Globalistas fomentaram a guerra na Ucrânia para estabelecer a tirania da Nova Ordem Mundial

Tempo estimado de leitura: 34 minutos

Declaração de Mons. Carlo Maria Viganò, Arcebispo, Ex-Núncio Apostólico nos Estados Unidos da América sobre a crise Rússia-Ucrânia

“Nada se perde com a paz. Tudo pode ser perdido com a guerra. Que os homens voltem ao entendimento. Deixe-os retomar a negociação. Negociando com boa vontade e respeitando os direitos de cada um, que percebam que um sucesso honroso nunca é impedido quando há negociações sinceras e ativas. E sentir-se-ão grandes – com verdadeira grandeza – se impondo silêncio às vozes da paixão, coletiva ou privada, e deixando a razão ao seu próprio domínio, pouparão a seus irmãos o derramamento de sangue e a ruína de sua pátria.”

Foi assim que, em 24 de agosto de 1939, Pio XII dirigiu-se a governantes e povos sobre a iminência da guerra. Não eram palavras de pacifismo vazio, nem de silêncio cúmplice sobre as múltiplas violações da justiça que estavam sendo realizadas em muitos lugares. Nessa mensagem de rádio, que alguns ainda se lembram de ter ouvido, o apelo do Romano Pontífice invocava o “respeito pelos direitos de cada um” como pré-requisito para negociações de paz frutíferas.

A narrativa midiática

Se olharmos para o que está acontecendo na Ucrânia, sem sermos enganados pelas falsificações grosseiras da grande mídia, percebemos que o respeito pelos direitos de cada um foi completamente ignorado; de fato, temos a impressão de que o governo Biden, a OTAN e a União Europeia desejam deliberadamente manter uma situação de evidente desequilíbrio, justamente para impossibilitar qualquer tentativa de resolução pacífica da crise ucraniana, levando a Federação Russa a desencadear um conflito. Aqui reside a gravidade do problema. Esta é a armadilha preparada para a Rússia e a Ucrânia, usando ambos para permitir que a elite globalista execute seu plano criminoso.

Não deve nos surpreender que o pluralismo e a liberdade de expressão, tão elogiados em países que se dizem democráticos, sejam diariamente repudiados pela censura e intolerância a opiniões não alinhadas com a narrativa oficial. Manipulações desse tipo se tornaram a norma durante a chamada pandemia, em detrimento de médicos, cientistas e jornalistas dissidentes, que foram desacreditados e ostracizados pelo simples fato de ousar questionar a eficácia dos soros experimentais. Dois anos depois, a verdade sobre os efeitos adversos e a gestão infeliz da emergência sanitária provou que eles estavam certos, mas a verdade é teimosamente ignorada porque não corresponde ao que o sistema queria e ainda quer hoje.

Se até agora a mídia mundial conseguiu mentir descaradamente sobre um assunto de estrita relevância científica, espalhando mentiras e ocultando a realidade, devemos nos perguntar por que, na situação atual, eles redescobriram de repente aquela honestidade intelectual e o respeito ao código de ética amplamente negada com o Covid.

Mas se esta fraude colossal foi apoiada e divulgada pela mídia, deve-se reconhecer que instituições nacionais e internacionais de saúde, governos, magistrados, agências de aplicação da lei e a própria Hierarquia Católica compartilham a responsabilidade pelo desastre – cada um em sua própria esfera por apoiar ativamente ou deixado de se opor à narrativa – um desastre que afetou bilhões de pessoas em sua saúde, suas propriedades, o exercício de seus direitos individuais e até mesmo suas próprias vidas. Mesmo neste caso, é difícil imaginar que aqueles que foram culpados de tais crimes em apoio a uma pandemia intencional e maliciosamente amplificada possam de repente ter um choque de dignidade e mostrar solicitude por seus cidadãos e sua pátria quando uma guerra ameaçar sua segurança e sua economia.

Esses, é claro, podem ser os reflexos prudentes de quem quer se manter neutro e olhar com desapego e quase desinteresse o que está acontecendo ao seu redor. Mas se aprofundarmos nosso conhecimento dos fatos e os documentarmos, contando com fontes confiáveis ​​e objetivas, descobriremos que dúvidas e perplexidades logo se tornam certezas perturbadoras.

Mesmo que queiramos limitar nossa investigação apenas ao aspecto econômico, entendemos que as agências de notícias, a política e as próprias instituições públicas dependem de um pequeno número de grupos financeiros pertencentes a uma oligarquia que, significativamente, está unida não apenas pelo dinheiro e pelo poder, mas pela filiação ideológica que orienta sua ação e interferência na política das nações e do mundo inteiro. Essa oligarquia mostra seus tentáculos na ONU, na OTAN, no Fórum Econômico Mundial, na União Europeia e em instituições “filantrópicas” como a Open Society de George Soros e a Fundação Bill & Melinda Gates.

Todas essas entidades são privadas e não respondem a ninguém além de si mesmas, e ao mesmo tempo têm o poder de influenciar os governos nacionais, inclusive por meio de seus próprios representantes que são eleitos ou nomeados para cargos-chave. Eles mesmos o admitem, quando são recebidos com todas as honras pelos Chefes de Estado e líderes mundiais, começando com o primeiro-ministro italiano Mario Draghi (aqui), respeitado e temido por esses líderes como os verdadeiros mestres do destino do mundo. Assim, aqueles que detêm o poder em nome do “povo” encontram-se atropelando a vontade popular e restringindo seus direitos, para serem obedientes como cortesãos a senhores que ninguém elegeu, mas que, no entanto, ditam sua agenda política e econômica as nações.

Chegamos então à crise da Ucrânia, que nos é apresentada como consequência da arrogância expansionista de Vladimir Putin em relação a uma nação independente e democrática sobre a qual ele tenta reivindicar direitos absurdos. Diz-se que o “belicista Putin” está massacrando a população indefesa, que corajosamente se levantou para defender o solo de sua pátria, as fronteiras sagradas de sua nação e as liberdades violadas dos cidadãos. A União Europeia e os Estados Unidos, “defensores da democracia”, dizem-se, portanto, incapazes de não intervir por meio da OTAN para restaurar a autonomia da Ucrânia, expulsar o “invasor” e garantir a paz. Diante da “arrogância do tirano”, diz-se que os povos do mundo deveriam formar uma frente comum, impondo sanções à Federação Russa e enviando soldados, armas e ajuda econômica ao “pobre” presidente Zelensky, “herói nacional” e “defensor” de seu povo. Como prova da “violência” de Putin, a mídia espalhou imagens de bombardeios, buscas militares e destruição, atribuindo a responsabilidade à Rússia. E ainda há mais: precisamente para garantir uma “paz duradoura”, a União Europeia e a OTAN estão de braços abertos para acolher a Ucrânia como membros. E para evitar a “propaganda soviética”, a Europa está bloqueando o Russia Today e o Sputnik, para garantir que a informação seja “livre e independente”.

Esta é a narrativa oficial, à qual todos se conformam. Estando em guerra, a dissidência torna-se imediatamente deserção, e os dissidentes são culpados de traição e merecedores de sanções mais ou menos graves, a começar pela execração pública e ostracismo, bem conhecidos no Covid contra aqueles que são “não vacinados”. Mas a verdade, se você quiser conhecê-la, nos permite ver as coisas de forma diferente e julgar os fatos pelo que são e não pela forma como nos são apresentados. Este é um desvelamento verdadeiro e adequado, como indica a etimologia da palavra grega ἀλήθεια. Ou talvez, com um olhar escatológico, uma revelação, um ἀποκάλυψις.

A expansão da OTAN

Antes de tudo, é preciso lembrar os fatos, que não mentem e não são suscetíveis a alteração. E os fatos, por mais irritantes que sejam de recordar aos que tentam censurá-los, dizem-nos que, desde a queda do Muro de Berlim, os Estados Unidos alargaram a sua esfera de influência política e militar a quase todos os Estados satélites da antiga União Soviética, ainda recentemente, anexando à OTAN a Polônia, a República Tcheca e a Hungria (1999); Estônia, Letônia, Lituânia, Eslovênia, Eslováquia, Bulgária e Romênia (2004); Albânia e Croácia (2009); Montenegro (2017); e Macedônia do Norte (2020). A Organização do Tratado do Atlântico Norte está se preparando para se expandir para a Ucrânia, Geórgia, Bósnia e Herzegovina e Sérvia. Na prática, a Federação Russa está sob ameaça militar – de bases de armas e mísseis – a poucos quilômetros de suas fronteiras, enquanto não possui base militar em proximidade semelhante aos Estados Unidos.

Considerar a possível expansão da OTAN na Ucrânia, sem pensar que isso despertará os protestos legítimos da Rússia, é no mínimo intrigante, especialmente considerando o fato de que em 1991 a OTAN prometeu ao Kremlin não expandir mais. Não só isso: no final de 2021, o Der Spiegel publicou rascunhos de um tratado com os Estados Unidos e um acordo com a OTAN sobre garantias de segurança (aqui, aqui e aqui). Moscou exigiu garantias legais de seus parceiros ocidentais que impediriam que a OTAN realizasse uma maior expansão para o leste, adicionando a Ucrânia à aliança e também estabelecesse bases militares em países pós-soviéticos. As propostas também continham uma cláusula sobre a não implantação de armas ofensivas pela OTAN perto das fronteiras da Rússia e sobre a retirada das forças da OTAN na Europa Oriental de volta às suas posições de 1997.

Como podemos ver, a OTAN não cumpriu seus compromissos com a Rússia, ou pelo menos forçou ao limite a situação em um momento muito delicado para os equilíbrios geopolíticos. Devemos nos perguntar por que os Estados Unidos – ou melhor, o estado profundo americano que recuperou o poder após a fraude eleitoral que levou Joe Biden à Casa Branca – quer criar tensões com a Rússia e envolver seus parceiros europeus no conflito, com todas as consequências que podemos imaginar.

Como observou com lucidez o general Marco Bertolini, ex-comandante do Comando Operacional da Cúpula Conjunta: “Os Estados Unidos não apenas venceram a Guerra Fria, mas também quiseram humilhar [a Rússia] tirando tudo o que, em certo sentido, estava em sua área de influência. [Putin] se aborreceu com os países bálticos, Polônia, Romênia e Bulgária [ingressando na OTAN]. Diante da Ucrânia [aderir à OTAN], que lhe tiraria qualquer possibilidade de acesso ao Mar Negro, reagiu” (aqui). E acrescenta: “Há um problema de estabilidade do regime, uma situação que se originou com um primeiro-ministro bastante improvável [Zelensky], alguém que vem do mundo do entretenimento”. O general não deixa de lembrar, no caso de um ataque dos EUA à Rússia, que “os Falcões Globalistas sobrevoando a Ucrânia partem de Sigonella [Itália]; A Itália é uma base militar americana em grande parte. O risco está aí, está presente e real” (aqui).

Interesses decorrentes do bloqueio do fornecimento de gás russo

Devemos também perguntar-nos se, por detrás da desestabilização do delicado equilíbrio entre a União Europeia e a Rússia, existem também interesses económicos, decorrentes da necessidade dos países da UE de obterem gás liquefeito americano (para o qual também precisamos das centrais de regaseificação que muitas nações não possuem e pelo qual, de qualquer forma, teremos que pagar muito mais) em vez do gás russo (que é mais ecológico).

A decisão da empresa italiana de petróleo e gás ENI de suspender os investimentos no oleoduto Blue Stream da Gazprom (da Rússia à Turquia) implica também a privação de uma fonte adicional de abastecimento, uma vez que alimenta o Oleoduto Transatlântico (da Turquia à Itália).

Portanto, não parece coincidência se, em agosto de 2021, Zelensky declarou que considerava o oleoduto Nord Stream 2 entre a Rússia e a Alemanha como “uma arma perigosa, não apenas para a Ucrânia, mas para toda a Europa” (aqui): contornando a Ucrânia , priva Kiev de cerca de um bilhão de euros por ano em receitas de tarifas de trânsito. “Vemos este projeto exclusivamente pelo prisma da segurança e o consideramos uma perigosa arma geopolítica do Kremlin”, disse o presidente ucraniano, concordando com o governo Biden. A subsecretária de Estado americana Victoria Nuland disse: “Se a Rússia invadir a Ucrânia, o Nord Stream 2 não avançará”. E assim aconteceu, não sem sérios danos econômicos aos investimentos alemães.

Laboratórios virológicos do Pentágono na Ucrânia

Ainda sobre os interesses americanos na Ucrânia, vale a pena mencionar os laboratórios virológicos localizados na Ucrânia que estão sob o controle do Pentágono e onde parece que apenas especialistas americanos com imunidade diplomática são empregados diretamente sob o Ministério da Defesa americano.

Lembremos também da reclamação feita por Putin relativamente à recolha de dados genômicos da população, que podem ser utilizados para armas bacteriológicas com seleção genética (aqui, aqui e aqui). As informações sobre a atividade dos laboratórios na Ucrânia são obviamente difíceis de confirmar, mas é compreensível que a Federação Russa tenha considerado, não sem razão, que esses laboratórios poderiam constituir uma ameaça bacteriológica adicional à segurança da população. A Embaixada dos EUA removeu todos os arquivos relacionados ao Programa de Redução de Ameaças Biológicas de seu site (aqui).

Maurizio Blondet escreve: “O Evento 201, que simulou a eclosão da pandemia um ano antes de acontecer, contou com a presença (junto com os habituais, Bill e Melinda) da aparentemente inofensiva Universidade John Hopkins com seu abençoado Centro de Segurança da Saúde. A instituição humanitária teve por muito tempo um nome menos inocente: chamava-se Centro de Estratégias de Biodefesa Civil e não lidava com a saúde dos americanos, mas sim com o seu oposto: a resposta aos ataques militares do bioterrorismo. Era praticamente uma organização civil-militar. Quando realizou sua primeira conferência em fevereiro de 1999 em Crystal City em Arlington [Virgínia], onde está localizado o Pentágono, reuniu 950 médicos, militares, funcionários federais e funcionários da saúde para participar de um exercício de simulação. O objetivo da simulação é combater um ataque de varíola “militarizado” imaginário. É apenas o primeiro dos exercícios que florescerão no Evento 201 e na Impostura Pandêmica” (aqui).

Surgem também experimentos com militares ucranianos (aqui) e intervenções da Embaixada Americana sobre o procurador ucraniano Lutsenko em 2016 para que ele não investigasse “uma rodada bilionária de fundos entre G. Soros e B. Obama” (aqui).

Uma ameaça indireta às ambições expansionistas da China em Taiwan

A atual crise ucraniana traz consequências secundárias, mas não menos graves, no equilíbrio geopolítico entre China e Taiwan. A Rússia e a Ucrânia são os únicos produtores de paládio e neon, indispensáveis ​​para a produção de microchips.

“A possível retaliação de Moscou atraiu mais atenção nos últimos dias depois que o grupo de pesquisa de mercado Techcet publicou um relatório destacando a dependência de muitos fabricantes de semicondutores de materiais de origem russa e ucraniana, como neon, paládio e outros. De acordo com Tec De acordo com as estimativas da hcet, mais de 90% do suprimento de néon semicondutor dos EUA vem da Ucrânia, enquanto 35% do paládio dos EUA vem da Rússia. […] De acordo com as estimativas da Techcet, mais de 90% dos suprimentos de néon semicondutor dos EUA vêm da Ucrânia, enquanto 35% do paládio dos EUA vem da Rússia. […] De acordo com a Comissão de Comércio Internacional dos EUA, os preços do neon aumentaram 600% antes da anexação da península da Crimeia pela Rússia em 2014, porque as empresas de chips dependiam de algumas empresas ucranianas” (aqui).

“Se é verdade que uma invasão chinesa de Formosa colocaria em risco a cadeia global de fornecimento de tecnologia, também é verdade que uma súbita escassez de matérias-primas da Rússia poderia interromper a produção, de modo a fazer a ilha perder o “escudo do microchip” e induzir Pequim a tentar a anexação de Taipei”.

O conflito de interesses dos Biden na Ucrânia

Outra questão que tendemos a não analisar em profundidade é a relacionada à Burisma, um a empresa de petróleo e gás que atua no mercado ucraniano desde 2002. Lembre-se que “durante a presidência americana de Barack Obama (de 2009 a 2017) seu braço direito com uma “delegação” para lidar com a política internacional foi Joe Biden, e é desde então que a “proteção” oferecida pelo líder democrata norte-americano foi dada aos nacionalistas ucranianos, linha que gerou o desacordo irreconciliável entre Kiev e Moscou. […] Foi Joe Biden, naqueles anos, que executou a política de aproximar a Ucrânia da OTAN. Ele queria tirar o poder político e econômico da Rússia. […] Nos últimos anos, o nome de Joe Biden também foi associado a um escândalo sobre a Ucrânia que também abalou sua candidatura. […] Foi em abril de 2014 quando a Burisma Holdings, a maior empresa de energia da Ucrânia (ativa tanto em gás quanto em petróleo), contratou Hunter Biden como consultor […] com um salário de US$50.000 por mês. Tudo transparente, exceto que durante esses meses Joe Biden deu continuidade à política americana destinada a recuperar a posse pela Ucrânia das áreas de Donbass que agora se tornaram repúblicas reconhecidas pela Rússia. Acredita-se que a área de Donetsk seja rica em campos de gás inexplorados que foram alvo da Burisma Holdings. Uma política internacional entrelaçada com a econômica que fez a mídia americana torcer o nariz naqueles anos” (aqui).

Os democratas alegaram que Trump havia criado um escândalo de mídia para prejudicar a campanha de Biden, mas suas acusações se revelaram verdadeiras. O próprio Joe Biden, durante uma reunião no Conselho Rockefeller de Relações Exteriores, admitiu ter intervindo com o então presidente Petro Poroshenko e com o primeiro-ministro Arsenij Yatseniuk para impedir investigações sobre seu filho Hunter pelo procurador-geral Viktor Shokin. Biden ameaçou “reter uma garantia de empréstimo de um bilhão de dólares nos Estados Unidos durante uma viagem a Kiev em dezembro de 2015”, relata o New York Post. (aqui). “Se [o procurador-geral Shokin] não for demitido, você não terá o dinheiro” (aqui e aqui). E o Promotor foi efetivamente demitido, salvando Hunter de mais escândalos, depois daqueles que o envolveram.

A interferência de Biden na política de Kiev, em troca de favores à Burisma e a oligarcas corruptos, confirma o interesse do atual presidente dos EUA em proteger sua família e imagem, alimentando a desordem na Ucrânia e até mesmo uma guerra. Como pode uma pessoa que usa seu papel para cuidar de seus próprios interesses e encobrir os crimes de seus familiares governar honestamente e não ser alvo de chantagem?

A questão nuclear ucraniana

Finalmente, há a questão das armas nucleares ucranianas. Em 19 de fevereiro de 2022, em uma conferência em Munique, Zelensky anunciou sua intenção de encerrar o Memorando de Budapeste (1994), que proíbe a Ucrânia de desenvolver, proliferar e usar armas atômicas. Entre as outras cláusulas do Memorando, há também aquela que obriga Rússia, Estados Unidos e Reino Unido a abster-se de usar pressão econômica sobre a Ucrânia para influenciar sua política: a pressão do FMI e dos Estados Unidos para conceder ajuda econômica em troca de reformas consistentes com o Grande Reinício representam mais uma violação do acordo.

O embaixador ucraniano em Berlim, Andriy Melnyk, argumentou na rádio Deutschlandfunk em 2021 que a Ucrânia precisava recuperar o status nuclear se o país não aderisse à OTAN. As usinas nucleares da Ucrânia são operadas, reconstruídas e mantidas pela estatal NAEK Energoatom, que encerrou completamente seu relacionamento com empresas russas entre 2018 e 2021. Seus principais parceiros são empresas que podem ser rastreadas até o governo dos EUA. É fácil entender como a Federação Russa considera a possibilidade de a Ucrânia adquirir armas nucleares como uma ameaça e exige a adesão de Kiev ao pacto de não proliferação.

A revolução colorida na Ucrânia e a independência da Crimeia, Donetsk e Lugansk

Outro fato. Em 2013, depois que o governo do presidente Viktor Yanukovych decidiu suspender o acordo de associação entre a Ucrânia e a União Europeia e estreitar as relações econômicas com a Rússia, iniciou-se uma série de manifestações de protesto conhecidas como Euromaidan, que duraram vários meses e culminaram na revolução que derrubou Yanukovych e levou à instalação de um novo governo. Foi uma operação patrocinada por George Soros, como ele disse candidamente à CNN: “Tenho uma fundação na Ucrânia desde antes de se tornar independente da Rússia; esta fundação sempre esteve em atividade e teve um papel decisivo nos acontecimentos de hoje” (aqui, aqui e aqui). Essa mudança de governo provocou a reação dos partidários de Yanukovych e de uma parte da população ucraniana contrária à virada pró-ocidental da Ucrânia, que não havia sido desejada pela população, mas foi obtida por uma revolução colorida, a qual havia sido ensaiada em anos anteriores na Geórgia, Moldávia e Bielorrússia.

Após os confrontos de 2 de maio de 2014, nos quais também intervieram as franjas paramilitares nacionalistas (incluindo os de Pravyi Sektor), houve também o massacre em Odessa. A imprensa ocidental também falou desses terríveis acontecimentos de forma escandalizada; A Anistia Internacional (aqui) e a ONU denunciaram esses crimes e documentaram sua brutalidade. Mas nenhum tribunal internacional iniciou qualquer processo contra os responsáveis, como se pretende fazer hoje contra os supostos crimes do exército russo.

Entre os muitos acordos não respeitados está também o Protocolo de Minsk, assinado em 5 de setembro de 2014 pelo Grupo de Contato Trilateral sobre a Ucrânia, composto por representantes da Ucrânia, Rússia, República Popular de Donetsk e República Popular de Lugansk. Entre os pontos do acordo estava também a remoção de grupos armados ilegais, equipamentos militares, bem como combatentes e mercenários do território da Ucrânia sob a supervisão da OSCE e o desarmamento de todos os grupos ilegais. Ao contrário do que foi acordado, os grupos paramilitares neonazistas não são apenas reconhecidos oficialmente pelo governo, mas seus integrantes recebem até atribuições oficiais.

Também em 2014, Crimeia, Donetsk e Lugansk declararam sua independência da Ucrânia – em nome da autodeterminação dos povos reconhecidos pela comunidade internacional – e se declararam anexadas à Federação Russa. O governo ucraniano ainda se recusa a reconhecer a independência dessas regiões, sancionada por referendo popular, e deixa as milícias neonazistas e as próprias forças militares regulares livres para infernizar a população, pois considera essas entidades como organizações terroristas. É verdade que os dois referendos de 2 de novembro de 2014 constituem um alongamento do Protocolo de Minsk, que previa apenas uma descentralização do poder e uma forma de status especial para as regiões de Donetsk e Lugansk.

Como assinalou recentemente o professor Franco Cardini, “em 15 de fevereiro de 2022, a Rússia entregou aos Estados Unidos um esboço de tratado para acabar com essa situação e defender as populações de língua russa. Papel inútil. Esta guerra começou em 2014” (aqui e aqui). E foi uma guerra com as intenções daqueles que queriam combater a minoria russa do Donbass: “Teremos emprego e pensões, e eles não. Receberemos bônus por ter filhos, e eles não. Nossos filhos terão escolas e jardins de infância; seus filhos ficarão nos porões. Assim venceremos esta guerra”, disse o presidente Petro Poroshenko em 2015 (aqui). Não passará despercebido que essas medidas são semelhantes à discriminação contra os chamados “não vacinados”, que foram privados de trabalho, salário e educação. Oito anos de bombardeios em Donetsk e Lugansk, com centenas de milhares de vítimas, 150 crianças mortas e casos gravíssimos de tortura, estupro, sequestro e discriminação (aqui).

Em 18 de fevereiro de 2022, os presidentes de Donetsk e Lugansk, Denis Pushilin e Leonid Pasechnik, ordenaram a evacuação da população civil de suas províncias para a Federação Russa devido aos confrontos em andamento entre a Milícia Popular de Donbass e as Forças Armadas Ucranianas. Em 21 de fevereiro, a Duma do Estado (Câmara Baixa do Parlamento russo) ratificou por unanimidade os tratados de amizade, cooperação e assistência mútua introduzidos pelo presidente Putin com as Repúblicas Populares de Donetsk e Lugansk. Ao mesmo tempo, o presidente russo ordenou o envio de tropas da Federação Russa para restaurar a paz na região de Donbass.

Aqui pode-se perguntar por que, em uma situação de flagrante violação dos direitos humanos por forças militares neonazistas e aparatos paramilitares (que hasteiam bandeiras com suásticas e exibem a efígie de Aldolf Hitler) contra a população de língua russa das repúblicas independentes, a comunidade internacional sente-se obrigada a considerar a intervenção da Federação Russa digna de condenação e, na verdade, a culpar Putin pela violência. Onde está o tão alardeado direito do povo à autodeterminação, que foi considerado válido em 24 de agosto de 1991 pela proclamação da independência da Ucrânia e reconhecido pela comunidade internacional? E por que estamos escandalizados hoje por uma intervenção russa na Ucrânia, quando a OTAN realizou o mesmo tipo de coisa na Iugoslávia (1991), Kosovo (1999), Afeganistão (2001), Iraque (2003) e na Líbia e Síria (2011), sem que ninguém tenha levantado objeções? Sem mencionar que nos últimos dez anos Israel atingiu repetidamente alvos militares na Síria, Irã e Líbano para impedir a criação de uma frente armada hostil em sua fronteira norte, e ainda assim nenhuma nação propôs a imposição de sanções a Tel Aviv.

É desanimador ver com que hipocrisia a União Europeia e os Estados Unidos – Bruxelas e Washington – dão o seu apoio incondicional ao Presidente Zelensky, cujo governo há oito anos continua a perseguir impunemente os ucranianos de língua russa (aqui), até proibido de falarem na sua própria língua, numa nação que inclui numerosos grupos étnicos, dos quais os que falam russo representam 17,2%. E é escandaloso que silenciem sobre o uso de civis como escudos humanos pelo exército ucraniano, que coloca posições antiaéreas dentro de centros populacionais, hospitais, escolas e creches justamente para que sua destruição possa causar mortes entre a população.

A mídia mainstream tem o cuidado de não mostrar imagens de soldados russos ajudando civis a chegarem a posições seguras (aqui e aqui) ou organizando corredores humanitários, contra os quais milícias ucranianas abrem fogo (aqui e aqui). Assim como também silencia sobre o acerto de contas, massacres, violência e roubos por parte da população civil, a quem Zelensky entregou armas: os vídeos que podem ser vistos na internet dão uma ideia do clima de guerra civil que foi habilmente alimentado pelo Governo ucraniano. A isso podemos acrescentar também os condenados liberados para o alistamento no Exército e também os voluntários da legião estrangeira: uma massa de fanáticos sem regras e sem treinamento que contribuirá para agravar a situação, tornando-a incontrolável.

Presidente Volodymyr Oleksandrovych Zelensky

Como tem sido apontado por muitos partidos, a candidatura e eleição do presidente ucraniano Zelensky corresponde a esse clichê recente, inaugurado nos últimos anos, de um ator cômico ou personalidade do entretenimento sendo emprestado à política. Não acrediteis que a falta de um cursus honorum adequado seja um obstáculo à ascensão ao topo das instituições; pelo contrário: quanto mais uma pessoa é aparentemente estranha ao mundo dos partidos políticos, mais se deve supor que seu sucesso é determinado por aqueles que detêm o poder. As performances de Zelensky como travesti são perfeitamente consistentes com a ideologia LGBTQ que é considerada por seus patrocinadores europeus como um requisito indispensável da agenda de “reformas” que todo país deveria abraçar, juntamente com igualdade de gênero, aborto e economia verde. Não é à toa que Zelensky, membro do Fórum Econômico Mundial (aqui), conseguiu se beneficiar do apoio de Schwab e seus aliados para chegar ao poder e garantir que o Grande Reinício também fosse realizado na Ucrânia.

A série de televisão de 57 episódios que Zelensky produziu e estrelou demonstra que a mídia planejou sua candidatura à presidência da Ucrânia e sua campanha eleitoral. No seriado de ficção O Servo do Povo, ele fez o papel de um professor do ensino médio que inesperadamente se tornou Presidente da República e lutou contra a corrupção da política. Não é por acaso que a série, que era absolutamente medíocre, ainda ganhou o WorldFest Remi Award (EUA, 2016), ficou entre os quatro finalistas na categoria de filmes de comédia no Seoul International Drama Awards (Coreia do Sul) e recebeu o prêmio Intermedia Globe Silver na categoria de séries de TV de entretenimento no World Media Film Festival em Hamburgo.

A agitação midiática obtida por Zelensky com a série televisiva lhe rendeu mais de 10 milhões de seguidores no Instagram e criou a premissa para a criação do partido político homônimo Servo do Povo, do qual Ivan Bakanov, gerente geral e acionista (junto com o próprio Zelensky e o oligarca Kolomoisky) do Kvartal 95 Studio, e proprietário da rede de televisão TV 1+1, também é membro. A imagem de Zelensky é um produto artificial, uma ficção midiática, uma operação de manipulação do consenso que conseguiu criar o personagem político no imaginário coletivo ucraniano que na realidade, e não na ficção, conquistou o poder.

“Apenas um mês antes das eleições de 2019 que o viram vencer, Zelensky vendeu a empresa [Kvartal 95 Studio] a um amigo, ainda encontrando uma maneira de obter os lucros do negócio que ele havia entregado oficialmente à sua família. Esse amigo era Serhiy Shefir, que mais tarde foi nomeado Conselheiro da Presidência. […] A venda das ações ocorreu em benefício da Maltex Multicapital Corp., empresa de propriedade da Shefir e registrada nas Ilhas Virgens Britânicas” (aqui).

O atual presidente ucraniano promoveu sua campanha eleitoral com um comercial no mínimo perturbador (aqui), no qual, segurando duas metralhadoras chinesas, ele disparou contra membros do Parlamento, apontados como corruptos ou subservientes à Rússia. A luta contra a corrupção alardeada pelo presidente ucraniano no papel de “servo do povo” não corresponde, no entanto, à imagem que dele emerge dos chamados Pandora papers, nos quais parecem ter sido pagos 40 milhões de dólares para ele na véspera das eleições do bilionário judeu Kolomoisky[1] através de contas offshore (aqui, aqui e aqui).[2] Em sua terra natal, muitos o acusam de ter tirado o poder dos oligarcas pró-Rússia não para dá-lo ao povo ucraniano, mas para fortalecer seu próprio grupo de interesse e ao mesmo tempo afastar seus adversários políticos: “Ele liquidou os ministros da velha guarda, em primeiro lugar o poderoso Ministro do Interior, [Arsen] Avakov. Ele aposentou grosseiramente o presidente do Tribunal Constitucional que atuava como fiscalizador de suas leis. Ele fechou sete canais de TV da oposição. Ele prendeu e acusou de traição Viktor Medvedcuk, um simpatizante pró-Rússia, mas acima de tudo o líder do partido Plataforma de Oposição – Pela Vida, o segundo partido do Parlamento ucraniano depois de seu partido Servo do Povo. Ele também está colocando em julgamento por traição o ex-presidente Poroshenko, que suspeitava de todos, exceto daqueles que se davam bem com os russos ou seus amigos. O prefeito de Kiev, o popular ex-campeão mundial de boxe Vitaly Klitchko, já foi submetido a várias buscas e apreensões. Em suma, Zelensky parece querer varrer qualquer um que não esteja alinhado com sua política” (aqui).

Em 21 de abril de 2019, Zelensky foi eleito presidente da Ucrânia com 73,22% dos votos, e em 20 de maio foi empossado. Em 22 de maio de 2019, ele nomeou Ivan Bakanov, Diretor Geral da Kvartal 95, como Primeiro Vice-Chefe dos Serviços de Segurança da Ucrânia e Chefe da Direção Principal de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado da Direção Central do Serviço de Segurança da Ucrânia. Junto com Bakanov, vale mencionar Mykhailo Fedorov, vice-presidente e ministro da Transformação Digital, membro do Fórum Econômico Mundial (aqui). O próprio Zelensky admitiu ter como inspiração o primeiro-ministro do Canadá Justin Trudeau (aqui e aqui).

As relações de Zelensky com o FMI e o FEM

Como o trágico precedente da Grécia mostrou, as soberanias nacionais e a vontade popular expressa pelos parlamentos são de facto apagadas pelas decisões da alta finança internacional, que interfere nas políticas governamentais por meio de chantagem e extorsão direta de natureza econômica. O caso da Ucrânia, que é um dos países mais pobres da Europa, não é exceção.

Logo após a eleição de Zelensky, o Fundo Monetário Internacional ameaçou não conceder à Ucrânia um empréstimo de US$5 bilhões se ele não cumprisse suas exigências. Durante uma conversa telefônica com a CEO do FMI, Kristalina Georgieva, o presidente ucraniano foi repreendido por substituir Yakiv Smolii por um homem em quem confiava, Kyrylo Shevchenko, que estava menos inclinado a cumprir os ditames do FMI. Anders Åslund escreve no Atlantic Council: “Os problemas que cercam o governo Zelensky estão aumentando de forma alarmante. Em primeiro lugar, desde março de 2020, o presidente liderou uma reversão não apenas das reformas seguidas por ele, mas também das iniciadas por seu antecessor, Petro Poroshenko. Em segundo lugar, seu governo não apresentou propostas plausíveis para resolver as preocupações do FMI sobre os compromissos não cumpridos da Ucrânia. Terceiro, o presidente parece não ter mais uma maioria parlamentar no poder e parece desinteressado em formar uma maioria reformista (aqui).

É evidente que as intervenções do FMI visam obter o compromisso do governo ucraniano de se alinhar às políticas econômicas, fiscais e sociais ditadas pela agenda globalista, a começar pela “independência” do Banco Central da Ucrânia do governo: um eufemismo com o qual o FMI apela ao governo de Kiev para que renuncie ao controlo legítimo do seu Banco Central, que é uma das formas de exercício da soberania nacional, juntamente com a emissão de dinheiro e a gestão da dívida pública. Por outro lado, apenas quatro meses antes Kristalina Georgieva havia lançado o Grande Reinício junto com Klaus Schwab, o príncipe Charles e o secretário-geral da ONU, António Guterres.

O que não havia sido possível com governos anteriores foi concluído sob a presidência de Zelensky, que entrou nas boas graças do FEM (aqui) junto com o novo governador do BCU, Kyrylo Shevchenko. Menos de um ano depois, para provar sua sujeição, Shevchenko escreveu um artigo para o FEM intitulado Bancos Centrais são a chave para as metas climáticas dos países e a Ucrânia está mostrando o caminho (aqui). Assim, a Agenda 2030 é implementada, sob chantagem.

Há também outras empresas ucranianas que têm vínculos com o FEM: o State Savings Bank of Ukraine (uma das maiores instituições financeiras da Ucrânia), o DTEK Group (um importante investidor privado no setor de energia ucraniano) e a Ukr Land Farming (uma líder do setor agrícola). Bancos, energia e alimentos são setores perfeitamente alinhados com o Grande Reinício e a Quarta Revolução Industrial teorizadas por Klaus Schwab.

Em 4 de fevereiro de 2021, o presidente ucraniano fechou sete estações de televisão, incluindo ZIK, Newsone e 112 Ucrânia, todas culpadas de não apoiar seu governo. Como escreve Anna Del Freo: “Uma dura condenação deste ato liberticida chegou, entre outras, também da Federação Europeia de Jornalistas e da Federação Internacional de Jornalistas, que pediram o levantamento imediato do veto. As três emissoras não poderão mais transmitir por cinco anos: elas empregam cerca de 1.500 pessoas, cujos empregos estão agora em risco. Não há nenhuma razão real para que as três redes sejam fechadas, exceto pela arbitrariedade do topo político ucraniano, que os acusa de ameaçar a segurança da informação e estar sob “maligna influência russa”. Uma forte reação vem também do NUJU, o sindicato dos jornalistas ucranianos, que fala de um ataque muito pesado à liberdade de expressão, uma vez que centenas de jornalistas estão sendo privados da oportunidade de se expressar e centenas de milhares de cidadãos estão sendo privados do direito de ser informado. Como podemos ver, o que Putin é acusado foi na verdade realizado por Zelensky e, mais recentemente, pela União Europeia, com a cumplicidade das plataformas de mídia social. “Fechar emissoras de televisão é uma das formas mais extremas de restrição à liberdade de imprensa”, disse o secretário-geral da EFJ, Ricardo Gutierrez. “As nações têm a obrigação de garantir o pluralismo efetivo de informações. Está claro que o veto presidencial não está de forma alguma alinhado com os padrões internacionais de liberdade de expressão” (aqui).

Seria interessante saber que declarações foram feitas pela Federação Europeia de Jornalistas e pela Federação Internacional de Jornalistas após a censura do Russia Today e do Sputnik na Europa.

Movimentos neonazistas e extremistas na Ucrânia

Um país que clama por ajuda humanitária da comunidade internacional para defender sua população da agressão russa deve, no imaginário coletivo, se destacar pelo respeito aos princípios democráticos e pela legislação que proíbe atividades e divulgação de ideologias extremistas.

Movimentos neonazistas envolvidos em ações militares e paramilitares operam livremente na Ucrânia, muitas vezes com o apoio oficial de instituições públicas. Entre eles estão: a Organização dos Nacionalistas Ucranianos (OUN), de Stepan Bandera, movimento de matriz nazista, antissemita e racista já atuante na Chechênia e que faz parte do Setor Direita, uma associação de movimentos de extrema-direita formada na época do golpe Euromaidan em 2013/2014; o Exército Insurgente Ucraniano (UPA); a UNA/UNSO, ala paramilitar do partido político de extrema-direita Assembleia Nacional da Ucrânia; a Irmandade Korchinsky, que ofereceu proteção em Kiev aos membros do ISIS (aqui); Misanthropic Vision (MD), uma rede neonazista espalhada por 19 países que incita publicamente o terrorismo, o extremismo e o ódio contra cristãos, muçulmanos, judeus, comunistas, homossexuais, americanos e pessoas de cor (aqui).

Cabe lembrar que o governo deu apoio explícito a essas organizações extremistas tanto enviando a guarda presidencial para os funerais de seus representantes, quanto apoiando o Batalhão Azov, uma organização paramilitar que faz parte oficialmente do Exército Ucraniano sob o novo nome do Regimento de Operações Especiais Azov e organizado na Guarda Nacional. O Regimento Azov é financiado pelo oligarca judeu ucraniano Igor Kolomoisky, ex-governador de Dnepropetrovsk, que também é considerado o financiador das milícias nacionalistas de Pravyi Sektor, consideradas responsáveis ​​pelo massacre de Odessa. Estamos falando do mesmo Kolomoisky mencionado nos Pandora papers como patrocinador do presidente Zelensky. O batalhão mantém relações com várias organizações de extrema-direita na Europa e nos Estados Unidos.

A Anistia Internacional, após uma reunião em 8 de setembro de 2014 entre o secretário-geral Salil Shetty e o primeiro-ministro Arseniy Yatsenyuk, pediram ao governo ucraniano que ponha fim aos abusos e crimes de guerra cometidos pelos batalhões voluntários que operam em conjunto com as Forças Armadas de Kiev. O governo ucraniano abriu uma investigação oficial sobre o assunto, declarando que nenhum oficial ou soldado do Batalhão Azov parece estar sob investigação.

Em março de 2015, o Ministro do Interior ucraniano, Arsen Avakov, anunciou que o Batalhão Azov seria uma das primeiras unidades a serem treinadas pelas tropas do Exército dos EUA, como parte de sua missão de treinamento da Operação Fearless Guard. O treinamento dos EUA foi interrompido em 12 de junho de 2015, quando a Câmara dos Deputados dos EUA aprovou uma emenda proibindo toda a ajuda (incluindo armas e treinamento) ao batalhão por causa de seu passado neonazista. A emenda foi então revogada por pressão da CIA (aqui e aqui) e os soldados do Batalhão Azov foram treinados nos Estados Unidos (aqui e aqui): “Nós treinamos esses caras há oito anos. Eles são realmente bons guerreiros. É aí que o programa da Agência pode ter um impacto sério.”

Em 2016, um relatório da OSCE [Organização para a Segurança e Cooperação na Europa] constatou que o Batalhão Azov era responsável pelo assassinato em massa de prisioneiros, pela ocultação de cadáveres em valas comuns e pelo uso sistemático de técnicas de tortura física e psicológica. Há poucos dias, o vice-comandante do batalhão, Vadim Troyan, foi nomeado chefe de polícia da região de Oblast pelo Ministro do Interior Arsen Avakov.

Estes são os “heróis” lutando junto com o exército ucraniano contra os soldados russos. E esses heróis do Batalhão Azov, em vez de proteger seus filhos, ousam colocar sua própria criação para o abate, recrutando meninos e meninas (aqui e aqui), em violação ao Protocolo Facultativo à Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos dos Criança (aqui), sobre o envolvimento de menores em conflitos armados: um instrumento legal ad hoc que estabelece que nenhuma criança menor de 18 anos deve ser recrutada à força ou usada diretamente nas hostilidades, seja pelas forças armadas de um estado ou por grupos armados.

Inevitavelmente, as armas letais fornecidas pela UE, incluindo a Itália de Draghi, com o apoio de partidos políticos “antifascistas”, estão destinadas a serem usadas contra essas crianças.

A guerra ucraniana nos planos da NOM

A censura imposta às emissoras russas visa claramente impedir que a narrativa oficial seja refutada pelos fatos. Mas enquanto a mídia ocidental mostra imagens do videogame War Thunder (aqui), frames do filme Star Wars (aqui), explosões na China (aqui), vídeos de desfiles militares (aqui), imagens do Afeganistão (aqui), do Metrô de Roma (aqui) ou imagens de crematórios móveis (aqui) fazendo-os passar por cenas reais e recentes da guerra na Ucrânia, a realidade é ignorada porque já foi decidido provocar um conflito como arma de distração em massa que legitima novas restrições de liberdades nas nações ocidentais, de acordo com os planos do Grande Reinício do Fórum Econômico Mundial e da Agenda 2030 das Nações Unidas.

É evidente que o povo ucraniano, para além das questões que a diplomacia pode resolver, é vítima do mesmo golpe de estado global levado a cabo por potências supranacionais que pretendem, não a paz entre as nações, mas sim o estabelecimento da tirania da Nova Ordem Mundial. Apenas alguns dias atrás, a parlamentar ucraniana Kira Rudik disse à Fox News, enquanto segurava um kalashnikov: “Sabemos que não estamos lutando apenas pela Ucrânia, mas também pela Nova Ordem Mundial”.

As violações dos direitos humanos na Ucrânia e os crimes das milícias neonazistas repetidamente denunciados por Putin não conseguiram encontrar uma solução política porque foram planejados e fomentados pela elite globalista, com a colaboração da União Europeia, da OTAN e do estado profundo americano , com um tom anti-russo destinado a tornar inevitável uma guerra cujo objetivo é impor, principalmente na Europa, a adoção forçada do racionamento de energia (aqui),[3] restrições de viagens, a substituição do papel-moeda por dinheiro eletrônico (aqui e aqui) e a adoção da identificação digital (aqui e aqui). Não estamos falando de projetos teóricos. Estas são decisões que estão prestes a ser tomadas concretamente a nível europeu, bem como em países individuais.

Respeito à Lei e às Normas

A intervenção na Ucrânia da OTAN, dos Estados Unidos e da União Europeia não parece ter legitimidade. A Ucrânia não é membro da OTAN e, como tal, não deve se beneficiar da assistência de uma entidade cujo objetivo seja a defesa de seus países membros. O mesmo se pode dizer da União Europeia, que há poucos dias convidou Zelensky a aderir a ela. Enquanto isso, a Ucrânia recebeu US$2,5 bilhões dos Estados Unidos desde 2014 e outros US$400 milhões somente em 2021 (aqui), além de outros fundos no total de US$4,6 bilhões (aqui). Por sua vez, Puti concedeu US$15 bilhões em empréstimos à Ucrânia para salvá-la da falência. A União Europeia, por sua vez, enviou US$17 milhões em financiamento, além do financiamento enviado de várias nações individuais. Mas essa assistência beneficiou minimamente a população ucraniana.

Além disso, ao intervir na guerra na Ucrânia em nome da União Europeia, a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, está violando os artigos 9º, 11º e 12º do Tratado de Lisboa. A competência da União Europeia neste domínio pertence ao Conselho Europeu e ao Alto Representante. Em nenhum caso pertence ao Presidente da Comissão. Em que qualidade a Presidente von der Leyen pretende agir como se fosse a chefe da União Europeia, usurpando um papel que não lhe pertence? Por que ninguém intervém, especialmente considerando o perigo a que os cidadãos europeus estão expostos devido à possibilidade de retaliação russa?

Além disso, em muitos casos, as constituições das nações que hoje enviam apoio e armas à Ucrânia não preveem a possibilidade de entrar em conflito. Por exemplo, o artigo 11 da Constituição italiana afirma: “A Itália repudia a guerra como instrumento de ofensa à liberdade de outros povos e como meio de resolução de controvérsias internacionais”. O envio de armas e soldados para uma nação que não faz parte da OTAN ou da União Europeia constitui uma declaração de guerra de fato à nação beligerante com ela (neste caso, a Rússia), e deve, portanto, exigir a deliberação prévia de declarar guerra, conforme prevê o artigo 78 da Constituição italiana: “As Câmaras [do Parlamento] deliberam sobre o estado de guerra e conferem ao governo os poderes necessários”. Não parece que até à data as Câmaras tenham sido chamadas a manifestar-se nesse sentido, ou que o Presidente da República tenha intervindo para exigir o cumprimento do dispositivo constitucional. O primeiro-ministro Draghi, nomeado pela cabala globalista para a destruição da Itália e sua escravização definitiva às potências supranacionais, é um dos muitos chefes de governos nacionais que considera a vontade dos cidadãos como um obstáculo irritante para a execução da agenda do Fórum Econômico Mundial. Após dois anos de violações sistemáticas dos direitos fundamentais e da Constituição, é difícil acreditar que ele queira colocar os interesses da nação italiana à frente dos interesses daqueles que o colocaram no poder. Pelo contrário: quanto mais desastrosos são os efeitos das sanções adotadas por seu governo, mais ele pode se considerar apreciado por aqueles que lhe deram o poder. O golpe perpetrado por meio da emergência psicopandêmica prossegue hoje com novas decisões infelizes, ratificadas por um Parlamento sem espinha dorsal.

Também é uma violação do artigo 288 do Código Penal italiano permitir que cidadãos italianos – e até membros da maioria no governo e líderes políticos – respondam ao apelo do embaixador ucraniano para alistamento na legião estrangeira: “Qualquer pessoa no território da [Itália] que, sem aprovação do governo, alista ou arma cidadãos para servir [no exército] em favor de uma nação estrangeira, é punido com prisão por um período de 4 a 15 anos”. Nenhum magistrado, pelo menos por enquanto, interveio para punir os responsáveis ​​por este crime.

Outra violação é encontrada na atividade de transferência de crianças da Ucrânia para a Itália (e presumivelmente também para outras nações) que foram obtidas por meio de maternidade de aluguel, ordenada por casais italianos em violação da Lei 40/2004, sem que nenhuma penalidade seja imposta aos culpados deste crime, bem como seus cúmplices.

Também deve ser lembrado que as declarações de membros do Governo ou de líderes políticos em relação à Federação Russa e seu Presidente, juntamente com as sanções que foram adotadas contra a Rússia e os repetidos casos de discriminação arbitrária contra cidadãos russos, empresas, artistas e equipes esportivas pelo simples fato de serem russos, não são apenas provocações que devem ser evitadas para permitir uma solução serena e pacífica da crise na Ucrânia, mas também colocam em risco muito grave a segurança dos cidadãos italianos (bem como a segurança dos cidadãos de outras nações que estão adotando uma postura semelhante em relação à Rússia). A razão para tal temeridade precipitada é incompreensível, a menos que haja um desejo intencional de provocar reações da parte contrária.

O conflito russo-ucraniano é uma armadilha muito perigosa que foi armada contra a Ucrânia, a Rússia e as nações da Europa.

Ucrânia é a mais recente vítima de perfeitos carrascos

A crise russo-ucraniana não estourou repentinamente há um mês. Ela vem sendo preparada e fomentada há muito tempo, certamente começando com o golpe branco de 2014 que foi desejado pelo estado profundo americano em tom anti-russo. Isso é demonstrado, entre outros fatos incontestáveis, pelo treinamento do Batalhão Azov pela CIA “para matar russos” (aqui), com a CIA forçando a revogação da emenda de proibição de ajuda ao batalhão feita pelo Congresso em 2015. As intervenções feitas por Joe e Hunter Biden foram na mesma direção. Assim, há evidências de premeditação de longo prazo, consistente com a expansão implacável da OTAN para o Leste. A Revolução Colorida do Euromaidan, bem como o estabelecimento de um governo pró-OTAN composto por homines novi treinados pelo Fórum Econômico Mundial e George Soros, pretendia criar as condições para a subordinação da Ucrânia ao bloco da OTAN, retirando-a da influência da Federação Russa. Para tanto, a ação subversiva das ONGs do filantropo húngaro, apoiada pela propaganda midiática, silenciou sobre os crimes das organizações paramilitares neonazistas, financiadas pelas mesmas pessoas que patrocinam Zelensky.

Mas se a lavagem cerebral realizada pela mídia mainstream nas nações ocidentais conseguiu transmitir uma narrativa completamente distorcida da realidade, o mesmo não pode ser dito da Ucrânia, onde a população está bem ciente da corrupção da classe política no poder, bem como do seu afastamento dos problemas reais da nação ucraniana. Nós, ocidentais, acreditamos que os “oligarcas” estão apenas na Rússia, enquanto a realidade é que eles estão presentes sobretudo em toda a galáxia de nações que outrora compunham a União Soviética, onde podem acumular riqueza e poder simplesmente colocando-se a disposição de “filantropos” estrangeiros e corporações multinacionais. Pouco importa se suas contas offshore são a principal causa da pobreza dos cidadãos dessas nações, o atraso do sistema de saúde, o poder excessivo da burocracia, a quase total ausência de serviços públicos, o controle estrangeiro de empresas estratégicas, e a perda progressiva de soberania e identidade nacional: o importante é “ganhar dinheiro” e ser imortalizado junto com personalidades políticas, banqueiros, traficantes de armas e aqueles que fazem o povo passar fome. E depois vir para os resorts da moda de Versilia ou da Costa Amalfitana para exibir seus iates e cartões de platina para o garçom de Odessa ou a faxineira de Kiev que enviam seus salários irrisórios para seus parentes em casa. Esses bilionários ucranianos vestindo kipás são aqueles que estão vendendo a Ucrânia para o Ocidente que corrompe e é corrompido, trocando seu próprio bem-estar pela escravização de seus compatriotas aos usurários que estão dominando o mundo, usando os mesmos sistemas implacáveis ​​e imorais em todos os lugares. No passado, cortaram os salários dos trabalhadores em Atenas e Salónica; hoje simplesmente alargaram os seus horizontes a toda a Europa, onde a população ainda olha com incredulidade enquanto se impõe primeiro uma ditadura sanitária e depois uma ditadura ambiental.

Por outro lado, sem o pretexto de uma guerra, como poderiam justificar o aumento do preço do gás e dos combustíveis, forçando o processo de transição “ecológica” imposta de cima para controlar as massas empobrecidas? Como eles poderiam ter feito os povos do mundo ocidental engolir o estabelecimento da tirania da Nova Ordem Mundial, quando a farsa da pandemia estava se desvendando e trazendo à tona crimes contra a humanidade cometidos pela BigPharma?

E enquanto a UE e os chefes de governo culpam a Rússia pelo desastre iminente, as elites ocidentais demonstram que querem até destruir a agricultura, a fim de aplicar os horrores do Holodomor em escala global (aqui). Por outro lado, em muitas nações (incluindo a Itália) a privatização das hidrovias está sendo teorizada – e a água é um bem público inalienável – em benefício das multinacionais e com o objetivo de controlar e limitar as atividades agrícolas. O governo pró-OTAN de Kiev não se comportou de maneira muito diferente: por oito anos a Crimeia foi privada da água do rio Dnieper para impedir a irrigação dos campos e deixar o povo faminto. Hoje, diante das sanções impostas à Rússia e da enorme redução da oferta de grãos, podemos entender os enormes investimentos de Bill Gates na agricultura (aqui), seguindo a mesma lógica implacável de lucro já experimentada com a campanha de vacinas.

O povo ucraniano, independentemente do grupo étnico a que pertença, são apenas os mais recentes reféns involuntários do regime totalitário supranacional que pôs de joelhos as economias nacionais de todo o mundo através da farsa do Covid, depois de teorizar publicamente sobre a necessidade de dizimar a população mundial e transformar os sobreviventes em doentes crónicos que comprometeram irreparavelmente o seu sistema imunológico.

O povo ucraniano deve pensar muito sobre apelar à intervenção da OTAN ou da UE, desde que seja realmente os ucranianos que o fazem e não seus governantes corruptos auxiliados por mercenários racistas e grupos neonazistas a soldo de hierarcas. Porque enquanto lhes é prometida a libertação do invasor – com quem partilham a herança religiosa e cultural comum de terem feito parte da Grande Rússia – na realidade o que se prepara cinicamente é o seu cancelamento definitivo, a sua escravização ao Grande Reinício que tudo prevê exceto a proteção de sua identidade, sua soberania e suas fronteiras.

Que o povo ucraniano veja o que aconteceu às nações da União Europeia: a miragem de prosperidade e segurança é demolida pela contemplação dos escombros deixados pelo euro e pelos lobbies de Bruxelas. Nações invadidas por imigrantes ilegais que alimentam o crime e a prostituição; destruídos em seu tecido social por ideologias politicamente corretas; conscientemente levado à falência por políticas econômicas e fiscais imprudentes; levados à pobreza pelo cancelamento das proteções trabalhistas e previdenciárias; privados de futuro pela destruição da família e pela corrupção moral e intelectual das novas gerações.

O que antes eram nações prósperas e independentes, diversas em suas respectivas especificidades étnicas, linguísticas, culturais e religiosas, agora se transformaram em uma massa amorfa de pessoas sem ideais, sem esperanças, sem fé, sem sequer forças para reagir contra os abusos e crimes daqueles que os governam. Uma massa de clientes corporativos, escravos do sistema de controle minucioso imposto pela farsa da pandemia, mesmo diante das provas da fraude. Uma massa de pessoas sem identidade individual, marcadas com códigos QR como animais em uma fazenda intensiva, como produtos de um grande shopping center. Se este foi o resultado da renúncia à soberania nacional para todas as nações – cada uma, sem exceção! – que se entregaram à fraude colossal da União Europeia, porque seria diferente na Ucrânia?

É isso que seus pais queriam, o que eles esperavam, o que eles desejavam, quando receberam o Batismo junto com Vladimir, o Grande, nas margens do Dnieper?

Se há um aspecto positivo que cada um de nós pode reconhecer nesta crise, é que ela revelou o horror da tirania globalista, seu cinismo implacável, sua capacidade de destruir e aniquilar tudo o que toca. Não são os ucranianos que devem entrar na União Europeia ou na OTAN, mas sim as outras nações que devem finalmente ser sacudidas pelo orgulho e pela coragem para as deixar, sacudindo este jugo detestável e redescobrindo a sua própria independência, soberania, identidade e fé. Suas próprias almas.

Para ser claro: a Nova Ordem não é um destino inescapável, e pode ser subvertida e denunciada, se apenas os povos do mundo perceberem que foram enganados e ludibriados por uma oligarquia de criminosos claramente identificáveis, que um dia terão que responder por essas sanções e por esses blocos de fundos que hoje eles aplicam impunemente a quem não se ajoelha diante deles.

Um apelo à Terceira Roma

Também para a Rússia este conflito é uma armadilha. Isso porque realizaria o sonho do estado profundo americano de expulsar definitivamente a Rússia do contexto europeu em suas relações comerciais e culturais, empurrando-a para os braços da China, talvez com a esperança de que a ditadura de Pequim possa persuadir os russos a aceitar o sistema de crédito social e outros aspectos do Grande Reinício que até agora a Rússia conseguiu evitar, pelo menos em parte.

É uma armadilha, não porque a Rússia esteja errada em querer “desnazificar” a Ucrânia de seus grupos extremistas e garantir proteção aos ucranianos de língua russa, mas porque são precisamente essas razões – teoricamente sustentáveis ​​– que foram criadas especificamente para provocá-la e induzir invadir a Ucrânia, de forma a provocar a reação da OTAN que vem sendo preparada há algum tempo pelo estado profundo e pela elite globalista. O casus belli foi deliberadamente planejado pelos verdadeiros perpetradores do conflito, sabendo que obteria exatamente essa resposta de Putin. E cabe a Putin, independentemente de estar certo, não cair na armadilha e, em vez disso, virar a mesa, oferecendo à Ucrânia as condições de uma paz honrosa sem continuar o conflito. De fato, quanto mais Putin acredita que está certo, mais precisa demonstrar a grandeza de sua nação e seu amor por seu povo, não cedendo a provocações.

Permitam-me repetir as palavras do profeta Isaías: Dissolve colligationes impietatis, solve fasciculos deprimentes, dimitte eos qui confracti sunt liberos, et omne onus dirumpe; frange esurienti panem tuum, et egenos vagosque induc in domum tuam; cum videris nudum, operi eum, et carnem tuam ne despexeris. Tunc erumpet quasi mane lumen tuum; et sanitas tua citius orietur, et anteibit faciem tuam justitia tua, et gloria Domini colliget te.

Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade, que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces todo o jugo? Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres abandonados; e, quando vires o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne? Então romperá a tua luz como a alva, e a tua cura apressadamente brotará, e a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do Senhor será a tua retaguarda. (Is 58:6-8)

A crise mundial com a qual se prepara a dissolução da sociedade tradicional também envolveu a Igreja Católica, cuja Hierarquia é refém de apóstatas que são cortesãos do poder.[4] Houve um tempo em que Papas e Prelados confrontavam os Reis sem se preocupar com o respeito humano, porque sabiam que falavam com a voz de Jesus Cristo, o Rei dos reis. A Roma dos Césares e Papas está agora deserta e silenciosa, assim como durante séculos a Segunda Roma de Constantinopla também esteve silenciosa. Talvez a Providência tenha ordenado que Moscou, a Terceira Roma, assuma hoje à vista do mundo o papel de κατέχον (2Ts 2,6-7), de obstáculo escatológico ao Anticristo. Se os erros do comunismo foram disseminados pela União Soviética, a ponto de se imporem no seio da Igreja, a Rússia e a Ucrânia podem hoje ter um papel marcante na restauração da civilização cristã, contribuindo para trazer ao mundo um período de paz a partir do qual também a Igreja ressurgirá purificada e renovada nos seus Ministros.

Os Estados Unidos da América e as nações europeias não devem marginalizar a Rússia, mas sim formar uma aliança com ela, não só para a restauração do comércio para a prosperidade de todos, mas em vista da reconstrução de uma civilização cristã, a única que pode salvar o mundo do monstro transumano globalista tecno-sanitário.

Considerações Finais

Há uma grande preocupação de que os destinos dos povos do mundo estejam nas mãos de uma elite que não presta contas a ninguém por suas decisões, que não reconhece nenhuma autoridade acima de si mesma e que, para perseguir seus próprios interesses, não hesita em colocar em risco a segurança, a economia e a própria vida de bilhões de pessoas, com a cumplicidade de políticos a seu serviço e da mídia mainstream. A falsificação dos fatos, as grotescas adulterações da realidade e o partidarismo com que as notícias são divulgadas estão ao lado da censura de vozes dissidentes e levam a formas de perseguição étnica contra cidadãos russos, discriminados justamente nos países que se dizem democráticos e respeitadores dos direitos fundamentais.

Espero sinceramente que meu apelo para o estabelecimento de uma Aliança Anti-Globalista que una os povos do mundo em oposição à tirania da Nova Ordem Mundial seja aceito por aqueles que têm no coração o bem comum, a paz entre as nações, a concórdia entre todos os povos, a liberdade de todos os cidadãos e o futuro das novas gerações. E ainda antes disso, que minhas palavras – junto com as de muitas pessoas intelectualmente honestas – contribuam para trazer à tona a cumplicidade e corrupção daqueles que usam a mentira e a fraude para justificar seus crimes, mesmo nestes momentos de grande apreensão com a guerra em Ucrânia.

“Que os fortes nos ouçam, para não ficarem fracos na injustiça. Que os poderosos nos ouçam, se querem que seu poder não seja a destruição, mas o apoio aos povos e a proteção da tranquilidade na ordem e no trabalho” (Pio XII, Mensagem de rádio aos chefes de Estado e povos do mundo em perigo iminente de guerra), 24 de agosto de 1939).

Que a Santa Quaresma leve todos os cristãos a pedir perdão à Divina Majestade pelos pecados daqueles que pisam a Sua Santa Lei. Que a penitência e o jejum movam o Senhor Deus à misericórdia, enquanto repetimos as palavras do profeta Joel: Parce, Domine: parce populo tuo; et ne des hæreditatem tuam in opróbrio, ut dominentur eis nationes. Poupa a teu povo, ó Senhor, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que os gentios o dominem (Jl 2:17).

 

+ Carlo Maria Viganò, Arcebispo,

Ex-Núncio Apostólico nos Estados Unidos da América

6 de março de 2022

Primeiro Domingo da Quaresma

 

Artigo original aqui

___________________

Notas

[1] Em 2011, Kolomoisky foi um dos cofundadores do Parlamento Europeu Judaico, juntamente com o bilionário Vadim Rabinovich. Cf. http://ejp.eu/. Observe que Rabinovich é membro do Plataforma de Oposição – Pela Vida, o partido político ucraniano pró-Rússia cujo líder Viktor Medvedcuk foi preso por Zelensky.

[2] De acordo com o político russo Viktor Vladislavovich Zubarev, membro da Duma do Estado, Zelensky também teria US$1,2 bilhão depositado no Dresdner Bank na Costa Rica e uma vila em Miami comprada por US$34 milhões (aqui). Para uma noção mais abrangente, veja a investigação da Slidstvo-info, uma agência ucraniana independente de jornalismo investigativo (aqui).

[3] Deve-se notar que o Ministro italiano da Transição Ecológica, Roberto Cingolani, decidiu há poucos dias vender uma parte dos estoques de petróleo para a Ucrânia “como uma ajuda concreta também na frente da energia”, exatamente como durante a pandemia ele deu milhões de máscaras para a China, apenas para comprá-las de volta de Pequim logo depois (aqui).

[4] Em sua edição de 6 de março, Famiglia Cristiana tem uma manchete, comentando um artigo do fundador da Comunidade Sant’Egidio, Andrea Riccardi: “Vamos parar a guerra e construir uma nova ordem mundial” (aqui).

2 COMENTÁRIOS