A ideologia delirante da obrigatoriedade de vacina

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

Você se lembra de quando as vacinas COVID preveniriam totalmente as infecções?

Não precisa ter tão boa memória para isso, certo?

Joe Biden disse que, se você tomasse as vacinas, não pegaria COVID. Dr. Fauci disse que as vacinas eram 100% eficazes. Rochelle Walensky estava no noticiário da televisão explicando que, de acordo com os dados do mundo real coletados pelo CDC, os vacinados não poderiam pegar ou espalhar o COVID.

Existem inúmeros exemplos de especialistas e meios de comunicação repetindo os mesmos pontos de discussão – as vacinas impedem a propagação do vírus para outras pessoas, tornando a decisão de se vacinar um “bem” social.

Eles não poderiam estar mais errados – as vacinas conclusivamente não param a transmissão ou infecção.

Em vez de aceitar essa realidade indiscutível e admitir claramente que se vacinar era uma decisão exclusivamente individual que não fazia nada para manter os outros “seguros”, os autoproclamados líderes infalíveis da Ciência™ insistiram cada vez mais na narrativa desconexa com a realidade dos fatos.

Durante todo o verão e início do outono, faculdades, corporações e políticos impuseram obrigatoriedade de vacinas com base nas suposições equivocadas emanadas da suposta classe de “especialistas”.

Quando a onda de outono e inverno/Omicron se espalhou, pôs definitivamente de lado quaisquer dúvidas remanescentes sobre qualquer uma das vacinas que preveniriam infecções. Em vez de decidir encerrar suas políticas e abrir um caminho de volta à normalidade, essas mesmas empresas e universidades inexplicavelmente exigiram doses de reforço.

Já é ruim o suficiente que organizações supostamente comprometidas com a “escolha” pessoal abandonem qualquer pretensão de consistência intelectual, mas o mais alarmante é que evidências e dados continuam se acumulando indicando que indivíduos vacinados estão testando positivo em taxas mais altas, mas as políticas continuam.

Muitas corporações ainda exigem comprovante de vacinação para entrar nos escritórios. As universidades ainda estão exigindo prova de uma dose de reforço para jovens de 18 anos com risco praticamente zero de covid grave.

Recentemente, uma pesquisa da Universidade de Cornell descreveu como os decretos de máscara eram ineficazes, mas examinando os dados COVID de outra grande universidade, podemos ver o quão ineficazes são as suas exigências.

Abaixo está a política oficial de uma das principais universidades públicas do país, exigindo uma vacina que fornece benefícios exclusivamente pessoais:

    A Universidade da Califórnia exige que os alunos, professores e funcionários da UCLA que vivem, trabalhem ou estudem no campus ou em outras propriedades da UCLA sejam vacinados contra o COVID-19

Eles até declaram com orgulho quão poucas exceções permitem, forçando a conformidade quase universal:

    Com exceções limitadas e adaptações por motivos médicos ou crenças religiosas

É claro que seus próprios dados mostram o quão absurdo, inexplicável e bizarramente autoritário sua obrigatoriedade se tornou.

A porcentagem de testes positivos da UCLA nos testes do campus destaca a incongruência da realidade com sua política:

Eles já sabiam que sua exigência de vacina não estava impedindo um aumento dramático na taxa de testes positivos. Eles sabiam. E eles exigiram doses de reforço mesmo assim.

Acho que quando os administradores sedentos de poder têm a oportunidade de continuar a impor o que eles sabem que não funciona, eles estão inclinados a fazer exatamente isso.

Sem surpresa, a coisa piora.

Felizmente, a UCLA fornece um detalhamento da porcentagem de conformidade entre diferentes populações no campus:

98% dos alunos estão totalmente vacinados para COVID e 2% estão “em conformidade com a Política de Vacinas da UC”, que inclui “aqueles que estão totalmente vacinados (e que receberam uma dose de reforço, se elegível), parcialmente vacinados, foram aprovados para exames médicos ou exceções religiosas, e aqueles que trabalham ou estudam remotamente.”

É muito difícil estar mais em conformidade com a vacina do que isso.

Enquanto isso, “apenas” 87% dos professores/funcionários são considerados “totalmente vacinados” pela UCLA, bem abaixo da taxa de alunos.

Eles também fornecem o número de casos por demografia:

13.763 dos 45.900 alunos da UCLA, incríveis 30% de todo o corpo discente, testaram positivo desde que começaram a rastrear os números em 1º de agosto de 2021.

Lembre-se, 98% dos alunos estão “totalmente vacinados”.

Enquanto isso, 3.337 funcionários ou membros do corpo docente testaram positivo de ~ 33.754 funcionários. 9,9% testaram positivo, apesar de sua taxa de vacinação significativamente menor.

Agora, você pode estar pensando que isso poderia ser pelo menos parcialmente explicado pela conduta do aluno. Os alunos são mais propensos a se envolver em atividades sociais e comportamentos “mais arriscados”, mas isso aumenta ainda mais o ponto de que suas vacinas e reforços não estão fazendo nada para impedi-los de pegar ou espalhar COVID enquanto se envolvem em uma vida estudantil normal.

Embora possa haver um argumento de que impor uma alta taxa de vacinação possa contribuir de alguma forma para prevenir um ou dois casos graves entre uma população estudantil geralmente jovem e saudável, entre estudantes predominantemente do sexo masculino, também há um risco pequeno, mas presente, de complicações como miocardite.

E, novamente, bem depois de ficar claro que as vacinas eram incapazes de prevenir a transmissão, a liderança da UCLA decidiu avançar com uma obrigatoriedade de reforço independentemente.

É claro que as corporações continuam a aplicar as mesmas políticas – muitos empregadores da indústria do entretenimento, por exemplo, estão exigindo comprovação de vacinação e reforço para novas contratações.

Os dados de testes nacionais coletados da Walgreens continuam a desmascarar a necessidade dessa política também:

Fora aqueles que foram totalmente vacinados nos últimos cinco meses, o grupo “não vacinado” está testando positivo em porcentagens mais baixas.

Adultos com doses de reforço que receberam sua terceira dose há mais de cinco meses têm a taxa mais alta por uma margem significativa.

Também não são apenas os Estados Unidos. A Austrália, anteriormente considerada como um sucesso do COVID que “praticamente eliminou” o vírus com a ciência, viu as mortes aumentarem drasticamente depois de alcançar uma vacinação excepcionalmente alta e uma aceitação de doses de reforço:

Olhando mais de perto o estado da Austrália Ocidental, porém, vemos ainda como esses decretos são totalmente indefensáveis.

O estado atingiu mais de 95% de vacinação, 98% dos maiores de 16 anos estão totalmente vacinados e 97% dos maiores de 12 anos também tomaram pelo menos duas doses:

Mas mais impressionante é a taxa de aceitação de reforço; 80% dos adultos tomaram uma dose de reforço na Austrália Ocidental.

No que deu isso funciona para eles?

Eles são os líderes no país em taxa de casos ajustada à população.

Este também não é um fenômeno novo, no início de maio, os casos subiram para um dos níveis mais altos vistos em qualquer lugar:

Os líderes mundiais em taxas de reforço com certeza não parecem parar os líderes mundiais em taxas de casos, não é?

Também não são apenas casos. As internações passaram de 0 em 19 de fevereiro para 326 em 22 de maio, permanecendo em 290 hoje.

É uma história semelhante no Chile, onde 92% de toda a população foi totalmente vacinada:

 

Seis meses atrás, a Bloomberg disse que o decreto de máscaras do Chile, a alta taxa de vacinação – 92% de todos os residentes estão totalmente vacinados, uma das taxas mais altas do mundo – e o compromisso com o distanciamento social os tornaram um “sucesso” do COVID. Então, por que os casos estão aumentando rapidamente novamente?

Por que os decretos de vacinas e doses de reforços continuam?

Todos os dados disponíveis mostram que vacinas e reforços não fazem nada para prevenir infecções ou retardar a propagação do vírus para outras pessoas.

As taxas de 98% não são altas o suficiente para impedir a transmissão generalizada nos campi universitários, dados nacionais da Walgreens sugerem que indivíduos reforçados e totalmente vacinados geralmente apresentam resultados positivos em taxas significativamente mais altas do que os não vacinados. A maior taxa de reforço do mundo na Austrália Ocidental não impediu um aumento dramático de infecções e hospitalizações resultantes.

Para onde quer que você olhe, os dados são bastante claros de que esses decretos não fazem nada para proteger os outros. Não há razão justificável para manter essas políticas que continuarão a promover divisão, discriminação e erodir a confiança na saúde pública.

A certa altura, começa a parecer que o rancor e a obsessão em controlar o comportamento dos outros são as únicas explicações possíveis. As pessoas que lideram essas organizações conhecem os dados; é impossível acreditar que o reitor da UCLA ainda esteja alheio ao fato de que vacinas e reforços não estão impedindo a propagação em seu campus.

Todos eles sabem disso. É inequívoco.

Então, como eles podem justificar continuar a forçar pais e jovens adultos a cumprir esses decretos simplesmente para frequentar as aulas?

É uma pergunta completamente desanimadora com uma resposta igualmente desanimadora. Estes senhores simplesmente não se importam. Forçar um comportamento pode ser sua própria recompensa. Declarar sua lealdade ao grupo de progressistas esclarecidos que determinam o discurso nacional na mídia e no entretenimento pode ser outra explicação.

Não há explicação que justifique essas obrigatoriedades. Mas os que estão no poder não precisam mais de explicações ou justificativas, apenas do apoio de uma mídia tendenciosa e de uma classe política capturada por uma ideologia delirante.

 

 

Artigo original aqui