hitler estava engajado em tentar – muitas vezes sem sucesso – evitar que esses movimentos nazistas locais se revoltassem, criassem problemas, etc., então estavam longe de serem meras marionetes de Hitler estavam.

Para retornar, os nazistas locais se revoltaram sem sucesso em 1934 e eram geralmente inquietos. Schuschnigg, então, ficou feliz em concluir um Acordo de Cavalheiros com a Alemanha, em julho de 1936, no qual reconhecia que a Áustria era um “Estado alemão” e concordava em admitir nazistas como membros de seu governo. Em troca, Hitler reconhecia a “soberania” austríaca e acreditava com satisfação que a Áustria era agora uma espécie de estado subordinado à Alemanha, e que os nazistas austríacos gradualmente e pacificamente ganhariam o controle da Áustria. Isso, de fato, era a coisa racional a se esperar de tal acordo. Nenhum Anschluss coercivo ou marcha dramática de tropas alemãs foi contemplado.

O tolo Schuschnigg, no entanto, via as coisas de forma diferente; cometendo o erro típico de que os nazistas austríacos eram basicamente marionetes de Hitler, ele assumiu que seu acordo pacífico com a Alemanha e sua inclusão de nazistas no gabinete significariam o fim de qualquer agitação doméstica por parte dos nazistas austríacos. Agora isso, como eu disse, era totalmente irreal; um movimento ideológico não pode ser “suspenso” à distância, e Taylor mostra que os nazistas austríacos radicais desafiaram as sugestões de Hitler para suavizar sua propaganda. E Schuschnigg assumiu irrealisticamente que, quando a agitação nazista austríaca fosse divulgada, Hitler os “suspenderia” e os repudiaria (já que Schuschnigg via a agitação contínua como uma traição ao Acordo de Cavalheiros). Taylor demonstra que, contrariamente à opinião geral, foi Schuschnigg quem insistiu em apresentar suas demandas a Hitler e que fez um convite para ver Hitler em Berchtesgaden; Hitler, compreensivelmente impaciente com todo o assunto, sendo assim pressionado sobre ele, insistiu que Schuschnigg tornasse o nacionalista alemão Seyss-Inquart Ministro do Interior e concordasse em coordenar sua política econômica e externa com a da Alemanha, em troca disso, Hitler concordaria com o repúdio aos nazistas austríacos. Schuschnigg concordou com isso voluntariamente; este foi simplesmente mais um passo evolutivo, a partir do Acordo de Cavalheiros; A Áustria se tornaria, de fato, um satélite da Alemanha, e em troca Schuschnigg seria poupado da agitação revolucionária dos nazistas austríacos. Hitler executou sua parte na barganha repreendendo os nazistas austríacos e insistindo no curso evolucionário, não revolucionário.

Tudo estava agora presumivelmente bem resolvido; de uma maneira pacífica e evolucionária, acordada por Hitler, Schuschnigg e os nazistas austríacos mais moderados e evolucionários. O que aconteceu? Schuschnigg, com efeito, repudiou o acordo voluntário de Berchtesgaden de 12 de fevereiro de 1938. De repente, após dois anos de apaziguamento racional, ele decidiu por uma postura “dura”; ele decidiu lançar um desafio a Hitler anunciando dramaticamente um plebiscito austríaco sobre a independência austríaca, a ser realizado quase imediatamente. Todos reconheceram isso como um desafio a Hitler. Hitler não viu alternativa a não ser responder isso com uma ação militar contra a Áustria. Quando Schuschnigg finalmente concordou em adiar o plebiscito, depois de ver que outros países não viriam em seu socorro, Hitler agora, compreensivelmente, decidiu que Schuschnigg não era confiável e que Seyss-Inquart deveria substituí-lo. Schuschnigg sabiamente concordou e renunciou, mas então, outra explosão de “dureza” irracional ocorreu, e o presidente Miklas da Áustria se recusou a nomear Seyss-Inquart; finalmente Hitler invadiu. Ele não tinha planejado invadir; ele não queria invadir. E mesmo quando invadiu, ele só planejava garantir a nomeação de Seyss-Inquart e depois se retirar. Mas a grande excitação das entusiasmadas multidões austríacas estimulou Hitler a anunciar um Anschluss total, um ato aprovado pela esmagadora maioria do povo austríaco.

Para entender a crise tcheca, deve-se entender que a Tchecoslováquia foi a mais grotesca de todas as criações abortadas do sistema de Versalhes. Os tchecos, liderados pelo idolatrado Masaryk, conseguiram enganar Wilson fazendo-o acreditar que os tchecos e os eslovacos eram a mesma coisa; e então, é claro, a Boêmia deve ter suas “fronteiras naturais”, arrastando assim os alemães boêmios para a “Tchecoslováquia”, uma terra de despotismo minoritário tcheco sobre os eslovacos, alemães, ucranianos etc. Os alemães estavam particularmente descontentes por terem passado de co-parceiros do Império Austro-Húngaro para prejudicados sob os tchecos. O Anschluss os eletrizou e a crise tcheca começou. Na verdade, a própria existência da “Tchecoslováquia” praticamente clamava pelo desmembramento, e ainda assim Benes resolveu adotar uma postura muito “dura”, mantendo-se firme contra os “blefes” de Hitler e fazendo-o recuar, induzindo a França e a Grã-Bretanha a virem ao auxílio de Benes. Benes deliberadamente provocou os alemães dos Sudetos a exigir a transferência para a Alemanha e não apenas a autonomia, a fim de levar os franceses e britânicos para o seu lado. Infelizmente, mais uma vez, os britânicos e franceses foram lentamente na direção do apaziguamento; os franceses ainda estavam confusos com seu sistema irracional de alianças com países do Leste Europeu que não podiam apoiar fisicamente. Mais uma vez, o atraso foi tão longo que parecia que os britânicos estavam cedendo à pressão alemã – enquanto os britânicos estavam mais ansiosos por um acordo racional – e Chamberlain se permitiu ser arrastado para garantir o resto das fronteiras tchecas.

Munique, como Taylor declara com coragem e perspicácia, “foi um triunfo para tudo o que havia de melhor e mais esclarecido na vida britânica; um triunfo para aqueles que pregaram a igualdade de justiça entre os povos; um triunfo para aqueles que corajosamente denunciaram a dureza e a falta de visão de Versalhes.” Sim, mas havia uma coisa crucial errada com Munique, como Taylor indica: não que se tratasse de um apaziguamento, mas que o apaziguamento não havia sido buscado de forma rápida, ansiosa e completa o suficiente. Sempre houve a impressão dada pelo Ocidente de que as concessões foram feitas por medo de Hitler e não por desejo de justiça; sempre havia apenas soluções pontuais, e não completas, de modo que o cancro dos problemas não resolvidos ainda permanecia na Europa Central. Deveria ter ficado claro para qualquer pessoa experiente que, uma vez que os alemães dos Sudetos se reunissem com seus irmãos alemães, a Tchecoslováquia estava acabada; a garantia franco-britânica do resto da Tchecoslováquia era a mais pura tolice. Benes viu isso e escapou do país, para, a partir de então, se proclamar contra o “apaziguamento” de um santuário seguro. Os poloneses partiram para Tesin; os húngaros, amargamente magoados com o Tratado de Trianon, semelhante ao de Versalhes, se mudaram. Finalmente, os eslovacos, seguindo a deixa, declararam sua tão ansiada independência. Os tchecos, tornando-se duros mais uma vez, prepararam-se para marchar sobre a Eslováquia, quando Hitler reconheceu a independência da Eslováquia, para salvar a Eslováquia dos tchecos e húngaros. Os tchecos ficaram agora com sua própria seção verdadeira da Boêmia; cercados por inimigos e diante de uma ameaça húngara, Hacha, presidente dos tchecos, novamente procurou voluntariamente uma audiência com Hitler e pediu a Hitler que adotasse a Boêmia como protetorado. E, no entanto, o mundo novamente viu isso como uma “traição” de Munique, uma invasão implacável alemã a um país nobre e pequeno, etc. Novamente, Hitler não havia barganhado por uma invasão declarada, mas apenas por uma lenta e evolutiva desintegração da Tchecoslováquia; os eventos novamente o presentearam com ganhos (excessivamente) dramáticos.

Se Benes foi um tolo por esperar que a Grã-Bretanha e a França defendessem os tchecos até o fim, quando isso nem era geograficamente possível, o mesmo aconteceu com o polonês Josef Beck. A Polônia era outra criatura grotesca – ou melhor, inchada – de Versalhes. Durante séculos, a Polônia esteve sufocada entre duas grandes potências da Europa central, Alemanha e Rússia (também a Áustria-Hungria, que agora havia sido “assassinada” em Versalhes). Deveria ter ficado claro para qualquer polonês que a Polônia poderia prosperar, de fato, poderia existir como um país independente, apenas em aliança com a Alemanha, a Rússia ou ambas. Qualquer outro curso seria fatal. Mas a Primeira Guerra Mundial teve um resultado muito peculiar, como Taylor observa com perspicácia no início de seu livro; tanto a Alemanha quanto a Rússia foram derrotadas na Europa Oriental; Rússia pela Alemanha, e depois pelo fato de que a Revolução Comunista fez a Rússia perder os ganhos que ela teria obtido com a vitória aliada. Com ambas as Grandes Potências temporariamente eliminadas, abriu-se espaço para uma miríade de países independentes na Europa Oriental; este era um espaço artificial e apenas temporário, mas poucos perceberam esse fato crucial. A Polônia não era apenas independente, ela adquiriu território suficiente para tiranizar um grande número de alemães (no Corredor, Alta Silésia e Danzig) e ucranianos e russos brancos. A Polônia em aliança com a Alemanha ou a Rússia poderia ter mantido seus ganhos mal merecidos; A Polônia sozinha estava condenada. E, no entanto, Beck, embora inicialmente aliado à Alemanha, eleito para ficar sozinho, uma Grande Potência, triunfantemente desafiadora tanto da Alemanha quanto da Rússia, adotando uma postura resolutamente “dura” e firme contra qualquer um e contra todos. E como resultado direto, a Polônia foi destruída. As “exigências” de Hitler aos poloneses eram quase inexistentes; como Taylor aponta, a República de Weimar teria desprezado os termos como uma venda de interesses vitais alemães. Hitler queria no máximo um “corredor através do Corredor” e o retorno de Danzig fortemente alemão (e pró-alemão); em troca ele garantiria o resto. A Polônia se recusou resolutamente a ceder “uma polegada de solo polonês” e se recusou até mesmo a negociar com os alemães, e isso até o último minuto. E, no entanto, mesmo com a garantia anglo-francesa, Beck sabia claramente que a Grã-Bretanha e a França não poderiam realmente salvar a Polônia de um ataque. Ele confiou até o fim naqueles grandes lemas de todos os “linha-duras” e outros “realistas malucos” em todos os lugares: X está “blefando”; X recuará se for encarado com firmeza, resolução e a determinação de não ceder um centímetro. (Assim como no caso da Finlândia, quando dizer ‘X está blefando’ dos linha-duras se mostra um puro absurdo, e X já atacou, o ‘linha-dura’ se volta, contraditoriamente, para o ditado que nem ‘um centímetro de solo sagrado’ será abandonado, nenhuma paz enquanto o inimigo estiver em nosso solo, etc., o que completa a ruína do país por seus governantes ‘linha-dura’. Foi isso que Beck fez com a Polônia.) Como mostra Taylor, Hitler originalmente não tinha a menor intenção de invadir ou conquistar a Polônia; em vez disso, Danzig e outras retificações menores seriam eliminadas, e então a Polônia seria um aliado confortável, talvez para uma eventual invasão da Rússia soviética. Mas a resistência irracional de Beck bloqueou o caminho.

O verdadeiro mistério do livro é a Grã-Bretanha; de líder, ainda que vagarosa, do apaziguamento com Munique, a Grã-Bretanha de repente se voltou no início de 1939 para a adoção de uma” postura rígida contra a agressão”, de segurança coletiva “dura”. As garantias que a Grã-Bretanha deu à Polônia, garantias que obviamente não poderiam ser honrada, não conseguiram induzir a Polônia a ceder a demandas racionais como havia sido estimulado a Tchecoslováquia. Induzir a Polônia a ceder teria sido a conclusão racional da política inglesa de apaziguamento; isso teria dado cabo — finalmente — a Versalhes. Em vez disso, a Grã-Bretanha de repente se tornou anti-“agressão” e tentou quase freneticamente apoiar os poloneses. A pergunta é, por quê? e aqui está o ponto principal do livro onde a discussão de Taylor é fraca e insatisfatória. Pois Taylor afirma que a política britânica realmente não mudou muito, que a Grã-Bretanha erroneamente acreditou até o último instante que Hitler cederia às ameaças de uma “postura dura” e depois negociaria, aceitaria mudanças razoáveis ​​em Danzig, etc. A Grã-Bretanha, diz Taylor, queria que Hitler concordasse em ser ” pacífico” depois disso. Mas este foi o último lugar onde a revisão foi necessária! Não, parece claro que a reviravolta frenética e radical da Grã-Bretanha não havia sido simplesmente um erro desajeitado e bem-intencionado; parece claro, mesmo a partir do relato de Taylor, que a Grã-Bretanha deliberadamente mudou sua política para uma guerra, e que estava ávida para se estabelecer na Polônia porque a Polônia era o último lugar onde a Grã-Bretanha poderia precipitar uma guerra, enquanto fazia Hitler parecer um monstruoso profanador de pequenos países.

Ficou claro que, se a Polônia realmente fosse ajudada pela Grã-Bretanha e pela França, isso só poderia ser feito, geograficamente, por meio da Rússia. E assim começou o cortejo da Rússia soviética, e a Rússia foi trazida de volta – pelos britânicos e franceses – pela primeira vez desde a Primeira Guerra Mundial, ao centro da política europeia. (O tratado franco-soviético anterior tinha feito isso até certo ponto.) Taylor ironicamente aponta que os historiadores anti-Hitler sempre denunciaram Hitler por fazer o pacto Hitler-Stalin como um prelúdio para dar início a sua guerra de conquista; e agora a isso se somaram as denúncias dos propagandistas ocidentais da Guerra Fria para denunciar a Rússia por fazer o mesmo. Na verdade, é uma propaganda absurda denunciar a Rússia, como sempre se faz, por não fazer um pacto com a Grã-Bretanha e a França e, em vez disso, fazer um com a Alemanha. Taylor é excelente em sua discussão sobre o Pacto e seus antecedentes. A Grã-Bretanha e a França queriam que a Rússia concordasse em ajudar a Polônia ou a Romênia se qualquer um deles fosse atacado pela Alemanha, e se elas solicitassem. Em troca dessa rendição de sua liberdade de ação, a Rússia não receberia… precisamente nada. A chave para toda a política externa da Rússia soviética, como afirma Taylor, era o medo; medo do ataque do Ocidente, medo de uma repetição da invasão “capitalista internacional” da Rússia durante sua Guerra Civil, que quase conseguiu destruir o regime comunista, medo do antibolchevismo ideológico de Hitler e de seus aliados no ” anti-Comintern“, medo do Japão que já a estava agredindo na Sibéria. A política externa da Rússia soviética era defensiva, temerosa e voltada para a segurança (muito mais defensiva, deve-se acrescentar, do que a política tradicional do czar). Com medo de Hitler, e compreensivelmente, a Rússia estava ansiosa para se juntar a uma aliança anti-Hitler, mas apenas se fosse firme; seu maior medo era juntar-se a tal aliança e depois – como Benes – ser abandonada pela Grã-Bretanha e pela França e deixada para fazer tudo sozinha. A Rússia queria duas coisas: a capacidade, no caso de uma guerra alemã, de fazer seus exércitos cruzarem a Polônia para atacar a Alemanha, independentemente de a Polônia concordar ou não; e a capacidade de intervir contra quaisquer regimes ou bases pró-alemãs que possam ser estabelecidos nos estados bálticos. Em ambos os casos, a Grã-Bretanha, alardeando os direitos das pequenas nações, recusou-se a concordar com tal carta branca da Rússia; e, no caso da Polônia, a Polônia se recusou terminantemente a ter qualquer relação com as tropas russas e uma garantia russa. A Polônia ficaria sozinha. Em vista disso, nunca houve qualquer esperança de uma aliança russo-britânica, e Taylor indica que os britânicos nunca tiveram muita convicção em uma aliança de qualquer maneira.

Hitler esperava que Beck cedesse como Benes; mas desta vez as coisas foram diferentes. (Devemos lembrar que o exército polonês era muito inferior ao exército tcheco de 1938). Hitler então partiu para concluir seu próprio pacto com a Rússia soviética; se a neutralidade russa fosse assegurada, ele raciocinou, certamente a Grã-Bretanha abriria mão de qualquer garantia polonesa — o que agora seria uma insanidade — e a Grã-Bretanha e Beck ouviriam a razão. Hitler ofereceu à Rússia um pacto de não agressão, com o incentivo adicional de que, aconteça o que acontecer, a Alemanha não avançaria além da linha de Curzon na Polônia ou nos estados bálticos; por fim, a Rússia havia alcançado o reconhecimento que não poderia obter do Ocidente – apegada ao seu legalismo de pequena potência – uma Doutrina Monroe soviética, uma esfera de influência, em sua zona de segurança do leste da Polônia e dos estados bálticos. Também não devemos esquecer que a Rússia se tornou, como a Alemanha, uma potência “revisionista” da Primeira Guerra Mundial; esse reconhecimento de sua esfera de influência foi a revisão de Brest-Litovsk pela Rússia. E, como Taylor aponta, o pacto Hitler-Stalin não foi um acordo para a partição da Polônia, como Munique foi um acordo para a partição da Tchecoslováquia; foi antes um acordo mútuo de neutralidade e não agressão, além de um acordo alemão de não penetrar na esfera de influência soviética. A Polônia não tinha queixa legítima, pois tudo o que queria da Rússia soviética era neutralidade.

Os historiadores do establishment adoraram o Pacto Hitler-Stalin, já que tinham diante deles um ato de ambos os bichos-papões. Qualquer ação mutuamente acordada por esses dois ditadores é considerada monstruosa a priori. E assim o Pacto deveria ter sido a faísca perversa que iniciou a Segunda Guerra Mundial e desmembrou a Polônia. Mas, como mostra Taylor, tanto a Alemanha quanto a Rússia pensaram nisso como uma ação pela paz, como racionalmente deveria ter sido. O perigo de um conflito germano-russo foi evitado; e, tanto Hitler quanto Stalin, acreditavam que, com toda a esperança do apoio russo à Polônia, a Grã-Bretanha e a França finalmente induziriam a Polônia a amolecer e a paz seria preservada. Como Taylor afirma além disso, “é difícil ver que outro curso a Rússia soviética poderia ter seguido”, dada a inflexibilidade britânica. Podemos ir ainda mais longe; na minha opinião, o Pacto Hitler-Stalin foi um dos grandes feitos europeus de habilidade política estadista – de ambos os lados – no século XX. Ele seguiu na grande tradição de Rapallo. Os fatos geográficos são que a paz só pode ser preservada na Europa Oriental se a Alemanha e a Rússia estiverem em paz e, portanto, apenas uma política de amizade ou mesmo aliança germano-russa manterá a paz naquela região conturbada do globo.

Certamente, se os britânicos, franceses ou poloneses tivessem sido minimamente racionais, o Pacto Hitler-Stalin deveria ter obtido exatamente isso, e os britânicos deveriam desistido da postura de “durão”. Em vez disso, os britânicos e poloneses ficaram ainda mais duros, e aparentemente a opinião pública britânica agora se deleitava em uma orgia irracional de belicismo pela venda de segurança coletiva, “democracia” para pequenas nações e outras alegorias. Aqui, novamente, Taylor é gentil demais com a disposição britânica de negociar. O fato é que Hitler, começando a se surpreender com a irracionalidade de seus oponentes, começou a insistir em negociações, mas os poloneses permaneceram inflexíveis até o fim. Mas, para mim, a prova mais clara da má-fé britânica no assunto é que, mesmo depois de Hitler provar que estava falando sério e não “blefando” ao invadir a Polônia, mesmo assim os britânicos e os poloneses não negociariam; agora, como dissemos acima, os mesmos “realistas malucos” que arruinaram tudo ao proclamar que o inimigo estava “blefando” e recuaria diante da dureza, agora exigiam que nenhuma negociação pudesse começar até que as tropas alemãs se retirassem do sagrado solo polonês. E assim a Polônia desapareceu e a Segunda Guerra Mundial começou. Reconhecida a imbecilidade das políticas de Benes e Beck; mas os britânicos, na própria versão de Taylor, têm mais responsabilidade pela eclosão dessa trágica guerra do que eles estão dispostos a admitir. Certamente mais do que incompetência estava envolvida aqui.

Há mais duas observações gerais de grande importância para as quais sou instigado por este livro brilhante. Uma é a perversidade da mitologia típica da “linha dura”, uma mitologia que tem sido especialmente amada nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha. É uma mitologia que fracassou consistentemente e jogou consistentemente essas “grandes democracias” em uma guerra após a outra. Esta é a mitologia de conceber o inimigo como, não apenas um cara “mau”; mas um cara mau moldado nos moldes de Fu Manchu ou alguém de Marte. O cara mau está em busca, por algum motivo obscuro, da conquista do mundo, ou pelo menos, da conquista do máximo que puder continuar conquistando. Este é seu único objetivo. Ele só pode ser detido por uma force majeure, ou seja, “ficando firme” em uma “linha dura”. Em suma, embora irremediavelmente mau, o cara mau é na verdade um covarde; e se o nobre Mocinho apenas se mantiver firme, o Cara Mau, como qualquer valentão, irá fugir. Em vez de Fu Manchu, então, o Inimigo é na verdade um Fu Manchu, mas com todas as outras características do valentão que faz bullying, ou de um filme de faroeste. “Nós” somos os mocinhos, interessados ​​apenas em justiça e autodefesa, que precisam apenas manter nossa posição para enfrentar os caras maus perversos, mas que blefam covardemente. Este é o jogo de moralidade quase idiota em que americanos e britânicos têm moldado as relações internacionais há meio século, e é por isso que estamos na bagunça que estamos hoje. Em nenhum lugar neste absurdo manual é concebido que (a) o Cara Mau possa ter medo de que nós ataquemos ele (mas os mocinhos nunca atacam, por definição!); ou (b) que o Cara Mau possa, em suas exigências de política externa, ter uma reivindicação muito boa e justa afinal – ou pelo menos, que ele acredite que sua reivindicação seja boa e justa; ou (c) que, ao ser desafiado, o Cara Mau pode considerar perda de respeito próprio se ele recuasse – e assim duas guerras. Abandonemos todos este jogo infantil das relações internacionais e comecemos a considerar uma política de racionalidade, paz e negociação honesta.

A segunda observação geral é que a Europa Oriental parece ter sido o cockpit – e em trágica loucura – de todas as grandes guerras do século XX: a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais e a Guerra Fria. A Europa Oriental, como indiquei acima, é uma terra de muitas nacionalidades fervilhantes, quase todas pequenas e divididas. A realidade da Europa Oriental é que ela está sempre fadada a ser dominada pela Alemanha ou pela Rússia, ou ambas. Se os políticos do Leste Europeu forem racionais, eles devem perceber isso e entender sua subserviência predestinada a um ou a ambos esses dois poderes; e, para que haja paz na Europa Oriental, tanto a Alemanha quanto a Rússia devem ser amigas.

Agora não me entenda mal; Não abandonei o princípio moral pelo cinismo. Meu coração anseia por justiça étnica, por autodeterminação nacional para todos os povos, não apenas na Europa Oriental, mas em todo o mundo. Eu sou um não-ucraniano que gostaria de ver uma majestosa Ucrânia étnica independente, ou da Bielorrússia; gostaria de ver a Eslováquia independente, ou ver uma solução justa, finalmente, da complicada questão da Transilvânia. Ainda me preocupo se a Macedônia deve ser propriamente independente, ou deve ser unida aos seus irmãos supostamente étnicos na Bulgária. Mas, parafraseando a famosa carta de Sydney Smith para Lady Grey, por favor, deixe que eles resolvam isso sozinhos! Abandonemos a imoralidade criminosa e a insensatez da intromissão coercitiva contínua por potências que não são do Leste Europeu (por exemplo, Grã-Bretanha, França e agora os EUA) nos assuntos do Leste Europeu. Esperemos que um dia a Alemanha e a Rússia, de bom grado, concedam justiça ao povo do Leste Europeu, mas não provoquemos guerras perpétuas para tentar conseguir isso artificialmente.

Não posso deixar de citar a famosa passagem de Smith, então a propos é:

     Lamento pelos espanhóis – lamento pelos gregos – lamento o destino dos judeus; o povo das Ilhas Sandwich geme sob a mais detestável tirania; Bagdá está oprimida, não gosto do estado atual do Delta; O Tibete não me agrada. Devo lutar por todas essas pessoas? O mundo está explodindo de pecado e tristeza. Devo ser campeão do Decálogo e estar eternamente convocando frotas e exércitos para tornar todos os homens bons e felizes? Acabamos de salvar a Europa, e temo que a consequência seja que vamos cortar as gargantas uns dos outros. Sem guerra, querida Lady Grey! – Sem eloquência; mas apatia, egoísmo, bom senso, aritmética! … “Que a vingança do Céu” ultrapasse os Legítimos de Verona! Mas no estado atual de aluguel e impostos, eles devem ser deixados à vingança do Céu. … Não existe uma “guerra justa” ou, pelo menos, uma guerra sábia.

Voltando à Europa Oriental, ouvimos pouco sobre as várias nacionalidades antes de 1914, pois a região era dominada pela Alemanha, Rússia e Áustria-Hungria. A Primeira Guerra Mundial foi causada, principalmente, pelas ambições expansionistas russas czaristas na Europa Oriental, particularmente nos Bálcãs, e sua incitação a uma das poucas nacionalidades independentes, a Sérvia. A Alemanha e a Áustria-Hungria se opuseram ao movimento russo de expansão; Grã-Bretanha, França e, eventualmente, os EUA naturalmente insistiram em entrar na guerra – por quê? para promover essa expansão?! Como eu disse acima, a Primeira Guerra Mundial terminou de uma maneira muito “por acaso”, por causa da Revolução Comunista; mas nunca esqueçamos que, se os EUA e sua heroica aliada Rússia czarista tivessem vencido a guerra – se houvesse alguma Revolução Comunista – a Rússia czarista teria, como confirmado pelos tratados secretos aliados – dominado toda a Europa Oriental e tomado Constantinopla também. A hipocrisia e a moralização de nossos atuais apoiadores da Guerra Fria contra a “dominação” soviética da Europa Oriental parecem bastante ridículas em vista desse fato; na verdade, a Revolução Comunista impediu a dominação russa de “satélites” na Europa Oriental por uma geração, e mesmo assim isso foi apenas resultado do ataque de Hitler à Rússia. (De fato, a Finlândia aparentemente foi permanentemente libertada do controle russo pela Revolução Comunista.) E, no entanto, os americanos teriam consentido com estados fantoches czaristas na Europa Oriental já em 1918.

Assim, a Primeira Guerra Mundial foi essencialmente um confronto entre Alemanha e Áustria contra Rússia sobre quem dominaria a Europa Oriental, com Grã-Bretanha, França e EUA se intrometendo na briga. A derrota peculiar da Alemanha e da Rússia na Primeira Guerra Mundial abriu, artificialmente, o caminho para a autodeterminação nacional na Europa Oriental, uma tarefa que foi terrivelmente malfeita em Versalhes. Novas injustiças foram criadas ali, especialmente para os países derrotados. Em 1939, a Alemanha e a Rússia estavam em paz sobre a Europa Oriental, e ainda assim a Grã-Bretanha precipitou a guerra assumindo a guerra por uma Polônia que não poderia existir desafiando seus dois grandes vizinhos. Finalmente, como resultado da intromissão da Grã-Bretanha e dos EUA em uma guerra pelo Leste que não lhes dizia respeito adequadamente e do trágico erro da Alemanha ao atacar a Rússia, a conquista da Alemanha naturalmente deixou a Rússia no comando virtual sobre a Europa Oriental, novamente sua esfera de influência. (Esta dominação não tem nada a ver com “comunismo”, mas é o resultado desses fatores de poder russos, etc., e teria ocorrido qualquer que fosse o sistema social da Rússia.)

E então, depois de uma intromissão fatal recorde, duas vezes, na Europa Oriental, os EUA e a Grã-Bretanha precipitaram a Guerra Fria para expulsar a Rússia de sua esfera de influência duramente conquistada, na Europa Oriental, novamente onde nenhuma das potências ocidentais têm nada que se intrometer!

Existem vários pontos específicos sobre o volume de Taylor que podemos observar mais adiante. Há uma discussão muito boa no início sobre por que o revisionismo não tem florescido desde a guerra; uma boa, embora breve, crítica da validade dos documentos de Nuremberg. De vez em quando, Taylor volta à sua antiga postura ortodoxa; por exemplo, ele não parece perceber que a víbora da “segurança coletiva” e, portanto, a guerra eterna para preservar as fronteiras do status quo era inerente à Liga das Nações e, portanto, que a mentalidade da Liga era um enorme obstáculo naqueles anos para a realização da moralidade e da justiça de uma política de apaziguamento. Taylor também é surpreendentemente “suave” em relação a Versalhes, especialmente na primeira parte do livro, onde ele parece sustentar que a única coisa realmente errada sobre Versalhes foi a persistente questão da reparação, que manteve a situação crítica; e, no entanto, certamente toda a última metade do livro, com sua discussão das crises dos austríacos, da Tchecoslováquia e da Polônia, são testemunhos dos graves males de Versalhes. Nota-se a importância do fato de a Alemanha ter vencido a guerra no Leste (Primeira Guerra Mundial), embora Taylor erroneamente coloque o Tratado de Brest-Litovsk em janeiro, em vez de março de 1918. Taylor não menciona que a guerra russo-polonesa de 1920 resultou da agressão polonesa contra a Ucrânia russa, e as perdas territoriais sofridas pela Rússia para a Polônia naquela guerra (de território etnicamente ucraniano e bielo-russo) a deixaram ainda mais ansiosa pela revisão, quando teve a chance. Taylor também subestima, e até ignora, o fato de que, em Versalhes, uma Alemanha desarmada deveria estar acompanhada por Aliados desarmados. Ao ignorar a persistente violação aliada da promessa de desarmar, Taylor não consegue defender a tese do rearmamento alemão apesar das fortes razões que haviam para tal, ou melhor, a tese contra a supressão aliada do rearmamento alemão. Além disso, Taylor não menciona as propostas de Litvinov ou de Hitler para o desarmamento geral e completo por todos os países – propostas dos caras maus que as “democracias” dos mocinhos ignoraram – porque eles estavam armados e os caras maus não estavam – uma visão míope, para dizer o mínimo. Taylor é muito bom em sua compreensão dos méritos do caso japonês na Manchúria; embora seja necessário um pouco mais sobre a posterior guerra nipo-chinesa de 1937 em diante. Taylor é muito bom em depreciar a importância dos “sonhos” de Hitler — inconstantes —, como em Mein Kampf, sonhos, mesmo então, que não tinham nada a ver com a “conquista do mundo”, ou mesmo a conquista da Grã-Bretanha. Há um excelente revisionismo em desinflar o tão alardeado Memorando de Hossbach, alegando ser os “planos de conquista” de Hitler. Taylor também é excelente em apontar que, por exemplo, “em 1940 as forças terrestres alemãs eram inferiores às francesas em tudo, exceto na liderança.”

Taylor também é muito bom em criticar a típica visão “revisionista moderada” da Primeira Guerra Mundial, de que nenhum governo ou líderes individuais foram culpados porque as guerras são causadas pela “anarquia internacional” – uma visão que ignora as causas reais e a culpa real e erros de qualquer guerra. Diz Taylor corretamente: “‘A anarquia internacional’ torna a guerra possível; não torna a guerra certa.” Há também uma crítica à visão leninista de que o capitalismo “inevitavelmente” causa guerras. Em sua crítica adequada ao argumento Lebensraum da Alemanha e da Itália para a expansão, Taylor ignora o fato de que o argumento era muito mais convincente para o Japão superpovoado, tarifário e excluído da migração. Ele também é bom – e novamente corajoso – em depreciar a importância muito inflada da Guerra Civil Espanhola, ou da suposta ameaça que ela deveria encarnar de “fascismo internacional”. E, no entanto, em algumas passagens, parece que Taylor está voltando ao seu antigo eu e pedindo uma intervenção britânica ativa na Guerra Civil Espanhola.

Taylor também afirma apropriadamente outra verdade que muitos esqueceram: que a Rússia soviética sempre se interessou por sua própria preservação, além dos interesses do “comunismo internacional”, que ela sacrificou repetidamente em prol de sua paz e segurança (Taylor menciona o caso do fracasso soviético em apoiar os comunistas chineses contra Chiang).

Taylor não menciona exatamente – está fora de sua área aqui – que os britânicos, não os alemães, lançaram a política bárbara de bombardeio estratégico de civis nas cidades, mas ele diz que os alemães só planejaram o bombardeio tático e de modo algum um bombardeio estratégico de cidades – o que é indício suficiente.

Há também algumas boas críticas sobre a tendência da União Soviética e dos EUA de se afastarem das brigas e dar sermões moralizantes para as partes ameaçadas em questão. Taylor assinala sabiamente: “A experiência de chamar o Novo Mundo para restabelecer o equilíbrio do Velho já havia sido tentada na Primeira Guerra Mundial. A intervenção americana fora decisiva; tinha permitido aos Aliados ganhar a guerra. … Em retrospecto, não teria sido melhor se eles tivessem sido forçados a um acordo de paz com a Alemanha mais ou menos moderada de 1917?”

Taylor deve apontar que Schacht foi dispensado, não, como ele diz, por criticar o aumento dos gastos com armamento, mas por insistir em impostos mais altos em vez de déficits para financiá-los. (Veja o trabalho de Burton Klein.)

A maior fraqueza do livro, além da “suavidade” sobre as motivações britânicas em 1939 discutidas acima, é – presumivelmente um resquício do antigo Taylor – uma denúncia e preconceito quase frenéticos contra Mussolini e a Itália. Felizmente, esta é uma questão tangencial para 1939, e não é tão distorcida quanto a germanofobia neste contexto. Ramsay MacDonald, por exemplo, é denunciado por escrever cartas cordiais a Mussolini “no exato momento do assassinato de Matteoti – e estranho poço de moralidade para alguém que, na questão alemã, reconhece as diferenças entre assuntos internos e externos, e o que é conduta adequada. Além disso, ao avaliar os motivos de Mussolini em atacar a Etiópia, Taylor afirma que era simplesmente um desejo não provocado de conquista; nenhuma menção é feita à contínua provocação e agressão etíope a Walwal. No início deste livro, Taylor rejeita bruscamente os revisionistas americanos por não serem suficientemente “acadêmicos”; se ele tivesse prestado mais atenção aos revisionistas americanos (como a discussão de Tansill sobre a Itália e Warwal), seu livro teria melhorado consideravelmente.

Em estilo, o volume de Taylor é típico das obras de Taylor: bem escrito, espirituoso, abundante em generalizações fáceis que se baseiam em especulações sobre vários motivos e, muitas vezes, com base nas fontes documentais. Esta última mesquinhez é, na verdade, muito típica da atual erudição histórica britânica.

Resumindo, The Origins of the Second World War  de A.J.P. Taylor é uma grande obra, uma obra memorável e pioneira, de enorme importância para fornecer, finalmente, uma história revisionista das causas de 1939. Tem também o mérito corolário, de passagem, de fornecer também munição importante para o revisionismo do Livro da Guerra Fria. Se houvesse mais programas da National Book Foundation, eu o recomendaria sem hesitação para distribuição da NBF. O que é necessário agora é uma continuação deste volume pioneiro, uma continuação que, com maior rigor e documentação, complementará Taylor, fornecendo o relato definitivo das origens de 1939. Esperemos que o livro prometido por David Hoggan realizará este trabalho.

 

 

Artigo original aqui

Leia também As consequências ignoradas da Primeira Guerra Mundial