Capítulo X – “A Propensão para Consumir”: II

0
Tempo estimado de leitura: 7 minutos

1. Razões para não gastar

Depois de um primeiro capítulo de dezoito páginas sobre “A propensão para consumir: I. Os Fatores Objetivos”, Keynes tem um capítulo de apenas cinco páginas sobre “A Propensão para Consumir: II. Os fatores subjetivos”. Começa por declarar isso:

“Há, em geral, oito motivos principais ou objetos de um caráter subjetivo que levam os indivíduos a se absterem de gastar fora de suas rendas” (p. 107).

Vale a pena citar estes praticamente na íntegra:

(i) Constituir uma reserva contra contingências imprevistas;

(ii) Proporcionar uma relação futura antecipada entre a renda e as necessidades do indivíduo ou de sua família diferente daquela que existe no presente, como, por exemplo, em relação à velhice, à educação familiar ou à manutenção dos dependentes;

(iii) Gozar de interesse e apreciação, ou seja, porque se prefere um maior consumo real numa data posterior a um menor consumo imediato;

(iv) Desfrutar de uma despesa crescente, uma vez que gratifica um instinto comum de esperar uma melhoria gradual do nível de vida e não o contrário, ainda que a capacidade de desfrutar possa estar a diminuir;

(v) Gozar de um sentido de independência e do poder de fazer as coisas, embora sem uma ideia clara ou intenção definida de ação específica;

(vi) Assegurar uma massa de manobra para realizar projetos especulativos ou empresariais;

(vii) Legar uma fortuna;

(viii) Satisfazer a miséria pura, ou seja, inibições irrazoáveis, mas insistentes, contra atos de despesas enquanto tais

(pp. 107 – 108).

Ora, mesmo que não houvesse nada de seriamente inválido nesta classificação particular dos motivos da poupança pessoal, não há certamente nada de singularmente esclarecedor ou inevitável nela. Pode-se listar oito motivos ou objetos de salvação; ou, se alguém quiser ser tão específico quanto Keynes é em alguns casos, pode-se listar vinte e oito.

É surpreendente que a razão mais importante (em relação à luz que lança sobre os ciclos econômicos) pela qual os indivíduos às vezes se abstêm de gastar não esteja especificamente contida na lista de Keynes. Esta é simplesmente a expectativa de que os preços vão cair, ou cair ainda mais; e que se o comprador esperar o tempo suficiente ele pode conseguir o que quer mais barato.

Poderia ser discutido que este pôde encontrar um lugar sob a sexta razão de Keynes.  Mas, para essa matéria, poderia ser argumentado que todos os motivos mais específicos para a poupança pessoal, poderiam ser resumidos sob um único motivo amplo – construir uma reserva contra futuras exigências ou contingências, sejam elas definitivas, prováveis ou meramente possíveis.

O motivo, em outras palavras, é fornecer tanto para as certezas quanto para as incertezas do futuro – de comprar o jantar de amanhã ou pagar o aluguel do próximo mês até aproveitar uma oportunidade especulativa, ou deixar a família confortavelmente fora no caso de uma morte.  Coisas como a miserabilidade pura, enfatizada por Keynes, podem seguramente ser deixadas de fora da conta para a análise prática – primeiro, porque relativamente poucas pessoas são viciadas nela (em uma sociedade industrial moderna) e, segundo, porque a quantidade relativa dela provavelmente permanece inalterada de ano para ano, se não de geração para geração.

Se estamos a falar de todos os motivos para poupar, há uma omissão grave na elaborada lista de oito de Keynes. As pessoas poupam para tornar possíveis os métodos de produção indireta, para que a sua capacidade produtiva possa ser aumentada e os seus rendimentos futuros (quer sejam pensados em termos de dinheiro ou do fluxo de bens e serviços) possam ser aumentados em conformidade. De fato, eles fazem isso geralmente em sua capacidade como empresários ou gerentes de corporações, em seu papel de “produtores” ao invés de “consumidores”; e Keynes listou meramente os motivos que levam os “indivíduos” (presumivelmente pensados apenas como consumidores) “a se absterem de gastar fora de suas rendas”.

Mas, ao omitir este motivo produtivo, omite a própria consequência que torna a poupança tão essencial para o crescimento econômico total e tão benéfica para a sociedade como um todo. Se quiséssemos reduzir a apenas dois a classificação dos principais motivos da poupança, teríamos que dizer que eles eram (1) para suprir necessidades ou contingências futuras de parte da renda atual (poupança simples); e (2) para tornar possíveis métodos de produção indireta (poupança capitalista) de modo a aumentar a renda futura. É a cegueira quase total de Keynes em relação a este segundo motivo – e resultado – que explica a sua estranha tendência para a vida inteira contra a poupança.

Pois, Keynes tinha um viés definido contra a poupança, que durou pelo menos vinte anos de pé (ver minha citação nas páginas 85-86 de Economic Consequences of the Peace). Isto é revelado novamente, apesar do esforço de Keynes para parecer imparcial, no parágrafo imediatamente após os oito motivos para salvar citados acima:

“Esses oito motivos podem ser chamados de motivos de precaução, prospectiva, cálculo, melhoria, independência, empreendimento, orgulho e avareza; e nós também poderíamos elaborar uma lista correspondente de motivos para o consumo, tais como desfrute, miopia, generosidade, erro de cálculo, ostentação e extravagância” (p. 108)

Pode parecer carinhoso notar isso, mas enquanto Keynes lista oito motivos, incluindo Orgulho e Avareza, para economizar, ele lista apenas seis motivos para gastar. Ele pode facilmente ter completado a última lista adicionando Desvelo e Improvidência. É verdade que estes podem se sobrepor em alguns dos motivos que ele lista, mas a sobreposição dificilmente poderia ser maior que a de precaução, previsão e cálculo.

Keynes complementa sua lista de motivos para a poupança individual com uma lista de quatro motivos para a poupança institucional (por governos e corporações empresariais). Esses quatro motivos estão listados sob os nomes de empreendimento, liquidez, melhoria e prudência financeira. Mas Keynes trata estes motivos de forma concisa e depreciativa, e dá a entender que o último é quase certo de ser excessivo.

2. O medo da poupança

Na segunda seção do seu capítulo sobre os fatores subjetivos na propensão ao consumo, Keynes explica mais detalhadamente as razões de seu ódio e medo da economia. Mas comecemos pela sua conclusão e não pelas suas razões:

“Quanto mais virtuosos formos, quanto mais decididamente poupados, quanto mais obstinadamente ortodoxos formos nas nossas finanças nacionais e pessoais, mais os nossos rendimentos terão de baixar quando os juros aumentarem relativamente à eficiência marginal do capital. A obesidade pode trazer apenas uma penalidade e nenhuma recompensa. Para o resultado é inevitável” (p. 111)

Como Keynes antecipa aqui alguns dos seus argumentos posteriores, também podemos adiar para mais tarde uma análise mais detalhada dos mesmos. Mas como o argumento que ele apresenta relativamente às taxas de juro é de importância central para a sua teoria e para as suas recomendações em matéria de política econômica, parece desejável um breve comentário.

“A influência de alterações na taxa de juro sobre o montante efetivamente poupado é de suma importância, mas é na direção oposta à que normalmente se supõe. Porque mesmo que a atração de um rendimento futuro maior a ganhar com uma taxa de juro mais elevada tenha o efeito de diminuir a propensão para consumir, podemos ter a certeza de que um aumento da taxa de juro terá o efeito de reduzir o montante efetivamente poupado. Para que a poupança agregada seja governada pelo investimento agregado; um aumento da taxa de juro (a menos que seja compensado por uma alteração correspondente na procura e no calendário do investimento) diminuirá o investimento; assim, um aumento da taxa de juro deve ter o efeito de reduzir os rendimentos para um nível em que a poupança é reduzida na mesma medida que o investimento” (p. 110)

“[E Keynes conclui ainda que] a poupança e as despesas irão diminuir” (p. 111)

É surpreendente quantas falácias e inversões Keynes pode empacotar em um pequeno espaço, e especialmente quantas falácias, como um conjunto de caixas chinesas, ele pode empacotar dentro de outras falácias.

Um aumento na taxa de juros, argumenta Keynes aqui, não irá normalmente encorajar um aumento na quantidade de poupança, mas uma diminuição. Por quê? Porque, embora uma taxa de juro mais elevada possa encorajar mais poupança, desencorajaria a contração de empréstimos. É verdade. Mas o mesmo tipo de coisa poderia ser dito não apenas sobre o preço dos fundos emprestados, mas sobre o preço de qualquer outra coisa. Um preço mais alto para qualquer mercadoria reduzirá o valor exigido, a menos que a escala de demanda também seja mais alta. Mas pode ser precisamente porque a demanda por essa commodity aumentou que o preço tenha sido licitado em primeiro lugar. Portanto, o preço mais alto não causará uma redução na quantidade exigida pela simples razão de que foi o aumento na demanda que forçou o aumento do preço.

O mesmo raciocínio se aplica à taxa de juros, que é outro nome para o preço dos fundos emprestados. Um aumento arbitrário e não provocado da taxa de juro levaria, outras coisas permanecendo iguais, a uma redução do endividamento, a uma redução da quantidade de fundos emprestados exigidos. Mas um aumento ou queda de cada preço competitivo sensível é causado por algo. Se o próprio aumento das taxas de juro foi causado por um aumento do “calendário de procura de investimento” (como Keynes admite ser possível), então o aumento das taxas de juro é apenas um ajustamento ao aumento do “calendário de procura de investimento”, e não irá necessariamente fazer com que sejam exigidos menos fundos emprestados do que antes. De fato, se o aumento das taxas de juros não for suficiente para compensar o aumento da escala de demanda de investimento, mais capital será demandado à taxa de juros mais alta do que à anterior mais baixa. E como um aumento das taxas de juro pode encorajar a poupança e o crédito, este aumento das taxas de juro pode ser precisamente o que é necessário para gerar mais fundos emprestados para satisfazer o aumento da procura.

O que Keynes ilustra no parágrafo citado acima é sua persistente falácia (sobre a qual repousa toda a estrutura de sua Teoria Geral) de considerar os efeitos das taxas de juros apenas sobre os mutuários e não sobre os credores, o efeito das taxas salariais apenas sobre os rendimentos dos trabalhadores e nunca sobre os custos dos empresários. É esta cegueira deliberada em relação à duplicidade de todas as transações – esta concentração nos incentivos ao empréstimo e o esquecimento daqueles que emprestam, nos incentivos do comprador e não do vendedor, do consumidor e não do produtor, esta fantástica atitude em relação à propensão para consumir enquanto a propensão para trabalhar é tomada como certa ou esquecida – é esta visão de um olho que constitui a “revolução” keynesiana.

As consequências naturais da filosofia econômica keynesiana foram vividamente retratadas por Patrick Barrington (dois anos antes da racionalização particular que apareceu na Teoria Geral) em seu poema no Punch:[1]

Eu quero ser um consumidor

“E o que queres dizer com isso?”

O velho Bispo disse

Enquanto ele levava o rapaz de joelhos.

E deu-lhe uma palmadinha na cabeça encaracolada.

“Devemos todos escolher um chamamento

Para ajudar o plano da Sociedade;

Então o que queres dizer com isso, meu rapaz?

Quando te tornares um homem?”

“Eu quero ser um Consumidor,”

O rapaz de cabelos brilhantes respondeu

Enquanto ele olhava para o rosto do Bispo

Na inocência de olhos abertos.

“Eu nunca tive objetivos egoístas,

Por isso, como eu sei, está errado.

Eu quero ser um Consumidor, senhor,

E ajudar o mundo.

“Eu quero ser um Consumidor

E trabalhar noite e dia,

Pois essa é a coisa mais necessária,

Já ouvi Economistas dizerem,

Não serei apenas um Produtor,

Como o Bobby, o James e o John;

Eu quero ser um Consumidor, senhor,

E ajudar a nação.”

“Mas o que você quer ser?”

O Bispo disse novamente,

“Porque todos nós temos de trabalhar”, disse ele,

“Como deve, penso eu, ser claro.

Você está pensando em estudar medicina?

Ou fazer um exame da Ordem dos Advogados?”

O rapaz de cabelo lustroso respondeu

Enquanto ele se ajudava a si próprio a improvisar.

“Quero ser Consumidor

E viver de uma forma útil;

Pois essa é a coisa mais necessária,

Já ouvi Economistas dizerem.

Há demasiadas pessoas a trabalhar

E muitas coisas são feitas.

Eu quero ser um Consumidor, senhor,

E ajudar a promover o Comércio.”

“Eu quero ser um Consumidor

E cumprir bem o meu dever;

Pois essa é a coisa mais necessária,

Ouvi os Economistas dizerem.

Já me decidi”, ouviu o rapaz,

Enquanto ele acendia um charuto, para dizer;

“Eu quero ser um Consumidor, senhor,

E quero começar hoje.”

_________________________________

Notas

[1] Questão de 25 de abril, 1934. Reimpresso por permissão de Punch, Londres.