A face nua e crua do Fascismo Novo Normal

1
Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Eu avisei que essa parte não ia ser ser nada agradável de se ver. O colapso dos movimentos ideológicos fascistas e cultos fanáticos da morte nunca é. O Novo Normal não é exceção.

Depois de três semanas de desobediência civil não violenta fora do parlamento canadense em Ottawa por caminhoneiros e outros cidadãos canadenses lutando para defender seu direito de não ser submetido a “vacinação” forçada, Justin Trudeau desencadeou os esquadrões de capangas. Milhares de policiais de choque militarizados (e outros agentes não identificados fortemente armados) invadiram a área, cercaram os manifestantes, começaram a arrombar caminhões e prender pessoas espancando-as com cassetetes e coronhadas de seus rifles.

Em um episódio particularmente feio, os stormtroopers do Novo Normal avançaram com seus cavalos diretamente em uma multidão de manifestantes não violentos, pisoteando uma senhora idosa com um andador. Ela tinha acabado de dizer algo para a polícia como “vocês estão partindo meu coração… isso é sobre paz, amor e felicidade”. Então eles a derrubaram e passaram seus cavalos sobre ela.

Apesar de uma abundância de evidências em vídeo mostrando claramente o que aconteceu, a polícia de Ottawa ainda tentou dizer que jogaram uma bicicleta em um cavalo e isso o fez tropeçar. E que ninguém se machucou, nem o cavalo.

Aqui está uma foto aérea do incidente…

A grande seta vermelha (cortesia de The Marie Oakes) aponta para o andador da senhora, ou a suposta “bicicleta que atacou a cavalo”. Presumivelmente, o rosto das pessoas acima dela também fez o cavalo “tropeçar”, ou estava no processo de fazer o cavalo “tropeçar”, no momento em que esta foto foi tirada.

E isso não foi tudo. Ah não, longe disso. A “demonstração de força” estava apenas começando. Afinal, este não foi um surto “principalmente pacífico” de tumultos, saques e incêndios criminosos. Isso foi desobediência civil não violenta, com castelos infláveis ​​infantis, saunas improvisadas, buzinas, danças, churrascos ilegais e outras formas de atividade “terrorista”, que tiveram que ser esmagadas com mão de ferro.

No sábado, os esquadrões de capangas detonaram as granadas de efeito moral, o spray de pimenta e os grandes cacetetes de madeira. No domingo de manhã, eles estavam atirando em pessoas com “armas não letais de impacto de médio alcance”. Operadores de caminhão de reboque com máscaras de esqui de filmes de terror foram trazidos para transportar os grandes caminhões.

Antes de soltar os esquadrões de capangas na sexta-feira, Trudeau invocou a Lei de Emergências, suspendendo a constituição canadense, que ele já havia suspendido em 2020 devido à “pandemia apocalíptica”, e é por isso que os manifestantes protestaram em primeiro lugar. O Parlamento estava programado para debater sua autoridade para declarar outro “estado de emergência”, mas, é claro, o debate foi abruptamente suspenso devido à enorme “operação policial” que sua invocação da lei havia permitido.

Agindo sob a Lei de Emergências, ele imediatamente cancelou o direito de reunião, proibiu os protestos e começou a ameaçar matar os cães das pessoas e levar seus filhos. Então ele e seus tenentes fascistas do Novo Normal começaram a congelar as contas bancárias de qualquer um e de todos, mesmo vagamente ligados ao protesto dos caminhoneiros. De acordo com uma reportagem da Bloomberg:

    “As ordens de emergência exigem que praticamente todos os participantes do sistema financeiro canadense – bancos, empresas de investimento, cooperativas de crédito, empresas de empréstimo, corretoras de valores mobiliários, plataformas de captação de recursos e serviços de pagamento e compensação – determinem se possuem ou controlam a propriedade de uma pessoa que está participando de um protesto ilegal ou fornecimento de suprimentos aos manifestantes”.

E, como se tudo isso não fosse fascista o suficiente, o chefe de polícia de Ottawa deixou claro que, uma vez que a “repressão” finalmente termine, eles vão caçar todos os envolvidos nos protestos, prendê-los e acusá-los de “ofensas criminais”, sujeitá-los a “sanções financeiras” e destruir suas vidas e famílias.

A repressão em Ottawa está longe de ser uma aberração. Como meus leitores devem se lembrar, a Nova Normal Alemanha proibiu os protestos contra o Novo Normal (ou seja, a nova ideologia oficial) em setembro de 2020, e a polícia alemã foi absolutamente brutal. Qualquer pessoa considerada “negacionista do Covid” está sujeita à vigilância dos serviços de inteligência da Alemanha. O Departamento de Segurança Interna dos EUA nos designa como “extremistas violentos domésticos”. A mesma coisa na Austrália, França, Bélgica, Holanda e vários outros países.

Eu tenho descrito o Novo Normal como uma nova forma de totalitarismo (ou de fascismo, se você preferir) nos últimos dois anos, e tenho documentado isso desde o início (veja, por exemplo, esses tópicos do Twitter de março de 2020 e abril 2020, que os editores do OffGuardian preservaram para a posteridade). Ela esteve lá o tempo todo, abertamente, mas tornada invisível pela narrativa oficial do Covid.

A narrativa oficial está se dissolvendo rapidamente, tornando visível o fascismo do Novo Normal. Isso está acontecendo agora porque aqueles de nós que viram isso desde o início – e resistiram o tempo todo – aguentaram o suficiente para esgotar o tempo. A GloboCap não consegue manter a narrativa, então tudo o que resta é a força bruta fascista.

Precisamos fazer com que a GloboCap implante essa força e coloque um grande e brilhante holofote sobre ela, como os caminhoneiros e manifestantes em Ottawa acabaram de fazer. Caso alguém esteja confuso sobre a tática, ela é chamada de desobediência civil não violenta clássica. Eu a descrevi em uma coluna recente:

    “Em outras palavras, precisamos fazer com que a GloboCap (e seus lacaios) seja abertamente totalitária… porque ela não pode. Se pudesse, já o teria feito. O capitalismo globalista não pode funcionar dessa maneira. Tornar-se abertamente totalitário o fará implodir… não, não o capitalismo globalista em si, mas esta versão totalitária dele. Na verdade, isso já está começando a acontecer. Precisa da simulação da “realidade” e da “democracia” e da “normalidade” para manter as massas dóceis. Então, precisamos atacar essa simulação. Precisamos martelar até que rache, e o monstro escondido apareça. Essa é a fraqueza do sistema… O totalitarismo do Novo Normal não funcionará se as massas o perceberem como totalitarismo, como um programa político/ideológico, e não como uma resposta a uma pandemia mortal.”

A narrativa oficial está morta, ou morrendo. O Culto Covidiano está se desfazendo. Ninguém, exceto os Novos Normais mais fanáticos, acredita que haja alguma justificativa real para impor “vacinação” obrigatória, “campos de quarentena”, segregação de “não vacinados” ou qualquer uma das outras “restrições de Covid”. “O vírus” não é mais uma desculpa para seguir ordens ridículas e perseguir aqueles de nós que se recusam a segui-las.

Isso é o que acontece se você se opuser a ser forçado a se submeter a uma série interminável de “vacinações” experimentais. Bem-vindo ao Novo Normal…

 

O Teatro Apocalíptico da Pandemia acabou. É uma luta puramente política a partir de agora.

Ottawa não é o fim. É apenas o começo. Protestos e outras formas de desobediência civil estão crescendo em todo o mundo… sim, mesmo aqui na Nova Normal Alemanha. Isso não significa que é hora de relaxar. Pelo contrário, é hora de aumentar a pressão. É hora de fazer o monstro se mostrar, em toda a sua feiura fascista nua, e forçar todos a escolher um lado.

Existem apenas dois lados… fascismo ou liberdade.

 

 

 

Artigo original aqui

Artigo anteriorAs regras que regem nossas vidas
Próximo artigoTrudeau: nosso inimigo mortal
é um dramaturgo, romancista e satírico político premiado. Suas peças foram produzidas e fizeram turnê em teatros e festivais, incluindo Riverside Studios (Londres), 59E59 Theatres (Nova York), Traverse Theatre (Edimburgo), Belvoir St. Theatre (Sydney), o Du Maurier World Stage Festival (Toronto), Needtheater (Los Angeles), 7 Stages (Atlanta), Festival Fringe de Edimburgo, Adelaide Fringe, Festival de Brighton e Festival Noorderzon (Holanda), entre outros. Seus prêmios de redação incluem o 2002 First of the Scotsman Fringe Firsts, o Scotsman Fringe Firsts em 2002 e 2005 e o 2004 de Melhor peça de Adelaide Fringe. Sua sátira política e comentários foram apresentados no NPR Berlin, no CounterPunch, ColdType, The Unz Review, OffGuardian, ZeroHedge, Dissident Voice, The Greanville Post, ZNet, Black Agenda Report e outras publicações, e foram amplamente traduzidos.

1 COMENTÁRIO

  1. Quando Hopkins havia nos alertado da proporção desastrosa que isso se tornaria e traria todo esse sofrimento e inconformidade, eu fiquei assustada mas não achei que seria tão terrível de se ver.
    O que mais me frustra é ver como ainda há pessoas de acordo com essa covardia que fizeram…. Não há como não ficar revoltada, não pude conter as lágrimas. Espero que todos eles fiquem bem e se recuperem, fisicamente e mentalmente.
    Nunca foi fácil lutar pela liberdade, e com essa fraudemia acontecendo agora, isso ficou mais evidente. E mesmo que a maioria das pessoas nos vejam como ‘maluquitos’, em contrapartida eu fico aliviada por hoje sermos mais unidos e por não estarmos naquele tempo onde o libertarianismo era um ‘mato’.
    O que quero dizer, é que ter vocês comigo faz com que eu não me sinta só nisso tudo, ameniza muito essa sensação… Eu sou eternamente grata a cada um de vocês.
    E quando agradeço não me refiro somente a excelente equipe do instituto por tornar esses assuntos acessíveis com tamanha qualidade. Eu menciono cada um de vocês que estão lendo esses artigos. Muitíssimo obrigada!♡