A insanidade da Vacina Obrigatória deve parar

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Nada do que nossos senhores supremos fizeram em resposta à pandemia Covid-19 fez qualquer sentido, então por que deveríamos esperar que sua abordagem às vacinas tivesse algum sentido? Sempre fiéis à forma, eles se atrapalharam e tropeçaram em seu caminho, não apenas fracassando em acabar com a pandemia, mas criando em um segmento cada vez maior da população uma desconfiança histórica do establishment médico. Esses gênios também conseguiram transformar o que antes era uma pequena facção de anti-vacinas em um movimento político florescente. Bom trabalho, cabeças de bagres.

Como algo que a maior parte do mundo considerava uma luz de esperança no fim da escuridão do túnel, no último ano e meio se transformou – assim como o uso de máscara – em outra questão política altamente inflamável? Não era para ser assim, obviamente, e não teria sido assim se as vacinas tivessem funcionado como anunciado para nós na primavera, quando as pessoas faziam fila para receber a vacina e as taxas de Covid eram tão baixas que o CDC foi até forçado a eliminar temporariamente as recomendações de uso de máscara (mas apenas para os vacinados, hein). Claro, houve rumores do ex-repórter do New York Times Alex Berenson sobre dados perturbadores de Israel, mas o resto de nós estava quase certo de que o pior havia ficado para trás e a vida normal estava a um passo de distância.

Então, a luz no fim do túnel na verdade era o farol de uma locomotiva vindo em nossa direção, e o trem passou por cima de nós. Acontece que Berenson estava certo, mais uma vez, como ele virtualmente esteve por toda esta pandemia. (Nos dias atuais o Twitter não censura e bane as pessoas por estarem ERRADAS, mas sim por estarem MUITO CERTAS sobre a COISA ERRADA.) As vacinas vazavam como uma peneira, e as reinfecções e transmissões entre os vacinados estavam aumentando a uma taxa alarmante. Quase da noite para o dia, o discurso foi de “vacinas previnem a contração e transmissão”, para “vacinas mantem as pessoas fora do hospital e do necrotério”. E mesmo assim, apenas por alguns meses até que você receba seu reforço.

Lembre-se de seus amigos membros do culto covidiano no Facebook postando sobre como eles não podiam esperar até que sua faixa etária fosse chamada para ser vacinada, e depois eles entrando naquelas longas filas de carros e postando fotos perturbadoras do momento da picada com cartazes e dizeres políticos? Em um período de semanas, vimos a alta demanda de uma intervenção médica se transformar em desinteresse e recusa de um terço da população, que passou a ser ameaçada por um presidente cabeça de melão dizendo que sua paciência estava “se esgotando”. A cenoura na ponta da vara não funcionou, então agora eles estão usando a vara.

Mas por que? Por que toda a população precisa levar uma picada que apenas a protege, especialmente uma com um perfil de efeito colateral tão alto? Poderíamos até pensar nisso se as vacinas realmente prevenissem a contração e principalmente a transmissão de um vírus mortal o suficiente para justificar tais medidas. Se fossem vacinas estéreis e a doença fosse mais perigosa do que a relativamente leve (para a grande maioria) Covid-19, *poderia* existir um argumento para decretos. Poderíamos debater e eu poderia discordar, mas haveria pelo menos um argumento. Por exemplo, teria sido difícil argumentar contra uma ordem de vacina para a varíola, que matou 30% dos que a contraíram e foi detida pela vacina.

Mas esse vírus não é a varíola, e essas vacinas não são as vacinas que erradicaram essa doença. Não. Nem. De. Longe. São, na melhor das hipóteses, terapêuticas que evitam doenças graves e a morte por alguns meses. Na melhor. Na pior das hipóteses, elas estão causando aprimoramento dependente de anticorpos (ADE) e realmente piorando a pandemia no longo prazo (se você não estiver familiarizado com ADE, ouça a entrevista do apresentador do The Blaze, Steve Deace, com o Dr. Ryan Cole de 21/9/21. É muito assustador e espero que no fim das contas não seja isso que irá ocorrer, mas é certamente uma teoria que se encaixa nos dados até agora e vale a pena ouvir.)

Para piorar, por que aqueles que já contraíram o vírus (os naturalmente imunes) precisam de uma vacina para algo que seus corpos já venceram, especialmente quando está provado que os efeitos colaterais são PIORES para eles? Por que os jovens precisam tomar quando está provado que o risco de hospitalização ou morte por miocardite induzida por vacina é MAIOR do que o risco de Covid? Por que as vacinas que estão injetando goela abaixo de todos, incluindo os reforços, são voltadas para o vírus original em vez do Delta? É tudo absolutamente insano, mas esses palhaços desqualificados continuam teimosamente no mesmo caminho como se não houvesse nenhum caminho melhor disponível.

A menos que os tribunais derrubem, em breve todos os empregados que trabalham para uma empresa com mais de 100 funcionários terão que ser vacinados ou passar por um teste de Covid semanal. Grandes eventos e conferências já estão exigindo isso (incluindo um que estarei na próxima semana). Profissionais de saúde que se colocaram em risco durante todo a pandemia – muitos, senão a maioria dos quais estão naturalmente imunes – estão literalmente sendo demitidos no MEIO DE UMA CRISE DE EMPREGO por se recusarem a receber a picada (no caso de Nova York, forçando as ‘autoridades’ a considerarem chamar a Guarda Nacional para garantir algum nível de atendimento ao paciente).

Mas, novamente, é tudo isso um absurdo. As ações políticas fingem que as vacinas não podem fazer mal e que quem está vacinado não pode espalhar o vírus, mas qualquer um que sabe ler as notícias sabe que nada disso é verdade. Na verdade, é o vacinado que deve produzir testes claros de Covid, uma vez que os sintomas mascarados significam que eles têm muito mais probabilidade de espalhar o vírus de forma assintomática. Considere este comentário do usuário “FloridaHSMom” em minha coluna anterior sobre o esforço inútil dos governos para combater o vírus:

    Tenho um amigo cuja avó foi vacinada. Ela pegou o vírus, mas não apresentou sintomas. A família foi visitá-la em seu estado natal, o Tennessee. Seus filhos estavam com ela para um dia especial de visita, porque eles eram de fora da cidade. Então, todos eles voltaram para seus vários estados. Eles então espalharam para seus filhos e netos. Ao todo, a avó infectou 45 pessoas ou mais. Uma pessoa vacinada infectou 45 pessoas.

Quantos outros cenários como este aconteceram em todo o mundo nos últimos meses? Se você acha que este é um incidente isolado, tenho algumas passagens de avião para a Austrália para vender para você.

Os decretos de vacinas e a coerção precisam acabar. Eles não são científicos sob nenhuma hipótese e não levam em consideração perfis e riscos de saúde individuais, nem nossa autonomia corporal dada por Deus. Por mais que nossos senhores queiram nos tratar como tais, os humanos não são robôs e certamente não somos ovelhas obedientes e estúpidas. No entanto, para esses idiotas e os martelos gigantescos que nós, como sociedade, os presenteamos, TUDO parece um prego.

 

Artigo original aqui

Leia também Vacinas obrigatórias e o Grande Reinício

A vacinação obrigatória e a ética da liberdade

Vacinações obrigatórias são incompatíveis com a liberdade

1 COMENTÁRIO

  1. O divid et impera do sistema artificial de violência agressiva é tão simples, que somente a ignorância do ze povinho o torna uma teoria sofisticada. Esses caras sao gênios do mal.

    A questão é obvia: a guerra que a máfia estatal consegue com o PROIBICIONISMO das drogas, é a mesma que eles conseguem com o OBRIGACIONISMO das vacinas…

    Temos que cair na real que estamos lidando com uma instituição criminosa com recursos literalmente infinitos – devido ao falsificador de dinheiro central, para pagar prostitutas intelectuais libertinas, corruptas e demoníacas, cuja única função é fazer propaganda ideologica para o sistema estatal.