IX – Conservação no Mercado Livre

0
Tempo estimado de leitura: 15 minutos

A essa altura, não deveria ser novidade que os intelectuais estão tão sujeitos aos caprichos da moda quanto as bainhas das saias femininas. Aparentemente, os intelectuais tendem a ser vítimas de uma mentalidade de rebanho. Assim, quando John Kenneth Galbraith publicou seu best-seller The Affluent Society em 1958, todo intelectual e seu irmão estavam denunciando os EUA como sofrendo de riqueza indevida e excessiva; no entanto, apenas dois ou três anos depois, a moda mudou repentinamente, e os mesmos intelectuais reclamaram que os EUA estavam repletos de pobreza. Em muitas dessas farras ideológicas, o capitalismo é culpado por qualquer doença que esteja sendo focalizada no momento; o mesmo capitalismo supostamente responsável por nos deixar fartos de bens materiais em 1958 seria igualmente culpado por deixar a nação assolada pela pobreza em 1961.

Outro exemplo importante foi a “tese da estagnação”, proposta por muitos economistas no final dos anos 1930 e início dos anos 1940. A tese da estagnação sustentava que o capitalismo havia chegado ao fim de seu ciclo, uma vez que não havia espaço para mais invenções tecnológicas e, portanto, para investimento de capital. O capitalismo estava, portanto, condenado ao desemprego em massa perpétuo e crescente. Depois que essa noção se desvaneceu, o início e meados dos anos 1960 produziram precisamente a condenação oposta ao sistema capitalista. Numerosos intelectuais, incluindo os mesmos proclamadores da tese da estagnação, agora afirmavam que a automação iminente e a robotização levariam rapidamente ao desemprego em massa permanente e crescente para praticamente todos, porque não haveria trabalho para qualquer simples homem fazer. Felizmente, a histeria da automação desapareceu na moda intelectual dos últimos anos. Mas podemos ver que em muitos desses casos, através das contradições galopantes, existe um fio condutor crucial: seja qual for o problema, a economia de mercado é considerada a culpada.[1]

A última moda intelectual, que em muito pouco tempo ganhou proporções de dilúvio, é o Meio Ambiente, também conhecido como Ecologia ou Qualidade de Vida. Nos últimos dois meses, foi impossível pegar um jornal ou revista sem ser bombardeado pelo Problema do Meio Ambiente devastado. Quaisquer que sejam as dimensões desse problema, é difícil acreditar que ele tenha escalado de proporções insignificantes para endêmicas dentro de um ou dois meses. E, ainda assim, aí está.

À esquerda, questões agudamente urgentes que os têm agitado apropriadamente por vários anos, como o Vietnã e o alistamento, desapareceram repentina e magicamente, enquanto esquerdistas e manifestantes estudantis agora fazem piquetes e manifestam-se em nome do meio ambiente e do ar puro. Os conservadores ficaram felizes em se apegar ao assunto para desarmar a dissidência; afinal, quem no mundo – esquerda, direita ou centro – vai se declarar abertamente a favor da feiura, do lixo ou da poluição do ar? Os órgãos instituídos proclamam com alegria que o Meio Ambiente será a “questão” política dos anos 1970. O Presidente Nixon lutou ansiosamente para fazer da “qualidade de vida” o tema principal de seu discurso sobre o Estado da União. Desse modo:

A grande questão dos anos setenta é: devemos nos render ao nosso entorno ou devemos fazer as pazes com a natureza e começar a reparar os danos que causamos ao nosso ar, à nossa terra e à nossa água? Restaurar a natureza ao seu estado natural é uma causa além … das facções. Tornou-se uma causa comum para todas as pessoas deste país. … O programa que proporei ao Congresso será o programa mais abrangente e caro neste campo na história dos EUA. … Cada um de nós deve resolver que a cada dia ele deixará sua casa, sua propriedade, os lugares públicos da cidade um pouco mais limpos, um pouco melhor. … Proponho que antes que esses problemas se tornem insolúveis, a nação desenvolva uma política de crescimento nacional. … Levaremos nossa preocupação com a qualidade de vida nos EUA para a fazenda e também para o subúrbio, para a aldeia e também para a cidade.

O que faremos, então, com esta Questão do Meio Ambiente? A primeira coisa que devemos fazer é isolar e distinguir os diferentes problemas levantados; devemos, acima de tudo, resistir às exortações dos histéricos do meio ambiente para jogar uma série de problemas totalmente diferentes em um mesmo saco. Devemos, em suma, fazer o oposto do que a revista Fortune nos diz para fazer em sua edição especial sobre o meio ambiente (fevereiro de 1970):

Vistas uma a uma, muitas de nossas atuais depredações parecem relativamente fáceis de corrigir. Mas quando colocamos os horrores em uma linha – as cidades monótonas e desajeitadas, os outdoors, os lagos sufocados, o barulho, o ar e a água envenenados, as estradas congestionadas, os lixões montanhosos e fedorentos – seu efeito cumulativo nos leva em direção a conclusão de alguma falha única profundamente arraigada. …

A esquerda, é claro, encontrou – surpresa – sua única falha profunda: o capitalismo, neste caso a “ganância capitalista”, que devastou e destruiu nossos recursos, etc. Que o capitalismo não é o problema deve ser evidente pelo fato que a União Soviética criou um ambiente muito mais “devastado”, certamente em proporção à sua atividade industrial, do que os Estados Unidos. O famoso envenenamento do Lago Baikal soviético é um exemplo claro.

Vamos então distinguir os diferentes problemas envolvidos. Existe, em primeiro lugar, a questão estética. Incontáveis ​​ “ambientalistas” reclamaram amargamente da “feiura” da vida nos Estados Unidos, das cidades “feias”, edifícios “horríveis” etc. Em primeiro lugar, a estética nos leva à deriva sem leme em um mar de diversos valores e gostos individuais. A “feiura” para um homem é a “beleza” para outro e vice-versa. Minha própria observação é que a maioria dos fanfarrões sobre a feiura de nossas cidades e cantores de louvores à natureza intocada, obstinadamente permanecem abrigados nessas mesmas cidades. Por que eles não vão embora? Existem, ainda hoje, muitas áreas rurais e até mesmo selvagens para eles viverem e desfrutarem. Por que eles não vão lá e deixam nós que gostamos e curtimos as cidades em paz? Além disso, se eles saíssem, isso ajudaria a aliviar a “superlotação” urbana de que eles também reclamam. Em segundo lugar, grande parte da feiura dos edifícios e da paisagem, pela maioria das definições estéticas, foi criada por programas governamentais como a renovação urbana, com sua destruição desenfreada de casas urbanas, lojas e bairros comunitários, para serem substituídos por empreendimentos semelhantes a quartéis construídos por meio de subsídios e do poder confiscatório de domínio eminente. Além disso, quais edifícios neste país são tipicamente mais feios do que aqueles que abrigam os órgãos do governo, do Pentágono aos correios locais?[2] Ou o que dizer de programas governamentais, como a proliferação de rodovias e vias expressas, que destroem a paisagem e destroem bairros pelo caminho?

Outra acusação contra as cidades é que elas estão terrivelmente “superlotadas”. Aqui, novamente, temos um julgamento de valor sem base por parte dos críticos. Quanta aglomeração é “superlotação”? Como aponta Jane Jacobs, a alta concentração de unidades habitacionais por acre e a alta cobertura de terra são essenciais para a diversidade, o crescimento e a vitalidade das melhores e mais apreciadas áreas das grandes cidades. Ela observa que é nas áreas suburbanas de baixa densidade que as lojas e negócios devem atender apenas à demanda econômica majoritária e que levam a uma uniformidade de vida e vizinhança; são as áreas de alta densidade que tornam lucrativo um amplo espectro de lojas e serviços que atendem a uma ampla gama de gostos de minorias. E, mais uma vez, não há nada que impeça os críticos das multidões de irem para o deserto.

Os críticos ambientais também são tristemente deficientes em conhecimento histórico. Eles não conseguem perceber que as cidades de um século e vários séculos atrás eram muito mais lotadas e desagradáveis ​​do que são hoje pelos padrões estéticos de qualquer pessoa. Naqueles tempos antigos, as ruas eram muito mais estreitas, os pavimentos de paralelepípedos muito mais barulhentos, os esgotos modernos eram inexistentes, de forma que odores horríveis e epidemias eram galopantes, cães e às vezes gado vagavam pelas ruas, o calor era insuportável, sem refúgio no ar condicionado, etc. os ambientalistas colocam sua maior culpa na tecnologia moderna, mas foi precisamente a tecnologia moderna que permitiu o crescimento das cidades muito mais populosas de hoje com muito mais saúde, facilidade e conforto para cada habitante.

Os críticos também parecem estar buscando o controle da natalidade obrigatório como meio de conter o crescimento populacional. E, no entanto, muito se tem falado sobre a questão da população. A América do Sul e a África são, por qualquer critério de densidade, altamente subpovoada e, no entanto, estão em grande parte afetadas pela pobreza e vivem em um nível mínimo de subsistência. Pelos mesmos critérios mecânicos, o Japão, assim como a Índia, seria altamente “superpovoado” e, ainda assim, o Japão, ao contrário da Índia, com grande engenhosidade e iniciativa, tem a maior taxa de crescimento industrial do mundo hoje.

Uma das características mais inquietantes do movimento ambientalista é sua evidente aversão à tecnologia moderna e sua filosofia romântica de volta à natureza. Tecnologia e civilização são responsáveis, dizem eles, pela aglomeração, poluição, espoliação de recursos, portanto, vamos retornar à natureza intocada, ao Lago Walden, à contemplação em uma clareira distante. Nenhum desses críticos da cultura e civilização modernas parecem perceber que o caminho de volta à natureza não significaria apenas eliminar os benefícios da civilização, mas também significaria fome e morte para a grande maioria da humanidade, que depende de capital e da divisão do trabalho da moderna economia de mercado industrial. Ou nossos românticos modernos estão operando em uma premissa de morte, em oposição a vida? Parece que sim.

Tomemos, por exemplo, as reclamações conservacionistas padrão sobre a “destruição” dos recursos naturais pela economia moderna. É verdade que, se o continente americano nunca tivesse sido povoado e colonizado, muitos milhões de quilômetros quadrados de floresta teriam permanecido intactos. Mas e daí? O que é mais importante, pessoas ou árvores? Pois se um próspero lobby conservacionista em 1600 tivesse insistido que a natureza selvagem existente permanecesse intacta, o continente americano não teria espaço para mais do que um punhado de caçadores de peles. Se o homem não tivesse permissão para usar essas florestas, esses recursos teriam sido realmente desperdiçados, porque não poderiam ser usados. De que adiantam os recursos se o homem está impedido de usá-los para atingir seus fins?[3]

Além disso, pouco se percebe que o crescimento da tecnologia não apenas consome, mas também acrescenta recursos naturais utilizáveis. Antes do desenvolvimento do automóvel e da maquinaria moderna, as vastas poças de petróleo sob a terra eram totalmente sem valor para o homem; eram um líquido preto e inútil. Com o desenvolvimento da tecnologia e da indústria modernas, elas de repente se tornaram recursos úteis.

Depois, há o argumento comum de que sempre que um recurso natural é usado, sempre que uma árvore é cortada, estamos privando as gerações futuras de seu uso. E, no entanto, esse argumento é falacioso. Pois se devemos ser proibidos de derrubar uma árvore porque alguma geração futura será privada de fazê-lo, então esta geração futura, quando se tornar “presente”, também não pode usar a árvore por causa de suas gerações futuras, e assim por diante para provar que o recurso nunca pode ser usado pelo homem – certamente uma tese profundamente “anti-humana”, uma vez que o homem em geral é mantido em subserviência a um recurso que ele nunca pode usar. Além disso, mesmo que o futuro tenha permissão para usar os recursos, se considerarmos que o padrão de vida geralmente aumenta de uma geração para a outra, isso significa que devemos nos restringir em prol de um futuro que será mais rico do que nós. Mas certamente a ideia de que os relativamente mais pobres devem se sacrificar em benefício dos mais ricos é um tipo peculiar de ética para o padrão ético de qualquer pessoa.

Se, então, cada geração atual pode usar os recursos adequadamente, reduzimos toda a questão da conservação a uma dimensão muito mais sóbria e menos histérica. Quanto, então, de qualquer recurso deve ser usado em qualquer geração e quanto deve ser conservado para a posteridade? Os ambientalistas e conservacionistas falham totalmente em perceber que a economia de livre mercado contém em si mesma um princípio automático para decidir o grau apropriado de conservação.

Consideremos, por exemplo, uma típica mina de cobre. Não encontramos mineiros de cobre, uma vez que encontraram e abriram um veio de minério, correndo para extrair todo o cobre imediatamente; em vez disso, a mina de cobre é conservada e usada gradualmente, ano após ano. Por que é assim? Porque os donos da mina percebem que se eles, por exemplo, triplicarem a produção de cobre deste ano, eles vão de fato triplicar a receita deste ano, mas também vão esgotar a mina e, portanto, diminuir o valor monetário da mina como um todo. O valor monetário da mina é baseado na receita futura esperada a ser obtida com a produção de cobre e, se a mina estiver esgotada indevidamente, o valor da mina e, portanto, o preço de venda das ações da mina, irá cair. Cada proprietário de mina, então, deve pesar as vantagens da receita imediata da produção de cobre contra a perda de valor do capital da mina como um todo. Sua decisão é determinada por suas expectativas de rendimentos e demandas futuras por seu produto, as taxas de juros prevalecentes e esperadas, etc. Se, por exemplo, espera-se que o cobre se torne obsoleto em alguns anos por um novo metal sintético, eles se apressarão em produzir mais cobre agora, quando ele é mais valorizado, e economizarão muito menos para o futuro, quando terá pouco valor – beneficiando, assim, os consumidores e a economia como um todo. Se, por outro lado, espera-se que vários veios de cobre sejam esgotados em breve no mundo como um todo e, portanto, espera-se que o cobre tenha um valor mais alto no futuro, menos será produzido agora e mais retido para futura mineração – mais uma vez beneficiando os consumidores e a economia em geral. Assim, vemos que a economia de mercado contém um maravilhoso mecanismo embutido pelo qual a decisão dos proprietários dos recursos sobre a produção presente em oposição à produção futura beneficiará não apenas sua própria renda e riqueza, mas também a da massa de consumidores e dos consumidores nacionais e economia mundial.

Na verdade, não encontramos ninguém reclamando da “devastação” dos recursos de cobre ou ferro do capitalismo. Qual é, então, o problema em casos como as florestas? Por que as florestas ou as áreas de pesca são “devastadas”, mas não os minerais? O problema é que as áreas onde existe superprodução são precisamente aquelas onde o mecanismo de mercado embutido foi impedido de operar pela força do governo. Especificamente, essas são as áreas onde a propriedade privada não foi permitida no próprio recurso, mas apenas em seu uso diário ou anual.

Suponha, por exemplo, que o governo decretou, desde o início da mineração de ferro ou cobre, que a propriedade privada não pode existir nas próprias minas, mas que, em vez disso, o governo ou o “público” reteve a propriedade das minas e que os negócios privados só poderiam alugar e usar mês a mês. Claramente, isso significaria que as empresas privadas, não sendo capazes de possuir o valor do capital das próprias minas, tentariam esgotar essas minas o mais rápido possível, uma vez que ganhariam apenas renda presente, mas não futura. Os proprietários de minas privadas tentariam esgotar as minas rapidamente, pois do contrário, outros mineradores obteriam o benefício do futuro minério de cobre. Enquanto os mineiros privados de cobre se apressavam para produzir o máximo possível de cobre imediatamente, os esquerdistas começariam a apontar para a destruição inescrupulosa do nosso precioso suprimento de cobre pelo capitalismo “ganancioso”. Mas a falha estaria, não na economia de mercado, mas precisamente no fato de que o governo havia impedido o mercado e os direitos de propriedade privada de funcionarem com os recursos de cobre como um todo.

Isso é exatamente o que aconteceu nessas áreas: florestas, pescas, petróleo, onde a superprodução e o desperdício de recursos realmente ocorreram.[4] A maior parte das florestas nos Estados Unidos foi reservada ao governo federal; as empresas privadas só podem arrendar as florestas para uso corrente. Isso significa, é claro, que as empresas têm todos os incentivos para usar as florestas o mais rápido possível e não conservar nada para uso futuro. Além disso, se as florestas como um todo fossem propriedade de empresas privadas, essas empresas teriam todos os incentivos econômicos – nenhum dos quais existe agora – para desenvolver técnicas para aumentar o recurso e aumentar sua produtividade a longo prazo, de modo que a produção anual atual e o recurso como um todo poderia aumentar ao mesmo tempo. Do jeito que as coisas estão agora, não existe esse incentivo para desenvolver tecnologia de sustentação e aprimoramento de recursos.

A mesma situação, de forma ainda mais agravada, existe no caso da pesca oceânica. Os governos nunca permitiram direitos de propriedade privada em partes do oceano; eles apenas permitiram que particulares e empresas usassem os recursos pesqueiros, pescando e capturando os peixes, mas nunca possuíam os recursos pesqueiros – as próprias águas. É de se admirar que haja grave perigo de esgotamento dos recursos pesqueiros?

Vamos considerar a analogia da propriedade e do uso da terra. Nos tempos primitivos, o homem não transformou a própria terra; na economia primitiva de caça e coleta, ele usava apenas os frutos do solo ou terra natural: caçando animais selvagens, colhendo frutos ou sementes silvestres para se alimentar. Nessa fase de caça e coleta, e com a população baixa em relação aos recursos, a terra em si não era escassa e por isso não surgiu o conceito de propriedade privada da terra. Só depois que o homem começou a transformar a terra (agricultura) surgiu o conceito e a instituição da propriedade privada da terra. Mas agora o uso do peixe pelo homem começou a tornar este recurso escasso, e ele continuará a ser cada vez mais escasso enquanto a propriedade privada não puder existir nas partes do próprio oceano. Pois, uma vez que ninguém pode possuir qualquer parte do oceano, ninguém terá o incentivo para conservá-la; além disso, agora não há incentivo econômico para desenvolver o grande recurso inexplorado da aquicultura. Se os direitos de propriedade privada existissem no oceano, haveria um fantástico florescimento da aquicultura, um florescimento que não só usaria os enormes recursos inexplorados do oceano, mas também aumentaria enormemente os recursos através de técnicas como fertilização, “cercar” partes do oceano, etc. Assim, o suprimento de peixes poderia ser aumentado enormemente por técnicas simples de fertilização (assim como os fertilizantes levaram a um aumento incrível no suprimento de alimentos agrícolas). Mas nenhuma pessoa ou empresa vai fertilizar uma parte do oceano quando os frutos desse investimento podem ser capturados por algum pescador concorrente que não tem que respeitar os direitos de propriedade do primeiro homem. Mesmo agora, em nosso atual estágio primitivo da técnica de aqua-cultura, a cerca eletrônica de partes do oceano que segregavam os peixes por tamanho poderia aumentar muito o suprimento de peixes simplesmente impedindo os peixes grandes de comerem os menores. E se a propriedade privada no oceano fosse permitida, uma tecnologia avançada de aquicultura logo se desenvolveria, o que poderia aumentar a produtividade do mar de longo alcance, bem como imediata, de inúmeras maneiras que não podemos nem mesmo prever agora.

Assim, o problema dos recursos dos peixes e do mar não é colocar mais algemas na motivação do lucro, na tecnologia e no crescimento econômico; em vez disso, o caminho adequado é o inverso: liberar as energias do homem para usar, multiplicar e desenvolver os vastos recursos inexplorados do oceano por meio de uma extensão dos direitos de propriedade privada da terra ao mar.[5]

Isso nos leva à área onde os ambientalistas realmente têm seu argumento mais forte, mas um argumento que eles realmente não entendem, todo o campo da poluição: do ar, da água, dos alimentos (pesticidas) e do ruído. Claro, há um grave problema de contaminação de nossos recursos de ar e água. Mas a raiz do problema não está na ganância capitalista, na tecnologia moderna ou na propriedade privada e no mercado livre; pelo contrário, reside, mais uma vez, no fato de o governo ter falhado em aplicar ou proteger os direitos de propriedade privada. Os rios, em essência, não são propriedade de ninguém; e assim, é claro, a indústria, os fazendeiros e o governo despejaram venenos nesses rios. Água limpa e ar limpo tornaram-se recursos escassos e, no entanto, como no caso da pesca, ainda podem não ser propriedade de particulares. Se houvesse plenos direitos de propriedade privada sobre os rios, por exemplo, os proprietários não permitiriam sua poluição.[6] Quanto à questão aparentemente insolúvel do ar, é preciso reconhecer que fábricas, automóveis e incineradores que despejam venenos no ar estão danificando a propriedade privada de cada um de nós: não só os pomares dos fazendeiros e os prédios dos proprietários, mas os pulmões e os corpos de todos. Certamente, a propriedade privada de cada homem em seu próprio corpo é seu recurso mais precioso; e o fato de que os poluentes atmosféricos prejudicam a propriedade privada deveria ser o suficiente para obtermos liminares judiciais para evitar que essa poluição ocorra.

A questão a se fazer, então, é por que os tribunais não aplicaram a defesa do direito consuetudinário dos direitos de propriedade a uma poluição do ar que fere a propriedade material e as pessoas de cada um de nós. A razão é que, desde o início da moderna poluição do ar, os tribunais tomaram uma decisão consciente de não proteger, por exemplo, os pomares dos fazendeiros da fumaça das fábricas ou locomotivas próximas. Diziam, com efeito, aos fazendeiros: sim, sua propriedade privada está sendo invadida por essa fumaça, mas sustentamos que a “política pública” é mais importante do que a propriedade privada, e a política pública considera fábricas e locomotivas coisas boas. Esses bens foram autorizados a anular a defesa dos direitos de propriedade, resultando em desastre de poluição. O remédio é “radical” e claro como o cristal, e não tem nada a ver com programas paliativos multibilionários à custa dos contribuintes que nem mesmo atendem ao problema real. O remédio é simplesmente proibir qualquer pessoa de injetar poluentes no ar e, assim, invadir os direitos das pessoas e da propriedade. Ponto final. O argumento de que tal medida de proibição aumentaria o custo da produção industrial é tão repreensível quanto o argumento anterior à Guerra Civil de que a abolição da escravidão aumentaria os custos do cultivo de algodão e, portanto, não deveria ocorrer. Pois isso significa que os poluidores podem impor os altos custos da poluição àqueles cujos direitos de propriedade estão autorizados a invadir impunemente.

Além disso, o argumento do custo ignora o fato crucial de que, se a poluição do ar puder prosseguir impunemente, novamente não haverá incentivo econômico para desenvolver uma tecnologia que possa prevenir ou eliminar a poluição do ar. Se, no entanto, a indústria e o governo fossem proibidos de invadir com a poluição, eles logo desenvolveriam técnicas pelas quais a produção pudesse prosseguir sem poluir o ar. Mesmo agora, em nosso estágio necessariamente primitivo em tecnologia antipoluição, existem técnicas para a reciclagem de resíduos que impediriam a poluição do ar. Assim, o dióxido de enxofre, um dos principais poluentes, poderia mesmo agora ser capturado e reciclado para produzir o ácido sulfúrico que possui valor econômico.[7] O motor de automóvel de ignição por centelha altamente poluente poderia muito bem ser substituído por um diesel, turbina a gás ou motor a vapor, ou por um carro elétrico, especialmente quando o incentivo econômico existiria para desenvolver suas tecnologias para substituir o motor existente.

O barulho também é uma invasão da propriedade privada; pois o ruído é a criação de ondas sonoras que invadem e bombardeiam propriedades e corpos de outras pessoas. Aqui, também as medidas para proibir o ruído excessivo estimulariam o desenvolvimento e a instalação de dispositivos antirruído, como silenciadores, materiais acústicos e até mesmo equipamentos que criariam ondas sonoras opostas e, portanto, anulantes ao maquinário poluidor de ruído.

Assim, quando removemos a histeria, as confusões e a filosofia doentia dos ambientalistas, encontramos um importante argumento fundamental contra o sistema existente; mas o argumento acaba por não ser contra o capitalismo, a propriedade privada ou a tecnologia moderna. É um argumento contra a falha do governo em defender os direitos da propriedade privada contra invasões. A poluição e o uso excessivo de recursos derivam diretamente da falha do governo em defender a propriedade privada. Se os direitos de propriedade fossem defendidos de forma adequada, descobriríamos que aqui, como em outras áreas de nossa economia e sociedade, a empresa privada e a tecnologia moderna viriam não como uma maldição para a humanidade, mas como sua salvação.

________________________________

Notas

[1] O grande economista Joseph Schumpeter expôs o caso de maneira brilhante ao discutir os intelectuais modernos: “O capitalismo enfrenta seu julgamento perante juízes que têm a sentença de morte em seus bolsos. Eles vão passar, qualquer que seja a defesa que possam ouvir; o único sucesso que a defesa vitoriosa pode produzir é uma mudança na acusação.” Joseph A. Schumpeter, Capitalism, Socialism, and Democracy (Nova York: Harper and Bros., 1942), p. 144

Uma nota divertida é que o mesmo homem, George Terborgh, economista do Machinery and Allied Products Institute, produziu as principais refutações de ambas as falácias, escrevendo The Bogey of Economic Maturity em 1945, seguido por The Automation Hysteria vinte anos depois.

[2] Sobre a destruição dos bairros, ver Jane Jacobs, The Death and Life of Great American Cities (Nova York: Vintage Books, 1963). Veja também sua recente discussão cintilante sobre a importância primária das cidades de livre mercado, The Economy of Cities (New York: Random House, 1969), e a crítica de Richard Sennett, “The Anarchism of Jane Jacobs,” New York Review of Books (1 ° de janeiro de 1970).

[3] Sobre o mito conservacionista amplamente aceito de que o desmatamento levou a maiores inundações, consulte Gordon B. Dodds, “The Stream-Flow Controversy: A Conservation Turning Point,” Journal of American History (junho, 1969): 59-69.

[4] Sobre tudo isso, consulte Anthony Scott, Natural Resources: The Economics of Conservation (Toronto: University of Toronto Press, 1955).

[5] Veja o criativo panfleto de Gordon Tullock, “The Fisheries — Some Radical Proposals” (Columbia: Departamento de Pesquisa Econômica e de Negócios da Universidade da Carolina do Sul, 1962).

[6] Sobre os possíveis direitos de propriedade privada nos rios, consulte, entre outros trabalhos, Jack Hirshleifer, James C. DeNaven e Jerome W. Milliman, Water Supply: Economics, Technology, and Policy (Chicago: University of Chicago Press, 1960), cap. 9

[7] Ver Jacobs, The Economy of Cities, pp. 109ss; e Jerome Tuccille, “Esta Terra Profanada: Uma Análise Libertária do Problema da Poluição do Ar” (manuscrito não publicado).