Sobre o pânico do Covid e outras insanidades

2
Tempo estimado de leitura: 13 minutos

Hans-Hermann Hoppe é entrevistado por Andrea Venanzoni para a revista online italiana Atlantico. Rivista Di Analisi Politica, Economica e Geopolitica @ atlanticoquotidiano.it

P: A pandemia e as respostas muitas vezes liberticidas e restritivas concebidas pelos estados levaram muitas pessoas a redescobrir o valor da liberdade individual, do direito natural, em oposição ao direito positivo. Você acha que o clima geral pode levar ao ressurgimento de análises libertárias da sociedade e das deficiências do estado?

HHH: Provavelmente é útil resumir brevemente o que aconteceu durante o último ano e meio e o que continua até hoje. Nunca antes, em tempo de paz, nossas liberdades foram tão drástica e severamente restringidas, variando de prisões domiciliares a toques de recolher, fechamento de negócios, proibição de trabalho, produção, viagens, movimento e associação. Houve algumas diferenças de país para país ou de região para região no que diz respeito à severidade dessas restrições, mas em nenhum lugar a vida foi permitida de sua maneira normal. E tudo isso em nome da proteção da população de um vírus supostamente letal e altamente infeccioso que, de outra forma, sem essas restrições, teria causado um aumento dramático ou mesmo catastrófico na taxa de mortalidade.

Tornou-se rapidamente evidente, no entanto, que nada disso é verdade. Na maioria esmagadora dos casos (cerca de 80%), o vírus é assintomático, de modo que uma pessoa nem mesmo saberia que foi afetada por ele se não tivesse sido submetida a um teste artificial e altamente não confiável. Que em todos os casos assintomáticos, uma pessoa não representava nenhum risco de infecção para outras pessoas. Que, mesmo se o vírus fosse acompanhado de sintomas de doença, o paciente sobreviveria à doença em praticamente todos os casos (em mais de 99% de todos os casos para pessoas com menos de 70 anos e em cerca de 95% de todos os casos no faixa etária de 70+). Que, levando em consideração o tamanho da população e a estrutura etária, não houve excesso de mortalidade significativo em comparação a outros períodos anteriores de intensa temporada de gripe. E que a taxa de baixas (de doentes e mortos) para países ou regiões com lockdowns rígidos e severos, como Alemanha ou Califórnia, por exemplo, não diferia significativamente daqueles com restrições comparativamente suaves e brandas, como Suécia ou Flórida.

Para os políticos, no entanto, que são pagos com impostos e, portanto, estão em grande parte protegidos e não podem ser responsabilizados pelos danos econômicos e dificuldades que suas medidas estão causando a grandes setores da população, nenhuma dessas evidências acumuladas fez grande diferença. Eles continuam em seus esforços para manter a população em pânico permanente, tagarelando sobre mutações de vírus futuras potencialmente mais perigosas e exercendo cada vez mais pressão sobre a população para se vacinar, embora as vacinas aprovadas não tenham sido testadas em grande parte para efeitos colaterais e já é sabido que não protegem com segurança contra qualquer reinfecção pelo vírus, ao mesmo tempo todos os seus produtores foram isentos de toda e qualquer reclamação de responsabilidade.

Após essas longas preliminares, minha resposta à sua pergunta pode ser comparativamente breve e compacta – e para dizer logo de cara: não sou tão otimista quanto você parece ser. Dadas as invasões massivas e sem paralelo dos direitos de propriedade privada e das liberdades humanas naturais por parte do estado, o nível de oposição pública, resistência e desobediência civil tem sido deprimente. Certamente, em lugares com uma longa tradição de individualismo, como os Estados Unidos, alguns casos notáveis de desobediência civil foram registrados, e nos países do antigo bloco oriental em particular, com sua longa tradição de governo autoritário ou ditatorial, o povo há muito aprendeu a ignorar ou contornar com sucesso muitos decretos governamentais intrusivos ou hostis. Da mesma forma, em todo o mundo numerosas manifestações, muitas vezes com muitos milhares de participantes, aconteceram, protestando contra as várias restrições governamentais. Mas em nenhum lugar do debate público associado a tais protestos pude detectar uma consciência clara da causa raiz do problema: a saber, a própria instituição de um estado. Ou seja, uma instituição que está isenta das disposições do direito normal, das leis privadas que se aplicam a todas as outras instituições; em vez disso, uma instituição cujos agentes podem emitir ordens relativas à propriedade de outras pessoas sem seu consentimento e que não pode ser responsabilizada pelas consequências de suas ordens; e uma instituição, então, que viola claramente a chamada Regra de Ouro da ética, os mandamentos bíblicos oito e dez, e todas as leis naturais. Pior ainda, não só havia como ainda há uma compreensão clara da causa estrutural fundamental de todo o mal-estar, mas qualquer crítica pública e qualquer crítica aberta às medidas do governo foi imediatamente condenada como irresponsável, mesquinha ou mesmo perigosa pelos meios de comunicação de massa e rejeitados como tal também pela esmagadora maioria do público em geral que ainda hoje adere timidamente a todos os comandos do governo, por mais ridículos que sejam.

Em suma: lamento dizer, então, que, como consequência do atual cenário do Covid, não espero tanto um aumento nas análises libertárias e um renovado interesse pelo direito natural. Mas, em vez disso, temo que os políticos tenham aprendido com a experiência atual que um pânico público pode ser fabricado com base em pouco mais do que algumas estatísticas de saúde habilmente adulteradas e que esse pânico pode então ser usado para expandir o próprio poder até o limite máximo de quase controle totalitário; e, portanto, dada a megalomania típica dos políticos, que eles não apenas arrastarão o atual modo de pânico tanto quanto possível, mas serão encorajados a recorrer às mesmas medidas totalitárias ou semelhantes novamente no futuro, se considerarem o momento para isso estar “certo”.

P: De acordo com alguns, a pandemia acabará aumentando os fluxos de migração. Se essa previsão se provar correta, testemunharemos (mais um) assalto à propriedade privada. O que deve ser feito em sua opinião?

HHH: Eu concordo essencialmente com esta avaliação. Assim como a pandemia atingiu os indivíduos mais pobres com mais força do que os mais ricos, também os países e regiões mais pobres, como o Oriente Médio e a África, por exemplo, sofreram economicamente mais do que os países comparativamente mais ricos da Europa Ocidental. Consequentemente, a atração dos países da Europa Ocidental por potenciais imigrantes do Oriente Médio e da África aumentou ainda mais como resultado da pandemia. Mesmo antes da pandemia, a migração em massa do Oriente Médio e da África para a Europa Ocidental teve que ser caracterizada como algum tipo de invasão estrangeira. Agora, como resultado da pandemia, o número de invasores em potencial deve aumentar ainda mais.

Esses invasores não chegaram e não chegarão armados com armas e com a intenção de conquista e ocupação militar. Mesmo assim, eles são invasores. Por um lado, porque nenhum deles foi pessoalmente convidado por residentes nacionais ou instituições locais e, segundo, uma vez que chegaram ao seu destino não conseguiram e não irão sustentar a sua vida pelos meios normais, ou seja, com o seu próprio dinheiro, mas por pilhagem, ou seja, às custas dos residentes domésticos. Além disso, em comparação com outros tempos, a pilhagem hoje em dia é muito mais fácil. Os invasores não precisam se envolver em longas buscas para descobrir onde há mais ou menos para saquear. Em vez disso, eles sabem desde o início o tamanho da recompensa que os espera em vários locais, tornando a Suécia e a Alemanha seus destinos preferidos, por exemplo. E onde quer que os invasores acabem, seu saque não requer o exercício de nenhuma violência (eles vêm tipicamente armados apenas com algum celular), mas apenas o registro em algum órgão do estado. E o estado, então, como o saqueador-chefe doméstico, irá fornecer-lhes moradia, comida e algum dinheiro para despesas correntes de seu próprio vasto reservatório de espólio (de impostos e da chamada propriedade pública), na expectativa de que em em troca de tamanha “generosidade” pública, os invasores passarão a dar-lhe seu apoio ativo em suas futuras atividades de pilhagem.

Além disso, a atual migração em massa do Oriente Médio e da África para os países da Europa Ocidental exibe outra característica peculiar. Não é necessariamente verdade que os invasores continuem a ser saqueadores para sempre, saqueando e vivendo às custas da população doméstica. Também é possível, e tem havido exemplos históricos disso, que alguns invasores originais se revelem superiores, mais engenhosos, produtivos e empreendedores do que a população doméstica e, portanto, de fato enriquecem em vez de empobrecer o país invadido. Porém, no caso presente, definitivamente não é esse o caso. Os invasores atuais, na esmagadora maioria dos casos, são, para dizer o mínimo e o mais educadamente possível, pessoas dotadas de um nível bastante baixo de capital humano, de modo que a maioria deles acabará no seguro desemprego e, como consumidores de impostos, serão um obstáculo permanente à economia. Pior, intimamente relacionado a esse mal-estar, está o fato de que a safra atual de invasores também exibe uma taxa de criminalidade desproporcionalmente alta.

O que deve ser feito nesta situação parece bastante evidente. Os invasores devem ser impedidos de entrar e apenas as pessoas convidadas que arcarem com o custo total de sua própria presença devem poder entrar. Mais especificamente, todos os barcos com os chamados refugiados que tentam cruzar o Mediterrâneo para desembarcar na Itália, por exemplo, devem ser imediatamente escoltados de volta de onde eles vieram, a tripulação deveria ser presa e obrigada a pagar todas as despesas desta expedição, e os barcos deveriam ser confiscados. Apenas algumas dessas operações e todo o fantasma acabará de uma vez por todas! O mesmo procedimento deve ser aplicado aos organizadores e participantes de invasões por via terrestre através dos Bálcãs, por exemplo. Todos os patrocinadores domésticos dos chamados refugiados, sejam eles indivíduos, igrejas ou qualquer outra organização, devem arcar com todos os custos associados à presença de seus clientes patrocinados e ser responsabilizados por todo e qualquer dano causado por eles. Ou seja: nenhuma externalização de custos para ninguém! E quanto aos requerentes de asilo, se possível, eles deveriam ser obrigados a primeiro requerer e serem selecionados pela embaixada ou consulado mais próximo de seu destino desejado, porque essas instituições, devido à sua maior familiaridade com as circunstâncias locais, parecem ser melhor equipados para distinguir entre casos genuínos e falsos: afinal, estamos familiarizados com alguns casos em que alguém que alega estar em perigo iminente de ser inocentemente morto ou torturado foi ontem ou um ano atrás ele mesmo um assassino ou torturador de pessoas inocentes. Essas criaturas merecem asilo?

Embora as medidas necessárias para impedir a invasão da Europa Ocidental através de massas de estranhos não convidados sejam bastante óbvias, tenho grandes dúvidas de que alguma delas será realmente adotada, não obstante o fato de que uma grande maioria da população em toda a Europa Ocidental quer que as atuais políticas de imigração de seus governos parem imediatamente.

P: Um dos aspectos que parece estar mais intimamente ligado às políticas de justiça social e redistribuição de recursos é o do politicamente correto, que se tornou uma autêntica psicose coletiva. Você acha que é possível se curar desta autêntica doença do espírito?

HHH: Concordo que, nos últimos anos, o “politicamente correto” se transformou em algum tipo de doença mental infecciosa. Existem alguns sinais promissores, no entanto, de que os agentes infecciosos, ou seja, os incubadores de tais ideias, já passaram dos limites. A doutrina atingiu tais níveis de absurdidade nesse ínterim, que mesmo as pessoas mais dóceis são regularmente colocadas em um estado de descrença e um número crescente de pessoas realmente começa a considerar toda a coisa como nada além de uma piada de mal gosto. Mesmo que o pico da insanidade mental possa ter sido alcançado, no entanto, para realmente derrotar a doença, sua causa raiz, ou seja, seu erro intelectual fundamental, deve ser identificada e eliminada.

O erro fundamental, propagado implacavelmente pelas elites governantes em todo o mundo ocidental, é sua visão igualitária do mundo. Eles não reconhecem, ou melhor, não querem reconhecer o que deveria ser óbvio para quem tem olhos para ver: que cada pessoa é única, diferente e desigual de todas as outras pessoas, e que o mesmo é verdade para cada grupo de pessoas como em comparação com qualquer outro grupo. Além disso, cada uma dessas pessoas e grupos de pessoas naturalmente diferentes enfrenta e deve agir sob diferentes circunstâncias externas que herdaram e que foram moldadas por seus vários ancestrais diferentes. Dado este ponto de partida, então, deve-se esperar como perfeitamente normal e natural que o resultado de tudo isso também seja diferente: isto é, que as realizações, os sucessos ou os fracassos, de diferentes pessoas e diferentes grupos de pessoas na vida deveria ser diferente também.

Na visão igualitária, entretanto, esse fenômeno natural, previsível e esperado de desigualdade generalizada e notável representa um escândalo. Pois se alguém assume – contra todas as evidências empíricas – que todas as pessoas e todos os grupos de pessoas são essencialmente iguais, então as diferenças reais empiricamente observadas, muitas vezes massivas e profundas nas realizações de diferentes pessoas e grupos de pessoas e seus respectivos ancestrais devem ter algumas causas não naturais, isto é, moralmente questionáveis, que eles, as elites governantes, devem eliminar para restaurar a humanidade de alguma forma ao seu estado supostamente original e natural de igualdade humana. Do ponto de vista igualitário, então, as desigualdades, em particular, mas não apenas de renda e riqueza, não surgem de diferenças de realizações pessoais e do acúmulo de tais realizações através de sucessivas gerações de pessoas biológica e genealogicamente relacionadas, mas também da sorte cósmica das circunstâncias ou por meio de exploração e discriminação e são, portanto, “injustiçados”. E é a tarefa “nobre” das elites governantes, então, retificar tais desigualdades e injustiças por meio da redistribuição de renda e riqueza e várias leis de ação afirmativa ou antidiscriminação. Da mesma forma, cabe às elites governantes determinar quais diferenças, entre um número incontável de diferenças observáveis entre vários indivíduos e grupos de indivíduos, devem ser consideradas relevantes e acionáveis ou não, e como então fazer a “equalização corretiva.” E neste esforço, as elites de poder ocidentais elaboraram entretanto uma ordem hierárquica verdadeiramente notável, e na verdade notavelmente perversa, de pessoas e grupos de pessoas, desde os mais “indignos” e na necessidade mais urgente de se verem com a justiça, chegando até os mais “desfavorecidos” e com direito à compensação mais generosa. Ocasionalmente, há desacordo entre as elites do poder reinante quanto à posição exata de alguma pessoa ou grupo de pessoas em particular nesta ordem de classificação. Às vezes acontece um empate e há divergências sobre como desatá-lo. Mas há uma concordância quase unânime quanto aos dois extremos: o mais merecedor e o mais indigno.

O lugar mais alto das pessoas mais indignas é supostamente ocupado por homens brancos, e em particular homens heterossexuais brancos; e o topo do ranking das pessoas mais merecedoras é ocupado por negros, em particular por mulheres negras e, acima de tudo, mulheres lésbicas negras. Isto é: o que nos dizem essencialmente para acreditar é o seguinte: aquelas pessoas e grupos de pessoas e seus respectivos ancestrais que aparentemente deram a maior contribuição à civilização humana, que demonstraram a maior engenhosidade, iniciativa e produtividade e ostentam a maior quantidade de acumulação de capital, prosperidade geral e civilidade comum e, portanto, oferecem os lugares mais atraentes para as pessoas ficarem ou irem – precisamente aquelas pessoas que supostamente têm maior necessidade de fazer reparações e oferecer compensação a todas as outras pessoas. E a compensação mais generosa eles devem justamente àqueles de todas as pessoas ou grupos de pessoas, que fizeram a menor contribuição à civilização humana, que apresentam a maior quantidade de patologias sociais e que habitam os locais menos desejáveis. E porque? Porque os primeiros alegadamente não merecem sua posição superior por causa de suas realizações superiores e de seus ancestrais, mas eles devem esta posição apenas à sorte cósmica, privilégio branco e exploração; e da mesma forma, a posição inferior destes últimos povos não é o resultado de uma falta de talento e realização por parte deles e de seus ancestrais, mas apenas o resultado do azar e da vitimização: a vitimização dos negros por meio da conquista, colonização e discriminação pelos brancos. – E além de tudo isso, somos informados de que todas as pessoas biologicamente normais, ou seja, todos os homens e mulheres heterossexuais, devem se desculpar, se curvar e fazer as pazes com qualquer pessoa de orientação sexual diferente e anômala.

(Incidentalmente: de acordo com essa visão, a migração em massa em curso mencionada anteriormente de negros e pardos para territórios dominados por brancos não é uma invasão hostil, então, mas constitui uma restituição e reparação há muito esperada pelos opressores brancos as suas sofridas vítimas negras e pardas.)

Além do mais: somos solicitados a acreditar em todo esse absurdo igualitário por uma elite governante que é composta predominantemente de homens heterossexuais brancos e que, ao mesmo tempo em que estão trabalhando diligentemente na destruição de sua própria civilização ocidental com suas políticas de redistribuição equalizadoras , estão eles próprios desfrutando de privilégios enormes e altamente desiguais e vivendo com um conforto grande e muito desigual.

Essas elites têm sido incrivelmente bem-sucedidas em emburrecer seu próprio povo e fazer com que sustentem muitas crenças patentemente tolas. Mas há limites para a credulidade até mesmo de pessoas enfadonhas. Pedir a seu povo que acredite no que a doutrina “politicamente correta” diz sobre sua posição, nível e localização no tecido social global é simplesmente pedir demais. É impossível acreditar. Na verdade, é tão absurdo que mesmo muitos, senão a maioria dos beneficiários alegadamente mais merecedores das políticas de redistribuição das elites governantes, não acreditam nisso.

Como afirmado no início, então: Confrontado com uma oposição pública crescente: de ridicularização, desafio e resistência vis-à-vis os mandamentos do politicamente correto, e para não pôr em perigo a sua própria legitimidade, espero que as elites dominantes recuem um pouco da fronteira ideológica atual e recuem sua mensagem igualitária um pouco abaixo de seu atual nível de absurdidade. Eu nem mesmo descartaria um curto interlúdio “populista” em reação ao presente estado de perturbação mental e insanidade. Mas espero que um alivio destes vá ser apenas temporário. E não espero um retorno à normalidade, então, mas a rápida retomada de causas igualitárias, temas e narrativas em melodias e variações sempre novas e inovadoras. Porque igualitarismo, e a redistribuição compulsória de renda, riqueza e posição social, ou seja, uma política de divide et impera é parte integrante do que é e requer para se ser uma classe dominante no controle de um Estado.

P: Você pode nos falar sobre a Property and Freedom Society que você fundou anos atrás?

HHH: A PFS é um colóquio intelectual exclusivo, que se reúne anualmente, dura vários dias, realizado em belos cenários e é realizado por mim e minha esposa. Agora em seu 15º ano, o encontro normalmente reúne cerca de 80 a no máximo 100 participantes, incluindo cerca de uma dúzia de palestrantes. A participação é apenas por convite pessoal, mas os interessados estão abertos para solicitar um convite. Os participantes são formados por indivíduos excepcionais de todas as idades, origens intelectuais e profissionais e nações. Todos eles estão unidos, no entanto, em seu reconhecimento e afirmação da propriedade privada adquirida com justiça e direitos de propriedade privada, liberdade de contrato, liberdade de associação e desassociação, livre comércio e paz. E, da mesma forma: eles se opõem radicalmente a todas as promoções e promotores do estatismo, guerra, socialismo, positivismo jurídico, relativismo moral ou igualitarismo, seja de “resultado” ou “oportunidade”. Essencialmente, é uma reunião de libertários culturalmente conservadores (dos tipos mais radicais) e conservadores da velha escola ou “paleo” com tendências libertárias distintas. Ou, alternativamente: uma reunião de uma espécie de anarquistas decididamente burgueses. Mais importante, no entanto, é um encontro de mentes que não reconhecem nenhum “tabu” intelectual ou “politicamente correto”, mas estão comprometidos com o radicalismo intelectual intransigente, dispostos a seguir os ditames da razão onde quer que eles os levem. – Se me permite dizer sem modéstia: Não há nada como as reuniões PFS.

P: Você está trabalhando em algum novo escrito? Quais são seus interesses de pesquisa atuais?

HHH: Na próxima reunião da PFS, em Setembro, pretendo trazer de volta à vida a obra do pensador suíço Karl Ludwig von Haller (1768-1854). Bastante famoso em toda a Europa durante a primeira metade do século 19, Haller e sua obra são hoje quase completamente desconhecidos. Se Haller é mencionado, geralmente é por historiadores do pensamento, e eles normalmente o apresentam e se referem a ele com desdém como um “ultrarreacionário” – um arqui-inimigo do glorioso “iluminismo” –, cujas ideias há muito foram superadas e suplantadas pela sofisticação da filosofia política “moderna”. Na melhor das hipóteses, esse é o veredicto geral, Haller é digno apenas de curiosidade histórica.

Em nítido contraste com esta visão, eu levo Haller a sério, como um pensador sistemático, e apresentarei a ele e sua teoria de uma “ordem social natural” e a ideia correspondente de uma “sociedade de direito privado” tanto como um precursor importante e uma necessária correção para a filosofia política libertária moderna e, ao mesmo tempo, a mais feroz das críticas e críticas a tudo o que se passa hoje sob o rótulo de filosofia política moderna.

No longo prazo, e desde que ainda possa reunir energias mentais suficientes, planejo retornar às minhas origens intelectuais como filósofo e, com sorte, ainda concluir um ensaio abrangente sobre epistemologia e método.

Artigo original aqui.

2 COMENTÁRIOS