A Falsificação Legalizada

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Os falsificadores são geralmente insultados e por boas razões. Uma razão pela qual o ouro e a prata fazem bons dinheiros é que eles são facilmente reconhecíveis e particularmente difíceis de simular por falsificações. “Recorte de moedas”, a prática de raspar as pontas das moedas, foi efetivamente interrompida quando o processo de “fresagem” (a colocação de elevações verticais nas bordas de moedas) foi desenvolvido. A falsificação privada, portanto, nunca foi um problema importante. Mas o que acontece quando o governo sanciona, e de fato legaliza, a falsificação, por si ou por outras instituições? A falsificação então se torna um grave problema econômico e social de fato. Pois então não há ninguém para proteger nossos guardiões contra a depredação da propriedade privada.

Historicamente, houve dois tipos principais de falsificações legalizadas. Um é o papel-moeda do governo. Por baixo dos panos do padrão ouro, digamos que a unidade monetária em uma sociedade  torna-se “um dólar”, definido como 1/20 de uma onça de ouro. No primeiro instante, as moedas são cunhadas com um peso certificado de ouro. Então, em um ponto, a primeira vez nas colônias da América do Norte em 1690, um governo central, talvez porque falte ouro, decide imprimir bilhetes de papel denominados em pesos de ouro. No início, o governo imprime o dinheiro como se fosse equivalente ao peso do ouro: um bilhete de “dez dólares”, ou nota de papel, é assim denominado porque implica equivalência a uma moeda de ouro de “dez dólares”, ou seja, uma moeda pesando 1/2 uma onça de ouro. No início, a equivalência é mantida porque o governo promete resgate deste bilhete com o mesmo peso de ouro sempre que o bilhete for apresentado ao Tesouro do governo. Uma nota de “dez dólares” tem a promessa de ser resgatável em 1/2 onça de ouro. E, no início, se o governo tem pouco ou nenhum ouro, como foi o caso em Massachusetts em 1690, a explícita ou implícita promessa é que muito em breve, em um ou dois anos, os bilhetes serão resgatáveis naquele peso de ouro. E se o governo ainda tem a confiança do povo, ele pode ser capaz, em primeiro momento, de passar essas notas como equivalentes a ouro.

Desde que as notas de papel sejam tratadas no mercado como equivalentes a ouro, os bilhetes recém-emitidos somam-se à oferta total de dinheiro, e servem para redistribuir a renda da sociedade e riqueza. Assim, suponha que o governo precise de dinheiro rapidamente por qualquer motivo. Ele só tem um estoque de $2 milhões disponíveis em ouro; prontamente emite $5 milhões em papel, e gasta para qualquer despesa que considerar necessária: digamos, em doações e empréstimos a parentes do governo e funcionários. Suponha, por exemplo, que o ouro em circulação no país é de US$10 milhões, dos quais US$2 milhões estão nas mãos do governo; então, a questão dos outros $5 milhões em bilhetes de papel aumentam a quantidade total de estoque de dinheiro no país em 50 por cento. Mas os novos fundos não são distribuídos proporcionalmente; pelo contrário, os novos $5 milhões vão primeiro para o governo. Em seguida, para o lado dos parentes de funcionários, depois, para quem vende bens e serviços para esses parentes e assim por diante.

Se o governo cair na tentação de imprimir muito dinheiro novo, não só os preços vão subir, mas a “qualidade” do dinheiro se tornará suspeita naquela sociedade e a falta de resgatabilidade em ouro pode levar o mercado a uma desvalorização acelerada desse dinheiro em termos de ouro. E se o dinheiro não for totalmente resgatável em ouro, a taxa de desvalorização vai acelerar ainda mais. Na Revolução Americana, o Congresso Continental emitiu uma grande quantidade de dólares não resgatáveis de papel, que logo desvalorizou radicalmente, e em poucos anos, caiu com uma desvalorização tão grande que eles se tornaram literalmente sem valor e desapareceram de circulação. A frase comum “Não vale um Continental” tornou-se parte do folclore americano como resultado desta depreciação e inutilidade acelerada de dólares continentais.