Qual é a Quantidade Ideal de Dinheiro?

0
Tempo estimado de leitura: 3 minutos

O estoque total, ou “oferta” ou quantidade de dinheiro em qualquer área ou sociedade em qualquer momento é simplesmente a soma total de todas as onças de ouro, ou unidades de dinheiro, nessa sociedade em particular ou região. Economistas sempre se preocupam com a questão: qual é a quantidade “ótima” de dinheiro, qual deve ser o estoque total de dinheiro no momento? Quão rápido esse total deve “crescer”?

Se considerarmos esta pergunta comum com cuidado, no entanto, deve-nos parecer bem peculiar. Como é que, afinal, ninguém aborda a questão: qual é o “oferta ideal” de pêssegos enlatados hoje ou no futuro? Ou jogos da Nintendo? Ou sapatos femininos? Na verdade, a própria pergunta é absurda. Um fato crucial em qualquer economia é que todos os recursos são escassos em relação aos desejos humanos; se um bem não fosse escasso, seria superabundante e, portanto, seriam precificados, como o ar, em zero no mercado. Portanto, as outras coisas permanecendo iguais, quanto mais bens disponíveis para nós, melhor. Se alguém encontrar um novo campo de cobre, ou descobrir uma maneira melhor de produzir trigo ou aço, esses aumentos na oferta de bens conferem um benefício. Quanto mais produtos, melhor, a menos que voltemos ao Jardim do Éden; pois isso significaria que mais naturalmente a escassez foi aliviada e os padrões de vida na sociedade aumentaram. É porque as pessoas percebem o absurdo de tal questão que ela praticamente nunca é levantada.

Mas por que, então, uma oferta ótima de dinheiro surge como um problema? Porque embora o dinheiro, como vimos, seja indispensável para o funcionamento de qualquer economia além do nível mais primitivo, e enquanto a existência de dinheiro confere enormes benefícios sociais, de forma alguma isso implica, como no caso de todos os outros bens, que, as outras coisas permanecendo iguais, quanto mais melhor. Quando a oferta de outros bens aumentar, teremos ou mais bens de consumo que podem ser usados, ou mais recursos ou capital que podem ser usados na produção de uma maior oferta de bens de consumo. Mas que benefício direto pode advir de um aumento na oferta de dinheiro?

Afinal, o dinheiro não pode ser comido nem gasto em produção. O dinheiro-mercadoria, funcionando como dinheiro, só pode ser usado em troca, para facilitar a transferência de bens e serviços, e para tornar cálculos econômicos possíveis. Mas, uma vez que o dinheiro foi estabelecido no mercado, nenhum aumento em seu suprimento é necessário, e ele não desempenha nenhuma outra função social genuína. Como sabemos da teoria geral da economia, o resultado invariável de um aumento na oferta de um bem é a diminuição de seu preço. Para todos os produtos, exceto dinheiro, esse aumento é socialmente benéfico, pois significa que a produção e os padrões de vida aumentaram em resposta à demanda do consumidor. Se aço, pão ou casas são mais abundantes e mais baratos do que antes, o padrão de vida de todos é beneficiado. Mas um aumento na oferta do dinheiro não pode aliviar a escassez natural do consumidor ou bens de capital; tudo o que isso resulta é fazer o dólar ou o franco mais barato, ou seja, diminuir seu poder aquisitivo em relação a todos os outros bens e serviços. Uma vez que um bem foi estabelecido como dinheiro no mercado, então, ele exerce todo o seu poder como um mecanismo de câmbio ou um instrumento de cálculo. Logo, um aumento na quantidade de dólares que posso utilizar dilui a eficácia do poder de compra, de cada dólar. Portanto, a grande verdade da teoria monetária emerge: uma vez que uma mercadoria está suficiente ofertada para ser adotada como um dinheiro, nenhum aumento adicional na oferta de dinheiro é necessário. Qualquer quantidade de dinheiro para a sociedade é considerada “ótima”. Assim que o dinheiro é estabelecido, um aumento em sua oferta não confere benefício social.

Isso significa que, uma vez que o ouro se tornou dinheiro, toda mineração e a produção de ouro foi um desperdício? Não, porque uma maior oferta de ouro permitiu um aumento no uso não monetário do ouro: joias mais abundantes e de baixo custo, ornamentos, obturações para dentes, etc. Mas, mais ouro como dinheiro não era necessário na economia. O dinheiro, então, é único entre bens e serviços, cujo um aumento em sua oferta não é benéfico nem necessário; na verdade, tais aumentos apenas diluem o valor único do dinheiro: merecer ser um objeto de troca.