X – O Significado de Revolução

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Em seu artigo de vital importância sobre este assunto, Karl Hess refere-se apropriadamente ao movimento libertário genuíno como um movimento “revolucionário”. Isso levanta a questão de que muito poucos americanos entendem o verdadeiro significado da palavra “revolução”.[1]

A maioria das pessoas, quando ouve a palavra “revolução”, pensa de imediato e apenas em atos diretos de confronto físico com o Estado: levantando barricadas nas ruas, lutando contra um policial, invadindo a Bastilha ou outros prédios do governo. Mas esta é apenas uma pequena parte da revolução. A revolução é um processo poderoso, complexo e de longo prazo, um movimento complicado com muitas partes e funções vitais. É o panfletário que escreve em seu estudo, é o jornalista, o clube político, o agitador, o organizador, o militante do campus, o teórico, o filantropo. É tudo isso e muito mais. Cada pessoa e grupo tem sua parte a desempenhar neste grande e complexo movimento.

Tomemos, por exemplo, o principal modelo para os libertários em nosso tempo: o grande liberal clássico, ou melhor, “radical clássico”, movimento revolucionário dos séculos XVII, XVIII e XIX. Esses nossos ancestrais criaram um movimento revolucionário vasto, amplo e brilhante, não apenas nos Estados Unidos, mas também em todo o mundo ocidental, que durou vários séculos. Este foi o movimento em grande parte responsável por mudar radicalmente a história, por quase destruir a história como era anteriormente conhecida pelo homem. Pois antes desses séculos, a história do homem, com uma ou duas exceções luminosas, era um registro sombrio e sangrento de tirania e despotismo; um registro de vários Estados e monarcas absolutos esmagando e explorando suas populações subjacentes, em grande parte camponeses, que viveram uma vida breve e brutal de simples subsistência, sem esperança ou promessa. Foram o liberalismo e o radicalismo clássicos que trouxeram para a massa essa esperança e promessa, e que iniciaram o grande processo de realização. Tudo o que o homem conquistou hoje, em progresso, na esperança, nos padrões de vida, podemos atribuir a esse movimento revolucionário, a essa “revolução”. Essa grande revolução foi a de nossos pais; agora é nossa tarefa cumprir sua promessa inacabada.

Este movimento revolucionário clássico foi composto de muitas partes. Foram os teóricos e ideólogos libertários, os homens que criaram e teceram os fios da teoria e dos princípios libertários: os La Boeties, os Levellers na Inglaterra do século XVII, os radicais do século XVIII, os philosophes, os fisiocratas, os radicais ingleses, os Patrick Henrys e Tom Paines da Revolução Americana; os James Mills e Cobdens da Inglaterra do século XIX, os Jacksonianos e abolicionistas e Thoreaus na América, os Bastiats e Molinaris na França. O trabalho acadêmico vital de Caroline Robbins e Bernard Bailyn, por exemplo, demonstrou a continuidade das ideias e movimentos radicais clássicos libertários, desde os revolucionários ingleses do século XVII até a Revolução Americana um século e meio depois.

As teorias se misturaram a movimentos ativistas, movimentos ascendentes clamando pela liberdade individual, uma economia de mercado livre, a derrubada do feudalismo e do estatismo mercantilista, o fim da teocracia e da guerra e sua substituição pela liberdade e paz internacional. De vez em quando, esses movimentos irromperam em violentas “revoluções” que trouxeram passos gigantescos na direção da liberdade: a Guerra Civil Inglesa, a Revolução Americana, a Revolução Francesa.[2] O resultado foram enormes avanços para a liberdade e a prosperidade desencadeada pela consequente Revolução Industrial. As barricadas, embora importantes, foram apenas uma pequena parte desse grande processo. O socialismo não é genuinamente radical nem verdadeiramente revolucionário. O socialismo é uma reversão reacionária, uma tentativa autocontraditória de atingir os fins radicais clássicos: liberdade, progresso, o declínio ou abolição do Estado, usando meios estatistas e conservadores antiquados: coletivismo e controle do Estado. O socialismo é um Novo Toryismo fadado ao fracasso rápido sempre que tentado, um fracasso demonstrado pelo colapso do planejamento central nos países comunistas da Europa Oriental. Apenas o libertarianismo é verdadeiramente radical. Somente nós podemos completar a revolução inacabada de nossos grandes antepassados, a passagem do mundo do reino do despotismo para o reino da liberdade. Somente nós podemos substituir o governo dos homens pela administração das coisas.

 

___________________________

Notas

[1] Ver Karl Hess, “What the Movement Needs,” The Libertarian Forum (1 de julho de 1969).

[2] Barrington Moore, Jr., mostrou a conexão íntima entre essas revoluções violentas e as liberdades que o mundo ocidental foi capaz de tirar do Estado.