A Revolução Agrícola Britânica não recebe o reconhecimento que merece

0
Tempo estimado de leitura: 4 minutos

Quem nunca ouviu falar da Revolução Industrial, o ponto de virada histórico que criou a sociedade moderna, para melhor ou para pior? O economista Donald Boudreaux a descreveu como o “taco de hóquei da prosperidade humana”, que lançou a pessoa média da subsistência à prosperidade relativa. Boudreaux dá o crédito a especialização e o comércio que caracterizou o século XVIII. Da mesma forma, ele credita Adam Smith por descrever as causas da prosperidade moderna, chamando-o de pai da economia moderna. Esta é uma história frequentemente contada, mas é verdade?

Há duas peças importantes e relacionadas da história que foram deixadas de fora. A primeira é o papel da Revolução Agrícola Britânica em fornecer as bases essenciais para a Revolução Industrial subsequente – aumentando a capacidade da terra de alimentar uma população crescente e liberando mão de obra para trabalhar nas fábricas. A segunda é o reconhecimento do economista Richard Cantillon da importância da revolução em Essay on the Nature of Trade in General quatro décadas antes de Adam Smith começar a escrever The Wealth of Nations .

Para as sociedades ocidentais, as Cruzadas aumentaram o comércio. Certamente esse comércio teve um impulso no século XV como resultado da descoberta do Novo Mundo. Devido ao espaço limitado de carga, à duração das viagens e aos riscos associados aos piratas e ao clima, o aumento do comércio transoceânico provavelmente fez pouco para resolver a chamada armadilha malthusiana que sobrecarregava a pessoa média, aquela corrida entre aumentos no abastecimento de alimentos e crescimento da população.

Se a especialização e a divisão do trabalho foram responsáveis ​​pela Revolução Industrial, por que esses fatores de repente entraram em ação no final do século XVIII e como permitiram que a terra sustentasse as populações e os padrões de vida significativamente maiores que surgiram de repente? Se alguma invenção está associada à Revolução Industrial, é a máquina a vapor de James Watt de 1765. No entanto, suas primeiras aplicações foram bombear minas e acionar locomotivas, o que pouco contribuiu para a produção de alimentos. Como, então, a produtividade agrícola aumentou de tal forma que a mão-de-obra necessária nas fábricas da era industrial se tornou disponível?

A Revolução Agrícola Britânica (1700-1850) foi provavelmente a causa principal. A Enciclopédia Britânica oferece esta descrição da revolução agrícola:

   transformação gradual do sistema agrícola tradicional que começou na Grã-Bretanha no século XVIII. Aspectos dessa complexa transformação, que não foi concluída até o século XIX, incluíram a realocação da propriedade da terra para tornar as fazendas mais compactas e um maior investimento em melhorias técnicas, como novas máquinas, melhor drenagem, métodos científicos de criação e experimentação com novas culturas e sistemas de rotação de culturas.

Se a Revolução Agrícola Britânica foi a precursora da Revolução Industrial, Adam Smith expandiu seu predecessor ou introduziu erros na economia e suprimiu as ideias de Cantillon? Cantillon havia descrito três dos quatro fatores de produção atualmente reconhecidos – terra, trabalho e empreendedorismo, identificando este último como o fator que guiava os outros.

Curiosamente, Cantillon, um banqueiro muito bem-sucedido, não identificou formalmente o capital como o quarto fator, mas os fisiocratas franceses mais tarde absorveram seu trabalho, e ARJ Turgot formalizou o papel do empresário-capitalista em suas Reflexões sobre a formação e distribuição da riqueza (1766). Em 1764, Adam Smith deixou seu cargo de professor na Universidade de Glasgow para acompanhar Henry Scott, o Duque de Buccleuch, em uma turnê europeia durante a qual conheceu os fisiocratas e Turgot. Durante este tempo, Smith começou a escrever A Riqueza das Nações, que foi publicado em 1776. Smith tinha lido claramente o Ensaio porque há uma crítica a ele em A Riqueza das Nações.

Em vez de expandir Cantillon e Turgot, Smith optou por ignorar o papel do empresário no mercado (e, portanto, a legitimidade do lucro). Ele via a renda e o lucro como deduções do retorno que deveria ter ido para o trabalho: “Aluguel e lucro consomem os salários, e as duas classes superiores de pessoas oprimem a inferior”.

Essa interpretação lançou as bases para o sistema de duas classes de burguesia e proletários estabelecido por Karl Marx e Friedrich Engels. “Marxistas… saúdam Smith como a inspiração final de seu próprio Pai Fundador, Karl Marx”, escreveu Murray Rothbard em História do Pensamento Econômico – Uma Perspectiva Austríaca – Antes de Adam Smith.

Grande parte de A Riqueza das Nações é dedicada à oposição ao mercantilismo. Smith parece ser antimercantilista internamente. O comércio internacional é outra questão:

   Alguns ramos particulares de comércio que são realizados com nações bárbaras e incivilizadas requerem proteção extraordinária. Uma simples loja ou casa de contabilidade poderia dar pouca segurança às mercadorias dos mercadores que negociam com a costa ocidental da África. Para defendê-los dos nativos bárbaros, é necessário que o local onde eles são depositados seja em alguma medida fortificado.

E o que era o comércio britânico na costa oeste da África? Escravos. A citação acima também é a justificativa básica para o sistema mercantilista britânico do imperialismo. O que poderia ser mais bárbaro?

A Riqueza das Nações de Smith tinha a vantagem de mais meio século de observação sobre o Ensaio, e, no entanto, foram os insights deste último sobre a revolução agrícola e o papel orientador do empresário na obtenção do progresso econômico que separaram os dois economistas. Já é tempo de Richard Cantillon e da Revolução Agrícola Britânica receberem o devido respeito.

 

 

Artigo original aqui