A Gênese do Dinheiro

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

É impossível entender o dinheiro e como ele funciona, e, portanto, como o Banco Central funciona, sem antes olhar para a lógica de como o dinheiro, os bancos e os bancos centrais se desenvolveram. A razão é que o dinheiro é o único bem que possui um componente histórico vital. Você pode explicar as necessidades e as demandas por tudo o mais: por pão, computadores, shows, aviões, cuidados médicos, etc., apenas pela forma como esses bens e serviços são valorados pelos consumidores. Todos esses bens são valorados e comprados pelo que eles são. Mas “dinheiro”, dólares, francos, liras, etc., são comprados e aceitos em troca não por qualquer valor que os bilhetes de papel tenham per se, mas porque todos esperam que todos aceitem essas notas em uma troca. E essas expectativas são generalizadas porque esses bilhetes foram realmente aceitos no passado, tanto imediato quanto mais remoto. Uma análise da história do dinheiro, então, é indispensável para entender como o sistema monetário funciona hoje.

O dinheiro não começou e nunca poderia começar por algum contrato social arbitrário, ou por algum decreto de agência governamental em que todos têm de aceitar os “bilhetes” que ele emite. Nem mesmo coerção poderia forçar as pessoas e instituições a aceitarem bilhetes sem sentido dos quais eles não ouviram falar ou que não tenham relação com qualquer outro dinheiro pré-existente. O dinheiro surge do livre mercado, com indivíduos no mercado tentando facilitar o vital processo de troca. O mercado é uma rede, uma treliça de pessoas ou instituições trocando duas mercadorias diferentes. Indivíduos se especializam em produzir diferentes bens ou serviços e, em seguida, trocam esses bens nos termos com os quais eles concordam. Jones produz um barril de peixe e troca-o pelo alqueire de trigo de Smith. Ambas as partes fazem a troca porque esperam se beneficiar; e então o livre mercado consiste em uma rede de trocas que são mutuamente benéficas em cada etapa do caminho.

Mas este sistema de “troca direta” de bens úteis, ou “troca”, tem limitações severas com as quais os que trocam logo se deparam e se põem contra. Suponha que Smith não goste de peixes, mas Jones, um pescador, gostaria de comprar seu trigo. Jones então tenta encontrar um produto, digamos, manteiga, não para seu próprio uso, mas com o intuito de revender para Smith. Jones está aqui envolvido em “troca indireta”, onde ele compra manteiga, não para seu próprio bem, mas para uso como um “meio” de troca. Dentre outros casos, as mercadorias são “indivisíveis” e não podem ser partidas em pequenas partes para serem usadas na troca direta. Suponha, por exemplo, que Robbins gostaria de vender um trator, e em seguida, comprar uma miríade de mercadorias diferentes: cavalos, trigo, corda, barris, etc. Claramente, ele não pode partir o trator em sete ou oito partes e trocar cada parte por algo que ele deseja. O que ele terá de fazer é se envolver em ações de “troca indireta”, ou seja, vender o trator por uma mercadoria mais divisível; digamos, 100 libras de manteiga. E, em seguida, cortar a manteiga em partes divisíveis e trocar cada parte pelo bem que ele deseja. Robbins, novamente, estaria usando manteiga como meio de troca.

Uma vez que qualquer mercadoria em particular começa a ser usada como um meio de troca, este mesmo processo tem uma espiral, ou um efeito bola de neve. Se, por exemplo, várias pessoas em uma sociedade começam a usar manteiga como meio, as pessoas vão perceber que, certa manteiga de uma região em particular está se tornando especialmente comercializável ou aceitável em trocas, eles vão exigir mais manteiga em troca para uso como um meio. E assim, como seu uso como um meio se torna mais amplamente conhecido, este uso se sustenta sobre si mesmo, até que rapidamente a mercadoria se torne empregada na sociedade como meio de troca. Uma mercadoria que é de uso geral como meio é definida como dinheiro.

Assim que um bem entra em uso como dinheiro, o mercado se expande rapidamente e a economia torna-se notavelmente mais produtiva e próspera. A razão é que o sistema de preços se torna enormemente simplificado. Um “preço” é simplesmente os termos de troca, a proporção das quantidades dos dois bens sendo comercializados. Em cada troca, X quantidade de uma mercadoria é trocada por Y quantidade de outra. Leve em conta o comércio Smith-Jones mencionado acima. Suponha que Jones troque 2 barris de peixe por 1 alqueire de trigo de Smith. Nesse caso, o “preço” do trigo em termos de peixe é 2 barris de peixe por alqueire. Por outro lado, o “preço” do peixe em termos de trigo é meio alqueire por barril. Em um sistema de troca, saber o preço relativo de qualquer coisa rapidamente tornar-se-ia extremamente complicado. Assim, o preço de um chapéu pode ser 10 balas ou 6 pães, ou 1/10 de um aparelho de TV, e assim por diante. Mas, uma vez que um dinheiro é estabelecido no mercado então cada troca única inclui o dinheiro-mercadoria como uma de suas duas mercadorias. Jones venderá peixe pelo dinheiro, e então “venderá” o dinheiro em troca de trigo, sapatos, tratores, entretenimento ou o que for. E Smith vai vender seu trigo da mesma maneira. Como resultado, cada preço será calculado simplesmente em termos de seu “preço monetários”, seu preço em termos do dinheiro-mercadoria comum.

Assim, suponha que a manteiga tenha se tornado o dinheiro por este processo de mercado. Nesse caso, todos os preços das mercadorias ou os serviços são contabilizados em seus respectivos preços monetários; assim, um chapéu pode ser trocado por 15 onças de manteiga, um doce pode custar 1,5 onças de manteiga, uma TV custar 150 onças de manteiga, etc. Se você quiser saber como o preço de um chapéu se compara a outras mercadorias, você não precisa calcular cada preço relativo diretamente; tudo que você precisa saber é que o preço monetário de um chapéu é 15 onças de manteiga, ou 1 onça de ouro, ou qualquer que seja o dinheiro-mercadoria. E então será fácil calcular os vários bens em termos de seus respectivos preços monetários.

Outro grave problema com o mundo do escambo é que é impossível para qualquer empresa calcular como anda o negócio, seja obtendo lucros ou incorrendo em perdas, além de uma estimativa muito primitiva. Suponha que você tenha uma empresa de negócios e está tentando calcular sua receita, e suas despesas, para o mês anterior. E você lista a sua renda: “vamos ver, no mês passado pegamos 20 metros de barbante, 3 bacalhaus, 4 cordões de madeira serrada, 3 alqueires de trigo, etc., e pagamos: 5 barris vazios, 8 libras de algodão, 30 tijolos, 5 libras de carne.” Como você poderia descobrir o quão bem você está? Uma vez que o dinheiro é estabelecido em uma economia, no entanto, o cálculo de negócios se torna fácil: “No último mês, pegamos 500 onças de ouro e pagamos 450 onças de ouro. Lucro líquido, 50 onças de ouro.” O desenvolvimento de um meio geral de troca, então, é um requisito crucial para o desenvolvimento de qualquer tipo de economia de um mercado em florescimento.

Na história da humanidade, todas as sociedades, incluindo tribos primitivas, desenvolveram dinheiro rapidamente da maneira acima, em um mercado. Muitas mercadorias foram usadas como dinheiro: enxadas de ferro na África, sal na África Ocidental, açúcar no Caribe, peles de castor no Canadá, bacalhau na Nova Inglaterra colonial, tabaco nas colônias de Maryland e Virgínia. Nos campos alemães de prisioneiros de guerra de soldados britânicos, durante a , o comércio contínuo de mantimentos de SAÚDE logo resultou em um “dinheiro” segundo o qual todos os outros bens foram precificados e calculados. Os cigarros se tornaram o dinheiro nesses campos, não por causa de qualquer imposição por oficiais alemães e britânicos ou de qualquer acordo repentino: surgiu “organicamente” das permutas de troca em mercados desenvolvidos espontaneamente dentro dos campos.

Ao longo de todas essas eras e sociedades, no entanto, duas mercadorias, se a sociedade tivesse acesso a elas, seriam facilmente capazes de vencer a competição e de se estabelecer no mercado como o único dinheiro. Estes eram ouro e prata.

Por que ouro e prata? (E em menor grau, cobre, quando os outros dois não estavam disponíveis.) Porque ouro e prata são superiores em várias qualidades “monetárias” — qualidades que um bem precisa para ser selecionado pelo mercado como dinheiro. Ouro e prata eram altamente valiosos em si, por sua beleza; seu suprimento era limitado o suficiente para ter um valor aproximadamente estável, mas não tão escasso que eles não pudessem ser prontamente distribuídos para uso (a platina caberia na última categoria); eles eram muito procurados e eram facilmente portáteis; eles eram altamente divisíveis, pois podiam ser cortados em pequenos pedaços e manter uma parte proporcional de seus valores; eles poderiam ser facilmente homogêneos, de modo que uma onça parecer-se-ia com outra; e eram altamente duráveis, preservando assim uma reserva de valor no futuro indefinido. (Misturado com uma pequena quantidade de liga, as moedas de ouro têm literalmente a capacidade de durar por milhares de anos.) Fora do hermético ambiente de campo de prisioneiros de guerra, os cigarros dificilmente teriam sido feitos como dinheiro porque são fabricados com muita facilidade; no mundo exterior, o fornecimento de cigarros se multiplicaria rapidamente e seu valor diminuiria quase para zero. (Outro problema dos cigarros como dinheiro é sua falta de durabilidade.)

Todo bem no mercado é trocado em termos de unidades quantitativas relevantes: comercializamos “alqueires” de trigo; “pacotes” de 20 cigarros; “um par” de cadarços; um aparelho de TV; etc. estas unidades se resumem em número, peso ou volume. Metais são invariavelmente comercializados e, portanto, são precificados em termos de peso: toneladas, libras, onças, etc. E assim, o dinheiro geralmente tem sido negociado em unidades de peso, em qualquer idioma usado naquela sociedade. Assim, cada unidade monetária moderna originou-se como uma unidade de peso de ouro ou prata. Por que a moeda britânica é chamada de “libra esterlina?” Porque originalmente, na Idade Média, era exatamente isso: o peso de uma libra de prata. O “dólar” começou na boêmia do século XVI, como uma moeda de prata de uma onça amplamente divulgada pelo Conde de Schlick, que vivia em Joachimsthal. Ela se tornou conhecida como , ou , e a natureza humana sendo o que é, ela logo fora popularmente abreviada como “áleres”, mais tarde para se tornar “dólares” na Espanha. Quando os Estados Unidos foram fundados, mudamos da libra esterlina para o dólar, definindo o dólar como aproximadamente 1/20 de uma onça de ouro ou 0,8 onças de prata.