Uber: politicamente correto, objetivamente incorreto

5
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

A Uber surgiu como um exemplo de luta pela liberdade, desafiando monopólios estabelecidos e vencendo. Os libertários exaltaram a Uber de todas as formas e foram um dos primeiros entusiastas do aplicativo. Com o crescimento e consolidação de qualquer empresa é até esperado que ela se volte contra a liberdade e passe para o lado de lá, pleiteando regulamentações que dificultem novos entrantes, e com a Uber não foi diferente… mas ela não parou por aí; a Uber agora milita fortemente no Politicamente Correto, o que promove indiretamente o agigantamento do próprio estado que ela nasceu combatendo.

O professor Angelo Codevilla nos diz que “a imposição do politicamente correto de obrigar as pessoas a dizerem seriamente que alguém com um pênis é uma mulher e alguém com uma vagina é um homem é uma imposição muito mais grave do que a do Big Brother quando obriga o Winston a dizer que via 4 dedos quando mostravam 5 dedos para ele – ‘Abandone seus sentidos, abandone sua mente e nos escute.’”

Se conseguir que alguém concorde com a veracidade de uma mentira, que ele sabe que é uma mentira, então se consegue o poder supremo. E é isso que o politicamente correto tenta fazer, garantir esse poder fazendo as pessoas dizerem coisas que elas sabem que não são verdade – politicamente correto é o oposto de objetivamente correto. O termo, à propósito, foi usado pela primeira vez pelos comunistas nos anos 1930 que costumavam dizer que o que eles diziam não era objetivamente correto, mas era politicamente correto, em outras palavras, era útil para eles.’

Bandido é vítima; dinheiro falsificado é verdadeiro; cotas racistas para combater racismo; defesa é crime; etc.; etc.; etc… as mentiras da fraude chamada estado são antigas e intermináveis, mas mesmo com todo esse retrospecto, a tal da ideologia de gênero, que conta com o suporte de diversas corporações privadas, ainda consegue surpreender.

Tive que assistir várias vezes esse comercial da Uber para ter certeza que não era zoeira, e ainda não tenho certeza;


é mais plausível para mim que esse seja um gordo fanfarrão pregando uma peça ou a produtora armou e é tudo fake; mas se for realmente sério, querem que aceitemos esse marmanjo como mulher! Não se trata nem de homossexualismo, que é algo que existe desde sempre e todos estão acostumados e convivem com isso. Não; o cabra, que nem afeminado é, alega que é uma mulher e que o mundo que está errado em achar que ele é um homem! Ou seja, é um caso patológico que deve ser tratado. Qualquer empresa iria virar para esse maluco e dizer que ele pode ser o que quiser na casa dele, mas no trabalho ia ter que se portar como gente. E o que a Uber faz? Aceita, aplaude, encoraja e promove essa sandice.

Alguém quer que um problemático desses seja seu motorista? Que sua mãe, avô ou seus filhos entrem no carro do Larissão? Nem de graça. Ainda bem que a Uber não conseguiu ainda barrar seus concorrentes. Já deletei o aplicativo e só uso Cabify que tem qualidade melhor e o 99 que tem preços e promoções bem melhores. Ou o inDriver, onde o motorista pode leiloar uma oferta do valor do trajeto para os passageiros.

Recentemente a Uber alterou seu código de conduta e lançou uma campanha agressiva dizendo coisas como “se não respeita dois homens se beijando a Uber não é para você”(algo que deveria ser no mínimo temerário para uma empresa fazer em um país cristão), mas parece que o politicamente correto não vai salvar a Uber. Ela acumula bilhões de prejuízos ano à ano e fechou 2019 com prejuízo de US$ 8,5 bilhões. Seu IPO ano passado já foi mal recebido pelo mercado após ter sido resumido e escrachado pelos fatos da realidade da empresa: “Nós não ganhamos dinheiro. Nós provavelmente nunca vamos ganhar dinheiro. Nosso negócio atual se baseia em nossos acionistas financiarem corridas baratas na esperança de que os reguladores nos deixem virar um monopólio e cobrar o que bem entendemos, mas os reguladores não estão ajudando. …”; e suas perspectivas de lucro são no mínimo obscuras:

5 COMENTÁRIOS

  1. A cada dia que passa eu me convenço mais que a abolição do estado depende de uma forte postura moral tanto quanto a preservação dessa mesma moralidade depende da abolição do estado.

    Os ganhos materiais sempre serão preferíveis a preservação de valores morais enquanto houver um aparato jurídico possibilitando que qualquer um entre para (ou compre) a política e satisfaça os seus interesses. Como o estado expande o seu poder ao abalar as estruturas morais que sustentam a sociedade, as empresas amiguinhas do governo não pensarão duas vezes antes de começar a propagar essas aberraçoes de ideologia de gênero, justiça social, politicamente correto e afins só para criar uma brecha legislativa que garanta seu conforto e monopólio.

    Por isso estamos numa posição pior do que nunca, estrategicamente falando. Pois, para acabar com o estado precisamos lutar para preservar uma moralidade que está sendo constantemente agredida pela própria existência do estado. A natureza democrática do estado moderno ameaça qualquer tentativa de resistência social, pois ela promove incentivos políticos para que se criem ideologias que corrompem o tecido social.

  2. O pior é que você tem razão: a qualquer momento a rolha de poço parece que vai dar uma risada e acabar com a alucinação. Cara, a minha alegria é que quando algum arqueólogo do futuro encontrar o esqueleto desse gordo, vai afirmar com certeza: homem!

  3. Pro bem dessa página que já é vazia, corrige esse texto antes que se propague.

    Dizer que transexual não é gente, ou ainda, que transexualismo é uma doença a ser curada, vai certamente afastar quem não entende de libertarianismo (ou pior, quem entende).

    Se quiser ser imparcial, tire teu dogmatismo religioso e preconceito desse artigo.

    Repulsa todo hétero tem o direito de ter, mas que seja contra hábitos e o que se enxerga, não contra a essência da pessoa…