Capítulo XII – “A Eficiência Marginal do Capital”

0
Tempo estimado de leitura: 17 minutos

1. Termos escorregadios

Tivemos a ocasião frequente de constatar as ambiguidades, inconsistências e contradições que percorrem a Teoria Geral; mas no Capítulo 11, “A Eficiência Marginal do Capital”, elas atingem um nível ainda maior do que nos capítulos anteriores.

Veremos, à medida que avançamos, que Keynes usa a frase “eficiência marginal do capital”, em tantos sentidos diferentes, que se torna finalmente impossível segui-los. Vamos começar com sua primeira definição formal:

“A relação entre o rendimento prospectivo de um ativo de capital e seu preço de oferta ou custo de reposição, ou seja, a relação entre o rendimento prospectivo de mais uma unidade desse tipo de capital e o custo de produção dessa unidade, nos fornece a eficiência marginal do capital desse tipo. Mais precisamente, defino a eficiência marginal do capital como sendo igual àquela taxa de desconto que tornaria o valor presente da série de anuidades dadas pelos retornos esperados do capital-ativo durante sua vida igual ao seu preço de oferta. Isto dá-nos as eficiências marginais de determinados tipos de capital-ativos. A maior dessas eficiências marginais pode então ser considerada como a eficiência marginal do capital, em geral.

O leitor deve observar que a eficiência marginal do capital é aqui definida em termos da expectativa de rendimento e do preço de oferta atual do ativo capital. Depende da taxa de retorno que se espera obter do dinheiro se este for investido em um ativo recém-produzido…” (pp. 135-136).

Keynes prossegue dizendo que podemos construir uma “escala” da eficiência marginal do capital que podemos chamar alternativamente de escala de demanda de investimento, e que

“a taxa de investimento será empurrada até o ponto em que a eficiência marginal do capital em geral é igual à taxa de juros do mercado” (p. 136-137)

Keynes pergunta em seguida como a sua própria definição de capital está relacionada com o uso comum.

“A Produtividade Marginal ou Rendimento ou Eficiência ou Utilidade do Capital são termos familiares que todos temos usado frequentemente” (p. 137). (Mas porque ele adota o mais vago deles?).

“Não é fácil pesquisar na literatura da economia [prossegue Keynes] encontrar uma declaração clara sobre o que os economistas habitualmente pretendem com estes termos.  Há pelo menos três ambiguidades a esclarecer” (pp. 137-138)

É engraçado encontrar Keynes, o pai de tantas ambiguidades, tão persistentemente preocupado com as alegadas ambiguidades de outros.

“Há, para começar, a ambiguidade de saber se estamos preocupados com o incremento de produto físico por unidade de tempo devido ao emprego de mais uma unidade física de capital, ou com o incremento de valor devido ao emprego de mais uma unidade de valor de capital. A primeira envolve dificuldades quanto à definição da unidade física do capital, que considero insolúvel e desnecessária. Naturalmente, é possível dizer que dez trabalhadores levantarão mais trigo de uma determinada área quando estiverem em condições de fazer uso de certas máquinas adicionais; mas não conheço nenhum meio de reduzir isso a uma relação aritmética inteligível que não traga valores” (p. 138)

Tudo isto é inteiramente verdade. Mas é estranho vir do prolixo e adepto das “unidades salariais”. Na própria definição de Keynes, como vimos, estas são medidas em proporção à remuneração; portanto, não são unidades “reais” ou unidades de “emprego”, mas unidades de valor monetário. Se, ao oferecer a ilustração acima, Keynes tivesse lembrado que também é possível dizer que cinco trabalhadores qualificados ou eficientes vão levantar tanto trigo de uma determinada área quanto dez trabalhadores não qualificados, ou ineficientes, ele também teria visto que não há nenhuma maneira inteligível de medir “unidades salariais” que não tragam valores. Por que Keynes foi muito mais agudo em detectar as ambiguidades de outros escritores do que em detectar as suas próprias ambiguidades?

2. As taxas de juros incorporam as expectativas

A seguir, chegamos ao que Keynes parece considerar a sua contribuição especial:

“Finalmente, há a distinção, cuja negligência tem sido a principal causa de confusão e incompreensão, entre o incremento de valor que se pode obter utilizando uma quantidade adicional de capital na situação existente, e a série de incrementos que se espera obter ao longo de toda a vida do ativo de capital adicional. Isto envolve toda a questão do lugar da expectativa na teoria econômica” (p.138)

“[E novamente:] A confusão mais importante quanto ao significado da eficiência marginal do capital resultou da incapacidade de ver que ela depende do rendimento prospectivo do capital, e não apenas do seu rendimento corrente” (p. 141)

Tudo isto é verdade. No entanto, um dos principais erros de Keynes em sua discussão sobre a relação entre a eficiência marginal do capital[1] e as taxas de juros é sua falha ou recusa em reconhecer que as taxas de juros atuais também são determinadas em grande parte pelas expectativas em relação ao futuro. A comparação é análoga àquela entre a valorização de uma ação e a valorização de um título. Quando a taxa de juro de longo prazo é de 4 por cento, um título de alta qualidade que rende 4 dólares por ano será vendido a 100 dólares. Ao mesmo tempo, uma boa ação que paga atualmente um dividendo de US$ 5 por ano também pode ser vendida a US$ 100. Não vende a mais porque a continuação do dividendo é menos certa do que a continuação dos juros sobre o título, e mais sujeita à flutuação de ano para ano. Mas uma ação que paga atualmente um dividendo de apenas US$ 3 por ano pode ser vendida a US$ 100 porque a opinião do mercado acredita ser altamente provável que a ação pague mais em breve. O preço atual das ações que pagam dividendos (ou que não pagam dividendos) e dos títulos que pagam juros é determinado pelas expectativas em relação ao futuro. Quando a taxa de juro é de 4 por cento, algumas obrigações que pagam 4 dólares por ano estarão a vender muito abaixo dos 100 dólares, e a render, digamos, 5 ou 5,5 por cento de juros sobre o seu valor de capital, porque incorporam um risco maior do que as obrigações de tesouraria.

(No parágrafo anterior, usei a expressão “a taxa de juro”. Isto está de acordo com a prática de Keynes e de muitos outros economistas, que por vezes escrevem sobre a taxa de juro e por vezes sobre “o complexo [ou constelação] de taxas de juro”. A “taxa de juros” é geralmente uma frase e conceito mais simples e conveniente, desde que não seja mal utilizada – isto é, desde que sua natureza arbitrária e super simplificada seja constantemente mantida em mente. Quando eu uso o termo, serei levado a significar algo como “o atual rendimento médio anual percentual em títulos AAA com vencimento em vinte anos ou mais”. Mesmo assim, é mais seguro pelo menos explicitar se se está falando de “taxa de juros de longo prazo” ou “taxa de juros de curto prazo” — ainda que cada uma dessas frases também se refira a todo um complexo de taxas de juros, e ainda que a linha que divide “curto prazo” de “longo prazo” seja arbitrária, ou seja, cinco anos ou menos até o vencimento, ou um ano, ou menos até o vencimento).

Como Keynes (geralmente) se recusa a reconhecer que a taxa de juros e a “eficiência marginal do capital” são regidas por expectativas, ele faz críticas injustificadas a outros escritores e constrói uma falsa teoria própria.

“A expectativa de uma queda no valor da moeda estimula o investimento [declara] portanto o emprego, em geral, porque eleva a curva de eficiência marginal do capital, ou seja, a escala da demanda de investimento; e a expectativa de um aumento no valor da moeda produz, ao contrário,  um efeito depressivo, porque reduz a escala da eficiência marginal do capital” (pp. 141-142)

Isto equivale a dizer que a inflação, e ainda mais a ameaça de mais inflação, é boa porque estimula o investimento e o emprego.

E é porque interfere com a teoria anterior que Keynes critica a “distinção entre a taxa de juro da moeda e a taxa de juro real, em que esta última é igual à primeira após a correção de alterações no valor da moeda” de Irving Fisher (p. 142).

“É difícil dar sentido a esta teoria como se afirma, [declara Keynes] porque não é claro se a variação no valor da moeda é ou não assumida como prevista. Não há como escapar ao dilema de que, se não for previsto, não haverá efeito sobre os negócios correntes; enquanto, se for previsto, os preços dos bens existentes serão imediatamente ajustados para que as vantagens de deter moeda e de deter bens sejam novamente equalizadas, e será demasiado tarde para os detentores de moeda ganharem ou sofrerem uma alteração na taxa de juro que irá compensar a alteração prospectiva durante o período do empréstimo no valor do dinheiro emprestado” (p. 142).

É indesculpável, em primeiro lugar, que Keynes escreva sobre a afirmação de Fisher de sua teoria de que “não está claro se a mudança no valor do dinheiro é ou não assumida como prevista”. Irving Fisher escreveu claramente, por exemplo, em The Theory Of Interest (1930, p. 37):

“A influência de tais mudanças no poder de compra do dinheiro sobre a taxa de juro do dinheiro será diferente consoante essa mudança esteja ou não prevista.”

O itálico aqui não é meu, mas próprio de Fisher. E a frase é seguida de parágrafos com explicações mais inequívocas.

Além disso, não é muito difícil escapar do “dilema” de Keynes. A maneira mais fácil é apontar para um fato inegável e repetido da experiência – que nas últimas fases de uma hiperinflação, quando mais inflação é geralmente esperada, as taxas de juros começam a subir. Isso aconteceu, por exemplo, na grande inflação na Alemanha em 1923:

“Nas primeiras fases da inflação, a taxa de juro tendeu a subir na Alemanha, como sempre acontece num momento de depreciação monetária. Mas durante muito tempo a subida das taxas de juro foi sensivelmente inferior à depreciação da taxa de câmbio. Posteriormente, a taxa de juro tornou-se mais sensível à influência da depreciação da moeda. À medida que a depreciação se tornava mais rápida, o prêmio de risco do credor aumentava e, consequentemente, na fase final da inflação, a taxa de juros era extremamente alta. No início de Novembro de 1923, as taxas de ‘call money’ subiram até 30 por cento por dia!”[2]

Esta situação será praticamente sempre encontrada nas fases posteriores de uma inflação grave. Por exemplo, enquanto escrevo isto, há uma inflação grave no Chile, e a taxa do banco comercial [de acordo com as Estatísticas Financeiras Internacionais (junho de 1957), publicadas pelo Fundo Monetário Internacional] passou de 7,84% em 1937 para 13,95% em 1956.[3]

Enquanto escrevo isto, também, o mesmo fenômeno ocorreu na própria Inglaterra, e em grande parte, ironicamente, por causa da política monetária barata que Keynes assumiu a liderança ao defender. Em junho de 1957, o Tesouro britânico 2,5 por cento das obrigações, que tinham sido emitidas em 1946, durante as últimas fases da política de moeda barata, podiam ser compradas a 50, ou metade do preço de compra original. Mas enquanto as obrigações prioritárias na Grã-Bretanha mendigavam em junho de 1957 com grandes descontos, os preços das ações das empresas eram oferecidos até níveis em que, apesar dos riscos envolvidos, o seu retorno para o investidor era, em muitos casos, substancialmente inferior ao das obrigações de tesouraria. Como explicou uma das principais casas de investimento de Londres:

“Claramente, a principal causa do problema reside no progresso mal controlado da inflação crescente. Com efeito, o argumento é que, uma vez que a libra se tem vindo a depreciar na última década a uma taxa média de 4,75 por cento ao ano, qualquer investimento susceptível de apresentar um retorno líquido total sobre o rendimento e as contas de capital num determinado período inferior a este montante está a dar um rendimento negativo e deve ser rejeitado.”[4]

Uma evolução semelhante ocorreu nos Estados Unidos em julho de 1957, e novamente no verão e no outono de 1958.

3. Efeitos da inflação esperada

Vejamos agora a explicação teórica disto. É verdade que num período de inflação, e quando mais inflação é amplamente prevista, os preços dos bens existentes sobem em antecipação. Mas os preços dos diferentes bens sobem em diferentes graus, determinados pela natureza da mercadoria e pela natureza do seu mercado. Os alimentos perecíveis deste ano, por exemplo, refletem a inflação monetária deste ano em seu preço; mas não podem refletir a inflação esperada para o próximo ano porque não podem ser mantidos até o próximo ano; devem ser consumidos agora. O mesmo raciocínio se aplica a todos os tipos de serviços atuais. Um bem duradouro com uma vida de dois anos pode refletir uma inflação adicional menos esperada no seu preço atual do que um bem duradouro com uma vida de cinco anos, o que, por sua vez, pode refletir menos do que um bem duradouro com uma vida ainda mais longa. Não pretendo sugerir que o reflexo da inflação esperada nos preços atuais seja diretamente proporcional ao tempo de vida de determinados bens; este é apenas um dos fatores envolvidos. É suficiente notar que a inflação esperada é refletida em diferentes graus na resposta atual dos preços dos diferentes bens.

Agora, quando outras condições são tais que produziriam uma taxa de juro real e uma taxa de juro da moeda de, digamos, 4 por cento, mas quando os credores geralmente acreditam que o nível médio de preços no próximo ano (incluindo tanto os bens perecíveis como os bens duradouros, nas proporções em que se espera que sejam consumidos) será 3 por cento superior ao nível de preços deste ano (para a mesma “mistura” de bens), cobrarão 7 por cento para obter o retorno real de 4 por cento. E os mutuários pagarão estes 7 por cento se esperarem utilizar os fundos emprestados para adquirir bens duradouros ou investimentos que acreditam que aumentem mais de 3 por cento no ano. (Ou a mais do que essa taxa ao longo de uma série de anos correspondentes ao período do empréstimo).

Keynes erra constantemente, como veremos, porque pensa cronicamente em termos de médias e agregados que escondem as relações causais que está a tentar estudar.  Este pensamento agregado, em bloco ou em bloco, é exatamente o oposto da análise econômica. Sua prevalência recente, em grande parte sob a influência de Keynes, representa um sério retrocesso no pensamento econômico.

Keynes argumenta mesmo que a taxa de juro não pode subir nas condições que ele assume, porque se o fizesse estragaria a sua teoria sobre o efeito “estimulante” da expectativa de mais inflação:

“O efeito estimulante da expectativa de preços mais altos se deve, não ao aumento da taxa de juros (que seria uma forma paradoxal de estimular o produto – na medida em que a taxa de juros sobe, o efeito estimulante é, nessa medida, compensado), mas ao aumento da eficiência marginal de um determinado estoque de capital. Se a taxa de juros aumentasse pari passu com a eficiência marginal do capital, não haveria aqui efeito estimulante da expectativa de aumento dos preços. Para que o estímulo ao produto dependa da eficiência marginal de um determinado estoque de capital aumentando relativamente à taxa de juros.” (Seus itálicos, p. 143.)

As admissões de Keynes aqui são bastante corretas. “Se a taxa de juros subisse pari passu com a eficiência marginal do capital, não haveria efeito estimulante da expectativa de aumento dos preços”. Mas qual é a razão de Keynes para supor que a taxa de juros não aumentará com a eficiência marginal do capital? Está em sua suposição de que “a eficiência marginal do capital” incorpora expectativas e que a taxa de juros não. A eficiência marginal do capital, por ordem de Keynes, entrou no reino da economia “dinâmica”, mas a taxa de juros, também por ordem de Keynes, foi mantida no reino da economia “estática”.

Não há garantia para sua suposição. Não corresponde com os fatos da vida econômica. Se a eficiência marginal do capital incorpora expectativas, o mesmo acontece com as taxas de juro. Assumir o contrário é assumir que os empresários são influenciados pelas suas expectativas, mas que os credores não o são. Ou é assumir que os empresários, como um corpo, podem esperar que os preços subam enquanto os credores, como um corpo, não esperam que os preços subam. Ou é assumir que os credores são muito estúpidos para saber o que os mutuários sabem. Se os mutuários desejam pedir mais emprestado porque eles esperam preços mais elevados de mercadorias, isso significa, em outras palavras, que eles esperam pagar os credores de volta em dólares depreciados. E, de acordo com Keynes, os credores serão perfeitamente agradáveis com isso. Eles não vão exigir uma taxa de juros mais alta como um prêmio de seguro contra os dólares depreciados nos quais eles esperam ser reembolsados. Eles não vão sequer pedir uma taxa de juros mais elevada, porque a demanda por seus fundos emprestados aumentou. Em resumo, a hipótese keynesiana de que a eficiência marginal do capital é influenciada pelas expectativas em relação ao futuro, mas que a taxa de juro não o é, assenta em premissas inconsistentes.

A triste verdade é que Keynes não tem nenhuma suposição consistente a respeito de nenhum de seus principais conceitos ou teses. A suposição de uma frase é tão provável como não ser contradito na próxima. Assim, na própria página de onde se extrai a citação anterior, Keynes diz-nos que

“as expectativas, que se mantêm em relação ao complexo de taxas de juro para vários termos que governarão no futuro, serão parcialmente refletidas no complexo de taxas de juro que governam hoje”. (Meus itálicos, p. 143)

Aqui está uma admissão de que um aumento esperado nas taxas de juro futuras se refletirá nas taxas de juro atuais, mas apenas “parcialmente”. No entanto, como Keynes nos promete que no seu Capítulo 22

“mostraremos que a sucessão de boom e recessão pode ser descrita e analisada em termos das flutuações da eficiência marginal do capital relativamente à taxa de juro” (p. 144)

esperaremos até lá para prosseguir a nossa própria análise desta relação.

4. O empréstimo duplica o risco?

Na Secção IV do Capítulo 11, Keynes considera “importante distinguir” entre “dois tipos de risco” que afetam o volume de investimento

“que não têm sido comumente distinguidos. O primeiro é o risco do empresário ou do mutuário e surge de dúvidas em sua própria mente quanto à probabilidade de ele realmente obter o rendimento prospectivo pelo qual espera” (p. 144)

(Posso salientar, de passagem, que na medida em que o risco é real, ele surge da situação objetiva, e não das dúvidas na própria mente do empreendedor. Estas dúvidas podem superestimar ou subestimar o risco real envolvido, mas não o determinam).

“Mas quando existe um sistema de empréstimos [Keynes continua], ou seja, a concessão de empréstimos com uma margem de segurança real ou pessoal, é relevante um segundo tipo de risco que podemos chamar de risco do mutuante.  Isto pode ser devido a risco moral, ou seja, descumprimento voluntário ou… descumprimento involuntário devido ao desapontamento das expectativas” (p. 144)

“Uma terceira fonte de risco poderá ser adicionada, nomeadamente, uma possível alteração adversa no valor do padrão monetário que torne um empréstimo monetário, nesta medida, menos seguro do que um ativo real; embora toda ou grande parte desta situação já deva estar refletida, portanto absorvida, no preço dos ativos reais duradouros.” (Meus itálicos, p. 144.)

Esta frase é significativa porque admite, na frase relutante “ou mais”, que nem todo o risco para o credor de uma possível subida dos preços estará necessariamente já refletido no preço dos “ativos reais duradouros”. Mas esta admissão contradiz o inevitável “dilema” que Keynes havia apresentado apenas duas páginas antes para provar que a atual taxa de juros do dinheiro não poderia ser aumentada pelos credores para se protegerem contra uma inflação esperada. Deixar-nos continuar, entretanto, com “dois tipos de risco” de Keynes:

“Agora, o primeiro tipo de risco é, em certo sentido, um custo social real… O segundo, no entanto, é uma pura adição ao custo do investimento que não existiria se o mutuário e o mutuante fossem a mesma pessoa. Além disso, envolve em parte uma duplicação de uma proporção do risco do empresário, que é adicionada duas vezes à taxa de juro pura para dar o rendimento mínimo prospectivo que irá induzir o investimento” (pp. 144-145)

Trata-se de um puro disparate. O risco não é “duplicado”; não é “adicionado duas vezes”; é simplesmente partilhado. Na medida em que o empresário assume o risco, o mutuante é libertado do mesmo; o mutuante assume um risco apenas na medida em que o empresário não o assume. Suponha que o empresário K empresta $10.000 do credor L para iniciar um pequeno negócio. Suponha que o empresário perca os $10.000. Então um total de $10.000 é perdido, não $20.000. Se o empresário faz com que toda a perda seja do seu próprio bolso, nada disso recai sobre o emprestador. Se o empresário vai à falência, ou sai da cidade, sem pagar um centavo ao emprestador, então o emprestador leva uma perda de $10.000. Mas o mutuário K não perdeu nada de si mesmo; ele simplesmente jogou fora os $10.000 de L. Se o mutuário for capaz de compensar $6.000 da perda com seus próprios recursos, mas for obrigado a não pagar o resto, então $4.000 da perda recai sobre o mutuante – nada mais. Será que Keynes argumentaria que menos casas são construídas com o sistema de hipoteca do que seriam construídas sem ele, porque as hipotecas “dobram o risco”, ou constituem “uma adição pura ao custo do investimento”? É a hipoteca, pelo contrário, que permite ao construtor ou proprietário construir, ou possuir a casa. O hipotecário, por sua vez, assume que o valor de mercado da casa acima do valor da hipoteca lhe dá segurança adicional (além da boa fé do hipotecário, dos outros recursos do hipotecário e do recurso legal do hipotecário contra o hipotecário) que remove ou minimiza seu próprio risco.

Mas se o risco “social” objetivo não é claramente aumentado “onde existe um sistema de empréstimos e financiamentos”, talvez, pode-se dizer, Keynes estava argumentando que o risco subjetivo, o sentimento de risco, é dobrado ou “adicionado duas vezes”. Esta também é uma suposição incrível e contraditória. Pois, o credor se contenta com uma taxa de juros fixa, e com o eventual retorno apenas do valor original (em termos de dólares) de seu investimento de capital, no pressuposto de que ele está deixando o risco de perda, bem como a perspectiva de ganho para o tomador do empréstimo. As empresas descobriram que podem elevar o montante máximo de capital emitindo uma mistura criteriosa de ações ordinárias, ações preferenciais, debêntures, primeiros títulos hipotecários, etc., dependendo em parte das condições de mercado (e fiscais) no momento da emissão, mas dependendo, também, dos diversos temperamentos e propósitos dos diferentes investidores a quem recorrem. Aqueles que estão dispostos a assumir os riscos empresariais em troca das perspectivas empresariais de lucro e ganho de capital tornam-se acionistas comuns. Aqueles que desejam minimizar seus riscos, contentes com uma taxa de juros baixa, mas presumivelmente confiável e regular, e com o mero retorno de seu investimento de capital em dólares, comprarão o que consideram títulos “gilt-edge”. Eles se tornam tecnicamente os credores dos acionistas da mesma empresa.

Argumentar que tal acordo aumenta ou “duplica” o risco objetivo ou o senso subjetivo de risco é tão absurdo quanto seria argumentar que a instituição de seguro contra incêndio aumenta o risco, ou senso de risco, de incêndio. É precisamente porque a instituição de ações de seguros e difunde riscos que os riscos são mais livremente assumidos; que mais casas são construídas e mais investimentos são feitos. E é precisamente “onde existe um sistema de empréstimos” que o investimento aumenta enormemente em comparação com o que seria se tal sistema não existisse.

Lamento ter tomado tanto espaço para apontar este erro elementar. Só o fiz porque ilustra uma vez mais, e tão claramente, o tipo de lógica perversa típica da Teoria Geral.

5. Confusões sobre “estática” e “dinâmica”.

A Seção V do Capítulo 11 tem menos de uma página de tamanho, não obstante revela a extraordinária arbitrariedade do raciocínio de Keynes:

“O cronograma da eficiência marginal do capital é de fundamental importância porque é principalmente através deste fator (muito mais do que através da taxa de juros) que a expectativa do futuro influencia o presente. O erro de considerar a eficiência marginal do capital principalmente em termos do rendimento corrente do equipamento de capital, que seria correto apenas no estado estático onde não há futuro em mudança para influenciar o presente, teve como resultado quebrar a ligação teórica entre hoje e amanhã. Mesmo a taxa de juro é, virtualmente, um fenômeno atual; e se reduzirmos a eficiência marginal do capital ao mesmo status, nos cortamos de levar diretamente em conta a influência do futuro em nossa análise do equilíbrio existente.

O fato de os pressupostos do estado estático frequentemente estarem subjacentes à teoria econômica atual, importa para ela um grande elemento de irrealidade” (pp. 145-146).

Poucas passagens, mesmo de Keynes, são mais arbitrárias ou confusas. O boom e depressão, como dito na página 144, devem ser

“descritos e analisados em termos das flutuações da eficiência marginal do capital relativamente à taxa de juro.”

Mas agora devemos entender que, enquanto a eficiência marginal do capital deve ser tratada como um conceito “dinâmico”, a taxa de juros deve ser tratada como um conceito “estático”. A taxa de juros é um fenômeno “atual”, mas aparentemente a eficiência marginal do capital não é. A eficiência marginal do capital reflete as expectativas em relação ao futuro, mas a taxa de juros “virtualmente” não. E então até mesmo esse contraste é parcialmente repudiado. Pois, na passagem que acabamos de citar, Keynes coloca uma nota de rodapé após a palavra “virtualmente”, e a nota de rodapé diz:

“Não completamente; pois, seu valor [da taxa de juros] reflete parcialmente a incerteza do futuro. Além disso, as relações entre as taxas de juros para termos diferentes dependem das expectativas” (p. 145).

Mas esta nota de rodapé revela o ponto da passagem a que se refere. A verdade é que tanto a análise “estática” como a “dinâmica” são necessárias na economia; que a análise “estática” é uma preliminar necessária à análise “dinâmica”; mas que o único pecado imperdoável é confundi-las na mesma análise.

Um dos principais defeitos na análise de Keynes, não só na passagem citada acima, mas em toda a Teoria Geral, é sua falha em aderir a quaisquer significados fixos para seus termos. Ele joga particularmente rápido e solto, como já vimos e veremos mais tarde, com seu termo “a eficiência marginal do capital”. As ambiguidades e o mau raciocínio em que ele cai poderiam ter sido evitados se este termo vago tivesse sido completamente abandonado, substituindo-o por qualquer um de meia dúzia de termos diferentes, dependendo do que fosse realmente adequado ao seu significado num determinado contexto. Um termo mais simples e menos vago do que “eficiência” em relação ao capital é “rendimento” (O próprio Keynes o usa como sinônimo mesmo na passagem citada acima.). Substituindo isso por uma maior clareza, teríamos então vários termos dependendo do que quiséssemos dizer em um determinado contexto:

  1. O rendimento atual de um instrumento de capital específico.
  2. O rendimento futuro esperado de um instrumento de capital específico.
  3. O rendimento marginal corrente de um tipo de equipamento de capital (como os tornos).
  4. O rendimento marginal futuro esperado (ao longo da sua vida útil, por exemplo) de um tipo de equipamento de capital.
  5. O rendimento marginal corrente do capital (em geral).
  6. A rentabilidade marginal futura esperada do capital (em geral).

Se Keynes tivesse mantido consistentemente até mesmo a distinção entre termos e conceitos 5 e 6, teria evitado uma série de erros. Poderia tê-lo feito, modificando apenas ligeiramente o seu vocabulário escolhido, se em vez de confundir ambos os conceitos sob o termo comum “eficiência marginal do capital”, tivesse pelo menos distinguido sempre entre a atual eficiência marginal do capital e a eficiência marginal antecipada do capital.

Mas se Keynes tivesse sido constantemente cuidadoso fazendo tais distinções, ele poderia não ter escrito a Teoria Geral; pois, a teoria não teria nascido sem as confusões que lhe deram origem.

________________________________________

Notas

[1] É difícil analisar as teorias de Keynes sem começar com sua própria terminologia e conceitos. Alguns economistas afirmam que não existe uma “eficiência (ou produtividade) marginal do capital”. Eles admitem que bens de capital possuem valor marginal, mas argumentam que o valor do capital é derivado do valor do rendimento ao invés de outra coisa. Entretanto essa questão será postergada para considerações mais tarde.

[2] Constantino Bresciani-Turroni, The Economics of Inflation (Londres: Allen & Unwin, 1937), p. 360. (Italian edition, 1931)

[3] Infelizmente, como percebi, estatísticas sobre as taxas de juros reais de bancos comerciais não são facilmente disponíveis e sempre requerem uma investigação no país tratado. Taxas de desconto oficiais se tornaram ficções ou artefatos arquitetados para esconder ao invés de revelar a real situação. Talvez a inacessibilidade comparativa da real taxa de juros explique a incrível ignorância de Keynes nesse assunto.

[4] Citado pelo The First National City Bank of New York, em sua carta mensal, agosto de 1957.