Síndrome de Melbourne

2
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

A pandemia de Covid trouxe uma versão moderna da Síndrome de Estocolmo, que você deve se lembrar: “Sentimentos de confiança ou afeto em muitos casos de sequestro ou tomada de reféns por uma vítima em relação a um sequestrador.”

Agora temos a Síndrome de Melbourne, da qual encontro exemplos todos os dias:

Sentimentos de confiança ou afeto durante uma quarentena por parte de suas vítimas em relação aos seus líderes políticos mais autoritários.



Agora, por que deveria ser a síndrome de “Melbourne”? Existem muitos lugares semelhantes onde você encontra tais atitudes. Deve ser chamada de Síndrome de “Melbourne” porque Melbourne agora implementou o lockdown mais duro e mais longo através de um dos líderes políticos mais esquerdistas e incompetentes do mundo, um líder que, no entanto, mantém altos índices de aprovação dentro de um estado em que o problema do coronavírus passou de benigno para estatisticamente explosivo (embora a taxa de mortalidade ainda seja quase invisível em algo como 0,002% per capita da população).

Portanto, acredito que Melbourne deveria ter a “honra” de levar o nome dessa forma amplamente observada de insanidade política. Todos são bem-vindos para sugerir lugares e nomes alternativos.

E não apenas temos a quarentena mais dura do que possivelmente qualquer outro lugar do mundo, também temos a liderança mais incompetente, ao contrário de praticamente todos os outros lugares. Após o pico inicial, as coisas em Melbourne pioraram muito, enquanto a norma em todos os outros lugares, incluindo o resto da Austrália, era que as condições melhorassem. E deixe-me lembrar o que estamos sendo solicitados a suportar.

Esses foram os “lockdowns do Estágio 4” que foram colocados em prática pelo governo do estado de Victoria no início de agosto, quando do nada houve um grande aumento estatístico no número de casos, embora trivialmente pequeno em relação ao tamanho da população. A propósito, Melbourne é a capital do estado de Victoria.

  • O “estado de emergência” em Victoria foi atualizado para um “estado de desastre”, o que significa que a polícia agora pode entrar em sua casa para realizar checagens no local, mesmo se você não der permissão e eles não tiverem um mandado.
  • Entre as 20h e 5 da manhã, você não tem permissão para sair de casa, exceto para trabalho, assistência médica e cuidados de idosos.
  • Fora desse horário, você só pode sair de casa por quatro motivos: compras de alimentos e itens essenciais, cuidados médicos e de idosos, exercícios diários e trabalho. “Não podemos mais ter pessoas simplesmente circulando sem motivo algum”, disse o premier.
  • O exercício diário só pode ser realizado em um raio de 5 km de sua casa e não pode durar mais do que uma hora.
  • Você não pode se exercitar em grupos de mais de duas pessoas, mesmo que sejam membros da mesma família.
  • Além dos exercícios diários, você só pode sair de casa uma vez por dia para comprar suprimentos e alimentos essenciais.
  • Em toda Victoria, você não pode comprar mais do que dois de certos itens essenciais, incluindo laticínios, carne, vegetais, peixe e papel higiênico.
  • As escolas foram fechadas novamente, com todos os alunos retornando ao ensino remoto na quarta-feira (exceto para crianças vulneráveis ​​e filhos de trabalhadores autorizados). A creche e o jardim de infância estarão fechados a partir de quinta-feira.
  • Os campos de golfe e quadras de tênis, que estavam abertas, agora foram fechadas.
  • Os casamentos não serão mais permitidos a partir de quinta-feira, e os funerais serão limitados a 10 pessoas.
  • As máscaras em qualquer lugar fora de sua casa são obrigatórias para as pessoas na região metropolitana de Melbourne desde 22 de julho, mas essa regra foi estendida a todo o estado de Victoria.
  • Você não pode receber visitas ou ir à casa de outra pessoa, a menos que seja com o propósito de dar ou receber cuidados. No entanto, você pode sair de casa para visitar uma pessoa se tiver uma “relação pessoal íntima” com ela, mesmo durante o toque de recolher.
  • Se você tem uma casa de férias ou planeja férias fora de Melbourne, você deve permanecer na cidade pelas próximas seis semanas.
  • A multa máxima por violação de uma ordem de saúde atualmente é de $ 1.652.

Todos esses itens foram estendidos até 28 de setembro, com um cronograma estrito em vigor com relação ao direito básico de receber pessoas em sua própria casa. Isso acontece no final de novembro. Tudo isso se deve à “modelagem”, segundo Dan Andrews.

As pessoas estão incomodadas com essas restrições? Os números abaixo são para a Austrália como um todo. Chegarei a Victoria em um momento.

Quanto à natureza das coletas de estatísticas, este é o Diretor Médico de Victoria afirmando especificamente que para ser classificado como uma morte de Covid requer apenas a presença do vírus, não que tenha sido a verdadeira causa da fatalidade.

Com esse tipo de abordagem, você pode transformar qualquer doença comum em um assassino estatístico. Pense nisso também, que é o primeiro dos comentários no vídeo.

Eu sou um provedor. Uma das minhas pacientes internou-se no hospital devido a uma insuficiência renal e o teste foi negativo para “COVID”. Quando ela morreu, eles colocaram a certidão de óbito devido ao “COVID”. Estamos nos estágios iniciais de um democídio. Esta é a sensação de ter os governos nos forçando a viver e respirar coisas sem sentido. Guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força e 2 + 2 = 5.

E os números em Victoria são exagerados. Aqui estão algumas estatísticas de Victoria versus o resto da Austrália que foram publicadas outro dia. Victoria tem cerca de um quarto da população do país.

Novos Casos Austrália – 25.205
Novos Casos Victoria – 18.608
Novos casos fora de Victoria – 6.597
Mortes Recentes na Austrália – 156
Mortes Recentes Victoria – 14
Mortes recentes fora de Victoria – 7
Total de mortes na Austrália – 549
Total de mortes Victoria – 462
Total de mortes fora de Victoria – 87

Então é aqui que estamos:

[O Premier] disse que as restrições estariam em vigor até o próximo ano se os vitorianos não as cumprissem e o número de casos não diminuísse.

“Não será uma estratégia de 6 semanas, será muito mais tempo”, disse ele.

“Estaremos em 2021 com quarentenas significativas em vigor.”

E as pessoas se ressentem dessa fantástica intrusão em suas vidas? Elas sentem o peso do estado e desejam vê-lo suspenso? Aqui estão os resultados de uma pesquisa de vitorianos sobre se eles apoiam as medidas que foram tomadas:

A quarentena pode ser draconiana, mas os vitorianos apoiam esmagadoramente as restrições de saúde pública impostas para conter a segunda onda de infecções por coronavírus…. Uma nova pesquisa mostra que 72% da amostra apoia a decisão do governo de Victoria de impor um toque de recolher entre 20h e 5h, 71% apoia restrições de sair de casa, enquanto 70% endossa restrições a negócios e a exigência de que as pessoas não viajem mais do que 5 km de sua casa.

É a Síndrome de Melbourne, sim, a menos que alguém possa vir com um exemplo ainda mais absurdo, ainda com o tipo de amplo apoio que encontramos em Melbourne, que costumava ser e foi por muitos anos a cidade mais habitável do mundo. Bem, ainda temos parques e restaurantes muito bons, se ao menos pudéssemos visitá-los, ou nossos filhos, ou nossos amigos, ou sentar em um café, ou ir ao cinema, ou apenas caminhar na rua ou na praia a mais de alguns quilômetros de nossa casa.

Seja sincero, há algum outro lugar para se comparar com isso? Tenho recebido muitos e-mails de amigos e familiares em todo o mundo que viram Melbourne mencionada nos jornais. Melbourne se destaca bem dos outros lugares.

Portanto, você ainda pode ver vestígios aqui das origens da Austrália como uma colônia penal.

 

Artigo original aqui.

Artigo anteriorVícios e virtudes econômicos
Próximo artigoPor que organizações marxistas como o BLM querem desmantelar a “família nuclear ocidental”
foi economista chefe da Câmara de Comércio Australiana por 24 anos e membro da Comissão de Produtividade. Ele agora é professor associado adjunto honorário do College of Business da RMIT University em Melbourne. Ele escreveu o primeiro livro pós-GFC em economia, Economia de Mercado Livre: uma Introdução para o Leitor Geral - agora em sua terceira edição - que explica, entre outras coisas, por que os pacotes de estímulo que se seguiram à crise financeira global criaram muitos problemas econômicos e não resolveram nenhum. Seu próximo livro, Teoria Econômica Clássica e a Economia Moderna, fornece uma explicação detalhada e histórica de como a Revolução Keynesiana distorceu completamente nossa capacidade de compreender o funcionamento de uma economia de mercado e minou nossa capacidade de fornecer políticas sólidas durante turbulências econômicas.

2 COMENTÁRIOS