Epílogo — Os valores da tecnologia

0
Tempo estimado de leitura: 2 minutos

Há uma ala da opinião, aqui e no exterior, que se opõe positivamente à tecnologia moderna e tudo o que ela representa, acreditando que o método e a tecnologia brutaliza o homem, o escraviza e “despersonaliza”, arruína sua cultura etc.[1]

Felizmente, esse ponto de vista é esmagadoramente rejeitado pela maior parte de nossa nação e, portanto, não há necessidade de entrar em uma refutação extensa aqui. Mas pode ser apropriado citar as visões deste assunto de dois filósofos sociais com visões muito diferentes sobre outro assunto:

Assim, o professor Ernest Nagel, do Departamento de Filosofia da Universidade de Columbia:

[…] não é de forma alguma evidente que uma vida de profunda satisfação e dedicação aos valores de uma civilização liberal seja desfrutada por uma fração menor da sociedade americana do que a de outros tipos de cultura, sejam presentes ou passadas. Os críticos da cultura de massa americana tendem a esquecer que apenas grupos de elite comparativamente pequenos nas grandes civilizações do passado tiveram o privilégio de compartilhar as grandes realizações dessas culturas. […] Em nossa própria sociedade, por outro lado, a ciência e a tecnologia modernas colocaram à disposição de um número sem precedentes os principais recursos das grandes literaturas e artes do passado e do presente, nunca antes acessíveis em tamanha variedade até mesmo às sociedades. […] A evidência me parece esmagadora de que o crescimento da inteligência científica ajudou a trazer não apenas melhorias nas circunstâncias materiais da vida.[2]

E aqui o padre Bernard W. Dempsey, do Instituto de Ordem Social:

Há quem veja na mecanização da indústria moderna uma força antipessoal inevitável e devastadora. […] Em primeiro lugar, o homem foi condenado a ganhar o seu pão com o suor do rosto; e ainda assim as eras passadas tiveram mais suor e menos pão do que os trabalhadores industriais americanos típicos experimentam. […] Finalmente, a disciplina industrial também pode ser desafiadora, interessante e inspiradora, especialmente quando um mecânico hábil é fornecido com boas ferramentas e materiais para trabalhar. Não devemos esquecer que o fazendeiro segue o ritmo do tempo, da estação e do animal com uma tirania que é pelo menos tão exigente quanto a disciplina industrial. […] Na época dos servos na Europa Ocidental, o cavalo era o símbolo da nobreza e da cavalaria. Muitos trabalhadores americanos no decorrer de um dia controlam mais cavalos de potência do que havia em todo o território de Agincourt.[3]

 

______________________________

Notas

[1] Assim, ver Ralph Ross e Ernest Van den Haag, The Fabric of Society, and Introduction to the Social Sciences (Nova York: Harcourt, Brace e Cox, 1957).

[2] Ernest Nagel, “The Place of Science in a Liberal Education”, Daedalus (Winter, 1959): 66-67.

[3] Bernard W. Dempsey, SJ, “The Worker As Person”, Review of Social Economy (março de 1954): 19-20.