Só a liberdade pode consertar uma Austrália destroçada

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Nunca fiquei tão encantado com um país ou cultura como fiquei em minhas muitas visitas à Austrália. Sempre me pareceu um país peculiarmente civilizado. As pessoas parecem bem educadas. As escolas funcionam; pelo menos parece que sim e melhor do que nos Estados Unidos. As pessoas são simpáticas e educadas. Até a polícia me pareceu ser prestativa, e me pareceu a mesma coisa de quase todo o setor público.

Não estamos acostumados com isso nos Estados Unidos, então me surpreendi com isso. Os EUA têm um péssimo governo; A Austrália (como alguns outros países da commonwealth) parece comparativamente melhor nisso.

Por exemplo, eu estava no aeroporto de Melbourne e estava comprando algo antes de ir para a cidade. Botei a mão no bolso e minha carteira e não estava lá. Houve um momento de pânico e falei do problema para a mulher do caixa. Ela imediatamente contatou a segurança. Todos começaram a se mobilizar.

Enquanto isso, refiz meus passos. Acontece que minha carteira caiu em alguma verificação de segurança durante a qual tirei meu casaco. Um funcionário da segurança do aeroporto a encontrou, eu a recuperei facilmente e todos que ficaram sabendo aplaudiram. Havia sorrisos por toda parte entre a equipe de segurança. Fiquei surpreso e emocionado.

É uma pequena história, mas faz sentido. Minha impressão é que este é um país zeloso de pessoas que se esforçam pelo bem estar. Às vezes, as desvantagens de uma cultura estrangeira são menos visíveis para os visitantes, então presumi que havia alguma verdade no que os cidadãos estavam me dizendo, a saber, que havia muita deferência ao governo, que o iliberalismo permeia todos os partidos políticos, que as pessoas de lá permitiram que suas armas sejam tiradas, que haja um espírito coletivista na cultura que é altamente perigoso.

Seja qual for o motivo, a infraestrutura cultural que tornou a vida na Austrália livre, próspera e geralmente boa não protegeu o país contra uma corrida louca em direção ao totalitarismo. Eu realmente não posso dizer por que este país altamente civilizado que parecia amar a liberdade escolheu o caminho da brutalidade e da compulsão absoluta. Mas, a partir do momento em que o vírus apareceu, houve um acordo universal entre os funcionários públicos de que manteriam o vírus fora do país, como se um patógeno pudesse ser controlado como uma importação.

Eles literalmente tentariam barrar um vírus em suas fronteiras. É um absurdo. Mais do que isso, é perigoso. Séculos de experiência comprovaram os graves perigos associados a sistemas imunológicos sem memória imunológica; eles representam um risco ainda maior para a vida humana do que guerras ou câncer. Quando a varíola chegou aos Estados Unidos, acabou eliminando um terço da população nativa. Existem centenas de casos de tribos isoladas que foram destruídas apenas no primeiro contato com um novo patógeno.

Nós evitamos esse problema principalmente hoje devido às grandes viagens e comércio em todo o mundo. Nossos sistemas imunológicos se adaptaram para se tornarem cada vez mais resistentes, e é isso que permitiu que as ilhas distantes se tornassem destinos de viagens famosos, e comerciantes e contribuíssem culturalmente com o resto do mundo.

Portanto, o que a Austrália (e a Nova Zelândia) tentou foi algo que todo cientista sabe há muito tempo ser impraticável nos tempos modernos e altamente ameaçador, mesmo que fosse viável. Com certeza, essa ideia de supressão de vírus (para onde ele vai?) seduziu os formuladores de políticas em todo o mundo. Trump tentou algo semelhante em fevereiro e março de 2020, e só mais tarde veio a ver os erros de suas escolhas. Por pior que tenha sido a resposta dos EUA, misericordiosamente fomos poupados da ideologia fanática de “zero Covid”.

Não foi assim na Austrália. Eles impediram viagens pro exterior e domésticas. Eles propagandearam incessantemente orientações de como ficar longe das pessoas. Eles fecharam negócios. Os governos monitoravam as redes sociais para detectar qualquer pessoa que se afastasse muito de sua área designada. Quando eles decidiram decretar lockdown, eles foram com tudo. Uma nação que se orgulhava de seu bom governo de repente se viu administrada como uma vasta colônia de prisioneiros.

No verão de 2020, o país estava comemorando por ter, de alguma forma, derrotado o vírus de forma milagrosa. Os políticos afirmavam que a Austrália era invejada pelo mundo. Seus especialistas mostraram o caminho! Os EUA e a Organização Mundial da Saúde disseram que a Austrália fez um ótimo trabalho. Fauci era só elogios.

Isso durou alguns meses. Os dados que mostravam tão poucos casos foram devido a um baixo nível de testes. Na verdade, é impossível saber se e em que medida o Covid foi suprimido. Apesar disso, no outono de 2020, os testes positivos começaram a aumentar. Em seguida, chegou às grandes cidades de Melbourne e Sydney. Os políticos assumiram o comando e desencadearam o inferno.

Desde então, vem ocorrendo lockdowns. Os protestos foram no início esporádicos e depois mais frequentes. O primeiro-ministro se envolveu e ecoou a linha dos governadores locais. As pessoas que estão protestando estão sendo egoístas, disse ele. Os lockdowns continuarão enquanto as pessoas não obedecerem, disse ele, soando como as palavras de um agente penitenciário.

Na Austrália, como nos Estados Unidos, a vacina parecia ser a saída dos lockdowns. Agora que temos a vacina, disseram as autoridades, as restrições podem ser removidas assim que um número suficiente de pessoas receber a vacina. O problema na Austrália era a falta de interesse público nas vacinas. Assim chegaram os decretos, com ferocidade real e aplicação brutal.

Passei algum tempo esta manhã assistindo os vídeos da Austrália. Eles mostram trabalhadores da construção civil protestando contra os lockdowns em geral, mas contra os decretos de vacinas em particular. Eles são fascinantes. Eles me lembram a cobertura da TV nos últimos meses da União Soviética, quando as pessoas empurraram a polícia, derrubaram muros, dançaram em carros de polícia e invadiram repartições públicas. Foi o fim do socialismo (até se tornar popular novamente, 25 anos depois).

Os trabalhadores estão rompendo as linhas policiais, até mesmo jogando policiais no chão. Eles estão saqueando pelas ruas com raiva, gritando “liberdade”. A polícia está respondendo aumentando a presença de tropas e trazendo carros blindados. Eles estão atirando em multidões com bombas de gás lacrimogêneo. As pessoas estão gritando e correndo. E ainda assim os protestos continuam e crescem.

Há uma dinâmica demográfica interessante em ação aqui. Esses peões são obviamente das classes trabalhadoras, geralmente menos prósperos e educados do que as classes profissionais. Eles têm seus modos de vida e gostam deles. Eles também são menos propensos a serem intimidados por policiais e políticos. Geralmente, sua política inclina-se tanto para a esquerda quanto para a esquerda trabalhista e votam dessa forma. Se eles realmente se voltaram contra os lockdowns e a política australiana reage, isso criará uma verdadeira revolução. Os resultados podem ser bons ou ruins; é difícil dizer.

Eu vi um clipe onde um trabalhador simpático perguntou a um policial por que ele estava fazendo tudo isso. O homem respondeu que também odiava os lockdowns, mas o trabalho da polícia é tudo o que ele sabe fazer, então ele tem que fazer o seu trabalho para mantê-lo. Se essa opinião é general, a Austrália realmente está em um momento de crise. Você não pode realmente manter níveis absurdos de controle civil se a polícia responsável duvidar do mérito do que está fazendo.

O que está acontecendo com o vírus na Austrália? Quase desapareceu a partir de outubro de 2020 (quando as elites se parabenizaram novamente), mas voltou mais forte do que nunca no final do verão de 2021.

Claramente, as restrições não funcionavam mais para interromper os casos. E embora os políticos agora afirmem que esses protestos são a causa da propagação, isso não é verdade. Os protestos foram motivados pela crescente percepção pública de que todos os sacrifícios por sua liberdade não significaram nada. Eles simplesmente não funcionaram para melhorar a saúde pública.

No pano de fundo de tudo isso está outro dado estranho. A Austrália experimentou 47 mortes por milhão de Covid-19, fazendo com que o país ocupasse a posição 174 entre todos os países do mundo. Houve um total de 1.200 mortes, com a maioria delas na faixa de 80 anos ou mais.

Por que é isso? Não são vacinas. É demografia e a saúde? Talvez o Covid ainda irá varrer o país, se os lockdowns forem removidos ou mesmo se não forem. Deveria ser incrivelmente óbvio que a abordagem certa teria sido encorajar as pessoas vulneráveis ​​se isolarem, deixando o resto do país viver a vida normalmente. Essa resposta totalitária em todo o país destruiu tudo de maravilhoso que eles tinham e desmoralizou maciçamente a população. As restrições a viagens foram devastadoras para a indústria e isolaram o lugar do resto do mundo mais uma vez.

Agora, as pessoas estão sendo ameaçadas para tomarem uma vacina, mas agora sabemos que ela não oferece proteção segura contra infecção ou transmissão. O que isso significa é que nem mesmo a vacina poderia fornecer uma maneira de evitar os lockdowns ou uma desculpa para os políticos terminarem sua guerra contra o povo. Em outras palavras, a vacina não contribui de forma significativa para o alcance da imunidade coletiva – o que destrói o ponto principal da vacina.

Sendo isso óbvio para qualquer pessoa que preste atenção, as pessoas ficaram desesperadas. Não é apenas na Austrália. Os protestos estão crescendo em toda a Europa. Eles são diários. As multidões estão crescendo e se tornando mais indisciplinadas.

Pode ser que o controle de vírus – que nunca funcionou da maneira como eles disseram – se torne a faísca que acenderá um fogo político violento em todo o mundo. O que vemos na Austrália hoje pode ser uma visão do nosso próprio futuro. Os Estados em todo o mundo passaram dos limites, tentando o impossível enquanto atacavam fundamentalmente os direitos e liberdades das pessoas. A resistência está se intensificando a cada dia e hora.

Talvez essa revolta contra o sistema seja algo para comemorar. A política do governo fez com que a resistência parecesse a única opção. O resultado final, no entanto, pode não ser uma restauração tranquila de direitos e liberdades. Como o Lord Sumption aponta, depois que as pessoas perderam a fé em suas leis e instituições e na ideia geral de democracia, o resultado geralmente não é a emancipação, mas o autoritarismo e o totalitarismo.

Algumas pessoas gostam do caos exatamente por esse motivo.

 

 

Artigo original aqui