A moeda sólida pode impedir o que a democracia representativa não impede

0
Tempo estimado de leitura: 6 minutos

Uma das arrogâncias das nações “ocidentais” é que nosso modo de vida e nossas liberdades são protegidos por eleições periódicas conforme exigido pelas constituições, declarações de direitos, etc. O povo governa, dizem, e obtemos exatamente o que queremos, mesmo que minorias estejam descontentes com o resultado. As minorias de hoje sempre podem se tornar a maioria de amanhã e instituir políticas alternativas. Portanto, as nações ocidentais realmente não correm o risco de se meter em muitos problemas, já que todos querem paz, liberdade e prosperidade, mesmo que discordemos sobre o caminho correto a seguir para chegar lá.

Mas e se eu lhe dissesse que há uma falha fatal embutida na própria estrutura das nações ocidentais que mina essa visão? E se nós, cidadãos comuns, pudermos votar, mudar de líderes, mudar de partido, e tudo isso não fizer sentido? Um bom argumento é que Ludwig von Mises acreditava exatamente nisso e advertiu as nações repetidamente em livro após livro para eliminar essa falha fatal ou sofrer um colapso social completo. Mises sabia que isso poderia acontecer, porque ele tinha visto isso acontecer em primeira mão. Ele implorou aos líderes eleitos da Áustria, sua amada pátria, que tomassem medidas para evitar o que havia acontecido na Alemanha de Weimar.

A causa do colapso social na Alemanha República de Weimar

O que aconteceu na Alemanha de Weimar – uma verdadeira república com eleições democráticas, por sinal – foi uma experiência que não deve ser ignorada. O colapso da República Alemã de Weimar levou diretamente à ascensão do nacional-socialismo. A causa era a moeda instável; ou seja, dinheiro impresso (literalmente na época) em tal quantidade que as notas de marco se tornaram inúteis. A sociedade foi jogada no caos. A Alemanha havia perdido dois milhões de homens na Primeira Guerra Mundial de uma população total de sessenta e oito milhões. A nação era de viúvas, órfãos e idosos quase inteiramente dependentes das economias que haviam acumulado. Essas economias tornaram-se inúteis. Viúvas se tornaram prostitutas, crianças se tornaram ladrões e pais idosos cometeram suicídio. Uma das melhores descrições desse desastre é When Money Dies: The Nightmare of Deficit Spending, Devaluation, and Hyperinflation in Weimar Germany. O livro não é para os mais sensíveis.

Mises escreveu repetidamente que a moeda instável era tão importante, talvez mais importante, que as armadilhas do governo popular. Talvez sua citação mais conhecida seja encontrada na página 455 de The Theory of Money and Credit:

    É impossível apreender o significado da ideia da moeda sólida se não se percebe que ela foi concebida como um instrumento para a proteção das liberdades civis contra incursões despóticas por parte dos governos. Ideologicamente ela pertence à mesma classe de constituições políticas e declarações de direitos.

Observe que Mises não qualifica o tipo de governo que pode sucumbir ao despotismo da impressão de dinheiro. Isto é muito importante. Todos os governos, sejam repúblicas democráticas ou estados totalitários, são suscetíveis ao despotismo da impressão de dinheiro. Mises volta a esse assunto várias vezes. Aqui está apenas uma citação de Política Econômica, página 65.

    O padrão-ouro tem uma tremenda virtude: a quantidade de oferta monetária, sob o padrão-ouro, é independente das políticas de governos e partidos políticos. Esta é a sua principal vantagem. É uma forma de proteção contra governos perdulários.

Uma alternativa promissora ao dólar fiduciário

O Irã, que dentre todas as nações, foi recentemente aceito como membro da Organização de Cooperação de Xangai, propôs que a organização estabeleça uma nova moeda para contornar o dólar para estabelecer o comércio entre seus membros. Alasdair Macleod estudou este processo e escreveu dois artigos eruditos, aqui e aqui, que se referem ao seu progresso. Os pontos-chave:

    A União Econômica da Eurásia (UEE), consistindo principalmente de um subconjunto da Ásia Central da Organização de Cooperação de Xangai (OCX), anunciou planos para uma moeda de liquidação comercial apoiada por uma mistura de commodities e moedas dos estados membros.

… uma moeda de liquidação comercial da UEE bem-sucedida pode ser estendida das nações da UEE tanto para as da OCX mais ampla quanto para os membros do BRICS que não fazem parte da OCX. Também poderia ser uma substituição aceitável do petrodólar para pagamentos de exportação de petróleo para o Oriente Médio.

Os membros da OCX estão negociando a estrutura da nova moeda, mas o ponto importante é que ela terá um componente muito grande baseado em commodities, incluindo ouro. O entendimento da OCX sobre moeda está mais alinhado com o de Ludwig von Mises, que definiu dinheiro como o seguinte na página 425 de sua obra-prima Ação Humana: “Sob o padrão-ouro, ouro é dinheiro e dinheiro é ouro”.

A moeda sólida previne a guerra

Uma das razões mais importantes para se ter uma moeda sólida é que ela milita contra guerras desnecessárias. As guerras são tremendamente caras, é claro, e geralmente são realizadas apenas como último recurso ou como uma ação puramente defensiva. Mas a moeda instável faz parecer, pelo menos por um tempo, que a guerra é gratuita.

Os EUA são o garoto-propaganda para entrar em guerras não como último recurso, mas por outras razões. Quando Eisenhower deixou o cargo no início de 1961, o dólar americano estava, bem, tão sólido quanto um dólar. Oito anos depois, após a política “Armas e Manteiga” de Lyndon Johnson, o valor do dólar estava sob ameaça, como a minguante reserva de ouro dos EUA amplamente ilustra. Dois anos e meio depois, em vez de encerrar a Guerra do Vietnã e outros programas de bem-estar da era Johnson, Richard Nixon acabou com o resgate de ouro por nossos parceiros comerciais. A guerra continuou até seu fim ignominioso. Se ele tivesse cumprido seu dever, os EUA teriam permanecido no padrão-ouro e evitado outras aventuras militares fracassadas, uma lista tão longa que é até embaraçoso listar todas elas.

O que funciona melhor — ouro ou democracia representativa?

Em outras palavras, o ouro teria cumprido seu dever primordial – isto é, tornar o custo real dos gastos do governo perfeitamente claro para que as pessoas, por meio de seus representantes eleitos, pudessem decidir a extensão dos gastos do governo. Em vez disso, a completa ausência de qualquer tipo de barômetro objetivo do custo real do governo apenas encorajou os neoconservadores dos EUA a procurar dragões no mundo para matar e, se dragões fossem difíceis de encontrar, convencer as pessoas de que os dragões existiam em lugares muito distantes – Líbia, Iraque, Síria, Somália, Afeganistão, Ucrânia… esqueci de algum? – e eram uma ameaça ao nosso modo de vida. Poucas, se é que alguma, dessas aventuras fracassadas teriam sido empreendidas se os EUA estivessem em um padrão-ouro vinculativo.

A democracia representativa é importante, sim, mas não impede o colapso social da irresponsabilidade fiscal e monetária. Considerando que um dólar padrão ouro mostra rapidamente o verdadeiro custo do governo e pode evitar a maioria das loucuras. Para ser franco, existem milhares de mães que hoje teriam seus filhos ao seu lado em vez de uma estrela dourada em suas janelas.

Mas espere! Tem mais! como costumavam dizer os vendedores de televisão de madrugada de bugigangas para os crédulos. Imprimir dinheiro do nada causa vários efeitos adversos, mas a maioria demoram a aparecer. Preços mais altos. O ciclo de expansão/retração do crédito. Má alocação de recursos. Além disso, muitos mais, e todos levando a um padrão de vida mais baixo. Mas um padrão monetário sólido revela os sacrifícios que o público deve fazer para financiar mais gastos do governo.

Os impostos devem ser aumentados, os empréstimos devem ser aumentados ou outros programas devem ser retirados do financiamento. Essas consequências adversas acontecem quase imediatamente e são visíveis para todos. Se o público achar que a guerra ou outro programa de gastos é necessário, então o governo obterá sua aprovação. Mas realmente! quantas pessoas comuns podem até mesmo encontrar a localização em um mapa de nossas muitas guerras dos últimos sessenta anos ou entender e apoiar programas de gastos inúteis que nunca morrem e, na maioria das vezes, obtêm mais financiamento?

Os piores programas de gastos nos últimos anos foram os chamados cheques de estímulo. Mesmo os grandes gastadores convictos questionariam a lógica de tributar o público para enviar cheques, menos a taxa de manuseio burocrático do governo, é claro. Senhoras e senhores, isso não faz sentido e em um ambiente de moeda sólida nunca aconteceria. No entanto, nosso governo federal enviou três deles! E agora nossos governantes estão tentando nos convencer de que aumentar a oferta de moeda para financiar todos esses fiascos não teve nada a ver com preços mais altos e escassez. Claro. Mas, novamente, aqueles vendedores de TV tarde da noite vendem muitas bugigangas!

 

 

Artigo original aqui