O abuso da ciência na crise do Coronavírus

0

A ciência desempenha um papel central na crise atual, não apenas investigando a natureza do vírus, mas também orientando as reações políticas à sua disseminação.

Leopoldina, a Academia Nacional Alemã de Ciências, emitiu uma declaração datada de 8 de dezembro de 2020:

    Apesar da perspectiva de um início da campanha de vacinação em breve, é absolutamente necessário do ponto de vista científico reduzir rápida e drasticamente o número ainda claramente elevado de novas infecções por meio de uma quarentena rígida.

Com este documento em suas mãos, a chanceler alemã, Angela Merkel, justificou uma quarentena rígida no parlamento em 9 de dezembro de 2020, invocando leis da natureza como a gravidade e a velocidade da luz, bem como a força do esclarecimento.

Pelo menos três coisas são absolutamente espantosas neste documento:

(i) afirma ser O ponto de vista científico, sem discussão, sem pluralidade de vozes para argumentar com razão e evidência;

(ii) toma como absolutamente necessárias medidas coercitivas por parte das autoridades políticas que implicam uma usurpação massiva dos direitos humanos básicos, sem nenhum obstáculo a ser superado entre a ciência que descobre os fatos e as proclamações normativas;

(iii) dada uma controvérsia sobre a adequação de tais medidas coercitivas no público em geral, a missão da Academia, que consiste em promover “uma sociedade cientificamente esclarecida e a aplicação responsável de conhecimentos científicos para o benefício da humanidade” é empregar sua autoridade e reputação para ajudar o governo: a ciência torna-se a ultima ratio para legitimar o planejamento central do estado da vida das pessoas, incluindo seus contatos sociais e vida familiar, e a suspensão dos direitos constitucionais que isso implica.

A ciência realmente serve ao propósito de esclarecimento. Mas também pode ser o caso de que o esclarecimento seja necessário contra as reivindicações de conhecimento na ciência e seu uso político.

O esclarecimento tem dois polos. Por um lado, há a libertação da humanidade expressa, por exemplo, na definição de esclarecimento de Immanuel Kant como “Esclarecimento é a saída do homem de sua menoridade, da qual ele próprio é culpado.” em seu ensaio “Resposta à pergunta: O que são as luzes” (1784).

Por outro lado, existe o cientificismo, isto é; a ideia de que o conhecimento científico é ilimitado, abrangendo também a humanidade e todos os aspectos de nossa existência e que a sociedade pode ser planejada centralmente de acordo com esse conhecimento.

A tensão entre esses dois polos é óbvia: a preocupação do polo preconizado por Kant é que as pessoas usem sua liberdade para tomar suas próprias decisões ponderadas. Isso pressupõe que não há conhecimento – nem das ciências naturais, nem da filosofia, religião ou outras fontes – que possa prescrever ou mesmo impor-nos a decisão certa de tal forma que não haja alternativa.

O cientificismo, por outro lado, assume que o conhecimento científico pode prescrever as decisões apropriadas tanto no nível individual quanto no social. Este último é o que vivemos atualmente na crise do coronavírus: uma aliança da ciência e da política afirma ter conhecimento sobre como planejar a sociedade nesta situação, conhecimento que justifica a anulação da liberdade dos indivíduos e do Estado de Direito – neste caso, porém, não para alcançar um alegado bem comum, mas para evitar um alegado mal comum iminente.

Conhecemos muitos casos da história, em particular do século passado na Europa e especialmente na Alemanha, em que medidas coercitivas do estado foram legitimadas como absolutamente necessárias do ponto de vista científico e tiveram consequências devastadoras para as pessoas afetadas. É diferente desta vez? É possível e permissível interromper a propagação de um vírus por meio do planejamento central estatal com uma intervenção massiva na vida das pessoas – e especialmente nas vidas das pessoas que não têm muito tempo de vida – sem causar grandes danos?

Temos dois critérios para responder a esta pergunta:

  • o critério utilitário: o benefício para a sociedade como um todo (ou o dano evitado) das medidas coercivas é maior do que o dano que essas medidas causam?
  • o critério deontológico: há um limite para as intervenções do estado em determinada situação que é determinado pela liberdade e dignidade dos indivíduos como tais – independentemente de quão úteis essas intervenções possam ser?

Para mencionar apenas um entre os já numerosos resultados de pesquisas, de acordo com o metaestudo de John Ioannidis da Stanford University publicado pela OMS, a taxa de mortalidade por infecção de Covid-19 varia de 0,00% a 1,63% com um valor médio de 0,27%, dependendo da região. A grande maioria das pessoas falecidas tem mais de 70 anos e doenças anteriores significativas. Covid-19 é mais perigoso para pessoas de idade avançada e, em particular, com doenças pré-existentes. Para todos os outros grupos de pessoas, o perigo está dentro da faixa de riscos cotidianos geralmente aceitos (“Taxa de mortalidade por infecção de COVID-19 inferida a partir de dados de soroprevalência”, Boletim da OMS, ID do artigo: BLT.20.265892).

No entanto, a ideia é que quarentenas ou medidas coercitivas semelhantes podem salvar anos de vida na atual situação aguda: menos mortes devem ocorrer em conexão com Covid-19 e os hospitais devem ser aliviados. Seja como for, podem ser também perdidos anos de vida em consequência dos danos econômicos, de saúde e sociais causados ​​por tais medidas coercivas.

O resultado é preocupante, como já foi comprovado por um grande número de estudos. O dano em anos de vida perdidos supera muitas vezes o possível benefício em anos de vida ganhos, em todos os cenários, levando em conta a incerteza e, portanto, toda a gama de possíveis valores iniciais empregados para calcular os anos de vida ganhos e perdidos. Sob critérios utilitaristas, o veredicto sobre as medidas coercivas é, portanto, devastador.

Não temos a alternativa de não fazer nada ou suspender os direitos humanos básicos por meio de quarentenas e coisas do gênero. Quando surge uma onda de infecção que ameaça certo grupo de pessoas, eles e todos os demais ajustam espontaneamente seu comportamento; em tal situação, é tarefa do estado criar uma estrutura legal para a solidariedade com as pessoas vulneráveis, como preconizado, por exemplo, na Declaração de Great Barrington. Mas também do ponto de vista deontológico, por respeito à liberdade e à dignidade dessas mesmas pessoas, deve-se conceder a todos a liberdade de avaliarem por si mesmos os riscos que estão dispostos a correr por uma vida que consideram digna de ser vivida.

Ninguém tem o direito de usar coerção ao definir sua proteção pessoal como absoluta e desconsiderar as perspectivas de vida dos outros. A propagação do coronavírus não é um caso de defesa nem qualquer outro caso de perigo para a população como um todo. Consequentemente, não há justificação para suspender o Estado de Direito normal. É por isso que as restrições aos direitos fundamentais que continuam a ser impostas abrem um precedente preocupante. Elas diminuem as restrições para declarar o estado de emergência com a suspensão dos direitos humanos básicos de forma totalmente irresponsável.

Neste contexto de conhecimento que temos até agora, não é surpresa saber que a recente quarentena severa na Alemanha não fez nada para reduzir rápida e drasticamente o alto número de novas infecções. Mas, é claro, quando o planejamento político central da sociedade que alcança até a vida pessoal falha – neste caso, falha em impedir a propagação de um vírus – só pode ser culpa do comportamento de algumas pessoas (no caso aqui, aquelas pessoas que fortalecem seu sistema imunológico, saindo ao ar livre), mas nunca o fracasso da ideia do planeamento central, dada a prova científica da necessidade absoluta das medidas coercivas em questão.

Consequentemente, o governo de Merkel prolonga e endurece ainda mais o já rígida quarentena. É como no experimento de Milgram: alegar que a ciência exige que sejam impostos choques cada vez mais severos sobre as pessoas é o melhor meio disponível para fazê-las obedecer e evitar que usem sua própria razão para perceber o que está acontecendo. A ciência tem poder real – como meio de esclarecimento, mas também como meio de espalhar a escuridão e impedir as pessoas de pensar e tomar decisões por si mesmas.

Assim, mais uma vez provou-se ser fatal dissolver a tensão entre liberdade e cientificismo inerente ao esclarecimento em favor do cientificismo e seu uso político. Que erro ter achado que em 1990 isso ficou para trás. Claro, as ameaças do totalitarismo chinês e do fanatismo religioso islâmico já estavam e ainda estão entre nós. Mas essas são ameaças externas. Estamos cientes deles e sabemos como lidar com eles.

Indiscutivelmente muito mais preocupante é a ameaça de dentro de nossa própria elite na ciência, quando a propagação de um vírus pode ser usada como um pretexto para reviver o cientificismo e estabelecer uma aliança profana entre a ciência e a política para promover o planejamento estatal central da sociedade até mesmo da vida dos indivíduos e de seus contatos sociais.

O papel da ciência não deve ser o da religião estatal nos tempos pré-iluministas: no presente caso, como em todos os outros casos anteriores, não há conhecimento que possa ser empregado para justificar um planejamento estatal central da sociedade que se sobreponha à liberdade dos indivíduos e seus direitos constitucionais. O esclarecimento é também hoje a saída da imaturidade auto-imposta em que atualmente se encontra nossa sociedade a esse respeito.

 

Artigo original aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.