Capítulo XI – “O Multiplicador”

0
Tempo estimado de leitura: 22 minutos

1. A mágica da coisa

Chegamos agora ao estranho conceito do “multiplicador”, sobre o qual alguns keynesianos fazem mais barulho do que qualquer outra coisa no sistema keynesiano. De fato, toda uma literatura se desenvolveu apenas em torno deste conceito.

Vamos tentar ver o que Keynes quer dizer com o termo.

“Em determinadas circunstâncias, pode ser estabelecido um quociente definido, a designar por Multiplicador, entre rendimento e investimento e, sujeito a certas simplificações, entre o emprego total e o emprego diretamente empregado no investimento. Este passo adicional é parte integrante da nossa teoria do emprego, uma vez que estabelece uma relação precisa, dada a propensão para consumir, entre o emprego e o rendimento agregado e a taxa de investimento” (p. 113)

Keynes dá crédito a R. F. Kahn por ter introduzido pela primeira vez o conceito de multiplicador na teoria da economia em 1931. Mas o de Kahn era um “multiplicador de emprego” enquanto o de Keynes é um

“multiplicador de investimento” (p. 115)

Agora a propensão média para consumir, o leitor recordar-se-á, é

“a relação funcional entre um determinado nível de rendimento em termos de unidades salariais, e a despesa em consumo fora desse nível de rendimento” (p. 90)

Assim:

“se Cw é a quantidade de consumo e Yw é o rendimento (ambos medidos em unidades salariais) ΔCw têm o mesmo sinal que ΔYw, mas é menor em quantidade, i.e., dCw/dYw é positivo e menor que uma unidade” (p. 96).

O que isto significa, em termos simples e numéricos, é que se de três unidades de rendimento, duas são gastas no consumo, a ‘propensão para consumir’ será de 2/3.

Agora no Capítulo 10, e na página 115, Keynes avança para o conceito de “propensão marginal ao consumo”. Ele define isso, no entanto, precisamente pela mesma expressão matemática e anotação que usou anteriormente para expressar o que ele agora chama de “propensão média para o consumo”, ou seja, a “propensão média para o consumo”.

dCw/dYw (p. 115)

A propensão marginal a consumir é a relação do aumento do consumo com o aumento da “renda real” quando a renda da comunidade aumenta.

O leitor poderá não estar inclinado a imaginar, à primeira vista, que a propensão média para o consumo, ou a propensão marginal para o consumo fosse uma questão de grande importância no que respeita ao ciclo econômico ou à extensão do emprego. Keynes simplesmente nos diz que de uma dada quantidade de renda, ou um aumento de renda, uma parte, mas não a totalidade, será gasto no consumo, e uma parte, mas não a totalidade, será poupado.

Já há muito que os economistas salientam que quanto maior for a percentagem do rendimento nacional que é poupada e investida, mais rápido, em igualdade de circunstâncias, será o crescimento da produção e mais rapidamente, portanto, aumentará o nível real de rendimento na comunidade. Mas como qualquer descoberta significativa sobre as flutuações nos negócios e no emprego poderia resultar do truísmo de que as pessoas vão gastar algo e poupar algo dos seus rendimentos são difícil de ver.

Ainda Keynes pensa que consegue um resultado mágico desse truísmo. A propensão marginal para consumir

“é de considerável importância, porque nos diz como o próximo incremento de produção terá que ser [meu itálico] dividido entre consumo e investimento” (p. 115)

E deste Keynes deriva o mágico “Multiplicador do investimento”, k.

“Ele nos diz que, quando há um incremento do investimento agregado, a renda aumentará em uma quantia que é k vezes o incremento do investimento” (p. 115)

Tentemos encontrar em linguagem mais simples o que Keynes está dizendo aqui. Ele explica na próxima página:

“Segue-se, portanto, que, se a psicologia do consumo da comunidade é tal que eles escolherão consumir, por exemplo, nove décimos de um incremento de renda, então o multiplicador k é 10; e o emprego total causado por (por exemplo) aumento de obras públicas será dez vezes o emprego primário fornecido pelas próprias obras públicas” (pp. 116-117).

O que Keynes está dizendo, entre outras coisas, é que quanto mais uma comunidade gasta sua renda, e quanto menos economiza, mais rápido sua renda real crescerá! Nem as implicações de sua própria lógica o assustam. Se uma comunidade não gasta nada de sua renda adicional (de, digamos, o aumento das obras públicas), mas poupa tudo isso, então as obras públicas darão apenas o emprego adicional que elas mesmas proporcionam, e isso será o fim dela. Mas se uma comunidade gasta toda a renda adicional proporcionada pelas obras públicas, então o multiplicador é infinito[1]. Isto significaria que uma pequena despesa em obras públicas aumentaria a renda sem limites, desde que a comunidade não fosse envenenada pela presença de poupadores.

Keynes não hesita em aceitar essa dedução, mas a aceita de forma peculiar.

“Se, por outro lado, eles [a comunidade] procuram consumir o conjunto de qualquer incremento de renda, não haverá ponto de estabilidade e os preços subirão sem limites” (meu itálico, p. 117)

Mas como é que os preços entraram nela? A “propensão para consumir” e o “multiplicador”, que nos foi assegurado até agora, são expressos em termos de “unidades salariais”, o que, assegura Keynes, significa termos “reais” e não termos monetários. Por que não ouvimos nada sobre o efeito nos preços até chegarmos a um multiplicador infinito? Isto nos leva ainda a outra peculiaridade da economia keynesiana (que examinaremos em um ponto posterior), que é a suposição de que o aumento da atividade e do emprego não tem efeito significativo sobre os preços e salários até que o “pleno emprego” seja alcançado – e então tudo acontece de uma só vez. Somente então haverá uma “inflação verdadeira”.

É verdade, no entanto, que as implicações da sua lógica, assustam Keynes e os Keynesianos apenas um pouco. O seu multiplicador é demasiado bom para ser verdade. Além disso, quando os seus esquemas são experimentados, e o seu multiplicador não faz milagrosamente a sua multiplicação, eles precisam muito de um álibi. Isto é fornecido pela doutrina de “vazamentos”.

Entre os mais importantes desses vazamentos estão os seguintes: (1) uma parte do aumento do rendimento é utilizada para pagar dívidas; (2) uma parte é poupada sob a forma de depósitos bancários ociosos; (3) uma parte é investida em títulos, que por sua vez, não gastam o produto; (4) uma parte é gasta em importações, o que não ajuda o emprego doméstico; (5) uma parte das compras é fornecida por excedentes dos bens de consumo, que não podem ser substituídos. Por causa desses vazamentos, o processo do emprego desaparece depois de algum tempo[2].

2. Não fixo ou previsível

Eu disse que toda uma literatura se desenvolveu em torno deste conceito de “multiplicador”[3]. Há muitos conceitos diferentes, de fato: a teoria “lógica” do multiplicador, que não assume nenhum defasamento temporal; o conceito de “período-análise”, que assume defasamentos temporais; a análise “comparativa-estática”, e assim por diante. Uma imensa ingenuidade entrou no desenvolvimento matemático destas teorias. Mas se o leitor deseja economizar seu tempo antes de passar pelas monografias dos viciados em multiplicadores, ele fará algumas perguntas simples: Que razão há para supor que existe algo como “o multiplicador”? Ou que é determinado pela “propensão ao consumo”? Ou que todo o conceito não é apenas um brinquedo inútil, o tipo de coisa que as manivelas monetárias tornam deprimente familiar?

Há, de fato, tantas coisas erradas com o conceito de “multiplicador” que é difícil saber por onde começar a lidar com elas.

Vamos tentar olhar para uma provável origem do conceito. Se a renda de uma comunidade, por definição, é igual ao que consome mais o que investe, e se essa comunidade gasta, nove décimos de sua renda no consumo e investe um décimo, então sua renda deve ser dez vezes maior do que seu investimento. Se gasta dezenove vigésimos no consumo e investe um vigésimo, então sua renda deve ser vinte vezes maior do que seu investimento. Se gasta noventa e nove centésimos de sua renda no consumo e investe o centésimo restante, então sua renda deve ser cem vezes maior que seu investimento. E assim ad infinitum. Essas coisas são verdadeiras simplesmente porque são maneiras diferentes de dizer a mesma coisa. O homem comum na rua entenderia isso. Mas suponhamos que você tenha um homem sutil, treinado em matemática. Ele verá então que, dada a fração da renda da comunidade que vai para o investimento, a própria renda pode ser matematicamente chamada de “função” dessa fração. Se o investimento é um décimo da renda, a renda será dez vezes o investimento etc. Então, por algum salto selvagem, essa relação “funcional” e puramente formal ou terminológica é confundida com uma relação causal. Em seguida, a relação causal é colocada em sua cabeça e surge a surpreendente conclusão de que quanto maior a proporção de renda gasta, e quanto menor a fração que representa o investimento, mais este investimento deve “se multiplicar” para criar a renda total!

Admito que tudo isso soa bastante fantástico, mas não sei como explicar de outra forma como Keynes chegou a pensar que uma relação matemática causal tão surpreendente deveria existir. Vamos, no entanto, olhar para outras observações e noções que podem dar origem à hipótese de que existe algo como um multiplicador.

Quando, depois de uma depressão, a recuperação de um negócio se instala, então o aumento da despesa em qualquer direção, seja para investimento ou consumo, parece multiplicar-se muitas vezes. Wesley C. Mitchell, num livro publicado pela primeira vez em 1913, descreveu este processo:

“O agente conspícuo em despertar os negócios de sua letargia parcial tem sido muitas vezes um evento propício. Mas esses eventos propícios não fizeram mais do que acelerar um processo de recuperação de negócios já iniciado… Entre os efeitos finais de um período de tempos difíceis, então, estão: a redução dos custos primários e suplementares da fabricação de mercadorias e dos estoques de bens detidos pelos comerciantes atacadistas e varejistas, a liquidação de dívidas empresariais, as baixas taxas de juros, uma posição bancária que favorece um aumento dos empréstimos e uma crescente demanda entre os investidores por títulos corporativos.

Uma vez iniciado, um renascimento da atividade se espalha rapidamente por uma grande parte, se não toda, a área de negócios. Pois, mesmo quando o primeiro impulso para a expansão é fortemente confinado a uma única indústria ou localidade, seus efeitos no campo restrito estimulam a atividade em outros lugares.

Em parte, esta difusão da atividade prossegue ao longo das linhas de interconexão entre empresas. Uma linha leva de volta das primeiras indústrias estimuladas para as indústrias que fornecem matérias-primas e suprimentos suplementares. Outra linha leva para frente à cadeia de empresas que lidam com o aumento da produção de commodities.

A difusão da atividade não se limita a estas linhas definidas de interligação entre empresas. Procede também gerando um enviesamento otimista nos cálculos de todas as pessoas envolvidas na direção ativa das empresas e na concessão de empréstimos…

A maioria dos homens encontra os seus espíritos elevados por estarem em companhia otimista. Portanto, quando os primeiros beneficiários de um reavivamento comercial desenvolvem um estado de espírito positivo sobre as perspectivas dos negócios, eles tornam-se centros de infecção e começam uma epidemia de otimismo…

À medida que se espalha, a epidemia de otimismo ajuda a produzir condições que a justificam e a intensificam…”[4]

Aqueles que têm um conhecimento de longo prazo dos mundos empresarial e financeiro reconhecerão isso como uma excelente descrição realista do que realmente acontece em um período de recuperação. Mas está claro que este não é um processo puramente mecânico, determinado por alguma “lei psicológica fundamental” fixa da qual não podemos escapar, ou por algum “multiplicador” rígido e predeterminado.

É verdade que alguns consumidores começam a gastar mais porque recebem mais de outra pessoa (que pode ter recebido em salários, digamos, de reemprego após ociosidade). Este gasto de dinheiro recém-adquirido tende, naturalmente, a acelerar a recuperação. Mas, em qualquer caso, nos dias anteriores aos gastos governamentais “compensatórios”, a recuperação foi geralmente iniciada (e certamente em grande parte continuada) por pessoas que finalmente deixaram de ser pessimistas sobre o futuro do negócio, e se convenceram de que os preços estavam “raspando o fundo do poço” e poderiam até ser devidos a uma recuperação.

Algumas dessas pessoas que iniciaram a recuperação são empresários que decidiram reabastecer-se em matérias-primas e reempregar alguns trabalhadores. Eles ou emprestam dos bancos para esta finalidade, ou simplesmente reativam saldos que têm, por muito tempo, permanecidos comparativamente ociosos. Algumas das pessoas que iniciam a recuperação são consumidores – e não necessariamente apenas aqueles que acabam de obter novas ou maiores rendas, mas também aqueles que decidiram que seus empregos são afinal seguros, ou que eles não vão conseguir um carro, ou uma casa mais barato por esperar mais tempo, e pode até mesmo ter que pagar mais se eles esperarem. O otimismo traz novidades que, ao serem gastas, trazem ainda mais rendimento, e assim por diante.

O otimismo, a renda, o consumo e o investimento interagem, todos aumentam mutuamente. Mas nunca há uma relação matemática precisa e previsível; nunca há uma relação fixa ou puramente mecânica entre estes elementos.

O “rendimento”, o “consumo” e o “investimento” podem ser quantidades mensuráveis (pelo menos em termos monetários, embora não em termos “reais”); mas o estado do sentimento empresarial, as expectativas individuais e compostas dos senhores A, B, C… N, não são mensuráveis, e nunca pode ser colocado em uma equação matemática significativa. Se o otimismo já estiver presente, uma pequena “nova” despesa pode iniciar, ou pode parecer iniciar, uma onda de despesas e reemprego. Mas se a perspectiva da comunidade ainda é basicamente pessimista, se alguns preços, salários ou taxas de juros ainda são geralmente considerados, por exemplo, como sendo irrealista ou impraticavelmente elevados, a “nova” despesa pode ser completamente desperdiçada no que diz respeito a qualquer efeito estimulante. Em todo este processo, o conceito de um “multiplicador” fixo, previsível ou pré-determinável nunca tem qualquer utilidade[5].

3. “Poupança” e “investimento” novamente

Keynes consistentemente falha em fornecer razões dedutivas convincentes para qualquer de suas principais proposições, ou “leis”. Nem compensa isto oferecendo qualquer prova estatística delas, ou mesmo fornecendo qualquer presunção estatística prima facie a seu favor. Em vez disso, ele nos dá algo assim:

“Não deve ser difícil compilar um gráfico da propensão marginal a consumir em cada fase de um ciclo de comércio a partir das estatísticas (se disponíveis) do rendimento agregado e do investimento agregado em datas sucessivas. Atualmente, porém, as nossas estatísticas não são suficientemente exatas.” (O meu itálico, p. 127)

Seria de supor que ele esperaria até que as estatísticas fossem compiladas antes de nos dizer o que encontraríamos. Parece que alguns números foram compilados, no entanto, por Simon Kuznets; e embora sejam “muito precários”, Keynes está surpreso com o que eles mostram.

“Se um único ano for tomado isoladamente, os resultados parecem bastante selvagens. Mas se eles estiverem agrupados em pares, o multiplicador parece ter sido menor que 3 e provavelmente bastante estável na vizinhança de 2.5” (p. 128).

Seria de supor que Keynes mostraria ao leitor como estas figuras foram obtidas, que anos cobriram etc., mas ele não faz nada disso. Pelo contrário, ele diz que a propensão marginal ao consumo, mostrada por esses números – de 60 a 70 por cento – embora “bastante plausível para o boom” é “surpreendentemente, e, a meu ver, improvavelmente baixa para a recessão”. Em outras palavras, se as estatísticas não se encaixam nos preconceitos de Keynes, são as estatísticas, não os preconceitos, que devem ser suspeitos ou descartados. Se os fatos não substanciam a teoria a priori, então o erro está com os fatos. Uma e outra vez Keynes tenta levar seu ponto por puro pronunciamento ex cathedra. Seu sucesso evidente em levá-lo fora só pode ser atribuído à docilidade da opinião acadêmica.

Todo o conceito de multiplicador assenta no pressuposto de um desemprego já existente. Esta é, naturalmente, uma suposição deliberada, mesmo quando tácita, da parte de Keynes; pois é a sua argumentação que o desemprego substancial é a situação “geral”, e que o “pleno emprego” (mesmo quando definido para permitir o desemprego “friccional”) é apenas uma situação “especial”. Mas esta contenção nunca é estabelecida[6]. Ela repousa, por sua vez, na suposição de que pode existir tal coisa, e que normalmente existe, como um “desemprego equilibrado”. Isto, como vimos, e veremos mais adiante, é uma contradição em termos. Enquanto o “multiplicador” de Keynes e outros conceitos assumem o desemprego, Keynes nunca nos diz corretamente as razões para este desemprego. Essas razões envolvem sempre algum desequilíbrio, algum desajustamento nas inter-relações de preços, taxas salariais, taxas de juro ou outros custos.

Nenhum “multiplicador” pode ser calculado ou mesmo discutido exceto em relação a estes desajustamentos. Se alguns salários são excessivamente altos em relação a alguns preços, e ajustamento voluntário é feito, então uma pequena quantidade de gastos do governo será completamente ineficaz para restaurar o emprego nas indústrias específicas envolvidas. A despesa do governo pode ter que ser tão grande (e financiada em tal maneira inflacionária) que levanta o “nível de preço” inteiro da nação suficientemente para aumentar o emprego nas indústrias afetadas. Mesmo assim, o emprego poderia muito mais facilmente ser recuperado pelo ajuste do salário do que pelos gastos do governo.

De fato, se o desemprego está sendo causado por taxas salariais específicas que são muito altas, e os novos gastos do governo apenas encorajam os sindicatos com taxas salariais excessivas a exigir taxas salariais ainda mais altas, as novas despesas não podem resultar em qualquer aumento líquido no emprego, e podem até ser seguidas por uma diminuição.

Outra dificuldade com o conceito de “multiplicador” de Keynes é que ele não distingue clara e consistentemente entre renda “real” (ou renda medida em dólares constantes) e renda monetária. É verdade que ele expressa seu “multiplicador” na maior parte do tempo em termos de “unidades salariais’”. Mas já vimos (p. 64) que ele define as “unidades salariais” de modo a torná-las, de fato, não uma quantidade de emprego, mas uma quantidade de dinheiro recebido pelos trabalhadores que estão empregados. As suas “unidades salariais” não são, em suma, unidades “reais”, mas sim unidades monetárias.

E o “multiplicador” de Keynes salta sem aviso prévio de termos ‘reais” para termos monetários. Este salto torna-se flagrante nas páginas 116 e 117. Aí se diz que se a propensão para consumir é 9/10:

“Então o multiplicador k é 10; e o emprego total causado pelo (e.g.) aumento de obras públicas será dez vezes o emprego primário fornecido pelas próprias obras públicas… Só no caso de a comunidade manter inalterado o seu consumo, apesar do aumento do emprego e, consequentemente, do rendimento real, é que o aumento do emprego se limitará ao emprego primário proporcionado pelas obras públicas” (meus itálicos).

Mas esta passagem é imediatamente seguida por esta frase:

“Se, por outro lado, procurarem consumir a totalidade de qualquer incremento de renda, não haverá ponto de estabilidade e os preços subirão sem limite” (meus itálicos).

Para repetir nossa pergunta (na página 137), como é que os preços entraram nisso?  Onde é que passamos do “rendimento real” para preços que sobem sem limites? Isto leva-nos a outra teoria Keynesiana peculiar (cada falácia é suportada por outras falácias). Esta é a teoria de que quando há desemprego, e a demanda aumenta por qualquer razão, o efeito é exclusivamente um aumento dos empregos e/ou o volume de bens vendidos – e nunca aumentar salários ou preços – até que o ponto de “pleno emprego” seja alcançado! Então (como por suposição não pode haver mais emprego) “os preços subirão sem limite”. Nem a teoria econômica, nem a experiência geral, nem as estatísticas disponíveis apoiam esta noção keynesiana. Mas adiaremos uma análise mais profunda para outro momento.

Uma falácia no “multiplicador” que por si só é suficiente para descredibilizá-lo por completo é a suposição de que toda a fração da renda de uma comunidade que não é “consumida” é acumulada; que nenhuma parte dessa renda não consumida é investida.

A “propensão ao consumo”, em suma, determina o “multiplicador” apenas no pressuposto de que o que não é gasto em consumo não é gasto em nada! Se a propensão para consumir é 7/10, ou 8/10, ou 9/10, ou qualquer coisa menor de 10/10, a máquina econômica vai cair a menos que o “investimento” se apresse a preencher a “lacuna” deixada pela “poupança”. Este “investimento” só pode ser fornecido por um deus ex machina, e este deus acaba por ser o governo com “despesas de empréstimo”. Estes pressupostos não são apenas falsos na realidade, mas uma contradição das próprias definições formais de Keynes na Teoria Geral de “poupança” e “investimento”.

O próprio Keynes nos assegurou que no Capítulo 6:

“A poupança e o investimento foram tão definidos que são necessariamente iguais em quantidade, sendo, para a comunidade como um todo, apenas diferentes aspectos da mesma coisa” (p. 74)

Ele também nos disse que

“a prevalência da ideia de que a poupança e o investimento, tomados no seu sentido pleno, podem diferir um do outro, deve ser explicada, penso eu, por uma ilusão de ótica” (p. 81)

Além disso, ele ridicularizou

“a visão simplista de que pode haver poupança sem investimento ou investimento sem poupança ‘genuína’” (p. 83).

No entanto, a noção de “multiplicador” dependente de uma “propensão para consumir” assenta precisamente nesta “ilusão de ótica” e nesta “nova visão”. Baseia-se no pressuposto de que pode haver “poupança” sem “investimento”.

O que está aqui em causa é, em parte, uma questão de fato e, em parte, uma questão de definição.  Se definirmos “poupança” como incluindo moeda e bens, e “investimento” como incluindo moeda e bens (os bens em ambos os casos são medidos a preços correntes da moeda), então “poupança” e “investimento” são sempre necessariamente iguais e, de fato, apenas dois nomes para a mesma coisa. Nestas definições, os termos “poupança” e “investimento” podem ser trocados livremente em qualquer contexto, sem alteração do significado. Ou um termo comum, como “produto não consumido”, poderia ser substituído por um ou ambos.

Mas se definirmos “poupança” exclusivamente em termos de moeda ou mesmo de bens mais moeda, e se definirmos “investimento” exclusivamente em termos de bens (de capital, em termos “reais” ou a preços determinados), então pode haver frequentemente discrepâncias entre “poupança” e “investimento”.

É aqui que a “nova visão” tem a sua importância. Para quando o investimento (por estas definições) excede a poupança “genuína”, deve haver inflação; e quando a “poupança” excede o “investimento” (por estas definições) deve haver deflação. De fato, só no pressuposto de que “investimento sem poupança” significa que foi criado novo dinheiro e crédito, e “poupança sem investimento” significa que algum dinheiro e crédito antigo foi retirado ou destruído, é que a discrepância entre poupança e investimento é possível. Com uma oferta constante de dinheiro, crédito e preços constantes, a poupança e o investimento, mesmo nestas segundas definições, devem ser iguais (E devem ser iguais em todos os momentos, sob todas as condições, é claro, se a poupança monetária é definida e tratada como “investimento” em dinheiro).

Mas o conceito de “propensão para consumir” e o conceito de “multiplicador” de Keynes não fariam sentido se ele não usasse os termos “poupança” e “investimento”, não como ele os definiu na Teoria Geral, mas sim como ele os definiu em suas definições repudiadas no Tratado sobre o Dinheiro.  Ele assume que pode, de fato, haver poupança sem investimento e investimento sem poupança.

E faz essa suposição em grau extremo, ao qual nada no mundo real corresponde. Pois sua “propensão para poupar” depende, por seus supostos efeitos deflacionários, da suposição tácita de que nenhuma parte da poupança é investida. Seu “multiplicador” magicamente rejuvenescedor, para funcionar perpendicularmente, assume que esse novo investimento surge sem poupança. Na verdade, se os beneficiários da nova renda que o novo investimento deve criar fizerem algo além de gastar a totalidade da nova renda no consumo, a matemática do multiplicador será perturbada. Se eles “pouparem” parte dela, o multiplicador é diminuído. Se eles próprios “investirem” parte dela, o multiplicador é aumentado. No entanto, este multiplicador é suposto ser pré-determinável por uma fórmula matemática, e usado como base de política e previsão!

4. “Investimento” significa gastos governamentais

Um exame minucioso revela ainda outra peculiaridade do “multiplicador”. “Investimento” é suposto “multiplicar” o emprego e a renda. No entanto, a quantidade de investimento, como tal, parece ser totalmente irrelevante para a matemática do multiplicador ou para o raciocínio em que se baseia.

Pois, em conexão com o multiplicador (e, na verdade na maior parte do tempo) o que Keynes se refere como “investimento” significa realmente qualquer adição aos gastos para qualquer propósito. Keynes não mostra o menor interesse na finalidade real do investimento real, que é aumentar a produtividade, tanto em termos quantitativos como qualitativos, e reduzir custos. Tudo o que lhe interessa são os gastos adicionais, para qualquer fim, para produzir seus efeitos multiplicadores. Por “investimento”, quando ele fala do multiplicador, ele se refere aos gastos do governo, não importa o que, desde que crie dinheiro adicional.

Esta última ideia nunca é explicitamente introduzida, mas está constantemente implícita. A “despesa com empréstimos”, declara ele (p. 128), mesmo que “esbanjadora”, “pode, no entanto, enriquecer a comunidade em equilíbrio”. E então ele explica em uma nota de rodapé:

“Muitas vezes é conveniente usar o termo ‘despesa de empréstimo’ para incluir tanto o investimento público financiado por empréstimos de indivíduos como qualquer outra despesa pública corrente que seja assim financiada. Assim, a ‘despesa com empréstimos’ é uma expressão conveniente para os empréstimos líquidos das autoridades públicas em todas as contas, quer na conta de capital, quer para fazer frente a um déficit orçamental.” (meus itálicos).

O que é realmente necessário para obter o efeito “multiplicador”, em suma, quando começamos a chamar as coisas pelos nomes certos, não é “investimento”, mas inflação.

“Investimento” é irrelevante para o multiplicador. Se, para dar outra ilustração, descobrirmos que a comunidade está a gastar apenas onze duodécimos do seu rendimento em bens cujos nomes começam com as letras A à W, então conseguimos resolver tudo fazendo a comunidade gastar o outro duodécimo do seu rendimento nos bens começando com as letras X, Y, Z. E não é de qualquer importância, para este efeito, se os bens A-W ou XYZ consistem total ou parcialmente em bens de consumo, ou bens de capital. A palavra “investimento” está meramente a ser usada numa semântica freestyle, ou no sentido Keynesiano. E a grande vantagem da “despesa de empréstimo” não está ligada ao investimento fora do rendimento passado, mas a impressão de mais dinheiro.

Teremos o suficiente para fazer neste volume dissecando os erros do próprio Keynes, sem entrar nos erros suplementares ou derivados introduzidos por alguns dos Keynesianos. Por isso não farei aqui nenhum esforço para analisar o “multiplicador do comércio exterior”, que contém, além de todas as falácias do próprio conceito de “multiplicador”, falácias adicionais baseadas em conceitos mercantilistas brutos dos efeitos das importações e exportações respectivamente.

Mas duas críticas ao “multiplicador” ainda não foram feitas, e ambas são básicas. Em primeiro lugar, mesmo admitindo todos os outros pressupostos peculiares de Keynes, é difícil entender por que o multiplicador (exceto pela simples afirmação) deve ser necessariamente o recíproco da propensão marginal a poupar. Se a propensão marginal ao consumo é 9/10, dizem-nos, o multiplicador é 10. Por quê? Como?

Nós já tentamos adivinhar como Keynes poderia ter chegado a esta surpreendente noção. Mas tomemos uma ilustração imaginária. A Ruritânia é um país keynesiano que tem um rendimento nacional de 10 bilhões de dólares e consome apenas 9 bilhões de dólares. Consequentemente tem uma propensão ao consumo de 9/10. Mas como de alguma forma consegue “poupar” 10% do seu rendimento sem “investir” os 10% em nada, tem um desemprego de 10%. Então o governo keynesiano vem em socorro gastando, não US$ 1 bilhão, mas apenas US$ 100 milhões em “investimento”. Pois, como o “multiplicador” é 10 (porque Keynes escreveu uma fórmula matemática que o torna 10 quando a propensão marginal para consumir é 9/10), este novo emprego direto de 100 milhões de dólares de alguma forma se multiplica para 1 bilhão de dólares de novo emprego total para “preencher a lacuna”, e shazam! O “pleno emprego” é alcançado.

(Expressando isto em termos de emprego, poderíamos dizer: Quando a propensão ao consumo de Ruritânia é 9/10, então, a menos que algo seja feito a esse respeito, apenas 9 milhões da força de trabalho de 10 milhões da Ruritânia são empregados. É então simplesmente necessário gastar 100.000 diretamente em certas pessoas, e seus consumos, por sua vez, irão resultar em um emprego adicional total de 1 milhão).

A questão que estou levantando aqui é simplesmente por que tal relação entre a propensão marginal para o consumo e o multiplicador deve se manter.  Será alguma dedução matemática inevitável? Se assim for, a sua inevitabilidade causal escapa-me de alguma forma. É uma generalização empírica da experiência real? Então, por que é que Keynes não condescende em oferecer a menor verificação estatística?

Já vimos que o investimento, estritamente falando, é irrelevante para o “multiplicador” – que qualquer gasto extra em qualquer coisa fará. Também já ilustramos isso dividindo as mercadorias naquelas que começam com as letras de A à W, e aquelas que começam com as letras X, Y e Z. Mas, uma reductio ad absurdum ainda maior é possível. Aqui está um multiplicador muito mais potente, e em terras keynesianas não pode haver objeção a ele. Deixe Y igualar o rendimento de toda a comunidade. Deixe R igualar a sua renda (do leitor). Deixe V igualar a renda de todos os outros. Então descobrimos que V é uma função completamente estável de Y; enquanto sua renda é o elemento ativo, volátil, incerto na renda social. Digamos que a equação a que se chegou, é:

V = 0.99999 Y

Logo:

Y = 0.99999 Y + R

0.00001 Y = R

Y = 100,000 R

Assim, vemos que o seu próprio multiplicador pessoal é muito mais poderoso do que o multiplicador de investimento. Para aumentar a renda social e assim curar a depressão e o desemprego, só é necessário que o governo imprima um certo número de dólares e os dê a você. Seus gastos irão preparar a bomba para um aumento na renda nacional 100.000 vezes maior do que a quantia de seus próprios gastos.

A crítica final do multiplicador é tão básica que quase torna todos os outros desnecessários. Isto é que o multiplicador, e todo o desemprego que é suposto curar, é baseado no pressuposto tácito de preços inflexíveis e salários inflexíveis. Uma vez assumida a flexibilidade dos preços e dos salários e a plena capacidade de resposta às forças do mercado, todo o sistema keynesiano se dissolve no ar. Porque mesmo que façamos as outras suposições completamente irrealistas que Keynes faz (mesmo que assumamos, por exemplo, que as pessoas “poupam” um terço dos seus rendimentos simplesmente colocando o dinheiro debaixo do colchão e não o investindo em nada), salários e preços completamente reativos significariam simplesmente que os salários e preços iriam cair o suficiente para que o antigo volume de vendas fosse feito a preços mais baixos e para que o “pleno emprego” continuasse a taxas salariais mais baixas. Quando o dinheiro fosse retirado de debaixo do colchão novamente, seria simplesmente equivalente a uma oferta de dinheiro adicional e aumentaria os preços e os salários novamente.

Eu não estou discutindo aqui se os preços e os salários são de fato perfeitamente fluidos. Mas nem um, nem outro, como Keynes assume, são apostas completamente rígidas sob condições de menos de pleno emprego. E na medida em que são rígidas, são assim ou através da política antissocial daqueles que insistem no emprego apenas com taxas salariais acima do equilíbrio, ou através da própria ignorância econômica e confusão nos negócios e círculos políticos para os quais as próprias teorias de Keynes fazem uma grande contribuição.

Mas este é um assunto que desenvolveremos mais tarde.

5. Paradoxos e pirâmides

Na Seção VI do Capítulo 10 sobre o multiplicador, Keynes se deixa levar por um dos pequenos ensaios irresponsáveis de sátira e sarcasmo que percorrem a Teoria Geral. Como esses ensaios assentam em suposições obviamente falsas, e como Keynes os escreve com a língua mais ou menos em seu rosto, pode parecer tão carente de humor “refutá-los” seriamente quanto “refutar” um paradoxo de G. K. Chesterton ou uma epigrama de Oscar Wilde. Mas estes pequenos ensaios são a parte mais legível e de mais fácil compreensão da obra de Keynes. Eles são citados por muitos leigos com risos de aprovação e prazer. Então é melhor darmos a eles uma certa quantidade de atenção séria.

Keynes começa a Seção VI assumindo “desemprego involuntário” sem explicar como isso acontece. Ao mesmo tempo, ele assume que a única maneira de o curar é com “despesas de empréstimo” – não importa o quanto haja desperdício.

“Construções de pirâmide, terremotos, guerras uniformes podem servir para aumentar a riqueza, se a instrução de nossos homens do estado nos princípios da economia clássica estiver no caminho de qualquer coisa melhor” (p. 129)

(Se nossos homens de estado fossem realmente educados nos princípios da economia clássica, eles entenderiam que o desemprego é geralmente o resultado da insistência sindical em taxas salariais excessivas, ou algum desajuste de preço semelhante).

Um dos parágrafos mais reveladores desta seção é a nota de rodapé na página 128, que já citei (p. 148) e que cito novamente com itálico diferente:

“Muitas vezes é conveniente utilizar o termo ‘despesas com empréstimos’ para incluir tanto o investimento público financiado por empréstimos contraídos junto de particulares como quaisquer outras despesas públicas correntes assim financiadas. Assim, ‘despesas com empréstimos’ é uma expressão conveniente para os empréstimos líquidos das autoridades públicas em todas as contas, quer na conta de capital, quer para fazer face a um déficit orçamental

Isto explica o que Keynes realmente significa por “investimento” nas suas equações multiplicadoras. Não se trata de investimento no sentido tradicional ou do dicionário. Significa qualquer despesa pública, desde que o dinheiro seja emprestado, ou seja, desde que a despesa seja financiada pela inflação.

Keynes passa então a escrever o que ele evidentemente considera uma sátira perfeitamente devastadora sobre ouro e mineração de ouro.

“Mineração do ouro [ele diz-nos] que não só não acrescenta nada à riqueza real do mundo, mas envolve a desutilidade do trabalho, é o mais aceitável [para o ortodoxo de todos os métodos de criação de emprego]. Se o Tesouro fosse para encher garrafas velhas com notas de banco, enterrá-los em profundidade adequada em minas de carvão fora de uso, que são então preenchidos até a superfície com lixo da cidade, e deixá-lo para a iniciativa privada em princípios bem testados de laissez-faire para cavar as notas novamente, não precisa haver mais desemprego” (p. 129).

Esta frase nos fala muito mais sobre os preconceitos e confusões de Keynes do que sobre ouro, mineração de ouro, os princípios da empresa privada, ou os propósitos de emprego. Não haveria naturalmente nenhuma necessidade para que a empresa privada escave acima das “notas de banco”. O Tesouro poderia simplesmente gastar mais com as suas máquinas de impressão por não mais do que o custo da tinta e do papel. Mas há uma ligeira diferença entre escavar ouro e escavar papel-moeda que Keynes negligencia mencionar. Isto é que o ouro manteve seu alto valor ao longo dos séculos, não apenas quando era o padrão monetário internacional, mas mesmo desde que foi “destronado”, enquanto as moedas de papel, por uma lei quase inexorável, afundaram na inutilidade.

(Uma compilação de Franz Pick, em 1957, da depreciação de 56 diferentes moedas de papel mostrou que, no período de nove anos entre janeiro de 1948 e dezembro de 1956, por exemplo, o dólar americano, ao qual tantas outras moedas estavam aparentemente ligadas, perdeu 15 por cento do seu poder de compra, enquanto a libra esterlina britânica perdeu 34 por cento, o franco francês 52 por cento e as moedas de papel do Chile, Paraguai, Bolívia e Coréia, de 93 a 99 por cento).

A razão para esta diferença é que a quantidade de ouro que poderia ser desenterrada e refinada de forma lucrativa (isto é, com um excedente de receitas sobre os custos) depende de fatores naturais muito além do controle humano, enquanto a quantidade de dólares de papel que são impressos, ou que seriam enterrados e depois desenterrados no esquema de Keynes, dependeria apenas do capricho dos políticos ou “autoridades monetárias” no poder.

Keynes prossegue ao patrocínio mais adicional das minas de ouro. Diz-nos que

“são de enorme valor e importância à civilização [porque] a mineração do ouro é o único pretexto para cavar furos na terra que se recomendou aos banqueiros como finanças sadias” (p. 130)

Só? Pode-se pensar também em poços de petróleo, poços de água, canais, metrôs, túneis ferroviários, fundações de casas, pedreiras, minas de carvão, zinco, chumbo, prata e cobre… Mas parece uma pena estragar a retórica do nobre senhor.

É uma das convicções fixas de Keynes, como foi a dos religiosos e filósofos da Idade Média, que o ouro é absolutamente inútil e “estéril”.

“O Antigo Egito foi duplamente afortunado, e sem dúvida devido a esta sua fabulosa riqueza [escreve ele] na medida em que possuía duas atividades, a saber, a construção da pirâmide e a busca dos metais preciosos, cujos frutos, por não poderem servir às necessidades do homem por serem consumidos, não envelheceram com abundância” (p. 131).

Keynes não pensava que o ouro tivesse valor porque não entendia a fonte de seu valor. O fato de quase todos os homens de todas as épocas terem valorizado o ouro só indicava, aos olhos de Keynes, que eles eram incuravelmente estúpidos. Mas talvez a estupidez esteja com os críticos do ouro. É verdade, como sempre insistem esses críticos, que não se pode comê-lo ou usá-lo; mas é mais satisfatório que as tortas de creme ou sobretudos como meio de troca. E é enormemente mais satisfatório como meio de troca e reserva de valor, como veremos, do que o papel-moeda emitido de acordo com pressões políticas ou caprichos burocráticos.

__________________________________________

Notas

[1] Veja Alvin H. Hansen, A Guide to Keynes, p. 95, para uma confirmação dessa interpretação.

[2] Alvin H. Hansen, A Guide to Keynes, pp. 89-90.

[3] Uma análise e uma riqueza de referências serão encontradas em Gottfried Haberler, Prosperity and Depression, (Geneva: Leage of Nations, 1941), pp. 455-479.

[4] Apesar disso ter originalmente aparecido em Business Cycles, publicado em 1913, parte III foi separadamente republicado em 1941com o título Business Cycles and Their Causes (Los Angeles: University of California Press). Os trechos acima estão em pp. 1-5.

[5] Cf. Benjamin M. Anderson, Economics and the Public Welfare, p. 397: “O bônus de pagamento dos soldados pelo governo do Sr. Hoover não fez diferença no quadro dos negócios. Pelo outro lado, o bônus de pagamento dos soldados pelo governo do Sr. Roosevelt em 1936, quando a curva dos negócios estava crescente, aparentemente intensificaram o movimento”

[6] “Em um fato histórico, até onde eu sei, desemprego na escala de um sério problema social não é um estado típico das coisas, e em cada caso conhecido essa situação seguiu um período de relativamente pleno emprego… e, similarmente, períodos de desemprego sério chegaram, é claro, a um fim. Mas a questão de como o desemprego chegou é excluída desse trabalho [o General Theory] com a predeterminação de fazê-lo um fenômeno ‘natural’, característica de uma economia empresarial em um equilíbrio estável”. Frank H. Knigth, Canadian Journal of Economics and Political Science, fevereiro de 1937, p. 106.