A grande batalha do nosso tempo: A luta pela Realidade

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Com a turbulência social ao nosso redor, muitas pessoas sentem que estamos presos em alguma batalha grande e portentosa. Mas por ser tão difundida e multifacetada, a natureza dessa luta não é imediatamente óbvia. São muitas as frentes nas quais essa luta está sendo travada: relações raciais, educação, saúde, cultura popular, sistema financeiro, liberdade de expressão, entre outras. Não é fácil entender tudo isso, especialmente porque as batalhas são intensas e as emoções estão à flor da pele.

O que caracteriza essas lutas, além de sua intensidade, é uma profunda polarização. A possibilidade de os campos em guerra se unirem e coexistirem em algum espaço comum parece estar ficando mais distante a cada dia. Fala-se até que os dois lados entrarão em conflito ou cada um seguirá seu próprio caminho em alguma forma de secessão.

Muitos observaram que os adversários parecem estar separados por um abismo intransponível, mas ninguém foi capaz de explicar a natureza desse abismo, ou o que exatamente separa as mentalidades dos lados opostos.

Em nossa opinião, a grande luta em que nos encontramos é muito mais profunda do que as questões imediatas sobre as quais discutimos. A verdadeira luta se estende além de qualquer ponto específico de atrito público.

A grande batalha de nosso tempo é uma batalha sobre a própria natureza da realidade. Mais precisamente, o que os dois lados lutam no nível mais fundamental é o que constitui a verdade e como ela deve ser determinada.

Para esclarecer essa dinâmica, tomemos uma das acaloradas controvérsias da atualidade. Para isso, escolhemos o transgenerismo. Este é um exemplo especialmente adequado por duas razões: esta questão é altamente divisiva e polarizadora e delineia os campos opostos de forma nítida e clara.

Como você deve saber, os defensores dos transgêneros afirmam que os homens biológicos podem se tornar mulheres e vice-versa.

Compreensivelmente, muitas pessoas consideram essa afirmação um tanto inverossímil. Por um lado, não parece verdade, visto que as evidências de nossos sentidos parecem refutá-la. Quando, por exemplo, as pessoas olham para “mulheres” trans – ou seja, homens biológicos que dizem que são mulheres – a maioria das pessoas reconhece imediatamente que essas não são mulheres reais. O que a maioria das pessoas vê são homens que fingem ser meninas. É assim que a mente humana – na grande maioria dos casos – interpreta a informação sensorial que recebe ao encontrar essas pessoas.

Poucas pessoas achariam que a Dra. Rachel Levine, secretária assistente de saúde do presidente Biden é uma mulher genuína:

Mesmo assim, os defensores dos transgêneros afirmam veementemente que esta não é a interpretação correta dos dados visuais. Eles insistem que o que está diante de nossos olhos não são homens que se passam por garotas, mas garotas de verdade.

As alegações dos defensores do transgenerismo, portanto, vão contra o que percebemos ser o caso com nossos próprios olhos.

Em outras palavras, os apoiadores da ideologia de gênero tentam negar e anular nossa percepção da realidade. Em essência, eles estão nos dizendo o seguinte: “Rejeite a evidência de seus olhos. O que está diante de você não é um homem que tenta parecer com uma mulher, mas uma mulher genuína.”

E muitas vezes insistem neste ponto com grande veemência. De fato, com tanta veemência que querem punir e penalizar quem ousar dizer o contrário. Eles chamam essas pessoas de transfóbicos, entre outras coisas, e as cancelam e as demitem de seus empregos. Eles também as acusam de delito de atribuição errada de gênero, que agora se tornou crime em alguns lugares.

Em outras palavras, agora está se tornando um crime declarar honestamente a realidade como ela é apresentada a nós por nosso aparelho sensorial.

Mas será possível que os sentidos nos enganem de alguma forma? Afinal, às vezes nossos sentidos pintam uma imagem imprecisa do mundo. Por exemplo, quando colocamos uma vara na água, a vara parece estar dobrada no ponto em que toca a superfície da água.

A boa notícia é que não precisamos confiar apenas na visão ao tentar determinar se alguém é homem ou mulher. Nesta era moderna, temos a sorte de possuir meios científicos precisos e confiáveis ​​para fazer essa determinação. Como você deve saber, homens e mulheres nascem com estruturas cromossômicas diferentes. Os cromossomos são feitos de fitas de DNA que são armazenadas no núcleo de nossas células. Ambos os sexos têm vinte e três pares distintos de cromossomos, dos quais vinte e dois são iguais, mas o último difere acentuadamente. Nos homens, o vigésimo terceiro par cromossômico assume a forma XY, enquanto nas mulheres sua forma é XX.

Nosso sexo é, portanto, uma realidade biológica que está codificada no nível físico mais profundo de nosso ser. Quase cada uma das cerca de trinta trilhões de células em nosso corpo confirma se somos homens ou mulheres.

Este fato é incontestável e não pode ser alterado. Do jeito que as coisas estão agora, a humanidade não possui tecnologia ou meios científicos para mudar esse fato, e é improvável que isso aconteça. Desde o momento da concepção, nosso sexo está irrevogavelmente arraigado no fundo do próprio substrato físico de nossa existência.

Mesmo assim, os defensores da ideologia de gênero afirmam que aqueles com cromossomos XY – ou seja, homens biológicos – podem repentinamente e por capricho se tornarem mulheres e aqueles com cromossomos XX – mulheres biológicas – podem se tornar homens. Os ativistas transgêneros chegam ao ponto de professar que essa travessia impossível da dicotomia homem-mulher pode ser efetuada por mero pensamento positivo por meio de autoidentificação arbitrária com o sexo oposto.

Assim, além de negar a evidência dos sentidos, os defensores da ideologia de gênero também negam os aspectos biológicos e físicos da realidade como apresentados pela ciência.

Por isso, o movimento transgênero representa uma negação descarada e completa da realidade em todos os seus aspectos e dimensões: sensorial, senso comum, histórico, biológico, físico e científico.

Para entender completamente o contexto de nossa luta social mais ampla, é importante percebermos que a ideologia de gênero é uma negação total da verdade. Constitui uma inversão completa da realidade em todos os níveis.

Por causa de sua negação inflexível do fato, o transgenerismo representa o gaslighting em seu nível mais extremo.

A negação da realidade é a postura ideológica da esquerda contemporânea

Se essa flagrante subversão dos fatos se confinasse apenas ao movimento transgênero, isso por si só seria motivo para sérias preocupações.

Mas aqui está algo verdadeiramente alarmante: esse tipo de negação indiscriminada da realidade é emblemática de toda a esquerda política americana em 2021. Enquanto antes tais níveis de absurdo eram principalmente encontrados nos extremos da esquerda, hoje eles permeiam toda a esquerda. Isso, é claro, inclui a corrente principal do partido democrata.

Se você acha que isso é um exagero, pense no seguinte: no mesmo dia de sua posse, Joe Biden assinou uma ordem executiva número 13988. Chamada de “Ordem Executiva sobre Prevenção e Combate à Discriminação com Base na Identidade de Gênero ou Orientação Sexual”, essa diretriz de Biden busca, entre outras coisas, forçar as escolas a permitir que meninos que se declaram meninas possam competir em esportes com meninas biológicas genuínas.

O fato de Joe Biden ter feito isso em seu primeiro dia de mandato como presidente dos Estados Unidos é tão revelador quanto significativo.

Assim que assumiu o poder, o porta-estandarte do Partido Democrata tentou impor por decreto executivo uma negação descarada da realidade sobre esta nação. Mais alarmante ainda, Joe Biden é amplamente considerado como pertencente à ala moderada de seu partido. A questão surge imediatamente: se é isso que os moderados fazem, quais são os desígnios e objetivos dos elementos mais radicais do partido?

O fato de que Biden emitiu o édito em seu primeiro dia mostra que a ideologia de gênero não é uma causa periférica sustentada por radicais de esquerda. Esta questão é central para o mainstream do Partido Democrata.

Isso mostra a profunda corrupção moral do Partido em sua encarnação atual, porque a negação voluntária da verdade é a mais grave das transgressões. Aparentemente, essa foi a ofensa primária daquele a quem o Bom Livro chama de Pai das Mentiras. O establishment democrata segue bem seu caminho.

O bem-estar das chamadas pessoas transgênero não é, entretanto, o que Joe Biden e seus manipuladores realmente se preocupam. Afinal, Joe Biden nunca foi conhecido por ser particularmente amigável com os LGBT. É a tendência do movimento para a negação da realidade que aqueles que puxam as cordinhas deste homem frágil acham tão atraente. Eles se apropriaram da causa transgênero porque lhes permite manipular psicologicamente o povo americano, e o gaslighting se tornou o modus operandi da esquerda.

Gaslighting é agora uma parte integrante de cada movimento da esquerda e está semeando confusão e causando estragos em todos os lugares. Os manipuladores já conseguiram desorientar muitas pessoas e enfraquecer o controle da realidade delas. Eles percebem corretamente que, se puderem pressionar o suficiente, serão capazes de tirar vantagem da desordem e implementar sua agenda ímpia, niilista, desprovida de amor, desumana, e de negação da liberdade.

Se eles tiverem sucesso, iremos viver em um pesadelo distópico governado por totalitários.

É por isso que a grande batalha do nosso tempo é a batalha pela realidade contra aqueles que aspiram a negá-la.

É disso que trata a luta atual.

 

 

Artigo original aqui

Leia também Uber: politicamente correto, objetivamente incorreto