A Cultura do Cancelamento e o avanço do socialismo na China

1
Tempo estimado de leitura: 26 minutos

A nova cultura de cancelamento da China tem algumas semelhanças distintas com sua contraparte ocidental: é autoritária e cada vez mais intolerante com tudo que é considerado politicamente incorreto – mesmo que essa “incorreção” esteja no passado. O que é politicamente incorreto na China é obviamente diferente: ainda existem apenas dois gêneros na China, por exemplo; não há campanha organizada para mudar ou abolir os valores culturais tradicionais, e ninguém está sendo banido da sociedade devido a escolhas pessoais de saúde. Além disso, o regime de cancelamento chinês parece ser muito mais focado em grandes contas do que o aplicado pelo Facebook e Twitter. Aqueles que são cancelados tendem a ser proeminentes. Mas quando acontece um banimento (遭封杀了), como aconteceu com tantos nos Estados Unidos e na Europa, ele tende a ser completo. Mídias sociais, plataformas comerciais e status social – tudo pode desaparecer da noite para o dia, não apenas com sua presença pública, mas até com suas publicações e vídeos anteriores. Tudo cai no esquecimento.

Não são apenas esses indivíduos que perdem. Toda a sociedade é empobrecida por sua perda.

No entanto, este não é o único tipo de cancelamento que está ocorrendo. Há também outros tipos mais sutis, cancelamentos que envolvem a sociedade e a cultura como um todo. O mundo como um todo passou de uma cultura de debate aberto para uma onde apenas certas opiniões são toleradas e todas as outras são castigadas, e nisso a China não é diferente. Assim como as viagens foram canceladas e restringidas, as opiniões também.

Ao mesmo tempo, pouco a pouco, a China está sendo transformada de um país com um governo descentralizado e minimalista, alimentando uma cultura de empreendedorismo, competição e inovação impulsionada pelo setor privado, em um país com um grande governo cada vez mais centralizado, propagando a ideia de que melhor governança é a cura para todos os males.

Este é o foco real deste artigo, embora com uma perspectiva um pouco mais ampla. Parte dessa perspectiva mais ampla é o importante lembrete de que ainda nem tudo está perdido, e o bom combate ainda está sendo travado.

Atualmente, o grande governo chinês tem um histórico de pouco mais de uma década. Notoriamente ineficiente e muitas vezes tecnicamente incompetente,[1] ele é tudo menos onipotente, e as lembranças do fracasso do socialismo da era Mao ainda estão intactas. Ainda não há bem-estar social efetivamente, o estado regulador ainda é muito mais leve do que a camisa de força sufocante que passa por normal em grande parte do Ocidente e, apesar de algumas nuvens escuras no horizonte, o respeito pelos direitos de propriedade e liberdade financeira pessoal permanece (majoritariamente) intacto.[2] Além disso, a sociedade civil (民间力量) continua forte e, quando um grande governo fracassa flagrantemente, o setor privado continua a lembrar as pessoas dos resultados superiores que pode oferecer.

Essa realidade não muda, no entanto, o fato de que houve uma série de despedidas que merecem ser lembradas.

Adeus aos principais líderes de opinião

Antes de passarmos para as questões sociais mais amplas, apenas para fornecer uma ideia aproximada, aqui estão alguns exemplos dos tipos de indivíduos que acabaram sendo cancelados.

Gao Xiaosong

Eles incluem intelectuais públicos como Gao Xiaosong (高晓松) ou Yuan Tengfei (袁腾飞), celebridades da indústria do entretenimento, como a atriz Zhao Wei (赵薇), mas também muitos empresários chineses proeminentes com presença nas mídias sociais, como Wei Ya (薇娅).

Para ser claro, isso não significa que essas pessoas “desapareceram”, como os adeptos da narrativa da “distopia da China” podem imaginar. Assim como no Ocidente, é uma prisão virtual, não física. Na prática, isso significa que as vítimas são impedidas de desempenhar um papel como figura pública, seja nas mídias sociais, na tela ou na Internet doméstica.

Yuan Tengfei

Yuan Tengfei tornou-se famoso por suas palestras divertidas e perspicazes sobre a história chinesa, algumas das quais eram altamente críticas a Mao Zedong e elogiosas ao rival de Mao, Jiang Jieshi (Chiang Kaishek). Quando ele chegou à fama há mais de 13 anos, o governo ainda era altamente tolerante com esses pontos de vista, permitindo uma discussão franca da maioria dos eventos históricos nos últimos 100 anos. Yuan chamou Mao de um dos “três grandes déspotas” do século XX. Desde então, no entanto, os limites mudaram completamente.[3] Yuan Tengfei foi cancelado em 25 de novembro de 2019.

Gao Xiaosong, um dos intelectuais públicos mais conhecidos da China, com 44,6 milhões de seguidores no Weibo, provavelmente também foi banido devido às suas discussões francas e equilibradas sobre tópicos históricos. O Weibo é a principal plataforma de blogs da China e há muito tempo é o alvo preferido dos censores. Para dar uma ideia da amplitude e profundidade dos seguidores de Gao, seus talk shows perspicazes e eruditos sobre história e cultura regularmente desfrutavam de mais de 6 milhões de visualizações assim que se tornavam disponíveis online, com um de seus episódios “Morning Call” na plataforma Youku excedendo mais de 40 milhões de visualizações. Ele também é compositor, romancista, diretor e produtor de cinema, com hits e filmes no top 10. Em abril de 2014, a iQiyi superou a oferta de Youku, concordando em pagar a Gao o equivalente a US$16 milhões para produzir uma série de talk shows para sua plataforma. Em julho de 2015, Gao Xiaosong foi nomeado presidente do grupo AliMusic do Alibaba, que adquiriu a Youku em novembro do mesmo ano. Isso trouxe Gao de volta a Youku, onde continuou a produzir talk shows regulares. Em sua função na AliMusic, ele tinha um relacionamento muito próximo com Jack Ma e também foi nomeado chefe do Comitê de Estratégia de Entretenimento do Alibaba. Ele foi cancelado em setembro de 2021 e todo o seu conteúdo foi tirado do ar e ficou off-line.[4]

A atriz e celebridade top 10 Zhao Wei também foi demitida na mesma época, por razões desconhecidas.

Adeus à competição regional?

O professor Steven Cheung (张五常), uma lenda entre os economistas chineses, certa vez observou que um dos ativos mais valiosos da China em sua luta para construir uma economia competitiva de classe mundial era sua extensa competição regional – o que ele chamou de 县域竞争, literalmente competição de condado contra condado. Províncias, condado, cidades, zonas econômicas especiais e até vilas foram autorizadas e incentivadas a oferecer um conjunto único de incentivos e condições para residentes e empresas. Grande parte da formulação de políticas foi descentralizada, com uma série de entidades governamentais competindo para oferecer o pacote de condições mais atraente possível para residentes e empresas. Tanto as pessoas quanto as empresas foram para onde as condições eram melhores. A competição funciona, e essa competição em combinação com o governo minimalista acabou levando a um nível de prosperidade sem precedentes na história chinesa.

Com exceção de um evento único em 2013,[5] provavelmente uma das principais razões para o sucesso desta competição regional foi um nível relativamente alto de estabilidade política de longo prazo na maioria das províncias. Essa continuidade de fato de políticas em nível provincial é, na verdade, um dos aspectos mais singulares do sistema político da China. Até certo ponto, pode-se dizer que a eficácia dessa abordagem de longo prazo reflete a lógica que Hans-Hermann Hoppe elucidou em seu clássico de 2001 Democracia – o deus que falhou. De vez em quando, o departamento de RH do governo central envia pessoas de fora, mas a maioria dos funcionários continua sendo local e, na maioria das vezes, os funcionários que chegam parecem relutantes em balançar o barco exigindo muitas mudanças.

Assim, por exemplo, Xangai é conhecida há muito tempo por ser um bastião do pensamento de direita, com uma forte preferência por uma abordagem de vigia noturno para os negócios e uma reputação de eficiência. Essa era a reputação de Xangai em 1990 e ainda é a reputação de Xangai hoje.[6] Xi’an (província de Shaanxi), por outro lado, tem a reputação oposta.

A esse respeito, há de fato alguns paralelos reais entre o sucesso econômico da China e o sucesso relativo de alguns estados americanos. Assim como na China, os estados dos EUA também oferecem pacotes diferentes para residentes e empresas, com o resultado de que alguns estados prosperaram enquanto outros literalmente afundaram suas economias. O valor dessa competição política ficou especialmente aparente nos últimos dois anos, com políticas radicalmente diferentes levando a resultados radicalmente diferentes. Algumas políticas funcionaram, enquanto outras fracassaram espetacularmente.

“Que vença o melhor homem”, por assim dizer.

Em 2020, em grande parte, isso não foi permitido na China.

O controle do Covid-19 foi declarado mais importante do que todas as outras considerações, sem que fosse permitida uma consideração pública de custos. Pelo menos em termos da própria política, um tamanho e um formato de sapato únicos foram declarados para atender a todas as províncias. Embora este sapato fosse bem diferente dos sapatos forçados nos países ocidentais – por exemplo, porque as pessoas que testam positivo, mas não apresentam sintomas, não são consideradas casos – isso não o torna menos constritivo.

“Em grande parte” significa, no entanto, com exceções, e a exceção neste caso foi que a interpretação e implementação dessas políticas foi deixada para as províncias individuais. Essa flexibilidade restante levou a resultados um pouco diferentes. Embora essas diferenças não fossem tão grandes quanto, digamos, aquelas entre os estados republicanos e democratas nos Estados Unidos, elas eram significativas.

Em muitas províncias, por exemplo, se você mora em uma zona onde há uma pessoa assintomática com resultado positivo, corre o risco de entrar na lista de pessoas “potencialmente infectadas”. Isso pode afetar sua capacidade de viajar para outras cidades. Em Xangai, por outro lado, a equipe de controle do Covid-19 não faz isso.

Em termos per capita, Xangai também possui uma das maiores equipes de rastreamento de contatos em toda a China (mais de 3.000), e talvez graças a isso, Xangai nunca teve um surto de caso Covid-19 em que a fonte do surto não pudesse ser identificada . A equipe de rastreamento de contatos de Xi’an por comparação alegadamente tinha apenas cerca de 300 pessoas para uma cidade com metade da população de Xangai e, no caso do recente surto, não conseguiu identificar a fonte. Essa falha levou a um lockdown em toda a cidade sob o qual os trabalhadores considerados não essenciais foram proibidos de deixar suas subdivisões habitacionais.

Esses eventos deixaram os chineses sentindo que algo estava errado e, no entanto, como Man coloca, a fé no estado raramente parecia vacilar por muito tempo. Ao contrário, a epidemia reforçou sua “identidade religiosa” em todos os sentidos. O governo apontou para o caos em curso no Ocidente, deu um tapinha nas costas por sua estratégia supostamente bem-sucedida de “zero Covid” e aqueles que não foram diretamente afetados pelo caos resultante aprovaram em grande parte.

Como apontamos em nosso artigo anterior de informações sobre o regime Covid-19 da China, é verdade que, após abril de 2020, a China evitou bastante o tipo de medidas abrangentes que interromperam a vida em grande parte do Ocidente. No entanto, conforme discutido naquele artigo, milhões de pessoas e empresas foram impactadas por essas políticas compulsórias centralmente e, para elas, as consequências não foram menos devastadoras. Quando uma política é obrigatória para todos, não é inevitável que decisões absurdas sejam tomadas e muitas pessoas sejam prejudicadas?

Além disso, nenhuma quantidade de sacrifícios pode compensar uma política fracassada, e isso infelizmente é um resultado comum da tomada de decisão centralizada. Não tem como negar que o lockdown imposto a 13 milhões de pessoas em Xi’an no mês passado seja uma ampla prova disso.

Adeus ao pequeno governo?

Quando Xi Jinping chegou ao poder em novembro de 2012, a lacuna de infraestrutura entre as principais metrópoles da China e o resto do país ainda era enorme. Muitas autoestradas foram construídas, mas as saídas rurais muitas vezes levavam a estradas de terra. Onde as estradas eram pavimentadas, enormes buracos eram a regra, não a exceção. Mesmo dirigir por cidades de segundo nível, como Tianjin, às vezes parecia fazer um rally. E embora o padrão de vida dos chineses nas áreas rurais e nas pequenas cidades também tenha melhorado dramaticamente desde o fim do socialismo em 1980, os padrões de moradia, assistência médica e escolaridade ainda estavam muito atrás dos das cidades chinesas.

Xi Jinping prometeu mudar tudo isso, realinhando as prioridades de investimento do governo e aumentando a eficiência do governo. Na prática, isso se traduziu em:

  •     uma construção massiva e melhoria da infraestrutura rodoviária em toda a China, incluindo áreas remotas
  •     uma construção massiva de aeroportos, infraestrutura de trens de alta velocidade e sistemas de metrô
  •     restrições ao uso de fundos do governo para construir novos escritórios administrativos sofisticados
  •     duras repressões à corrupção do governo, aumentando assim a eficácia dos fundos investidos
  •     planos direcionados de alívio da pobreza, alguns dos quais envolviam coagir as pessoas a abandonar assentamentos remotos
  •     planos de desenvolvimento direcionados para áreas remotas como Xinjiang e Tibete
Auto-estrada em Ganzi, província de Sichuan Ocidental (uma área tibetana)

Alguns fundos foram sem dúvida desperdiçados em projetos de prestígio, como o novo aeroporto de Pequim em Daxing. No entanto, não se pode negar que esses esforços produziram alguns resultados positivos muito visíveis. Apenas para citar o mais óbvio: a China tem agora mais de 160.000 quilômetros de rodovias mais 40.000 quilômetros de linhas ferroviárias de alta velocidade; o tamanho total dessas duas redes supera o do resto do mundo combinado. E na maioria das vezes, hoje em dia as estradas são realmente excelentes em quase todos os lugares, mesmo em áreas muito remotas. Tanto que às vezes é difícil evitar a impressão de que o governo da China agora vê seu papel principal como construtor de estradas.

Seja como for, esses investimentos em infraestrutura trouxeram benefícios reais de longo prazo, tanto concretamente em termos de um aumento exponencial dos valores das propriedades perto de todas as novas estações de trem e metrô, quanto intangíveis em termos de redução dos tempos de viagem e aumento da eficiência geral na economia.

Ao mesmo tempo, o cinismo anteriormente difundido em relação ao governo local diminuiu visivelmente, especialmente nas áreas rurais. O governo central há muito desfruta de um grau de popularidade muito maior do que o governo local, e isso foi mantido, com o governo central da China (de acordo com o Edelman Trust Barometer) continuando a desfrutar do mais alto nível de popularidade de qualquer governo do mundo ao longo da década anterior.[7]

No entanto, a que preço? Como veremos, essa explosão de gastos do governo não veio de graça. Pelo contrário, tem alguns efeitos colaterais bastante insidiosos.

Em 25 de fevereiro de 2021, o presidente chinês Xi Jinping anunciou que a pobreza havia sido superada. Com esse objetivo alcançado – pelo menos em teoria – o foco mudou para um objetivo um pouco mais obscuro: “prosperidade comum”. Esta é a tradução oficial para “共同富裕” em chinês, uma meta anunciada em agosto de 2021 e muitas vezes interpretada como um apelo à redistribuição de riqueza. Este tema obteve alguma ressonância no público em geral. Uma das principais razões para esta ressonância encontra-se nos efeitos colaterais da impressão de dinheiro mencionados acima.

Conforme discutido em nosso artigo anterior de informações sobre Sociedade e Qualidade de Vida, é verdade que – na maior parte – o otimismo sobre o futuro continua a caracterizar a sociedade chinesa. No entanto, há uma sombra sobre esse otimismo geral, uma sombra que se expressa em um conflito de gerações cada vez mais aparente.

Enquanto as gerações mais velhas guardam a memória da pobreza e do fracasso abjeto do socialismo, os jovens carecem de toda essa experiência. Para essas gerações posteriores que nunca souberam o que é passar necessidade, a ideia de “compartilhar a riqueza” possui um apelo que nunca poderá possuir para as gerações anteriores.

Além disso, há outra diferença crucial entre as gerações: na maior parte, a geração “pré-1990” viu sua riqueza pessoal explodir ao longo de suas vidas, enquanto muitos membros da geração pós-1990 (“90后”) não vivenciou nada do tipo. Em vez disso, muitos deles agora estão pagando o preço por 14 anos de impressão raivosa de dinheiro.

Entre 1995 e 2007, o gasto total do governo chinês cresceu lentamente de 11% para 18% do PIB. As contas estavam equilibradas e praticamente não havia déficit.[8] A maior parte da habitação urbana da China foi privatizada em meados deste período, entre 1998 e 2003. Essa privatização foi feita de forma bastante democrática, com a maioria dos residentes mais antigos das cidades chinesas obtendo um ou mais apartamentos, criando assim uma base para fortunas futuras. Essas propriedades cresceram de forma constante em valor; mas, inicialmente, ainda estavam em níveis atingíveis pelos recém-chegados que subiam na escala econômica.

Depois de 2008, no entanto, algo mudou. Os keynesianos assumiram a política monetária em Pequim, assim como na maior parte do mundo industrializado, e começaram a expandir a oferta monetária em 11% ao ano, em média. Os gastos do governo como porcentagem do PIB aumentaram a cada ano, e o governo começou a apresentar déficits. Entre 2008 e 2022, todo esse dinheiro recém-impresso teve que ir para algum lugar, e na China a maior parte foi para imóveis residenciais, principalmente nas principais áreas metropolitanas. Com dezenas de milhões de apartamentos no valor de US$1 milhão ou mais, as pessoas que em 2008 tinham propriedades nas 20 principais cidades se saíram espetacularmente bem, enquanto os recém-chegados e locatários viram suas esperanças de propriedade diminuir a cada ano que passava.[9]

No mínimo, deve-se reconhecer que isso leva a uma frustração legítima. É um problema sério causado por uma política monetária desonesta. No entanto, em vez de abordar a raiz do problema, como Ludwig von Mises previu em seu Uma crítica ao intervencionismo (1929), o governo chinês optou por ainda mais intervenções para resolver os problemas que eles mesmos criaram em primeiro lugar, principalmente envolvendo várias restrições à elegibilidade de compra e restrições aos empréstimos bancários.

Dada a recusa do governo em abordar a causa subjacente, não é de surpreender que nenhum deles tenha tido impacto a longo prazo.

Enquanto este problema não for resolvido, as sementes do descontentamento plantadas continuarão a dar frutos venenosos. Como veremos, esses frutos já são bem visíveis.

Adeus ao capital estrangeiro? Até certo ponto sim, mas só até certo ponto.

A partir da era Obama, os EUA começaram a emitir políticas incentivando as empresas americanas a se desvincularem da China, por exemplo, oferecendo subsídios a empresas dispostas a transferir a produção para fora da China. Essas políticas encontraram pouco entusiasmo. Novas políticas anti-China foram seguidas durante a era Trump. Tarifas de 10-25% sobre produtos chineses foram introduzidas para encorajar as empresas a deixar a China. Ao mesmo tempo, as empresas chinesas ativas nos EUA foram confrontadas com um aumento do assédio, tanto no que diz respeito aos seus produtos como às estruturas financeiras se cotadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE).

Em parte como resultado dessas ações do governo dos EUA contra empresas chinesas listadas nos EUA, a partir de junho de 2021, o governo chinês adotou uma política aberta de incentivar as empresas listadas nos EUA a mudar sua listagem primária dos EUA para Hong Kong. O gatilho para isso pode ter sido o caso Didi. No verão de 2021, Didi, o equivalente chinês do Uber, foi listado brevemente na NYSE sem primeiro obter uma luz verde da Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China (CSRC / 证监会).[10] Ele foi forçado a ser removido logo em seguida e, como punição adicional, as lojas de aplicativos chinesas foram forçadas a remover o aplicativo Didi. Seis meses depois, o aplicativo Didi ainda permanece excluído.

Isso parece ser parte de uma campanha maior para reduzir a influência do capital ocidental sobre as grandes corporações chinesas, uma política que não apenas afeta as listagens em bolsas de valores estrangeiras, mas também impede efetivamente quaisquer grandes investimentos diretos em empresas chinesas por fundos de investimento e private equity. O bloqueio do CSRC à oferta de US$3 bilhões da Blackstone em junho de 2021 para comprar o controle majoritário da Soho Real Estate foi uma demonstração proeminente desta política. Pouco tempo depois, o governo puniu a Soho por essa tentativa, multando-a em 790 milhões de yuans (aproximadamente US$125 milhões) por supostas infrações do código tributário.

Dito isto, deve-se notar que essas mudanças de política (ainda) não parecem ter tido um impacto significativo sobre o investimento direto estrangeiro (IDE) na China. Graças ao status único da China como o único país industrializado que funciona normalmente, eles se recuperaram fortemente em 2020, retornando China + HK ao topo das tabelas de classificação de IDE.

Adeus a alguns dos principais empreendedores da China

Por muito tempo, entrar na lista dos 10 mais ricos da Forbes era algo para se orgulhar. No entanto, desde 2008, passou de motivo de orgulho a um sério risco.[11] Quase todas as pessoas na lista eram CEOs de empresas, e os auditores fiscais do governo começaram a investigá-los um a um, procurando por delitos.

2020 viu a perseguição de vários atores e atrizes por delitos fiscais. Em 2021, isso foi seguido pela perseguição de vários dos empresários mais admirados da China.

Na realidade, a crescente disparidade de riqueza na sociedade não tem a ver com nada disso; no entanto, como Man aponta em seu artigo, infelizmente muitos no público aplaudiram essas ações.

Às vezes, isso parece uma caça às bruxas gerenciada centralmente contra as empresas chinesas de propriedade privada mais inovadoras da China, algumas das quais foram literalmente trágicas. Algumas vítimas, como Jack Ma, são bastante conhecidas fora da China, mas a maioria permanece relativamente desconhecida. Quando Jack Ma foi forçado a deixar o cargo de presidente da principal empresa privada da China, Alibaba, muitos de seus funcionários literalmente choraram. Ele significava muito para eles.

Ao mesmo tempo, o Alibaba foi multado no equivalente a US$2,8 bilhões por supostas práticas monopolistas.[12] Isso foi depois que o governo arruinou o IPO planejado da Ant Financial (蚂蚁金福, operadora da Alipay) em outubro de 2020. Provavelmente teria sido o maior IPO de todos os tempos, mas o governo usou uma longa lista de novos regulamentos para sabotar isto. Na época, Ma tinha algumas duras críticas ao estado da regulamentação financeira chinesa, que aparentemente não foram muito bem recebidas.[13]

Algumas dessas vítimas de caça às bruxas foram abordadas no artigo introdutória desta série, intitulado “Entendendo a China por uma perspectiva da Escola Austríaca de Economia”. Como mencionado anteriormente, também cobrimos a triste história de cancelamento de Wei Ya mencionada por Man em um artigo dedicado a ela.[14] Algumas outras vítimas de humilhação pública cínica que Man menciona são a empresa de delivery Meituan, que foi criticada por não efetuar os pagamentos da previdência social para seus trabalhadores temporários, bem como Yu Minhong, CEO da New Oriental, por tentar encontrar um trabalho alternativo para seus funcionários depois que o governo destruiu seu negócio de educação. É claro que também houve outros. É uma lista vergonhosa.

Em 2021, a Meituan também foi multada em US$580 milhões por supostas práticas monopolistas. Talvez não por coincidência, tanto o Alibaba quanto a Meituan estão listados na Bolsa de Valores de Nova York.

Adeus aos direitos de propriedade privada e ao Estado de Direito equitativo?

O respeito pelo estado de direito e o respeito pelos direitos de propriedade são as duas bases sobre as quais repousa a atual prosperidade da China.

Em uma sociedade baseada na lei, o respeito ao estado de direito significa que as regras do jogo são públicas, que o sistema de justiça julga de acordo com essas leis e que se pode confiar no poder executivo do governo para fazer cumprir as decisões do Poder Judiciário.[15]

O respeito pelos direitos de propriedade, por outro lado, é ainda mais crucial do que isso. É um pré-requisito insubstituível para a prosperidade a longo prazo da sociedade humana, e desde o lançamento do processo de reforma de Deng Xiaoping (改革开放) em 1980, a lealdade a esse princípio tem sido em grande parte inflexível. Ao contrário, por exemplo, de vários estados americanos que usam o “confisco civil” para confiscar propriedades sem o devido processo, na China de hoje, os direitos de propriedade só podem ser revogados com o devido processo estabelecendo uma dívida. A polícia pode, por exemplo, pedir a um banco que congele uma conta, mas não pode manter esse congelamento indefinidamente ou simplesmente confiscar os fundos.

No entanto, há um terceiro princípio relacionado. É a ideia de que as leis devem ser igualmente aplicáveis ​​a todos. Elas não podem ser aplicadas arbitrariamente. Este terceiro princípio não é apenas essencial para implementar de forma significativa os dois primeiros; é também um requisito fundamental para a sociedade civilizada. Uma das maiores conquistas da China nos últimos 20 anos tem sido um respeito cada vez mais difundido por esse princípio, tanto entre o povo quanto dentro do governo.

A aplicação arbitrária de leis e regulamentos com o objetivo de coagir o cumprimento dos desejos dos membros do governo é uma violação direta deste terceiro princípio. No entanto, por si só, a existência ocasional de abuso é algo que o sistema pode sobreviver. O que é crucial não é a existência de abusos, mas sim a atitude do poder executivo. A questão chave: este tipo de comportamento é considerado aceitável ou não? Se for considerado aceitável, ou seja, se o abuso (1) se tornar sistemático e (2) não for punido e denunciado,[16] acaba por minar também os dois primeiros princípios – o Estado de direito e o respeito pelos direitos de propriedade.

Em 2021 houve uma série de casos em que grandes empresas foram efetivamente punidas usando tais ferramentas. Chame de evasão fiscal, comportamento monopolista ou crimes ambientais, se as multas por esses supostos crimes são na realidade o resultado do desejo do governo de punir uma empresa ou forçá-la a seguir suas diretrizes, isso torna a ideia de estado de direito uma farsa.[17]

Além disso, se membros do governo podem punir e punem arbitrariamente empresas nominalmente privadas por não seguirem suas ordens, na realidade isso é um ataque aos direitos de propriedade de seus proprietários. Essas empresas deixam de ser verdadeiramente privadas. Essa degradação de status inevitavelmente corre o risco de minar o valor desses ovos de ganso, que antes eram de ouro.

Para ser claro, neste momento estamos falando aqui especificamente sobre grandes empresas. Essa perversão da lei parece ainda não ter chegado ao tratamento dos pequenos e médios. E os efeitos insidiosos de tal coerção externa ainda são muito menos devastadores do que a propriedade total do governo. No entanto, uma vez estabelecido o princípio, o perigo é que esse princípio bárbaro eventualmente permeie toda a sociedade.

Adeus ao domínio do setor privado sobre a economia?

A questão é: esse abuso se tornou sistemático? E em caso afirmativo, quão profundo será o dano? Embora ainda seja muito cedo para responder a essas perguntas, não se pode negar que o governo central não fez nenhum movimento para denunciar e punir os funcionários públicos responsáveis ​​por esses casos flagrantes, talvez porque em muitos casos eles de fato refletem decisões tomadas pelo alto escalão. Eventualmente, isso inevitavelmente levará as pessoas a suspeitar que isso pode de fato ser o “novo normal”.

No entanto, por mais insidiosa e destrutiva que a coerção externa arbitrária possa ser, não se deve esquecer que, em termos de eficiência, produtividade e emprego, os efeitos da propriedade total do governo são muito piores. Pelo menos para a China, os números são absolutamente inequívocos neste ponto. Apenas para citar algumas estatísticas, o setor privado chinês gera ~93% de todos os novos pedidos de patentes, ~85% dos novos investimentos em manufatura e, líquido, 100% de todos os novos empregos.[18]

Crédito: Matthews Ásia

Estas são contribuições que as empresas estatais não podem substituir. Conforme mostra a análise a seguir publicada pelo Banco Mundial em 2019, aproximadamente 75% da economia da China permanece fora do controle direto do governo,[19] e não há sinal de reversão de tendência.

POEs = empresas privadas, FIEs = empresas de investimento estrangeiro (外资), SOEs = empresas estatais (国营企业)

Apesar das tendências perturbadoras no topo da pirâmide econômica, em janeiro de 2022, as empresas privadas da China, em sua maioria, permanecem altamente competitivas e – como resultado – altamente inovadoras. Baixos níveis de regulamentação governamental significam que as grandes empresas não podem contar com o governo para protegê-las de concorrentes mais ágeis.

E mesmo onde o governo tenta interferir, como nas mídias sociais, ainda há um limite para o quanto ele pode sabotar usando várias formas de coerção externa. Realisticamente, sabemos por experiência que os planejadores centrais do governo não podem gerenciar altos níveis de complexidade. Quanto mais eles tentam planejar, mais desastrosos são os resultados. No entanto, claramente isso não os impede de tentar.

Embora muitas das maiores empresas da China em termos de capitalização de mercado continuem sendo estatais, a importância geral dessas empresas estatais para a economia como um todo não deve ser superestimada. “A China abriga 109 corporações listadas na Fortune Global 500 – mas apenas 15% delas são de propriedade privada”, observa, por exemplo, um artigo de maio de 2019.[20] Embora essas alegações possam ser tecnicamente precisas, as duas principais são de propriedade privada e mais importante, a capitalização de mercado não reflete a economia mais ampla. Em termos de vendas, exportações, emprego e investimento, a participação das gigantes estatais é pequena. A maioria dos setores, incluindo os principais, como processamento de pagamentos e o setor de TI/Internet, são totalmente controlados por empresas privadas.

Tanto os socialistas ocidentais quanto grande parte da “direita conservadora” muitas vezes parecem concordar que o sucesso da China é construído com base no planejamento central sublimemente inspirado mais (no caso de muitos especialistas de direita) “trabalho escravo”. No entanto, se o sucesso econômico realmente fosse tão simples, por que a União Soviética e a China maoísta fracassaram tão miseravelmente em superar o Ocidente? Estranhamente, essa pergunta bastante óbvia parece nunca ser feita.

Os números contam uma história diferente. Na realidade, o maior patrimônio da China é seu setor privado altamente competitivo, seu ganso de ouro que produziu uma série infindável de ovos de ouro e permitiu que ela se tornasse a nação líder mundial em negócios. Não seria tolice abandonar isso?

Qual é a alternativa?

Uma olhada no Ocidente, muito menos competitivo, oferece algumas dicas úteis sobre como seria uma alternativa.

No ocidente não existe nenhuma relação de adversários entre as grandes empresas e os grandes governos. Ao contrário. Em 2020, a maioria desses negócios foi declarada essencial, enquanto muitas empresas menores foram condenadas a fechar. No final, inúmeras pequenas e médias empresas fecharam suas portas para sempre, enquanto as vendas e os valores das ações das principais corporações dispararam.

Toda essa amizade no Ocidente pode ser simplesmente um acidente? Um capricho do destino? Isso parece improvável. Mas não, provavelmente há uma razão muito boa para que isso seja assim e, embora não seja um tópico sobre o qual a imprensa financeira ocidental escreva, os dados financeiros disponíveis publicamente fornecem algumas grandes pistas: nos EUA, as empresas da Fortune 500 representam aproximadamente dois terços do PIB dos EUA com US$13,7 trilhões em receitas e US$1,1 trilhão em lucros.[21] Destes, os fundos de investimento interligados da Blackrock e Vanguard[22] têm participação majoritária em pelo menos 80%, senão 90%.[23] Isso significa que pelo menos 50-60% da economia dos EUA é efetivamente controlada por Larry Fink da Blackrock, enquanto a parte não-Blackrock da economia é de apenas 40-50%. Os mais de 80% das empresas da Fortune 500 controladas pela Blackrock/Vanguard incluem empresas tão diversas quanto Facebook, Microsoft, Walmart, Amazon ou McKesson.

Ao considerar esses números, deve-se notar que algumas empresas da Fortune 500 possuem classes de ações especiais com direitos de voto aprimorados. Dois exemplos proeminentes disso são Meta (Facebook) e Alphabet (Google), ambas com classes de ações especiais com mais direitos de voto controlados pelos fundadores. Como exemplo, enquanto a Blackrock/Vanguard através de seus vários fundos e subfundos controla pelo menos 29% das ações ordinárias da Meta, Mark Zuckerberg com controle de apenas ~10% do total de ações ainda controla 57,7% do poder de voto.

Isso significa que Mark Zuckerberg pode ignorar as opiniões de Larry Fink em sua tomada de decisão? Provavelmente não. Afinal, além de sua influência sobre o governo, a Blackrock ainda tem a capacidade de afundar o preço das ações da Meta a qualquer momento.

Como ponto de comparação, a Blackrock controla pelo menos 28% das ações do Twitter, “concorrente” do Facebook. No final de 2019, o ex-CEO Jack Dorsey detinha 2,3%. Em seu relatório aos acionistas submetido à SEC, o Twitter não menciona nenhuma classe especial de ações.

A Blackrock/Vanguard também controla pelo menos 27,3% da Pfizer e 25,3% da Moderna, ambas grandes beneficiárias da imprensa em 2021. Embora não seja impossível, é muito difícil superar um acionista com 25% de participação, especialmente um com o tipo de influência que Blackrock tem.

Como o próprio Fink deixou claro em sua carta aos CEOs de 2017, a Blackrock não é um investidor passivo e, quando a Blackrock emite decretos políticos (como o decreto de vacina emitido em meados de 2021 ou decretos para sancionar produtos de Xinjiang), na maior parte seus CEOs não têm escolha a não ser seguir esses passos, independentemente do impacto em seus resultados.

Essas empresas da Blackrock são comparáveis ​​às empresas estatais da China (SOEs)? Talvez não em todos os sentidos, mas em muitos. Para os leitores ocidentais que desejam entender as principais diferenças entre a economia da China e a do Ocidente, esse ponto é absolutamente crucial. Ambos são, por definição, não competitivos e sujeitos a todos os males do planejamento central. Assim como as SOEs da China, a Blackrock tem de fato acesso direto à máquina de impressão de dinheiro do banco central e seus principais funcionários entram e saem regularmente das agências reguladoras do governo.[24] Tanto para a Blackrock quanto para as empresas estatais da China, as considerações políticas são o resultado final, não as econômicas. Em muitas indústrias americanas, literalmente todas as grandes empresas são controladas pela Blackrock, o que necessariamente limita o grau de concorrência real.

Embora existam muitas semelhanças, há uma enorme diferença entre as SOEs da China e as empresas Blackrock do Ocidente. As SOEs chinesas representam apenas ~25% da economia chinesa, um número que empalidece em comparação com a participação de 50-60%+ que a Blackrock desfruta nos EUA.[25] Nos Estados Unidos e em grande parte na Europa – embora menos bem documentado lá – a Blackrock tornou-se o estabelecimento de planejamento central. Em 2020-2021, a realidade desse planejamento central se revelou de inúmeras maneiras, mas talvez a mais óbvia tenha sido na exploração implacável da Blackrock das redes sociais outrora florescentes que ela controla. O domínio de mercado de longo prazo e o sucesso comercial do Facebook e do Twitter foram sacrificados no altar da agenda política da Blackrock. O controle e a manipulação da opinião pública são componentes-chave de qualquer estrutura de poder, e os eventos dos últimos dois anos provaram que a Blackrock (ou as pessoas que controlam Blackrock) têm a capacidade e a vontade de usar esse controle.

Este fato pode explicar o fenômeno que notamos no início deste artigo, ou seja, que a cultura de cancelamento da China parece ser muito mais focada naqueles que possuem muitos seguidores do que sua contraparte ocidental. À luz dos dados acima, não é muito difícil adivinhar por que. O principal insight é que a quantidade de influência que pode ser efetivamente exercida por meio de medidas regulatórias e punitivas é muito mais limitada do que o que pode ser realizado com controle direto. O fator limitante é a disposição e a capacidade dos funcionários do governo de realmente fazer algo.

Os planejadores centrais chineses, por outro lado, não têm essa influência direta sobre a maior parte da economia – até agora. É claro que pelo menos algumas pessoas poderosas do governo chinês gostariam de mudar isso. Mas eles terão sucesso? Só o tempo irá dizer.

 

 

Artigo original aqui

___________________________

Notas

[1] Uma boa ilustração disso é a incapacidade consistente da maioria das entidades governamentais chinesas de criar e executar sistemas de código de saúde que funcionem de maneira confiável. Esses aplicativos ou miniaplicativos devem mostrar se o usuário visitou ou não recentemente “zonas perigosas” com casos Covid ativos. Isso é feito gerando um código QR que teoricamente pode ser escaneado – embora na prática ninguém os escaneie. O problema é que esses códigos geralmente não são gerados. Na vida cotidiana, isso não é um grande problema, porque raramente são necessários. Onde há surtos ativos, no entanto, pode ser um grande problema. Logo após o início do lockdown de Xi’an em 23 de dezembro de 2021, o sistema de código de saúde do governo da cidade de Xi’an falhou e permaneceu inativo por algum tempo. Em teoria, ninguém poderia entrar em nenhum prédio (ou no metrô!) durante um dia inteiro. Após investigação, descobriu-se que o governo da cidade havia dado o contrato de desenvolvimento a um único fornecedor sem fazer uma licitação. A julgar pelos resultados, fica claro que outros fatores além da confiabilidade foram fundamentais para ganhar esse contrato.

[2] Ainda é possível entrar em um banco chinês com o equivalente a US$500.000 em dinheiro e depositar em contas sem que façam perguntas. No entanto, se você depositar grandes quantias três dias seguidos na mesma agência bancária, na terceira vez o banco será obrigado a perguntar a origem dos fundos e denunciá-lo. Transferências bancárias superiores a 200.000 yuans agora também são relatadas ao banco central. As pequenas empresas ainda não pagam impostos sobre o lucro, portanto, não são obrigadas a declarar renda ao governo. Para pessoas físicas, também não há exigência geral de manter registros financeiros ou apresentar declarações anuais de imposto de renda. O conceito de uma despesa ser ‘dedutível’ não existe.

[3] O artigo da Wikipedia em inglês sobre Yuan Tengfei é bastante objetivo: https://en.wikipedia.org/wiki/Yuan_Tengfei. Outro excelente artigo em inglês apareceu em 2008 no danwei.org, ainda está disponível aqui: https://archive.fo/NwBh. Yuan Tengfei ainda produz regularmente conteúdo postado em seu canal do YouTube https://www.youtube.com/c/tengfeiofficial. Embora a censura do YouTube e do Twitter a postagens e vídeos em idiomas ocidentais seja tão sufocante quanto a censura exercida por seus camaradas chineses, a censura de conteúdo em chinês é rara. Isso torna esses nichos em raros bastiões de liberdade de expressão em um mundo que cada vez mais deixa de ser livre.

[4] O artigo da Wikipedia em inglês sobre Gao Xiaosong é bastante desonesto. Alega que ele “é um ativista pró-democracia na China continental”. Nada disso é verdade. Gao Xiaosong mora em Los Angeles e certamente nunca foi um “ativista pró-democracia”.

[5] Em 2013, o novo governo central de Xi Jinping impôs uma rotação em massa de funcionários de província para província, ostensivamente com o objetivo de combater a corrupção. Como resultado, em muitos lugares o sistema congelou mais ou menos por um ano inteiro, tempo em que muito pouco foi realizado. Talvez como resultado disso, esse incidente não se repetiu.

[6] Em comparação com outras províncias, não em sentido absoluto. De um modo geral, a burocracia eficiente não é uma tradição chinesa. As autoridades de Xangai, no entanto, costumam ser exportadas para outras províncias quando as coisas deterioram. Foi, por exemplo, o que aconteceu em janeiro de 2020, quando vários altos funcionários de Xangai foram enviados para assumir a administração da província de Hubei.

[7] https://www.forbes.com/sites/niallmccarthy/2018/01/22/the-countries-that-trust-their-government-most-and-least-infographic

[8] Em 2021, por outro lado, os gastos do governo foram de cerca de 37% do PIB, dos quais 7,5% foram gastos deficitários.

[9] A partir de 2020, o valor total dos imóveis residenciais da China foi estimado conservadoramente em 400 trilhões de yuans, ou aproximadamente US$61 trilhões, representando mais da metade da riqueza total detida por famílias particulares. Devido aos impostos sobre transações imobiliárias, esses números provavelmente subestimam os valores reais em aproximadamente 20%. Embora a riqueza total estimada das famílias nos EUA permaneça um pouco maior do que o número equivalente na China, de acordo com pesquisa publicada pela Zillow, em 2020 o valor total dos imóveis residenciais nos Estados Unidos era de apenas US$33,6 trilhões.

[10] A gestão da Didi informou o CSRC, mas aparentemente nunca recebeu uma resposta.

[11] Naquele ano, o fundador da Guomei, Huang Guangyu (黄光裕), foi o número 1 na lista dos 10 mais ricos da Forbes. Em 2010, ele foi condenado a 14 anos de prisão mais US$120 milhões em multas por manipulação do preço das ações. Ele foi libertado da prisão em 2020.

[12] Esta foi uma multa enorme, mesmo para o Alibaba. A Barron’s publicou um artigo preciso sobre a questionável justiça dessas multas em 15 de dezembro de 2021. Veja: https://www.barrons.com/articles/chinas-anti-monopoly-crackdown-is-just-an-excuse-51639513574.

[13] “Os bancos de hoje continuam a agir como se fossem casas de penhores, mantendo garantias em troca de crédito. Esta foi uma ideia muito poderosa há 100 anos; sem essas inovações, a economia chinesa nunca poderia ter se desenvolvido até onde está hoje. […] No entanto, esse conceito de finanças baseado em penhores não pode atender à demanda por financiamento nos próximos 30 anos de desenvolvimento mundial. Devemos substituir a ideia da casa de penhores por um sistema de crédito baseado em big data com a ajuda das capacidades tecnológicas de hoje. Este sistema de crédito não pode ser baseado em TI ou em relacionamentos pessoais; em vez disso, deve ser baseado em big data. Só assim podemos tornar o crédito igual à riqueza.” (Jack Ma em Xangai, 24 de outubro de 2020).

[14] Os leitores que desejam saber mais sobre Wei Ya e sua ascensão à fama podem conferir este mini-documentário de 5 minutos com legendas em inglês no Youtube.

[15] Se olharmos para a falta de respeito pelas decisões judiciais em muitos países europeus durante 2021, é preciso dizer que muitos desses países já degeneraram a ponto de faltar até o respeito básico pelo Estado de direito.

[16] Como exemplo, em 1º de janeiro, uma mulher grávida em trabalho de parto foi impedida de entrar em um hospital de Xi’an devido à falta de um teste PCR recente. Como resultado, ela perdeu o bebê e acabou quase perdendo a vida também. Por mais terrível que seja essa história, ela é temperada pelo fato de que os responsáveis, neste caso o diretor do hospital e dois outros gerentes envolvidos, foram responsabilizados. Todos foram suspensos em 6 de janeiro. Os chefes do departamento de saúde local de Xi’an e dos serviços de emergência receberam “sérias advertências”. Veja https://youtu.be/Ao5mpDhXOKo.

[17] Tal comportamento por parte de funcionários do governo, é claro, não é novo nem exclusivo da China, como inúmeros médicos no Ocidente descobriram nos últimos dois anos quando tentaram prescrever ivermectina ou hidroxicloroquina a seus pacientes. A questão-chave é a mesma: até que ponto tal comportamento é tolerado pelo governo e pela sociedade em geral?

[18] Estatísticas de 2017. Fonte: 2019年中国民营经济报告, https://baijiahao.baidu.com/s?id=1647322086137116909

[19] https://documents1.worldbank.org/curated/en/449701565248091726/pdf/How-Much-Do-State-Owned-Enterprises-Contribute-to-China-s-GDP-and-Employment.pdf.

[20] https://www.weforum.org/agenda/2019/05/why-chinas-state-owned-companies-still-have-a-key-role-to-play.

[21] https://fortune.com/fortune500/2019

[22] Estes incluem Vanguard, Blackrock, State Street e muitos outros, muitos dos quais parecem, em grande medida, possuir um ao outro. O maior acionista da Blackrock é a Vanguard, e seu segundo maior acionista é ele mesmo. Esses fundos também gerenciam fundos mútuos com ações com votos. O CEO da Blackrock, Larry Fink, é o rosto mais público deste grupo, doravante referido como “Blackrock” para fins de simplicidade. Os verdadeiros acionistas beneficiários não são uma questão de domínio público.

[23] https://finance.yahoo.com

[24] Este artigo fornece vários exemplos: https://www.businessinsider.com/what-to-know-about-blackrock-larry-fink-biden-cabinet-facts-2020-12

[25] Blackrock, Vanguard e seus outros fundos associados também têm grandes participações nas principais empresas europeias, mas o grau de controle na Europa é muito menos documentado. Eles também têm algumas participações em empresas chinesas listadas no exterior, que o governo chinês parece considerar altamente suspeito. No entanto, em termos percentuais, suas participações chinesas são insignificantes.

 

1 COMENTÁRIO