A pandemia vai acabar quando o público decidir que ela acabou

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

No Colorado, os casos relatados e hospitalizações de pacientes covid-19 estão em níveis mais altos do que nunca. No entanto, os políticos estão preocupados que, se emitirem novas ordens de Fique em Casa, o público não irá obedecê-las. Por exemplo, o Denver Post noticiou na semana passada que os democratas do Colorado admitiram que o público não está mais prestando muita atenção:

    [O senador Steve] Fenberg e muitos outros líderes estaduais estão preocupados … se uma ordem de ficar em casa funcionaria desta vez. As pessoas se acostumaram a certas liberdades desde a primavera, e já existem alguns na população que resistem até às regras menos opressivas, como o uso de máscaras.

“Eles não querem emitir ordens restritivas que as pessoas simplesmente ignorem”, disse Fenberg. “Uma vez que você cruza essa linha, dessa maneira, então realmente tudo começa a cair por terra, quando as pessoas deixam totalmente de obedecer ordens.”

Nem vamos considerar a maneira assustadora que foi tratada a questão em torno de como os cidadãos lamentavelmente “se acostumaram a certas liberdades”, como a possibilidade de sair de casa. Mas Fenberg está certo ao considerar que é improvável que o público seja tão complacente desta vez.

E o que acontecerá se as pessoas começarem a agir como se não houvesse uma pandemia? Então, a pandemia estará de facto terminada, mesmo se os “especialistas” insistirem que ainda existe de jure.

Pandemias médicas vs. Pandemias sociais

Em outras palavras, os governos podem emitir declarações de quando as pandemias terminam, mas conforme notado no New York Times em maio passado,

    As pandemias costumam ter dois tipos de final: o médico, que ocorre quando a incidência e as taxas de mortalidade despencam, e o social, quando a epidemia de medo da doença diminui.

“Quando as pessoas perguntam: ‘Quando isso vai acabar?’, Estão perguntando sobre o fim social”, disse o Dr. [.] Jeremy Greene, historiador da medicina da Johns Hopkins. Em outras palavras, um fim pode ocorrer não porque uma doença foi vencida, mas porque as pessoas se cansam do modo de pânico e aprendem a viver com uma doença.

Isso já aconteceu antes. Durante a pandemia de gripe asiática de 1957–58, por exemplo, o público deu pouca atenção ao fato de que a gripe era especialmente virulenta naquele ano. Estima-se agora que mais de cem mil morreram de gripe no período, o que seria o equivalente a 220 mil americanos hoje. Na verdade, os americanos continuaram a morrer de gripe asiática na temporada de gripe de 1960 e depois. Mas, para o público, não houve nenhuma pandemia que exigisse ficar em casa ou fechar escolas.

Muitos americanos aparentemente já estão se movendo nessa direção agora. De acordo com um novo relatório deste mês da Gallup, a porcentagem de americanos dizendo que são “muito propensos” a ficar em casa caiu de 67% no final de março para 49% em 1º de novembro. A porcentagem de entrevistados dizendo que é “muito improvável” ou “um tanto improvável” que irão cumprir os pedidos para ficar em casa dobrou de 15% para 33%. Notavelmente, essa tendência ocorreu apesar de mais americanos na pesquisa também afirmarem que a situação do vírus está “piorando”. Em outras palavras, os americanos não acham que a doença está prestes a desaparecer, mas menos da metade diz que é muito provável que eles fiquem sentados em casa.

Neste ponto, parece bastante seguro dizer que, mesmo que mais e mais americanos concluam que não podem parar suas vidas indefinidamente, os burocratas do governo continuarão a insistir que a pandemia coloca todos em grave risco.

Mas o público e os tecnocratas geralmente funcionam em horários diferentes. Afinal, ficar sentado em casa por meses ou mesmo anos pode funcionar para intelectuais e burocratas sem filhos, que podem trabalhar facilmente em casa e não precisam se preocupar com o desenvolvimento social e emocional das crianças e outras pessoas sob seus cuidados. Mas muitos outros provavelmente verão esse modelo de vida diária como totalmente intolerável.

Além disso, muitos americanos atualmente desempregados – que somam milhões – podem concluir que viver de ajuda governamental indefinidamente não é um substituto satisfatório para ganhar a vida da maneira normal.

Fazendo avaliações de risco

Tudo isso vai para o cálculo do risco, e é por isso que o fim percebido do público para as pandemias costuma ser diferente do fim “oficial”. O público é formado por inúmeras pessoas que fazem suas próprias avaliações de risco com base nos dados disponíveis.

É também por isso que é impossível declarar em caráter definitivo quando a “imunidade de rebanho” foi alcançada. Como Michel Accad explicou no mês passado em mises.org:

    Embora a imunidade de rebanho possa de fato ser um fenômeno real que pode ocorrer em certas circunstâncias, quando as populações estão sujeitas a uma doença contagiosa, é importante reconhecer que a imunidade de rebanho não é um conceito que tenha qualquer valor prático para definir políticas de saúde pública.

Por um lado, não há maneira objetiva de estabelecer que a imunidade de rebanho foi alcançada, uma vez que uma taxa “estável” de novas infecções é uma noção subjetiva. O que é uma taxa de infecção estável ou tolerável para mim pode não ser para você.

Se a presença de uma doença apresenta ou não um risco aceitável para “o público” depende de inúmeras avaliações de risco individuais.

Por outro lado, com as ordens de ficar em casa os políticos e funcionários públicos assumiram a responsabilidade de aplicar uma definição arbitrária de risco aceitável imposta por burocratas. Esses funcionários insistem que devem ter o poder de forçar o público a se confinarem em suas casas até que alguma autoridade política central determine que o nível de risco caiu para um nível aceitável.

Medo do coronavírus não afugenta carioca dos bares e restaurantes da Lapa

Quanto risco estamos dispostos a aceitar ao dirigir?

Os governos também tentaram isso em outros contextos.

Quando se trata de segurança nas estradas, por exemplo, agências governamentais federais e estaduais passaram anos tentando convencer as pessoas de que “90 km/h salva vidas” e que dirigir em velocidades mais lentas salvaria milhares de vidas por ano.

Isso em si não era um objetivo irracional, é claro. Hoje em dia, mais de 38 mil pessoas morrem a cada ano em acidentes nas estradas dos Estados Unidos. Outras 4,4 milhões ficam gravemente feridas, o suficiente para exigir atenção médica, e os acidentes de carro são a principal causa de morte nos Estados Unidos para pessoas de 1 a 54 anos.

Um esforço concentrado para reduzir as mortes nas estradas poderia salvar centenas de milhares de vidas em uma única década. Além disso, o ato de dirigir na rodovia – especialmente em altas velocidades – aumenta o risco não apenas para si mesmo, mas também para outros motoristas. Isso significa que se as pessoas consentissem em dirigir em baixa velocidade, usassem capacetes ao dirigir e se abstivessem de dirigir por motivos “não essenciais”, inúmeras vidas poderiam ser salvas.

No entanto, claramente, a maioria das pessoas já concluiu que maximizar a segurança na rodovia não vale a pena, seja para aumentar sua própria segurança ou a segurança dos outros. Incontáveis ​​motoristas dirigem rotineiramente em alta velocidade. Alguns nem usam cintos de segurança. Muitas pessoas dirigem para a loja ou para o cinema quando poderiam “estar seguras” apenas por ficar em casa. Mesmo assim, esses motoristas não essenciais continuam a colocar outras pessoas em risco dessa maneira.

Poucos parecem considerar isso um problema sério. Quase todo mundo simplesmente aceita o risco de acidentes rodoviários como uma parte da vida.

A mesma coisa, é claro, sempre ocorreu no contexto da doença, e é provável que ocorra no contexto da covid-19. Com o passar do tempo, mais e mais pessoas simplesmente aceitarão o risco de contrair várias doenças como parte da vida. Isso ocorreu há muito tempo com a gripe que ainda mata dezenas de milhares de pessoas por ano.

Quando isso finalmente acontecer com a maioria do público em relação ao covid-19, a pandemia estará de fato acabada, embora muitos políticos e burocratas, sem dúvida, discordem.

 

Artigo original aqui.

1 COMENTÁRIO

  1. Foi o maior roubo de liberdade individual nunca antes visto na história da humanidade.
    O pior foi o estrago econômico e financeiro causado por esses que se dizem defender as liberdades e a propriedade privada dos indivíduos, que acabou fechando diversas empresas, mas principalmente as pequenas que tiveram seus comércios e negócios impedidos de operar.
    Assim como o Collor causou a morte, principalmente por suicídio, muitas pessoas acabaram e acabarão cometendo esse ato por desespero.