A questão dos “não vacinados” (reexaminada)

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Em 1º de setembro de 1941, o chefe de segurança do Reich, Reinhard Heydrich, um dos nazistas mais fanáticos e genocida, emitiu um decreto agora notório ordenando que judeus acima de seis anos usassem um crachá de identificação em público. A insígnia judaica, uma estrela de Davi amarela com a palavra “judeu” inscrita dentro da estrela, destinava-se a estigmatizar e humilhar os judeus e também era usada para segregá-los e monitorar e controlar seus movimentos.

Nada disso está acontecendo atualmente, especialmente na Nova Normal Alemanha.

O que está acontecendo atualmente na Nova Normal Alemanha é que os fanáticos fascistas no controle do governo estão reescrevendo a “Lei de Proteção contra Infecções” novamente – como eles têm feito repetidamente nos últimos dois anos – para permitir que eles continuem a violar a Constituição alemã (a “Grundgesetz) e governar a nação por decreto arbitrário sob o pretexto de “proteger a saúde pública”.

Esta “Lei de Proteção contra Infecções” repetidamente revisada – que concedeu ao governo da Nova Normal Alemanha a autoridade para ordenar lockdowns, toques de recolher, a proibição de protestos contra o Novo Normal, o uso obrigatório de máscaras de aparência médica, a segregação e perseguição dos “não vacinados”, etc. – é, obviamente, de forma alguma remotamente comparável ao “Ato de Habilitação de 1933”, que concedeu ao governo da Alemanha nazista a autoridade de emitir quaisquer decretos que quisesse sob o pretexto de “remediar a angústia do povo”.

Não há absolutamente nenhuma semelhança entre esses dois atos legislativos.

Quero dizer, olhe para este “Plano Outono/Inverno” para a nova revisão da “Lei de Proteção contra Infecções”, que permanecerá em vigor de outubro até a Páscoa, e que funcionários públicos e propagandistas do estado (também conhecidos como mídia alemã) estão comparando a “ordenanças de corrente antiderrapante para neve”.

Não há absolutamente nada assustadoramente fascista ou remotamente nazista neste plano.

Desculpe, está em alemão. Permita-me traduzir.

Em aviões e trens e nos aeroportos e estações de trem, todos serão obrigados a usar  focinheiras – ou seja, máscaras FFP2 “Filtering Face Pieces” conforme definido pela norma EN 149 – exceto para o pessoal dos aeroportos e estações de trem, e os comissários de bordo, condutores, etc., que só serão forçados a usar “máscaras de aparência médica”. Em hospitais, clínicas, consultórios médicos, lares de idosos e outros estabelecimentos de saúde, todos, incluindo os funcionários, não só serão obrigados a usar as focinheiras, mas também serão obrigados a se submeter a testes, a menos que possam fornecer provas de “vacinação” (ou recuperação, o que também significa ser testado) no período de três meses anterior. Nas instalações de empresas privadas, ou seja, escritórios, fábricas, galpões e assim por diante, o anteriormente rescindido Arbeitsschutzverordnung (“Portaria de Segurança Ocupacional Corona”) – máscaras, testes, “vacinações forçadas”, “distanciamento social”, barreiras plásticas etc. – entrará em vigor em outubro e permanecerá em vigor até as férias da Páscoa.

Os estados federais individuais terão o poder de impor outras “restrições” sem sentido, como decretos gerais de máscaras em lojas, restaurantes e todos os outros tipos de “espaços interiores”, limites ao número de pessoas que podem se reunir publicamente ou em suas casas e máscaras obrigatórias para crianças nas escolas e testes em jardins de infância e creches. Em restaurantes, bares, teatros, museus, ginásios esportivos, academias e praticamente em todos os outros lugares da sociedade, os estados federais podem exigir que as pessoas mostrem prova de “vacinação” ou recuperação recente para serem dispensadas do uso de máscara.

OK, permita-me traduzir novamente.

O que essa última parte significa é que qualquer um que se recuse a se submeter a repetidas “vacinações” ou testes será forçado a usar uma máscara em público para se identificar como “não vacinado” (ou seja, o oficial “Untermenschen” do Reich Novo Normal).

Então, tudo bem, talvez seja um pouco assustadoramente fascista e não tão não-nazista como sugeri acima. Eu coloquei assim em um tweet recente…

Desnecessário dizer que isso pode ficar confuso, já que os Novos Normais são extremamente apegados às suas máscaras, que eles estão usando – como os nazistas usavam alfinetes de lapela com suástica – para sinalizar publicamente sua “solidariedade” (ou seja, conformidade irracional com a nova ideologia oficial) nos últimos dois anos e meio. E agora as máscaras funcionarão como os “emblemas judaicos” com a estrela de Davi que os nazistas obrigaram os judeus a usar, exceto no transporte público, aviões e trens, a menos que os estados federais decidam obrigar todos a usar máscaras em todos os lugares, em nesse caso… bem, você entendeu a ideia geral.

Ainda assim, o facto de todos terem de apresentar os seus “documentos de vacinação” (ou os seus “documentos de recuperação”) para entrar num restaurante, ou num bar, ou ir ao cinema ou ao teatro e, basicamente, fazer qualquer outra coisa na sociedade, deve compensar a confusão da máscara. Quero dizer, que tipo de sociedade fascista seria essa se você não tivesse que mostrar seus “documentos” para algum idiota afetado para tomar uma xícara de café?

Agora, antes que você me denuncie ao BfV, ou seja, a agência federal de inteligência doméstica da Alemanha, por “relativizar o Holocausto” e “deslegitimar o estado democrático”, ambos crimes aqui na Alemanha, quero dizer, novamente, para o registro, que não defendo o uso da Estrela de Davi amarela para protestar contra o Novo Normal (como na foto do tweet acima). Acho uma tolice e contraproducente. O Novo Normal não tem nada a ver com o Holocausto, ou os judeus, ou mesmo o nazismo per se.

Mas vamos ser claros sobre o que está acontecendo na Alemanha.

O que está acontecendo é que uma nova ideologia oficial está sendo imposta à sociedade. Está sendo imposta à sociedade pela força. E agora, aqueles de nós que se recusam a se conformar a ela serão ordenados a andar em público usando símbolos visíveis de nossa não conformidade.

Sinto muito, mas os paralelos são inegáveis.

Essa nova ideologia oficial não tem nada a ver com um vírus respiratório ou qualquer outra ameaça à saúde pública. Neste ponto, eu não tenho que repetir este argumento. A maioria dos países ao redor do mundo finalmente rescindiu suas “medidas de emergência” e reconheceu os fatos que nós, “teóricos da conspiração” temos citado nos últimos dois anos e meio, e que temos sido implacavelmente demonizados e censurados por citar.

Nem mesmo a recente avaliação independente da Alemanha de suas “Medidas Corona” poderia produzir qualquer evidência que apoie sua eficácia. Sério, as autoridades alemãs do Novo Normal estão baseando sua reivindicação da eficácia dos decretos de máscara no “Modelo do Hamster Sírio Dourado”. (Você provavelmente pensa que estou brincando, mas não estou.) E Karl Lauterbach, o fanático Ministro da Saúde, declarou abertamente que forçar “os não vacinados” a usar máscaras em público é uma tática de “motivação” para assediá-los de modo a fazê-los seguiro ordens e submeterem-se a uma “vacinação” que até o governo alemão agora admite ter matado ou prejudicado gravemente a saúde de dezenas de milhares de pessoas, no mínimo, na Alemanha.

Não, essa nova ideologia oficial, o Novo Normal – que ainda está em vigor em lugares como Alemanha, China, Canadá, Austrália, Nova York, Califórnia, etc. – é nua e crua e inegavelmente puramente ideológica. Baseia-se, não em fatos, mas em crenças. É um sistema de crenças, como qualquer outra ideologia. Não é essencialmente diferente de uma religião oficial… uma que demoniza e persegue todas as outras religiões, não-religiões e todos os outros sistemas de crenças.

De acordo com esse novo sistema de crenças oficial, aqueles de nós que possuem crenças diferentes e se recusam a se converter às novas crenças oficiais (ou fingem se converter às novas crenças oficiais) são elementos estranhos e perigosos na sociedade. E assim, a partir de agora, na Nova Normal Alemanha, seremos obrigados a usar um símbolo visível de nossas diferentes crenças (nossa “alteridade”) em público, para que as autoridades e as boas massas alemãs possam nos identificar.

Isso soa vagamente familiar?

Estou bastante certo de que alguém vai ler isso (e ver os tweets que incluí acima) e me denunciar por “relativizar o Holocausto”. Para constar, não estou “relativizando o Holocausto”. Estou comparando um sistema totalitário com outro. Sim, a Alemanha Nazista e a Nova Normal Alemanha são dois sistemas totalitários muito diferentes, e eu esbocei suas diferenças e semelhanças essenciais, mas, vamos lá, isso não é tão difícil assim. Na Alemanha nazista, os judeus eram os bodes expiatórios. Na Alemanha do Novo Normal, são os “não vacinados”.

Quanto mais flagrante tem que ficar antes que as pessoas parem de fingir que isso não é o que é? As autoridades têm que nos colocar literalmente em campos de concentração? Quantas pessoas mais terão que morrer ou ter sua saúde gravemente prejudicada por “vacinas” que não precisavam, mas foram obrigadas a se submeter? Não estou falando com os Novos Normais agora, nem com as pessoas que lutaram contra isso o tempo todo. Estou falando com as pessoas que veem o que está acontecendo e ficam horrorizadas com o que está acontecendo, mas, por qualquer motivo, se recusaram a falar… e, sim, eu sei que existem razões muito boas. Alguns de vocês têm famílias para sustentar e carreiras para proteger, e, sério, eu entendo. Mas até onde isso tem que chegar? Em que momento você sente que tem que falar independentemente das consequências pessoais e profissionais?

Talvez você deva reservar algum tempo para meditar sobre isso.

Ah, e aqui está um pequeno auxílio visual que pode ajudar as pessoas em suas meditações. É um grafite que alguém pichou na parede de um pátio aqui na Nova Normal Alemanha, no outono de 2021, eu acho. Eu postei na época, mas parece não ter impressionado muita gente. Talvez agora impressione.

Eu vou traduzir. Lê-se “MANDEM OS NÃO VACINADOS PARA A CÂMARA DE GÁS”.

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorTomás de Aquino era um liberal?
Próximo artigoRothbard estava certo sobre a fluoretação da água
é um dramaturgo, romancista e satírico político premiado. Suas peças foram produzidas e fizeram turnê em teatros e festivais, incluindo Riverside Studios (Londres), 59E59 Theatres (Nova York), Traverse Theatre (Edimburgo), Belvoir St. Theatre (Sydney), o Du Maurier World Stage Festival (Toronto), Needtheater (Los Angeles), 7 Stages (Atlanta), Festival Fringe de Edimburgo, Adelaide Fringe, Festival de Brighton e Festival Noorderzon (Holanda), entre outros. Seus prêmios de redação incluem o 2002 First of the Scotsman Fringe Firsts, o Scotsman Fringe Firsts em 2002 e 2005 e o 2004 de Melhor peça de Adelaide Fringe. Sua sátira política e comentários foram apresentados no NPR Berlin, no CounterPunch, ColdType, The Unz Review, OffGuardian, ZeroHedge, Dissident Voice, The Greanville Post, ZNet, Black Agenda Report e outras publicações, e foram amplamente traduzidos.