Suécia e Alemanha: ZERO morte de crianças devido à Covid

1

A decisão dos pais de vacinar seus filhos contra a Covid é realmente uma questão de gerenciamento de risco. Os pais devem considerar seriamente que Covid-19 é uma doença menos perigosa para as crianças do que a gripe. Tem se mostrado assim e de forma bastante estável há quase 20 meses.

As crianças não adquirem facilmente este patógeno, não espalham para outras crianças, não espalham para os adultos, não o levam para casa, não ficam gravemente doentes ou morrem por causa dele. É simples assim. Sabemos que as crianças tendem a não transmitir o vírus Covid-19 e que o conceito de propagação assintomática tem sido questionado severamente, especialmente para as crianças.

As crianças, se infectadas, simplesmente não espalham o Covid-19 para outras pessoas facilmente, seja para outras crianças, outros adultos em suas famílias ou não, nem para seus professores. Isso foi demonstrado com elegância em um estudo realizado nos Alpes franceses. A literatura pediátrica é uma ciência clara sobre isso. Dados esmagadores mostram que a carga de doenças graves ou morte associada à SARS-CoV-2 em crianças e adolescentes é muito baixa (estatisticamente zero).

Os dados suecos de Ludvigsson relataram 1.951.905 crianças na Suécia (em 31 de dezembro de 2020) que tinham de 1 a 16 anos de idade que frequentavam a escola sem praticamente nenhum fechamento ou máscara. Eles encontraram zero (0) mortes. “Apesar de a Suécia ter mantido escolas e pré-escolas abertas, encontramos uma baixa incidência de Covid-19 grave entre alunos e crianças em idade pré-escolar durante a pandemia de SARS-CoV-2.”

Um estudo alemão recente coletando evidências de três fontes: 1) um estudo nacional de soroprevalência (o estudo SARS-CoV-2 KIDS), 2) o sistema de notificação legal alemão e 3) um registro nacional de crianças e adolescentes hospitalizados com SARS-CoV-2 ou Síndrome Multissistêmica Inflamatória Pediátrica (PIMS-TS) relatou que houve zero (0) óbitos em crianças de 5 a 18 anos de idade durante o período de estudo.

Governos e funcionários da saúde pública incitaram essa pandemia de medo e propaganda. Mas os pais dispostos a avaliar isso puramente de uma posição de benefício versus risco podem se perguntar: ‘Se meu filho tem pouco ou nenhum risco, risco quase zero de sequelas graves ou morte e, portanto, nenhum benefício da vacina, ainda assim poderia haver danos potenciais e danos ainda desconhecidos da vacina (como já relatado em adultos que receberam as vacinas), então por que eu submeteria meu filho a tal vacina?

E na presença de riscos potenciais, além do fato de que uma vacina para Covid-19 simplesmente não é indicada para crianças, por que um pai permitiria que seus filhos fossem vacinados com vacinas ainda experimentais? As crianças devem viver normalmente, livres e, se expostas ao SARS-CoV-2, podemos ter certeza de que na grande maioria dos casos, não terão nenhum sintoma ou terão apenas sintomas leves, ao mesmo tempo em que desenvolverão imunidade adquirida naturalmente e de forma inofensiva; uma imunidade definitivamente superior à que poderia ser causada por uma vacina.

A imunidade inata em crianças com a qual elas vêm e que funciona para protegê-las funcionará aqui e tem funcionado maravilhosamente (anticorpos inatos e células NK, bem como outros componentes do compartimento imunológico inato). Essa abordagem também aceleraria o desenvolvimento da tão necessária imunidade de rebanho, sobre a qual muito se falou.

Além das preocupações relacionadas às sequelas imediatas ou de longo prazo das novas vacinas de mRNA em crianças, há dados claros que sugerem que as vacinas podem não ser tão eficazes contra a infecção e propagação como noticiado inicialmente.

Também temos relatos de anticorpos vacinais funcionando para suprimir os anticorpos inatos (potencialmente devastadores para crianças que dependem deles como sua primeira linha de defesa) e superando-os, pois os anticorpos da vacina são específicos e têm alta afinidade para seus antígenos, enquanto os inatos são inespecífico e com baixa afinidade. Este é um grande problema, especialmente se a imunidade vacinal superar os anticorpos da imunidade adquiridos naturalmente, etc.

Então, por que estamos correndo para vacinar nossos filhos? Dr. Fauci do NIAID, Dra. Walensky do CDC e Dr. Francis Collins do NIH são imprudentes aqui juntamente com os desenvolvedores da vacina, e.g. Pfizer e Moderna, por saberem que essas vacinas carecem dos testes de segurança adequados e não sabemos o que acontecerá com as crianças a longo prazo.

Na verdade, trata-se de decisões de gerenciamento de risco que nós, como pessoas livres (como pais), podemos presumivelmente tomar. Não se trata apenas de ciência. Lembre-se também de que as crianças não podem dar consentimento informado adequado, por ex. uma de 8 meses, uma de um ano.

Esta é uma questão ética muito importante. A taxa de mortalidade em crianças, por ex. com menos de 12 anos, é o mais próximo de zero que podemos chegar. Nenhuma das políticas de lockdown e fechamento de escolas funcionou e todas fracassaram causando danos esmagadores às populações.

Colocaram máscara em nossos filhos, fecharam as escolas, trancaram nossas crianças em casa, impeliram surtos de suicídios em adultos e também em nossos filhos devido a essas políticas, e agora buscam vacinar crianças com uma vacina para a qual não temos dados sobre os danos a longo prazo. Há alguma dúvida de por que há uma perda de confiança e por que os pais podem relutar em cumprir todos os decretos emitidos pelos governos sobre saúde?

 

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorIndústria farmacêutica deve ser responsabilizada por crimes contra a humanidade
Próximo artigoAnarquismo cristão
possui um PhD. Ele tem experiência em epidemiologia e no ensino de epidemiologia clínica, medicina baseada em evidências e metodologia de pesquisa. O Dr. Alexander é um ex-professor assistente na McMaster University em medicina baseada em evidências e métodos de pesquisa; ex-consultor de síntese de evidências da COVID Pandemic, consultor da OMS-OPAS Washington, DC (2020) e ex-consultor sênior da política de pandemia da COVID em Serviços Humanos e de Saúde (HHS) Washington, DC (Secretário A), governo dos EUA; trabalhou / nomeado em 2008 na OMS como um especialista regional / epidemiologista no escritório regional da Europa na Dinamarca, trabalhou para o governo do Canadá como epidemiologista por 12 anos, nomeado como o epidemiologista canadense em campo (2002-2004) como parte de um estudo internacional Financiado pela CIDA, Health Canada executou projeto sobre coinfecção TB / HIV e controle de MDR-TB (envolvendo Índia, Paquistão, Nepal, Sri Lanka, Bangladesh, Butão, Maldivas, Afeganistão, postado em Katmandu); empregado de 2017 a 2019 na Infectious Diseases Society of America (IDSA), Virgínia, EUA, como treinador de desenvolvimento de diretrizes de revisão sistemática de meta-análise de síntese de evidências; atualmente um pesquisador consultor COVID-19 no grupo de pesquisa US-C19.

1 COMENTÁRIO

  1. “por que um pai permitiria que seus filhos fossem vacinados com vacinas ainda experimentais?”

    Pelo mesmo motivo que esses anencéfalos enfiam máscaras em crianças com 3, 4 anos. Não tem o que dizer.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.