O que o CEO do Twitter deveria aprender com Rothbard

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Em 13 de agosto, o fundador e CEO do Twitter, Jack Dorsey, pegou a Internet de surpresa quando tweetou um link para uma obra anarquista intitulada A anatomia do Estado.

Escrito pelo contundente teórico libertário Murray Rothbard (1926-1995) em 1974, o ensaio apresenta uma exposição mordaz do Estado como instituição. Até que ponto Dorsey realmente concorda com Rothbard é impossível saber, visto que ele tweetou o ensaio sem comentários.

De qualquer modo, existem alguns pontos em A anatomia do Estado que Dorsey deveria levar a sério, especialmente à luz do relacionamento problemático do Twitter com o Estado nos dias de hoje.

O que o estado é (e o que não é)

O ensaio apresenta algumas observações básicas sobre a natureza do Estado. Em particular, Rothbard destaca o que o Estado não é, o que é e como se preserva.

O que o Estado não é: Ele primeiro se propõe a desmascarar a falsa equivalência comumente aceita entre o Estado e a sociedade. “‘Nós’não somos o governo”, insiste Rothbard. “O governo não é ‘a gente’.” Embora muitos tenham uma visão otimista do governo como “‘a família humana’ se reunindo para decidir os problemas mútuos”, essa visão está longe da realidade.

O que o Estado é: Mas se o Estado não é “nós”, então o que é? “Resumidamente”, responde Rothbard, “o Estado é aquela organização da sociedade que tenta manter o monopólio do uso da força e da violência em uma determinada área territorial …”

Ele acrescenta que o Estado “é a única organização da sociedade que obtém sua receita não por contribuição voluntária ou pagamento por serviços prestados, mas por coerção”.

Aqui, a verdadeira natureza do Estado é exposta para todos verem. Os óculos de lentes cor-de-rosa coletivistas são removidos e o Estado é revelado como nada mais do que “uma gangue de ladrões em letras graúdas”, como Rothbard costumava dizer. “O Estado oferece um canal legal, ordenado e sistemático para a predação da propriedade privada”, continua Rothbard. “Isso torna certa, segura e relativamente ‘pacífica’ a tábua de salvação da casta parasita na sociedade.”

O “crime organizado” estatal é tão onipresente que a maioria das pessoas nem percebe.

Como o Estado se preserva: Mas o Estado não é inevitável. Ele deve tomar muito cuidado para se preservar se quiser continuar sua “pilhagem legal” (como disse Frederic Bastiat). Isso talvez seja óbvio. Mas o que não é tão óbvio é o meio pelo qual ele se preserva. Ao contrário do que se pensa, o Estado não é bem-sucedido por causa de sua força militar ou do tamanho de seu território. Em vez disso, sua sobrevivência depende de sua legitimidade aos olhos de seus súditos.

Considere a URSS, por exemplo, ou a Alemanha nazista. Embora Stalin e Hitler fossem, sem dúvida, ditadores, eles só tinham poder porque milhões de outros estavam dispostos a cumprir seus comandos, com entusiasmo ou por resignação. A razão pela qual esses governos se tornaram ditatoriais é porque a maioria das pessoas realmente queria que eles fossem ditatoriais, ou pelo menos preferiam uma ditadura à alternativa que eles vislumbravam.

Claro, uma minoria bem armada pode superar a maioria por um tempo. Mas, como o mentor de Rothbard, Ludwig von Mises, explica em seu livro Ação Humana, tal situação não pode durar.

“Todas as minorias vitoriosas que estabeleceram um sistema de governo duradouro tornaram seu domínio duradouro por meio de uma ascendência ideológica tardia”, escreve Mises. “Eles legitimaram sua própria supremacia, seja submetendo-se às ideologias dos derrotados, seja transformando-os. Onde nenhuma dessas duas coisas ocorreu, os muitos oprimidos desapossaram os poucos opressores, seja por rebelião aberta ou por meio da operação silenciosa, mas constante, de forças ideológicas.”

Como Mises ensinou, e Rothbard alegremente concordou, o poder político (ou “poder”, como Mises o chamou) é baseado na ideologia. “O poder”, escreveu Mises, “ser … não uma coisa física e tangível, mas um fenômeno moral e espiritual”.

Portanto, dado que o poder político vem da ideologia, aqueles que desejam estabelecer ou manter seu governo têm uma tarefa muito simples, mas insidiosa. Eles devem moldar as opiniões das pessoas. Mais especificamente, eles devem convencer o povo de que seu governo não é apenas legítimo, mas realmente necessário, proveitoso e benevolente.

Então entram os intelectuais.

A tarefa do intelectual alinhado ao Estado é promover uma ideologia que endosse e fomente as ações do Estado. Seu trabalho é moldar as opiniões das massas para um consenso generalizado sobre a validade, necessidade e utilidade do Estado. E uma vez que o estado possui uma necessidade constante de formação de opinião, ele formou alianças com intelectuais ao longo da história.

Rothbard explica melhor essa aliança em outro ensaio. “Visto que sua regra é exploradora e parasitária”, observa ele, “o Estado deve obter a aliança de um grupo de ‘Intelectuais da Corte’, cuja tarefa é enganar o público para que aceite e celebre a regra de seu Estado particular … Em troca de seu trabalho contínuo de apologética e trapaça, os Intelectuais da Corte ganham seu lugar como sócios minoritários no poder, no prestígio e na pilhagem extraída pelo aparato de Estado do público iludido.”

Rothbard enumera uma variedade de táticas que os intelectuais têm usado para fornecer suporte ideológico para o Estado ao longo dos séculos, desde a ideia de um “direito divino dos reis” à disseminação do medo.

Mas uma dessas táticas provou ser especialmente eficaz nos últimos tempos. “Na era atual mais secular”, escreve Rothbard, “o direito divino do Estado foi complementado pela invocação de um novo deus, a Ciência. O poder do Estado é agora proclamado como ultracientífico, como um planejamento de especialistas. Mas, embora a “razão” seja invocada mais do que nos séculos anteriores, esta não é a verdadeira razão do indivíduo e seu exercício de livre arbítrio; ela ainda é coletivista e determinista, ainda implicando agregados holísticos e manipulação coercitiva de súditos passivos por seus governantes”.

Se você já ouviu alguém dizer “confie nos especialistas“, você está familiarizado com esse novo deus. Os tecnocratas modernos gostam de proclamar que sabem o que é melhor e que, por meio do Estado, devem tomar todas as decisões importantes. E ainda, embora ao conselho de especialistas deva certamente ser dado a devida consideração, eles também são falíveis e seu conhecimento é terrivelmente limitado. Como tal, eles não têm o direito de comandar o monopólio da violência, nem o direito de comandar o monopólio do discurso civil em praça pública.

Os “Especialistas da Corte” (um subconjunto dos Intelectuais da Corte) são especialmente úteis em tempos de crise, quando são invariavelmente chamados a fornecer justificações intelectuais para que os Estados adquiram poderes de emergência. E como Rothbard argumenta, um Estado está sempre à procura de oportunidades para “transcender seus limites”.

COVID-19: uma tormenta perfeita para o poder

Historicamente, as guerras têm sido momentos oportunos para o Estado “transcender seus limites”.

Em seu livro Crisis and Leviathan – que expõe a tradição do Estado de reivindicar novos poderes durante as crises – Robert Higgs observa que as guerras tradicionalmente serviram a esse propósito. A Primeira Guerra Mundial sozinha, por exemplo, serviu de ímpeto para a criação da Lei de Espionagem, o Departamento de Alimentos, o Departamento de Ferrovias, o Conselho de Indústrias de Guerra, o Conselho de Trabalho de Guerra, o Departamento de Combustíveis e muitos outros.

No entanto, as guerras não são os únicos eventos a oferecer tais oportunidades. A história mostra que as crises financeiras também serviram como momentos oportunos, observa Higgs. Mas em 2020, o Estado encontrou uma nova desculpa para expandir sua autoridade com a ajuda de Especialistas da Corte: a pandemia COVID-19.

A pandemia foi usada para justificar uma expansão do governo sem precedentes em tempos de paz, que incluiu mais de US$ 6 trilhões em gastos de estímulo e grandes violações das liberdades civis.

Liderados por Especialistas da Corte como o Dr. Anthony Fauci, um coro de burocratas, intelectuais públicos e legisladores pedia um planejamento central “ultracientífico” da sociedade para proteger a humanidade do coronavírus. Esses poderes de emergência deram aos governos um controle sem precedentes sobre os negócios, e isso foi alcançado com a ajuda de outros Intelectuais da Corte – como a Big Tech e a mídia tradicional – que ajudaram o Estado a “enganar o público para aceitar e celebrar” seu crescente regime COVID.

Os resultados dessas ações foram desastrosos. Os lockdowns tiveram um impacto particularmente devastador nos países pobres, causaram danos econômicos históricos em todo o mundo e resultaram em consequências adversas generalizadas para a saúde (mental e física); enquanto isso, eles pouco ou nada fizeram para controlar a propagação do vírus, de acordo com uma abundância de pesquisas científicas.

Nada disso prejudicou o Dr. Fauci, no entanto. O médico de 80 anos apareceu em várias capas de revistas, foi nomeado uma das “Personalidades do Ano de 2020” da revista People, foi considerado o homem mais sexy do mundo pelo The Guardian e atualmente é o tema de um documentário hagiográfico da Disney.

Os benefícios de ser um Intelectual da Corte são claros. Como um “sócio minoritário” do Estado, Fauci tem direito ao “poder, prestígio e pilhagem extraídos do público iludido pelo aparato do Estado”.

Enquanto isso, a dissidência é punida – em grande parte com a ajuda dos formadores de opinião.

Terceirização da propaganda e da punição

Apesar de seus grandes esforços, a capacidade do Estado de formar a opinião pública por conta própria é limitada. Portanto, eles precisam de ajuda.

Nesse sentido, o Estado encontrou um aliado útil na Big Tech, que apoiou seu regime COVID de várias maneiras, incluindo a propaganda explícita.

Por exemplo, se você entrou no Twitter nas últimas semanas, provavelmente viu uma ilustração de propaganda de livro, que é definida como “informação, especialmente de natureza tendenciosa ou enganosa, usada para promover ou divulgar uma causa ou ponto de vista político específico.”

Como muitos notaram, a seção de “tendências” (trending topics) da plataforma muitas vezes parece ser pouco apenas uma lista de narrativas aprovadas pelo estado.

Mas a propaganda é apenas uma ferramenta à disposição do Estado. Outra é o silenciamento da dissidência. Claro, a Primeira Emenda impede o governo de fazer isso diretamente, mas ainda pode terceirizar esse trabalho com outros – e ele tem feito exatamente isso.

No início deste ano, a Reuters revelou que a Casa Branca estava trabalhando lado a lado com o Facebook para combater a “desinformação”, enquanto o YouTube admitiu ter excluído 1 milhão de vídeos contendo “desinformação” COVID e também páginas de indivíduos proeminentes, incluindo Ron Paul.

O LinkedIn, que é propriedade da Microsoft, censurou o estimado epidemiologista de Harvard Martin Kulldorff e excluiu a conta de um pioneiro da vacina de mRNA, Robert Malone, que discutiu os riscos das vacinas COVID-19. Enquanto isso, o Twitter baniu em agosto o ex-repórter do New York Times Alex Berenson, um importante cético em relação às vacinas.

Ao usar as Big Tech para silenciar aqueles que se desviam de sua narrativa, o Estado não apenas esmaga as vozes dissidentes. Isso cria um clima de pavor que desencoraja os indivíduos de falarem por medo de serem censurados, suspensos ou banidos.

Lamentavelmente, esse é o tipo de clima que Jack Dorsey vem perpetuando, conscientemente ou não.

Como observado anteriormente, não está claro se Dorsey realmente concorda com o ensaio de Rothbard. Mas se ele realmente absorvesse as lições de A anatomia do Estado, ele ficaria profundamente incomodado com o papel que o Twitter tem desempenhado para o Estado durante a pandemia.

 

Artigo original aqui