Capítulo XIII – Expectativa e Especulação

0
Tempo estimado de leitura: 17 minutos

1. O estado de confiança

O Capítulo 12 de Keynes, “O Estado da Expectativa de Longo Prazo”, está cheio de confusões. É um daqueles capítulos em que Keynes se revela em sátira pura e termina por acreditar nos seus próprios paradoxos. Tudo isso está na tradição de Bernard Mandeville, Bernard Shaw, e Lytton Strachey ao invés de economia séria. Mas como as passagens deste capítulo são frequentemente citadas com a aprovação daqueles que desejam racionalizar sua antipatia ao sistema de livre iniciativa e livre mercado, vale a pena examiná-las com algum detalhe.

Primeiro devemos notar que aqui a definição de “eficiência marginal do capital” passa pelo que B. M. Anderson chamou de uma de suas muitas “metamorfoses”, e que as causas e efeitos são arbitrariamente selecionados:

“O estado de confiança, como eles o chamam, é uma questão à qual os homens práticos sempre prestam a atenção mais próxima e ansiosa. Mas os economistas não o analisaram cuidadosamente e se contentaram, em geral, em discuti-lo em termos gerais. Em particular, não ficou claro que sua relevância para os problemas econômicos se deve a sua importante influência sobre a escala da eficiência marginal do capital. Não existem dois fatores distintos que afetam a taxa de investimento, a saber, a escala da eficiência marginal do capital e o estado de confiança. O estado de confiança é relevante porque é um dos principais fatores determinantes do primeiro, que é a mesma coisa que a curva da demanda de investimento” (pp. 148-149)

Vimos que, na sua definição original da eficiência marginal do capital (pp. 135-136), Keynes a vinculou ao rendimento de instrumentos de capital ou ativos específicos, e particularmente ao rendimento esperado de ativos recém-produzidos. Mas aqui ele é ampliado para significar lucros de negócios, ou melhor, expectativas relativas aos lucros de negócios, em geral.

É difícil entender por que razão a “relevância para os problemas econômicos” do “estado de confiança” deve vir apenas “através de sua importante influência sobre a escala da eficiência marginal do capital” – especialmente se esta última frase se refere apenas ao rendimento específico de novos ativos de capital. Porque “estado de confiança” refere-se a todas as expectativas futuras –­ incluindo os preços futuros do consumo e dos bens de capital, o futuro das taxas salariais, do comércio externo, da probabilidade de guerra ou paz, de uma mudança de administração política, de uma decisão do Supremo Tribunal etc. Por que deve ser destacada a “eficiência marginal do capital” como o único fator que torna o estado de confiança “relevante” para os “problemas econômicos”? É verdade, naturalmente, que se “o planejamento da eficiência marginal do capital” é identificado com “o planejamento da demanda por investimentos”, ele se torna muito importante. Mas o emprego pode aumentar sem aumento de novos investimentos, ou desproporcionalmente a novos investimentos, como resultado de um aumento no estado de confiança ou de uma queda (relativa) nas taxas salariais.

2. Ficções sobre o mercado de ações

Mas o capítulo 12 é principalmente um ensaio de sátira.  E, para subestimar o comportamento dos empreendedores e ridicularizar o comportamento dos especuladores, Keynes considera necessário subestimar e ridicularizar a raça humana, em geral:

“Se falarmos francamente, temos de admitir que a nossa base de conhecimento para estimar o rendimento de dez anos de uma ferrovia, uma mina de cobre, uma fábrica têxtil, a boa vontade de um medicamento patenteado, um transatlântico, um edifício na City de Londres é pouco e por vezes inexistente.” (Meu itálico, pp. 149-150).

É verdade, obviamente (e isto parece ser principalmente o que Keynes está dizendo), que em relação ao futuro nunca poderemos agir com base na certeza. Não temos a certeza de que um terremoto não destrua nossa casa na próxima semana. Nós não estamos mesmo certos de que o sol vai nascer amanhã. Somos forçados a agir com base em probabilidades. Mas, admitir que nosso conhecimento do futuro de um investimento necessariamente contém elementos de incerteza é muito diferente de dizer que ele equivale a pouco ou “nada”.

O truque de Keynes neste capítulo é misturar declarações plausíveis com declarações implausíveis, na esperança de que estas últimas pareçam seguir as primeiras.

“É provável [declara], que os resultados médios reais dos investimentos, mesmo durante os períodos de progresso e prosperidade, tenham desiludido as esperanças que os suscitaram” (p. 150)

Isto é provável.

“Se a natureza humana não sentiu nenhuma tentação de arriscar, nenhuma satisfação (lucro à parte) em construir uma fábrica, uma ferrovia, uma mina ou uma fazenda, haveria muito menos investimentos do que em um caso onde só há investimentos com base no resultado de um cálculo frio” (p. 150)

Isto é possível, mas é difícil dizer se é provável. Não é fácil imaginar com precisão o que aconteceria se a natureza humana e os motivos humanos fossem completamente diferentes do que são.

Então Keynes começa a expor todas as consequências terríveis que resultam da

“separação entre propriedade e gestão que prevalece hoje” (p. 150)

e todos os males que decorrem das oportunidades que os mercados bolsistas organizados oferecem ao indivíduo para rever os seus compromissos. Ele faz isso criando uma série de ficções. Uma delas é que as pessoas não sabem nada sobre o futuro, e adivinham cronicamente. Outra é que aqueles que compram e vendem ações no mercado ignoram as empresas em cujas ações negociam, e que apenas o “empresário profissional” tem conhecimento “genuíno”. Outra ficção ainda é que os especuladores profissionais não estão preocupados com os rendimentos reais prospectivos dos investimentos, mas apenas com a sua capacidade de passar ações a um preço mais elevado para as “gaivotas” entre o público! A expectativa chega a significar expectativas em relação às expectativas:

“Chegamos ao terceiro grau onde dedicamos as nossas inteligências a antecipar o que a opinião média espera da opinião média” (p. 156)

Neste capítulo, Keynes ainda está satirizando a bolsa de Nova York de 1928 e 1929. Hoje, é claro, não é difícil ver em retrospecto que o otimismo foi então para comprimentos excessivos. A retrospectiva é sempre mais clara do que a previsão; e Keynes parece estar se gabando de quão melhor é sua retrospectiva de 1936 do que a da comunidade especulativa de 1929. Mas será que Keynes estava suficientemente seguro de sua posição no início de 1929 para soar um aviso de esclarecimento, ou para vender e matar (e incidentalmente conferir um benefício social, ajudando a mitigar o otimismo excessivo)? Aparentemente não; mas ele explica que houve certas dificuldades. Antes de entrarmos em sua retórica, no entanto, pode ser aconselhável fazer aqui uma simples observação. Quando os homens têm liberdade, e liberdade de escolha, cometem erros. A liberdade não é garantia de onisciência. Mas os erros dos homens livres também não são uma desculpa válida para tirar-lhes a liberdade, e impor controles governamentais em seu lugar, porque toda sabedoria e desinteresse residem nas pessoas que vão fazer o controle.

Já salientei anteriormente que Keynes desdenha oferecer provas estatísticas sérias para declarações que poderiam ser facilmente apoiadas ou desmentidas pelas estatísticas disponíveis.  Por exemplo:

“As flutuações cotidianas nos lucros dos investimentos existentes, que são obviamente de caráter efêmero e não significativo, tendem a ter uma influência totalmente excessiva, e até mesmo absurda, no mercado. Diz-se, por exemplo, que as ações das empresas americanas que fabricam gelo tendem a vender-se a um preço mais elevado no verão, quando os seus lucros são muito mais elevados do que no inverno, quando ninguém quer gelo. A recorrência de um feriado bancário pode aumentar o valor de mercado do sistema ferroviário britânico em vários milhões de libras” (pp. 153-154)

Tomemos estas declarações como elas ocorrem. Contrariamente à primeira afirmação de Keynes, o que quase sempre surpreende os comentadores diários do mercado e os observadores externos são a pouca atenção que o mercado normalmente presta às flutuações diárias não significativas dos lucros. Uma greve na indústria siderúrgica pode ser notícia de primeira página em todos os jornais do país, mas as ações das empresas siderúrgicas podem não cair, ou cair apenas por uma pequena fração. No dia em que a greve é resolvida, no entanto, e todo o país está respirando um suspiro audível de alívio, as ações de aço podem cair. Isso é sempre ridicularizado em cartas ao editor como “ilógico”; mas pode acontecer porque, embora as operações estejam sendo retomadas, o maior custo salarial envolvido no acordo pode ser considerado como uma ameaça à redução dos lucros a longo prazo.

Observe como começa a segunda afirmação de Keynes acima. “É dito”. É essa a noção de evidência de Keynes? Aparentemente é, pois ele não oferece mais nada. Nestes dias de geladeiras elétricas, sua ilustração de empresas fabricantes de gelo pode parecer obsolescente; mas eu consegui desenterrar duas empresas de gelo americanas, e as coloquei no Apêndice B[1] os preços altos, baixos e médios de cada uma delas, no meio do inverno, janeiro-fevereiro para cada um dos vinte e cinco anos de 1932 a 1956, inclusive, comparado com os preços altos, baixos e médios das mesmas ações no meio do verão, entre julho e agosto, conforme registrado na Bolsa de Valores de Nova York. Na última coluna, a média de julho a agosto é apresentada como um percentual da média de janeiro a fevereiro. O que mostram estas comparações?

Elas mostram que a média das ações da “American Ice Co.” foi maior no verão do que no inverno em catorze desses vinte e cinco anos, na verdade foi menor no verão do que no inverno em nove deles. As ações da City Products Co. (anteriormente City Ice & Fuel Co.) em média foram mais alta no verão do que no inverno em doze desses anos, mas mais baixa no verão do que no inverno para nove deles. Fora de cinquenta casos, em resumo, as ações destas companhias venderam mais altamente no verão, do que no inverno somente vinte e seis vezes – tão frequente quanto uma moeda que cai coroa 50 vezes.

Os resultados aqui, por assim dizer, são inconclusivos porque as empresas de gelo de verão geralmente também estavam no negócio de combustível de inverno. Isto é verdade; mas meramente enfatiza a natureza frívola e apócrifa da ilustração não documentada de Keynes.

A terceira afirmação de Keynes, sobre feriados bancários, se presta mais facilmente à verificação estatística ou à desproteção. No Apêndice C[2], apresento um quadro comparativo dos preços de fecho das ofertas de compra e venda das ações ordinárias diferidas da Southern Railway Company em dois dias específicos de cada ano durante os vinte e cinco anos de 1923 a 1947, inclusive. A Southern Railway Co. Foi escolhida porque era uma das “Tour Main Line Railway Companies” e não tinha dividendos a vencer em agosto. Os vinte e cinco anos de 1923 a 1947 foram escolhidos porque a fusão dos caminhos-de-ferro britânicos produziu efeitos a partir de 1 de janeiro de 1922, quando se constituíram as “Tour Main Line Railway Companies”, e porque a nacionalização das principais empresas ferroviárias foi efetuada em 1 de janeiro de 1948, quando foram investidas na British Transport Commission e os acionistas receberam compensação através de uma ação de juro fixo (garantido pelo Tesouro britânico quanto a capital e juros), pelo que os seus preços de mercado não foram influenciados pelas receitas.

Agora o mais famoso feriado bancário inglês (que tem esse nome específico) é aquele que cai na primeira segunda-feira de agosto. Este é o mais provável para mostrar o efeito dos feriados de banco nas citações das ferrovias britânicas. Por conseguinte, o quadro do apêndice C compara os preços de fecho das propostas e pedidos de ações da Southern Railway no último dia útil de fevereiro (escolhidos por estarem mais afastados do feriado bancário de agosto e também razoavelmente afastados dos feriados de Natal-Ano Novo) com os preços de fecho das propostas e pedidos no primeiro dia útil após o feriado bancário de agosto.

E o que mostram os resultados? Comparando o preço em cada um dos dois dias, verificamos que em apenas sete dos vinte e cinco anos o preço destas ações ferroviárias era mais elevado no dia seguinte ao feriado de agosto do que no último dia de fevereiro, enquanto em dezoito dos vinte e cinco anos era efetivamente mais baixo logo após o feriado de agosto.[3]

Do ponto de vista de Keynes, isto é simplesmente má sorte. Com base na mera lei das médias, partindo do princípio de que o feriado bancário não afetou o valor das ações ferroviárias de uma forma ou de outra, as ações da Southern Railway deveriam ter sido mais elevadas na altura do feriado bancário, aproximadamente com a mesma frequência que as mais baixas. Não atribuo qualquer importância ao fato de o resultado ser exatamente o inverso do da declaração não apoiada da Keynes. Mas a comparação real é uma boa lição contra a criação de “ironias” sarcásticas à custa da comunidade especulativa com base em informações não confirmadas e, ao que parece, bastante falsas.

Keynes a seguir ataca especuladores profissionais:

“Eles estão preocupados [ele escreve], não com o que um investimento realmente vale para um homem que o compra ‘para guardar’, mas com o que o mercado irá valorizá-lo, sob a influência da psicologia de massa, três meses ou um ano depois” (p. 155)

Esse comportamento é um “resultado inevitável” da mera liberdade de comprar e vender títulos:

“não é sensato pagar 25 por um investimento do qual você acredita que o rendimento esperado justifica um valor de 30, se você também acredita que o mercado vai valorizá-lo em 20 três meses depois” (p. 155).

Tal raciocínio por parte de um especulador profissional é, naturalmente, possível, mas é absurdo considerá-lo habitual. Isso supõe que um especulador diga a si mesmo algo assim: “Sei de minhas próprias fontes de informação que este estoque que posso comprar agora por 25 vale realmente 30, com base no que ele vai ganhar; mas eu tenho um palpite de que algumas notícias aparentemente ruins vão quebrar nos próximos meses, e embora eu saiba que isso não vai afetar negativamente o valor real dessa ação, outras pessoas, que constituem a maioria, serão tolas o suficiente para serem influenciadas por essa notícia, portanto, vão empurrar a cotação dessa ação para 20, mesmo que mais pessoas naquela época saibam como eu sei que a ação realmente vale 30 com base no rendimento”, etc.

É uma palavra de ordem em Wall Street que as pessoas que transformam esse número de cambalhotas mentais para chegar a uma conclusão rapidamente vão quebrar. Ao contrário do que Keynes supõe, são os especuladores que tentam descobrir quais serão os valores futuros reais das ações que mais provavelmente sairão melhor a longo prazo. Muitos especuladores experientes saíram do mercado em 1928, pela boa razão de que as ações estavam vendendo muito alto em relação aos ganhos existentes ou prováveis. Então, vendo o mercado ainda subindo, alguns deles decidiram pular de novo, na suposição de que “os outros” não eram apenas loucos, mas poderiam ser contados com segurança para ir ainda mais loucos. Foram os especuladores que jogaram fora seus próprios cálculos sensatos, em um esforço cínico para bater a psicologia da multidão, que foi pego.

Mas Keynes está firmemente convencido do contrário:

“O investimento baseado em uma genuína expectativa de longo prazo é tão difícil hoje que dificilmente será praticável. Aquele que tenta fazê-lo deve certamente levar dias muito mais trabalhosos e correr maiores riscos do que aquele que tenta adivinhar melhor do que a multidão como a multidão se comportará” (p. 157)

Keynes aparentemente acredita nisso precisamente por ser tão implausível.

“É o investidor de longo prazo, aquele que mais promove o interesse público, que, na prática será mais criticado, onde quer que os fundos de investimento sejam administrados por comitês, conselhos ou bancos. Se ele for bem-sucedido, isso só confirmará a crença geral em sua precipitação; e se no curto prazo ele não for bem-sucedido, o que é muito provável, ele não receberá muita misericórdia” (pp. 157-158).

Para aquele que, como o atual escritor, passou muitos anos escrevendo diariamente no mercado de ações para jornais de Nova York, o precedente soa suspeitamente familiar. Parece um homem que uma vez deu conselhos de investimento que se revelaram errados, e que está à procura de um álibi. Foi o sistema que cometeu o erro, não ele. As ações que ele recomendou deveriam, em toda a lógica, ter subido para 108, embora nunca o tenha feito…, mas tais suspeitas são indignas, e voltarei ao mérito do argumento.

3. Jogar, especular e empreender

O que é que o Keynes está a tentar provar? Ele está tentando provar que a “liquidez” é perversa; que a liberdade das pessoas de comprar e vender títulos de acordo com seu próprio julgamento não deveria ser permitida; e que seu dinheiro deveria ser retirado deles e “investido” por burocratas, oniscientes e beneficentes por definição:

“Das máximas das finanças ortodoxas, nenhuma, certamente, é mais antissocial do que o fetiche da liquidez, a doutrina de que é uma virtude positiva por parte das instituições de investimento concentrar os seus recursos na detenção de títulos ‘líquidos’. Esquece que não existe tal coisa como liquidez de investimento para a comunidade como um todo” (p. 155)

É verdade que não existe tal coisa como liquidez de investimento para a comunidade como um todo (mas apenas se isso significa a comunidade mundial, os britânicos, por exemplo, podem aliviar uma crise vendendo suas ações americanas, e qualquer país individual pode vender ou comprar ouro, ou dólares). Mas mesmo que concedamos que não existe tal coisa como liquidez de investimento para o mundo considerado como uma grande comunidade, isso não significa que “liquidez” ainda não possa ser considerada uma vantagem capaz para países individuais, bancos individuais, corporações individuais ou pessoas individuais – portanto, uma vantagem para a comunidade como um todo.

No mesmo tipo de raciocínio que ele usou neste caso, Keynes poderia ter argumentado que o seguro contra incêndio é inútil porque alguém deve suportar a perda do incêndio. É verdade que alguém deve arcar com a perda, mas todo o propósito do seguro é distribuir e difundir a perda. E isso é o que a “liquidez” também serve para fazer. É fácil ver os benefícios que podem vir, e é difícil ver os malefícios que podem vir, por permitir que um indivíduo venda seus títulos a outros. Outros não são forçados a comprá-los. Compram-nos apenas a um preço que consideram vantajoso para si; e podem vir a ser melhores juízes do que o vendedor.

É por isso que não faz sentido a queixa do Keynes de que:

“O objeto atual, privado do investimento mais qualificado de hoje, é ser ‘rápido como uma bala’ como os americanos tão bem expressam, superar a multidão, e passar o prejuízo, ou depreciação, a ‘meia-coroa’ para o outro sujeito” (p. 155)

Esta é uma imagem peculiarmente infeliz para Keynes, o defensor dos gastos governamentais, do financiamento do déficit e da inflação, ter usado. Pois, se a meia-coroa está depreciando, ela está depreciando porque os políticos estão imprimindo muito dinheiro, e se a meia-coroa pode ser passada, apesar da falta de vontade do outro, é porque os políticos a tornaram legal. Keynes esquece que o que ele descreve não é apenas o propósito da especulação bolsista, mas também o propósito da empresa. Para os empresários que obtêm os maiores lucros serão a minoria que primeiro e melhor antecipar os desejos dos consumidores que, se Keynes quiser colocar a questão desta forma, são “rápidos como bala” em comparação com a maioria dos seus concorrentes.

Keynes uma vez caçoou os economistas ridicularizados que se preocuparam com os resultados “no longo prazo”.

“No longo prazo [disse ele cinicamente] estamos todos mortos”

É engraçado encontrar o mesmo homem reclamando aqui que as considerações de longo prazo são minimizadas porque

“a natureza humana deseja resultados rápidos, há um gosto peculiar em ganhar dinheiro rapidamente, e ganhos mais remotos são descontados pelo homem médio a uma taxa muito alta” (p. 157)

Mas para Keynes, qualquer graveto era aparentemente bom o suficiente para vencer o sistema capitalista.

Ao atacar a “especulação” em Wall Street, Keynes esquece que toda empresa, toda atividade humana, envolve inextricavelmente a especulação, pela simples razão de que o futuro nunca é certo, nunca completamente revelado a nós. Quem é mais especulador do que o agricultor? Ele deve especular sobre a fertilidade da área que aluga ou compra; sobre a quantidade e distribuição das chuvas na próxima safra; sobre a quantidade de pragas e doenças; sobre o tamanho final de sua safra; sobre o melhor dia para semear e o melhor dia para colher e sua capacidade de obter ajuda naqueles dias. E, finalmente, deve especular sobre qual será o preço da sua colheita quando a comercializar (ou a que dia, ou preço vender para entrega futura). E mesmo ao decidir quanto terreno reservar para o trigo, milho ou amendoim, ele deve adivinhar o que os outros agricultores vão plantar e quanto vão colher. É uma especulação após outra. E ele e todo empresário de todas as linhas devem agir em relação a algum palpite sobre as ações de outros empresários.

Quando tudo isso é mantido em mente, o ataque de Keynes à “especulação” começa a parecer muito bobo. Seu contraste entre “especulação” e “empreendedorismo” é falso. Se ele está apenas atacando a má especulação, então ela é ruim por definição. Mas a especulação inteligente como economistas e analistas de mercado tem apontado repetidamente, mitiga as flutuações, amplia os mercados e aumenta a produção dos tipos de bens que os consumidores provavelmente querem. A especulação inteligente é uma parte indispensável e inerente da produção inteligente.

Mas Keynes deplora a liberdade humana; parece deplorar praticamente todo o progresso financeiro dos últimos dois séculos:

“Especuladores não podem causar nenhum dano como bolhas em um fluxo constante de empresas. Mas a posição é séria quando a empresa se torna uma bolha num redemoinho de especulação. Quando o desenvolvimento do capital de um país se torna um subproduto das atividades de um cassino, é provável que o trabalho seja mal feito. A medida do sucesso alcançado por Wall Street, considerada como uma instituição cujo propósito social adequado é direcionar novos investimentos para os canais mais lucrativos em termos de rendimento futuro, não pode ser reivindicada como um dos triunfos notáveis do capitalismo liberal” (p. 159)

Esta tirada, que trata a especulação como mero sinônimo de jogo, reflete os preconceitos do homem de rua. A diferença entre o jogo e a especulação é clara: no jogo, os riscos são arbitrariamente inventados ou criados; na especulação, os riscos já existem e alguém tem de suportá-los.

No jogo, um homem ganha $1.000 e outro perde, dependendo se uma bola cai em um número par, ou ímpar em uma roda de roleta ou em qual cavalo entra primeiro em uma pista de corrida. Mas a roda poderia ser girada e a corrida poderia ser executada sem as apostas, sem perdas ou ganhos. O mundo provavelmente seria mais rico se cassinos e apostas em corridas de cavalos não existissem.

Mas não é assim com as grandes especulações organizadas, seja para mercadorias ou para títulos. Se estas não existissem, o agricultor que levanta o trigo teria que especular sobre o preço futuro do trigo. Mas como eles existem, o agricultor ou moleiro que não quer assumir esse risco pode “se proteger”, passando o risco para um especulador profissional. Da mesma forma, um gestor de empresa que saiba fazer aparelhos de ar condicionado, mas não queira assumir pessoalmente todos os riscos financeiros envolvidos nas vicissitudes da concorrência e da mudança das condições de mercado dos aparelhos de ar condicionado, pode oferecer ações no mercado e deixar que os investidores e especuladores profissionais assumam esses riscos financeiros. Assim, cada trabalho é feito por um especialista nesse trabalho, portanto, é provável que seja melhor que se o produtor ou o especulador tentassem fazer ambos os trabalhos.

O mercado, constituído por seres humanos, incapazes de prever o futuro com certeza, vai cometer erros – e alguns deles, em retrospectiva, vão parecer erros incríveis. No entanto, Wall Street, apesar de seus detratores acadêmicos e políticos, pode ser reivindicada como um dos triunfos notáveis do capitalismo “laissez-faire”. Os resultados falam por si. Os Estados Unidos alcançaram o maior volume de investimento, o maior desenvolvimento capitalista, o maior volume de produção, a maior economia de mão de obra, o mais alto padrão de vida que o mundo já conheceu. E conseguiu fazê-lo em grau importante, justamente pela ajuda prestada pela maravilhosa organização financeira centrada em Wall Street e não apesar dela. Certamente deveria ter impressionado Keynes e seus seguidores como dignos de nota que o país com os maiores “cassinos” e a maior “liquidez” era também o país com o maior desenvolvimento de capital do mundo e o mais alto padrão médio de vida!

Mas Keynes leva sua hostilidade à liberdade ao ponto em que sugere “a introdução de um imposto substancial de transferência do governo sobre todas as transações” como “a reforma mais útil disponível” (p. 160). Continuando, ele declara:

“O espetáculo dos mercados de investimento modernos me levou a concluir que a compra de um investimento permanente e indissolúvel, como o casamento, exceto por motivo de morte ou outra causa grave, pode ser um remédio útil para nossos males contemporâneos” (p. 160).

Retrai-se por um momento desta sugestão totalitária, para voltar a trabalhar-se a si mesmo:

“Enquanto estiver aberto ao indivíduo para empregar a sua riqueza na acumulação ou no empréstimo de dinheiro, a alternativa de comprar bens de capital real não pode ser suficientemente atrativa” (p. 160)

“A única cura radical para as crises de confiança… seria deixar o indivíduo sem escolha [meu itálico]. Entre consumir a sua renda e ordenar a produção de [um] ativo de capital específico” (p. 161)

Porque as pessoas não sabem o que estão fazendo de qualquer maneira.

“A maioria, provavelmente, das nossas decisões de fazer algo positivo… só pode ser tomada como resultado de espíritos animais – de uma vontade espontânea de agir em vez da inação, e não como resultado de uma média ponderada de benefícios quantitativos multiplicados por probabilidades quantitativas. A empresa só finge a si mesma ser principalmente influenciada pelas afirmações do seu próprio prospecto” (pp. 161-162)

O investimento privado gratuito depende dos “nervos e histeria e até mesmo da digestão” dos investidores privados (p. 162), do

“capricho, sentimento ou acaso” (p. 163).

E a que se deve tudo isto? O desfecho vem no último parágrafo do capítulo:

“Pela minha parte, estou agora um pouco cético quanto ao sucesso de uma política meramente monetária orientada para influenciar a taxa de juro. Espero ver o Estado, que está em condições de calcular a eficiência marginal dos bens de capital a longo prazo e com base na vantagem social geral, assumir uma responsabilidade cada vez maior na organização direta do investimento.” (p. 164)

É aí que tem. As pessoas que ganharam dinheiro são muito míopes, histéricas, vorazes e idiotas para serem confiáveis e investirem elas mesmas. O dinheiro deve ser apreendido deles pelos políticos, que o investirão com previsão quase perfeita e total desinteresse (como ilustrado, por exemplo, pelos planejadores econômicos da Rússia Soviética). As pessoas que estão arriscando seu próprio dinheiro, é claro, farão isso insensata e imprudentemente, enquanto os políticos e burocratas que estão arriscando o dinheiro de outras pessoas só o farão com o maior cuidado e depois de um longo e profundo estudo. Naturalmente, os empresários que ganharam dinheiro mostraram que não têm previsão, mas os políticos que não ganharam o dinheiro vão exibir uma previsão quase perfeita. Os empresários que procuram tornar mais baratos e melhores do que os seus concorrentes os bens que os consumidores desejam, e cujo sucesso depende do grau de satisfação dos consumidores, não terão, naturalmente, qualquer preocupação com “a vantagem social geral”; mas os políticos que se mantêm no poder através da conciliação dos grupos de pressão terão, naturalmente, apenas preocupação com “a vantagem social geral”. Eles não vão dissipar o dinheiro para esquemas de amendoim arrogantes na África Oriental; ou para suportes de cultivo que mantenham os agricultores sub-marginais em negócios e áreas de cultivo sub-marginais; ou para construir barragens e usinas hidrelétricas que não podem pagar o seu caminho, mas que podem dar votos nos distritos onde são construídas; ou para criar Sociedades Financeiras de Reconstrução, ou Administração de Pequenas Empresas para fazer empréstimos a projetos em que ninguém arrisca seu próprio dinheiro. Nunca haverá nem mesmo um indício de suborno, ou corrupção, ou a doação de um casaco de vison a um funcionário menor pelo beneficiário do empréstimo.

Esta é a vista gloriosa que Keynes revela.  Esta é “a nova economia”.

_____________________________________

Notas

[1] Veja p. 445**

[2] Veja p. 447**

[3] Apesar das figuras não estarem no apêndice C (p. 477)**, eu encontrei que os resultados foram exatamente os mesmos se o dia escolhido para comparação for o ultimo dia de comércio antes do feriado bancário de agosto.