Capítulo XXI – Preços e Dinheiro

0
Tempo estimado de leitura: 26 minutos

1. “Custos” são Preços

Outra coisa estranha sobre o Capítulo 21 de Keynes é que, embora se chame “A Teoria dos Preços”, dificilmente é uma teoria dos preços individuais, ou mesmo dos preços relativos, mas apenas uma teoria das mudanças no “nível” dos preços. Keynes até mesmo declara especificamente:

“A Teoria dos Preços, ou seja, a análise da relação entre alterações na quantidade de moeda e alterações no nível de preços com vista a determinar a elasticidade dos preços em resposta a alterações na quantidade de moeda.” (p. 296)

Agora, a menos que se tenha uma teoria correta dos preços individuais e dos preços relativos, é pouco provável que se tenha uma teoria correta do “nível” de preços, que é apenas uma média composta por preços individuais. Mas, quando tentamos analisar a teoria de Keynes dos preços individuais e dos preços relativos, encontramos tantas confusões e contradições que a tarefa de corrigi-las torna-se quase impossível.

“Numa única indústria [é nos dito] que o seu nível de preços particular depende em parte da taxa de remuneração dos fatores de produção que entram no seu custo marginal, e em parte da escala do produto. Não há razão para modificar esta conclusão quando passamos à indústria como um todo” (p. 294)

Vejamos, em primeiro lugar, algumas das pequenas ambiguidades destas duas frases. Já vimos que “uma única indústria” envolve uma classificação arbitrária sem limites definidos. Note também que mesmo falando de “uma única indústria”, Keynes fala de seu “nível de preço”, que já é um conceito coletivo envolvendo uma média. O que ele provavelmente quis dizer – ou, em qualquer caso, o que teria sido teoricamente mais defensável – é que “O preço particular de um único produto homogêneo depende parcialmente” etc.

Mas esta pequena dificuldade superada, descobrimos que o que temos aqui é uma teoria ricardiana de custo de produção de preços em que a utilidade marginal de uma determinada mercadoria, ou a utilidade marginal relativa de duas, ou mais mercadorias, não é sequer mencionada.

Keynes continua:

“O nível geral de preços depende em parte da taxa de remuneração dos fatores de produção que entram no custo marginal e em parte da escala do produto como um todo, i.e. (tomando equipamento e técnica como dados) do volume de emprego” (p. 294)

Neste caso, “o nível geral dos preços” é explicado por “taxas de remuneração” e “custos marginais”, mas as taxas e os custos salariais não são de todo explicados. São simplesmente considerados como um dado adquirido. No entanto, as taxas salariais e os custos salariais são preços. Marginalmente falando, eles são o preço de uma hora extra de trabalho, ou uma unidade extra de matérias-primas, ou um incremento extra de equipamento etc.

Na teoria marginal moderna, preços e custos se determinam mutuamente; não há causa unidirecional. Wicksell, endossando a formulação matemática de Walras, colocou-a à força:

“Assim que temos mais de um fator de produção (por exemplo, trabalho manual simples), e, na verdade temos centenas de tipos diferentes, o princípio de que os custos de produção determinam o valor de troca de um produto não pode mais ser mantido. Estes custos tornam-se simplesmente os preços dos fatores de produção, que são necessariamente determinados em combinação com os preços das mercadorias em um único sistema de equações simultâneas.”[1]

Os custos relativos de produção podem legitimamente desempenhar um papel na economia moderna quando lidamos com o problema da formação de preços relativos. Aqui os custos podem ser ditos para “determinar” os preços, não diretamente, mas pela sua influência na oferta relativa e, portanto, nos serviços públicos marginais relativos.

É verdade que Keynes finalmente traz o efeito da demanda sobre “o nível geral de preços”, mas o que ele discute é apenas o efeito de mudanças na demanda:

“É verdade que, quando passamos para o produto como um todo, os custos de produção em qualquer indústria, dependem parcialmente do produto de outras indústrias. Mas a alteração mais significativa, que temos de ter em conta, é o efeito de alterações na demanda tanto nos custos como no volume. É do lado da demanda que temos que introduzir ideias relativamente novas quando lidamos com a demanda como um todo e não mais com a demanda de um único produto tomado isoladamente, com a demanda como um todo, assumida como inalterada” (pp. 294-295)

Tudo o que Keynes faz neste momento, no entanto, é considerar o efeito sobre “o nível geral de preços” de um aumento na oferta de moeda. Mas aqui as suas confusões simplesmente aumentam. Ele não apresentou nenhuma teoria, ou na melhor das hipóteses apenas uma teoria circular, sobre o que determina um determinado preço ou a relação de preços particulares entre si. Mas, ele passa a explicar porque a média de todos os preços (ou seja, o nível geral de preços) sobe ou desce (Talvez o que ele esteja realmente falando seja sobre a média dos preços de mercadorias no varejo, já que ele parece considerar que “custos” e taxas salariais estão de alguma forma fora do “nível geral de preços”). O que faz com que os preços subam, de acordo com Keynes, é um aumento da Demanda Efetiva Agregada, e a demanda agregada ou efetiva acaba por ser, para todos os efeitos práticos, sinônimo de oferta de moeda.

Keynes tem razão em não aceitar “a Teoria Quantitativa Bruta da Moeda”, mas seu tratamento de todo o assunto é superficial e confuso. Ele faz uma distinção entre “demanda efetiva” e a quantidade de dinheiro:

“[A] demanda efetiva não mudará na proporção exata da quantidade de dinheiro” (p. 296)

Mas duas páginas mais tarde ele faz a surpreendente afirmação de que

“O efeito primário de uma mudança na quantidade de dinheiro na quantidade de demanda efetiva é através de sua influência na taxa de juros” (p. 298)

Isto é como afirmar que um desvio de circuito é a distância mais curta entre dois pontos. Por “demanda efetiva” Keynes parece significar pouco mais do que a demanda monetária total; portanto, dobrar a quantidade de dinheiro, digamos, dobra diretamente a “demanda efetiva” porque os dois termos praticamente significam a mesma coisa.

Keynes também está certo (embora não pelas razões que ele dá) em apontar que se iniciada uma condição de subemprego, um dado aumento na quantidade de dinheiro provavelmente não irá aumentar os preços proporcionalmente, mas irá gastar-se em parte no aumento do emprego. Mas embora ele quase invariavelmente assuma uma condição de subemprego, ele também falha em reconhecer ou entender a verdadeira razão para este subemprego quando ele existe. Essa razão é quase invariavelmente a existência de taxas salariais excessivas em relação aos preços. Por outras palavras, algumas taxas salariais estão acima do ponto de equilíbrio. Se, agora, despejarmos uma maior oferta de dinheiro no sistema, e se o efeito disto for aumentar os preços por grosso e a retalho sem aumentar as taxas salariais excessivas proporcionalmente, então o resultado será um aumento do emprego; e o consequente aumento da oferta de bens fará com que o aumento geral dos preços seja mais baixo do que seria de outro modo. Mas Keynes começa a essa conclusão por um jogo de suposições artificiais e de razões arbitrárias que têm pouca relação às realidades econômicas.

2. A teoria positiva do dinheiro

Em vez de fazer uma crítica detalhada da teoria implícita do dinheiro de Keynes, isso afetaria uma economia considerável de tempo e espaço se eu dissesse algumas palavras neste ponto sobre o que eu acredito ser a teoria correta do dinheiro. Estas observações devem necessariamente ser esboçadas; e como elas muitas vezes dão conclusões sem o argumento subjacente, elas podem, por vezes, não intencionalmente, parecer dogmáticas.

A quantidade de dinheiro em libras esterlinas é sempre uma consideração relevante na determinação do valor da unidade monetária, tal como a oferta total de trigo é relevante na determinação do valor de um alqueire de trigo. Mas o valor da unidade monetária não é necessa­riamente inversamente proporcional à quantidade de di­nheiro (conforme a Teoria da Quantidade Mecânica ou rígida) mais do que o valor de um alqueire de trigo é necessariamente inversamente proporcional à oferta de trigo.

A inflexível Teoria da Quantitativa da Moeda assume tacitamente que a “elasticidade da demanda” de dinheiro é a unidade. Esta proposição nunca foi provada e recebe pouco apoio estatístico. O valor da unidade monetária é determinado não apenas pela quantidade de dinheiro, mas pela qualidade desse dinheiro. Por outras palavras, o valor da unidade monetária não é determinado apenas pela quantidade de dinheiro presente, mas pelas expectativas das pessoas em relação à quantidade futura, e por outros fatores como a integridade ou estabilidade assumida pelo governo, ou bancos emissores. Assim, é típico no início de qualquer inflação verificar que os preços sobem menos do que o aumento da oferta de moeda, e que nas fases posteriores de uma inflação os preços sobem mais do que o aumento da oferta de moeda.

Além disso, deve ter-se em conta que um aumento da quantidade de moeda, independentemente do grau em que possa aumentar a média dos preços, nunca resulta num aumento exatamente proporcional de cada preço. Só porque Keynes e outros inflacionistas assumem tacitamente que um aumento na quantidade de dinheiro vai aumentar alguns preços mais do que outros (particularmente os preços de varejo mais do que “custos” e taxas salariais) é que eles concluem que a inflação vai curar o desemprego.

Eu não disse nada sobre a muito discutida “velocidade de circulação” do dinheiro e seu suposto efeito sobre os preços. Isto porque acredito que o termo “velocidade de circulação” envolve numerosas irrelevâncias e confusões. Estritamente falando, o dinheiro não “circula”; é trocado por bens. Uma casa que frequentemente muda de mãos não “circula”. Um homem só pode gastar sua renda monetária uma vez. As outras coisas permanecem iguais, a “velocidade de circulação” do dinheiro só pode aumentar se o número de vezes que os bens também mudam de mãos (por exemplo, ações, títulos ou mercadorias especulativas) aumentar de forma correspondente. A taxa anual de rotatividade dos depósitos bancários à vista é normalmente duas vezes maior na cidade de Nova Iorque do que no resto do país. Em 1957, por exemplo, era de 49,5 em Nova Iorque e a média era de apenas 23,0 em 337 outros distritos declarantes. Isto porque Nova York é o centro especulativo.

Um aumento na “velocidade de circulação” da moeda, portanto, não significa necessariamente (Ceteris Paribus) um aumento correspondente ou proporcional no “nível de preço”. Um aumento da “velocidade de circulação” do dinheiro não é uma causa de um aumento dos preços das mercadorias; é em si mesmo um resultado da alteração das avaliações por parte dos compradores e vendedores. É geralmente um sinal meramente de um aumento da atividade especulativa. Uma maior “velocidade de circulação” do dinheiro pode até mesmo acompanhar, especialmente em uma crise no auge de um boom, um congelamento nos preços de ações, títulos ou mercadorias.[2]

3. Qual teoria dos preços?

Embora me alongarei sobre isso posteriormente, decorre do exposto acima que a inflação é (1) um “remédio” perigoso para o desemprego, porque a inflação pode ficar fora de controle e, de qualquer forma, criar grandes injustiças; (2) um remédio desnecessário para o desemprego, que pode ser curado simplesmente pelo ajuste (mercado livre) apropriado e coordenação de taxas salariais e preços entre si e com a oferta de dinheiro existente; e (3) um remédio incerto para o desemprego, porque o desemprego continuará ou será retomado se as taxas salariais subirem na mesma medida que os preços, de modo  que o desajustamento que causou o desemprego não seja corrigido.

Já salientei que, embora Keynes denomine o Capítulo 21 “A Teoria dos Preços”, ele define a teoria dos preços (p. 296) como “a análise da relação entre alterações na quantidade de dinheiro e alterações no nível de preços”. Isto, como já referi, é apenas uma teoria das alterações numa média estatística de preços. Portanto, omite qualquer análise ou explicação de (1) o que determina um determinado preço (por exemplo, o preço dos ovos), e (2) o que determina a relação dos preços individuais entre si. Mas estes são os problemas verdadeiramente fundamentais em causa. Até que os tenhamos resolvido, não podemos avançar para qualquer discussão racional sobre porque os preços individuais mudam, e porque o “nível de preços” (que é um constructo puramente estatístico montado a partir dos preços individuais) muda. Mas Keynes simplesmente toma estes problemas fundamentais como garantidos. É difícil escapar ao Veredito de Hayek:

“Embora os tecnocratas, e outros crentes na inquestionável capacidade produtiva do nosso sistema econômico, ainda não pareçam ter percebido isso, o que [Keynes] nos deu é realmente aquela economia da abundância pela qual eles têm clamado por tanto tempo. Ou melhor, ele nos deu um sistema de economia que se baseia na suposição de que não existe escassez real, e que a única escassez com a qual precisamos nos preocupar é a escassez artificial criada pela determinação das pessoas em não vender seus serviços e produtos abaixo de certos preços arbitrariamente fixados. Estes preços não são de modo algum explicados, mas simplesmente assumidos como permanecendo ao seu nível historicamente dado, exceto em intervalos raros quando se aproxima o “pleno emprego” e os diferentes bens começam sucessivamente a escassear e a subir de preço.

Ora, se há um fato bem estabelecido que está sempre ao lado da vida econômica, é a variação incessante, até mesmo horária, dos preços da maioria das matérias-primas importantes e dos preços por atacado de quase todos os alimentos. Mas o leitor da teoria de Keynes fica com a impressão de que essas flutuações de preços são totalmente desmotivadas e irrelevantes, exceto no final de um boom, quando o fato da escassez é readmitido na análise, como uma aparente exceção, sob a designação de ‘gargalos’.”[3]

Vejamos um pouco mais de perto a estranha imagem de Keynes do mundo econômico:

“Mas, em geral, a demanda por alguns serviços e mercadorias atingirá um nível acima do qual sua oferta é, por enquanto, perfeitamente inelástica, enquanto em outras direções ainda há um excedente substancial de recursos sem emprego. Assim, à medida que a produção aumenta, uma série de ‘gargalos’ será sucessivamente atingida, onde a oferta de determinadas mercadorias deixa de ser elástica e os seus preços têm de subir para o nível necessário para desviar a procura para outras direções” (p. 300)

Algumas das deficiências neste quadro já foram apontadas na citação de Hayek acima. Assume-se que, como é habitual e praticamente uma condição “normal”, há todo o tipo de “recursos desempregados”, incluindo, aparentemente, matérias-primas excedentárias, para que, durante muito tempo, o aumento da demanda não conduza ao aumento dos preços. O aumento dos custos não é considerado típico, mas sim excepcional, e apenas porque são criados “estrangulamentos”. E os próprios “gargalos” são tratados como exceções, em vez de como o resultado de diferentes graus de escassez e de desfasamentos variáveis, mas inevitáveis, na capacidade de resposta da demanda.

Isso nos leva a um aspecto do pensamento de Keynes que raramente tem sido reconhecido, mesmo por seus críticos. Um número surpreendentemente grande de seus erros surge, não de suas heterodoxias, mas de sua aceitação acrítica de certos “clássicos” – ou, melhor seria dizer, doutrinas, conceitos ou termos Marshallianos. Um desses conceitos, agora usado quase universalmente, é o da “elasticidade” – da demanda, da oferta, do preço ou do que você tiver.

O conceito – ou melhor, o termo – tem sua grande popularidade atual por Marshall. É um conceito muito útil, mas também pode ser enganador, particularmente quando, como nos últimos trinta anos, toda uma literatura se desenvolve em torno dele que combina a simplificação excessiva com uma precisão espúria. Esta última evolução é principalmente o resultado da utilização do termo “elasticidade”, duvidosamente apropriado. Já anunciei anteriormente a qualidade enganosa deste termo, mas agora vale a pena examiná-lo ainda mais de perto.

Responsividade, como tentarei demonstrar, é um termo que não só expressa mais clara e diretamente o que se quer dizer, mas evita a maioria das armadilhas da elasticidade. É um infortúnio irônico na história recente do pensamento econômico que, embora o próprio Marshall tenha sugerido essa alternativa, ele imediatamente a deixou de lado e usou o termo “elasticidade”.

“Podemos dizer geralmente [ele escreveu] que a elasticidade (ou capacidade de resposta) da demanda em um mercado é grande ou pequena de acordo com a quantidade demandada que aumenta muito, ou pouco para uma dada queda no preço, e diminui muito ou pouco para um dado aumento no preço. [Itálicos dele. E ele continua em nota de rodapé]: Podemos dizer que a elasticidade da demanda é 1, se uma pequena queda no preço vai causar um aumento proporcional igual no valor exigido: ou, como podemos dizer mais ou menos, se uma queda de 1 por cento no preço vai aumentar as vendas em 1 por cento; que é 2 ou 1/2, se uma queda de 1 por cento nos preços faz um aumento de 2 ou  1/2  por cento respectivamente no valor exigido; e assim por diante.”[4]

Mas há sérias desvantagens para o termo “elasticidade”. (1) A analogia mecânica em que assenta é algo forçada e rebuscada, não sugerindo o que acontece tão direta e simplesmente como a “resposta” ou a “capacidade de resposta”. (2) Leva facilmente à falsa suposição de que a “elasticidade da procura” de uma mercadoria é algo incorporado na mercadoria e não apenas a resposta dos consumidores a uma mudança de preço. (3) Conduziu a uma literatura de precisão simulada (e, ao mesmo tempo, de simplificação excessiva) a que o termo “resposta” ou mesmo “capacidade de resposta” é pouco provável de conduzir.

O nosso propósito atual, no entanto, não é elaborar em geral sobre cada uma destas desvantagens, mas apenas mostrar como o pensamento e a escrita de Keynes foram viciados tanto pelo uso do termo “elasticidade” como pelo seu conceito descuidado do mesmo. Ela constantemente o conduz à tautologia.

“Eles também podem ter diferentes elasticidades de oferta em resposta a mudanças nas recompensas monetárias oferecidas” (p. 302)

Mas como “elasticidades de oferta” significa “resposta”, isto poderia ter sido escrito de forma mais breve, simples e clara: “A resposta da sua oferta a variações de preços também pode ser diferente.” Mais uma vez:

“a elasticidade da demanda efetiva em resposta a variações na quantidade de moeda” (p. 305)

poderia ser imediatamente clarificada e encurtada escrevendo “a resposta da demanda a variações na quantidade de moeda” etc. E ainda mais uma vez:

“a elasticidade dos preços da moeda em resposta a variações na demanda efetiva medida em termos de moeda” (p. 285)

poderia ter sido formulada simplesmente “a resposta dos preços a variações na demanda”.

É em grande parte em pleonasmos e circunlocuções tão pretensiosos que a reputação de profundidade de Keynes parece descansar.

4. Outra digressão sobre “matemática” econômica

Keynes dedica uma seção inteira do capítulo 21 a uma declaração de suas teorias de preços em forma matemática. Mas temos até mesmo a palavra de Keynes que diz que não perdemos praticamente nada se contornarmos estas equações:

“É um grande erro dos métodos pseudo-matemáticos simbólicos de formalização de um sistema de análise econômica, como veremos na seção VI deste capítulo, que eles assumam expressamente uma estrita independência entre os fatores envolvidos e percam toda sua irrefutabilidade e autoridade se esta hipótese for rejeitada; considerando que, no discurso comum, onde não estamos manipulando cegamente, mas sabemos o tempo todo o que estamos fazendo e o que as palavras significam, podemos manter ‘no fundo de nossas cabeças’ as reservas e qualificações necessárias e os ajustes que teremos que fazer mais tarde, de uma forma em que não podemos manter diferenciais parciais complicados ‘no fundo’ de várias páginas de álgebra que assumem que todas elas desaparecem. Uma proporção demasiadamente grande da economia ‘matemática’ recente são meras misturas, tão imprecisas quanto os pressupostos iniciais em que assentam, que permitem ao autor perder de vista as complexidades e interdependências do mundo real num labirinto de símbolos pretensiosos e inúteis” (pp. 297-298)

Isto é admiravelmente dito; mas o próprio Keynes não parece ter percebido toda a sua força. É difícil explicar o “labirinto de símbolos pretensiosos e inúteis” que ele próprio usa. Mesmo depois de tê-los usado na seção VI, ele declara:

“Eu mesmo não atribuo muito valor à manipulações deste tipo; e eu repetiria o aviso, que eu dei acima, de que elas envolvem tanto suposições tácitas quanto as quais variáveis são tomadas como independentes (diferenciais parciais sendo ignorados ao longo do tempo) como o discurso comum, enquanto duvido que elas nos levem mais longe do que o discurso comum pode. Talvez a melhor forma de escrevê-las seja mostrar a extrema complexidade da relação entre os preços e a quantidade de dinheiro, quando tentamos exprimi-la de uma forma formal” (p. 305)

Será que tais símbolos e manipulações, no entanto, na verdade, costumam servir esse propósito? Ou não enganam muito mais frequentemente o escritor que os usa (e muitos dos seus leitores), supondo que ele descobriu algo; que agora será fácil (ou pelo menos possível) determinar e substituir valores numéricos reais pelos seus símbolos algébricos e, portanto, determinar relações reais ou fazer previsões precisas que se aplicam ao mundo real?

A maioria dos keynesianos sem dúvida acredita nisso; e o mestre tem encorajado a crença:

“Não obstante, se tivermos todos os fatos diante de nós, teremos equações simultâneas suficientes para nos dar um resultado determinado” (p. 299)

Claro que se tivermos todos os fatos, teremos todos os fatos. Se já conhecemos o futuro, podemos pré dizê-lo. Mas quando Keynes leva seus leitores a supor que eles podem fazer previsões econômicas reais ou resolver problemas práticos de política econômica se eles só puxarem equações simultâneas suficientes juntos, se eles só se certificarem de ter “tantas equações quanto incógnitas”, ele lembra, em contraste, o aviso muito mais sonoro de Irving Fisher. Fisher, embora tenha usado ainda mais matemática em sua Teoria do Juro do que Keynes em sua Teoria Geral, tinha um senso muito mais seguro das limitações do método algébrico:

“Na ciência, as fórmulas mais úteis são as que se aplicam aos casos mais simples. Por exemplo, no estudo de projéteis, a fórmula de maior importância é a que se aplica à trajetória de um projétil no vácuo. A seguir vem a fórmula que se aplica à trajetória de um projétil em ar parado. Até mesmo o matemático se recusa a ir além disso e a levar em conta o efeito das correntes de vento, muito menos a escrever as equações para o caminho de um bumerangue ou de uma pluma… Na melhor das hipóteses, a ciência só pode determinar o que aconteceria em condições presumidas. Ela nunca pode afirmar exatamente o que acontece ou acontecerá sob condições reais.”[5]

As equações matemáticas de Keynes nas páginas 304-306 são peculiarmente suspeitas porque estão todas preocupadas com “elasticidades” – de preços, “unidades salariais”, produção, “demanda efetiva”, emprego, etc. Alguns desses conceitos (por exemplo, “produção”) são obviamente muito heterogêneos e nebulosos para serem capazes de afirmar de forma matemática útil ou válida. Mas, o meu objetivo atual é simplesmente perguntar se a “elasticidade” em si é um conceito suficientemente preciso para justificar seu uso em uma equação matemática.

O próprio Marshall tinha grandes dúvidas sobre o assunto. Depois de uma longa seção sobre “elasticidade da oferta” e “escalas de oferta”, ele escreve:

“Mas, tais noções devem ser tomadas em sentido amplo. A tentativa de torná-los precisos ultrapassa nossa capacidade. Se incluirmos na nossa conta quase todas as condições da vida real, o problema é demasiado pesado para ser resolvido; se selecionarmos alguns, então raciocínios longos e sutis em relação a eles tornam-se brinquedos científicos em vez de motores para o trabalho prático.”[6]

Frank H. Knight chama a atenção para isso:

“O fato de que não há nenhuma maneira concebível de determinar a elasticidade da demanda ou da oferta com referência a um período específico causa sérios constrangimentos… As condições subjacentes a qualquer uma das curvas nunca se manterão realmente constantes… Quanto à possibilidade de fazer qualquer estimativa ou cálculo de elasticidade para qualquer período real, as possibilidades em abstrato são suficientemente limitadas do lado da oferta, mas são praticamente nulas do lado da demanda.”[7]

Podemos certamente levar as nossas dúvidas mais longe do que Marshall levou as suas. Mesmo falar da “elasticidade da demanda” de uma mercadoria é implicar, como vimos, não só que esta “elasticidade” é uma qualidade da mercadoria, mas que existe algo de fixo ou constante sobre ela, pelo menos dentro de um determinado intervalo de preços. Falar apenas da resposta da procura a uma mudança de preço é não fazer nenhuma destas suposições tácitas. Percebemos então que estamos apenas falando da resposta de compradores ou consumidores a uma mudança de preço sob um conjunto complexo de condições concretas em um momento de tempo, sem pular para nenhuma conclusão tácita sobre qual seria a resposta a uma mudança ainda maior do preço dessa mercadoria na mesma direção, ou mesmo à mesma mudança de preço da mesma mercadoria sob outro conjunto de circunstâncias concretas em outro momento de tempo.

5. A “elasticidade” da demanda não pode ser medida

Apesar de muitos esforços ambiciosos nos últimos anos[8], a “elasticidade” da demanda não é apenas difícil, mas impossível de se medir. Podemos recolher muitas estatísticas, aproximando-nos do infinito, mas nunca podemos ter a certeza de qual delas usar e como interpretá-las.

Para vislumbrar algumas das dificuldades reais: O preço de fechamento do alqueire do trigo-duro comum em Kansas City em 2 de outubro de 1957 foi de US $2.10 1/4, e x alqueires foram vendidos lá naquele dia. Em 3 de outubro, o preço de fechamento foi de US $2.10, e y alqueires foram vendidos. Em 3 de outubro de 1956, o preço de fechamento foi de US  2.25 1/2, e z alqueires foram vendidos. Assumindo que sabíamos os valores de x, y e z, ou seja, o valor total vendido em Kansas City em cada um desses dias, os dados ainda não nos dizem nada sobre a elasticidade da demanda. O preço do trigo flutuou muito em cada um desses três dias. Para obter um preço médio preciso, um estatístico teria que saber quantos alqueires foram vendidos a cada preço diferente (há uma diferença de um oitavo de centavo entre os preços), e compor uma média ponderada para o dia. Mas esta média já começaria a esconder o que o estatístico estava tentando descobrir. Para uma quantidade diferente de trigo foi vendida a cada oitavo de centavo de dólar de diferença. Ele teria que fazer um gráfico e traçar uma curva (muito irregular). Esta informação seria, no que lhe concerne, sem valor porque nos diria apenas o que aconteceu em Kansas City em três dias.

Suponhamos, desconsiderando as enormes dificuldades e complexidades, que poderíamos descobrir e mapear as quantidades de trigo comuns vendidas a cada preço diferente em todos os dias úteis de 1956 e 1957 em todos os Estados Unidos; e mesmo que pudéssemos fazer o mesmo nos cinquenta anos anteriores. Seríamos capazes de medir “a elasticidade da demanda” de trigo? Os números ainda seriam inúteis porque o preço e a demanda do trigo são influenciados nos Estados Unidos (apesar dos controles e dos apoios aos preços) pela oferta mundial total e pela demanda mundial total de trigo. Assumindo que poderíamos recolher os preços mundiais e as vendas mundiais, e traduzi-los de forma estatística aceitável em termos do dólar americano, seríamos ainda capazes de medir a “elasticidade da procura” de trigo?

Deixando de lado as enormes e praticamente intransponíveis dificuldades na maneira de coletar e organizar estatísticas de qualquer precisão real (para o preço “anual” do “trigo”, como se pode obter em qualquer compilação estatística existente, é apenas a média de um enorme número de preços diários e horários diferentes de várias classes de trigo) nos deparamos com o problema básico insolúvel. Quando o preço de uma mercadoria muda, e a quantidade que se compra também muda, nunca podemos dizer com confiança se a quantidade comprada mudou porque o preço estava num ponto diferente da mesma “curva da demanda” ou se a quantidade comprada mudou porque a própria curva da demanda “mudou” E isto é verdade se estamos falando de preços diferentes e quantidades diferentes vendidas de um ano para outro, de um mês para outro, de um dia para outro ou de uma hora para outra.

O que os economistas fazem na prática é normalmente fazer a pergunta. Se o preço é reduzido, e a quantidade do produto comprado é aumentada, eles dizem que isso prova que a demanda pelo produto é “elástica”. Se o preço for reduzido, e a quantidade do produto comprado não for aumentada, eles dizem que isso prova que a demanda pelo produto é “inelástica”. Mas se o preço é reduzido, e a quantidade vendida também diminui (o tipo de coisa que acontece nas bolsas de mercadorias e de valores todos os dias da semana), eles dizem que isso prova que a própria “curva de demanda” caiu, ou, no jargão profissional, “se deslocou para a esquerda”.

E quando nos voltamos para a “elasticidade da oferta”, nossas dificuldades de medição aumentam em vez de diminuir.  Tanto para a elasticidade da demanda como para a elasticidade da oferta temos uma dimensão temporal. Quando aplicada à oferta, essa dimensão temporal é um pouco diferente para cada mercadoria. No entanto, nada é mais frequente do que encontrar atrasos no ajustamento confundido com a falta do próprio ajustamento. A oferta de café, por exemplo, é chamada de “inelástica”, quando o que se quer dizer é que leva cerca de cinco anos para que os cafeeiros recém-plantados amadureçam e produzam. Portanto, se houver um aumento na demanda por café, e um consequente aumento no preço, a oferta deste ano e até mesmo a oferta do próximo pode se mostrar “inelástica”; mas a oferta daqui a cinco anos pode se mostrar muito sensível ao aumento da demanda deste ano (que pode não ser permanente).

Novamente, para tomar uma mercadoria imaginária, podemos descobrir que a “elasticidade” da oferta em resposta a um aumento no preço, conforme medido em termos marshallianos, é 1,5 no primeiro mês (porque o aumento do preço traz as participações especulativas da mercadoria), então apenas 0,25 no segundo mês, 1/16 no terceiro mês, zero para os próximos nove meses e, de repente, uma nova safra ou uma nova planta entra em produção. Mas qual é, então, a “elasticidade” da oferta dessa mercadoria?

Eu não entrei nesta longa digressão para tentar desacreditar o conceito de “elasticidade” da demanda ou da oferta, ou os “esquemas” e “curvas” de oferta e demanda. Estas são analogias diagramáticas úteis, conceitos e ferramentas de pensamento quando utilizadas com moderação e humildade. Mas eles se tornaram a base de uma enorme (pretensiosa e arrogante) literatura de “economia matemática” que desfila e manipula um labirinto de símbolos algébricos que são assumidos como tendo valor “científico” e até preditivo, mas para os quais seria impossível, na prática determinar ou atribuir valores numéricos reais.

Uma razão para isso não é meramente que esses valores não podem ser realmente conhecidos, mas que eles são simplificados demais (portanto, falsificados) mesmo em conceito. A demanda responde a mudanças de preço. A oferta responde às variações de preço. Mas não há razão para supor que qualquer resposta cientificamente pré determinável da demanda ou da oferta se ligue, sob todas as condições, a qualquer alteração no preço. Para o empresário ou empreendedor isto é e deve permanecer uma questão de adivinhação. Ele pode descobrir o que aconteceu com essa mercadoria ou mercadorias semelhantes no passado, mas isso não é um guia seguro para o futuro. O economista matemático não pode dar-lhe nenhuma fórmula certa.

Keynes, é verdade, não é o único culpado pela matemática da Teoria Geral. Sua matemática é comparativamente modesta em extensão. Suas reivindicações pela utilidade de suas equações são muito mais modestas do que as da atual escola de “economistas matemáticos”. Mas é bom salientar que quase toda a matemática empregada na Teoria Geral, no que diz respeito à aplicação prática ou mesmo à iluminação teórica, é vazia e inútil.

6. Taxas salariais sacrossantas, taxas de juros pecaminosas

Keynes termina o capítulo 21 numa explosão de pura demagogia que lembra Marx. É impossível tratar esta última seção como uma economia séria. Ele é projetado para provar (1) que seria prejudicial ou perigoso reduzir quase qualquer salário, e (2) que seria benéfico reduzir quase qualquer taxa de juros.

As confusões nesta seção são quase inúteis. Algumas delas são pronunciadas algumas páginas à frente:

“A unidade de custo, ou a unidade de salário, pode assim ser considerada como o padrão essencial de valor; e o nível de preço, dado o estado da técnica e do equipamento, vai depender em parte da unidade de custo e em parte da escala de saída” (p. 302)

Agora dizer que a unidade de salário é o padrão essencial de valor é dizer que o preço em dólares, e mais, o preço médio em dólares, de um bem ou serviço heterogêneo é o “padrão essencial de valor”, e não o dólar em termos do qual o preço é expresso. Para a “unidade de salário”, lembremo-nos, é o “salário monetário” de “emprego de uma hora de trabalho ordinário” (p. 41). Em outras palavras, Keynes está dizendo que o dólar em que o preço do trabalho é expresso não é o “padrão essencial de valor”, mas que este preço médio é o “padrão essencial de valor”. Logicamente, isto é como dizer que o pé não é o padrão essencial de comprimento, mas que a “unidade de braço” (o comprimento do braço do homem “comum”) é o padrão essencial de comprimento. É como dizer que a libra não é o padrão do peso, mas que o bife “comum” (que, digamos, tem uma média de 2.5 libras) é o padrão “essencial” do peso.

Eu não estou dizendo que o dólar é o “padrão do valor” nos Estados Unidos. Todos os preços são expressos em dólares, e quando dois ou mais preços são comparados entre si, eles são comparados em termos de dólares, e são, nesse sentido, “medidos” em dólares. Mas o dólar, ou qualquer outra unidade monetária, não é o “padrão de valor” no sentido de que o pé é um padrão de comprimento ou a libra um padrão de peso. Para (até agora, pelo menos como a vida prática está em causa) o pé e a libra não são relativos, mas absolutamente, eles permanecem inalterados. Mas o valor do dólar, ou de qualquer outra unidade monetária, está em constante mudança. O seu valor é ele próprio “medido” em termos do seu “poder de compra” – ou seja, pelas quantidades variáveis de bens e serviços contra os quais é trocado. O “valor econômico”, em suma, não pode ser medido em termos absolutos. O valor de mercado pode ser expresso apenas como uma comparação, como uma relação de troca. Mas é o dólar (ou outra unidade monetária) em termos dos quais todos os valores econômicos são comumente expressos.

O dólar, então, não é o “padrão essencial de valor”. Mas isso só multiplica o absurdo de considerar o preço em dólares do trabalho “comum” de uma hora como o “padrão essencial de valor”. Pode-se dizer que isso foi um retorno às teorias do valor bruto de Ricardo e de Marx. Mas é logicamente ainda mais indefensável, porque ao considerar “trabalho ordinário de uma hora” como o “padrão de valor”, Ricardo e Marx estavam tentando estabelecer esse padrão em termos reais, enquanto Keynes rejeita a unidade monetária como o padrão de valor e não vê que seu valor está inevitavelmente envolvido no “padrão essencial de valor” que ele escolhe. Para que a “unidade salarial” seja apenas o salário médio por hora em termos de dólares, é em si mesma apenas o rácio médio temporário de troca entre a unidade monetária e uma “unidade de trabalho”.

E quando Keynes declara que

“o nível de preço dependerá parcialmente da unidade de custo” (p. 302)

ele está dizendo que a média de todos os preços é determinada e causada por um único preço.  A teoria econômica moderna deixou claro não somente que os “custos” são eles mesmos preços, mas que os “custos” e os “preços” se determinam mutuamente.

Como é que Keynes entrou nessas monstruosidades lógicas, esses absurdos aparentemente bastante gratuitos?  A resposta é que ele considerou esses absurdos essenciais para essa tese central de que é sempre prejudicial até pensar em reduzir as taxas salariais:

“Se os salários do dinheiro caíssem sem limites sempre que houvesse uma tendência para menos do que o pleno emprego não haveria lugar de descanso abaixo do pleno emprego até que a taxa de juro fosse incapaz de cair mais ou os salários fossem zero” (pp. 303-304)

A suposição histérica de que qualquer tentativa de ajustar as taxas salariais para colocá-las em equilíbrio com outros preços faria com que os salários “cairiam sem limite” e chegariam a zero, é um bicho-papão que poderia assustar apenas as crianças com problemas mentais.  É exatamente o que parece ser – um disparate de gritar.

7.  Inflação monetária preferida ao ajuste salarial

A Seção VII do Capítulo 21 é principalmente dedicada à proposição de que sempre que houver desemprego:

“a fuga será normalmente encontrada na alteração do padrão monetário ou do sistema monetário de modo a aumentar a quantidade de moeda, em vez de forçar a diminuição da unidade salarial e, assim, aumentando o grau de endividamento” (p. 307)

Por outras palavras, o desemprego deve ser sempre curado com mais inflação monetária, nunca ajustando as taxas salariais que saíram de linha. O piano deve ser ajustado ao assento, não o assento ao piano.

Já lidamos com a loucura de tudo isso, mas um outro ponto deve ser ampliado aqui. Keynes fala de “forçar a queda da unidade salarial”. Mas vimos que essa “unidade de salário” é, de fato, uma média do salário por hora. Agora essa média é uma construção estatística, não um fato concreto, e não necessariamente um fato relevante. O desemprego em qualquer momento pode ser curado, não reduzindo os salários médios, mas reduzindo certas taxas salariais específicas, e provavelmente por diversas percentagens. Reduzir estas taxas salariais específicas irá, naturalmente, reduzir também necessariamente a média; mas são os ajustamentos específicos, e não o ajustamento médio resultante, que são relevantes para curar o desemprego.

Já mostrei, na ilustração do que aconteceu em vinte e cinco indústrias diferentes (pp. 284-285**), que é através de mudanças específicas muito variáveis que são feitos os ajustes salariais. Mas podemos tornar o princípio mais claro através de uma ilustração hipotética. Digamos que temos duas mercadorias, gadgets e widgets, cada uma delas vendidas por US $2.50. O custo unitário marginal de cada um consiste principalmente no custo do trabalho. A um salário de US $2 por hora, digamos, o custo unitário marginal total de cada um seria igual ao preço, $2.50. Mas, a taxa salarial na indústria de gadgets é de US $1.40 por hora, e a taxa salarial na indústria de widgets é de US $2.60 por hora. A taxa salarial média em ambos os setores juntos, é de US $2. Esta média não é excessiva em relação à demanda e ao preço de cada mercadoria. Mas esta média não é uma consolação para a indústria de widgets, que não pode ter lucro. Em uma economia fechada, e sem nenhum substituto aceitável, a indústria de widgets poderia aumentar seus preços; mas isso reduziria a demanda por seu produto e, portanto, criaria desemprego na indústria. Em uma economia aberta em que, digamos, a indústria japonesa ainda poderia vender widgets em Nova Iorque a US $2.50, a indústria americana de widgets teria que fechar completamente, expulsando todos os trabalhadores anteriores nesta indústria. Mas talvez continue a haver empregos na indústria do gadget, que sejam capazes de abaixar preços e permitam expandir; mas não bastante (pelo menos não por muito tempo) para absorver o desemprego na indústria do gadget.

A ilustração é talvez longa. Mas, aparentemente, é necessário explicá-lo claramente para deixar claro a ausência de significado das médias e dos agregados quando estamos a tentar discutir realisticamente os desajustamentos na economia que conduzem ao desemprego. A insistência de Keynes no pensamento abstrato, em lidar com a economia em tais médias e agregados (não reconhecidos) e “sacos mistos” como “a unidade salarial” e “o nível de preços” resulta na falta sistemática dos próprios problemas a serem resolvidos.

8. Esses credores arbitrários

A discussão de Keynes sobre as taxas de juro é, como vimos, ainda mais demagógica do que a sua discussão sobre as taxas salariais.

“Hoje e presumivelmente para o futuro, a escala da eficiência marginal do capital é, por uma variedade de razões, muito inferior ao que era no século XIX” (p. 308)

Aqui está uma generalização abrangente baseada nas condições de 1935, ano em que Keynes estava compondo a Teoria Geral, e nos quatro ou cinco anos anteriores. Não há razão para supor que seja verdade. Parece apenas curioso nos anos cinquenta, em um mundo de inflação, pleno emprego, excesso de emprego e planos de investimento de capital sem paralelo em todos os lugares.

“A acuidade e peculiaridade do nosso problema contemporâneo surgem, portanto, [Keynes continua] fora da possibilidade de que a taxa média de juros que permitirá um nível razoável de emprego é tão inaceitável para os proprietários de riqueza que não pode ser facilmente estabelecida apenas pela manipulação da quantidade de dinheiro. Mas o elemento mais estável e menos facilmente deslocável da nossa economia contemporânea tem sido até agora, e poderá vir a sê-lo no futuro, a taxa de juro mínima aceitável para a generalidade dos proprietários de riqueza.” (Meus itálicos, pp. 308-309).

Aqui tudo o que foi descoberto sobre a economia desde a Idade Média, quando todo o juro foi chamado de “usura” e considerado totalmente injustificado, é jogado pela janela. As taxas de juros, estamos a compreender, ao contrário de tudo o resto no mercado, são fixadas apenas por uma parte da transação, pelo vendedor ou pelo credor, por pura determinação arbitrária, costume ou extorsão. Voltamos a uma Teoria da Exploração grosseira. Tudo depende do que os credores “aceitarão”, e nada do que os tomadores de empréstimo oferecerão, ou porque o oferecerão. Nem o rendimento atual dos investimentos diretos de capital, nem o rendimento esperado (a “eficiência marginal do capital”) possuem qualquer influência sobre a taxa de juros. Os mutuários e os credores devem ser uma classe diferente de pessoas (presumivelmente os pobres e os ricos), e nunca a mesma pessoa, digamos, que está tentando decidir se é vantajoso para ele emprestar seu dinheiro a outra pessoa por uma taxa de juros, ou investi-lo diretamente em algum projeto para um retorno e talvez até para emprestar mais. Se A está a pensar comprar uma ação que está atualmente rendendo 5 por cento ao ano sobre o seu preço, é presumivelmente um ultraje para B pedir 5 por cento de juros se A quer pedir o dinheiro emprestado para comprar a ação.

Tudo isto é, naturalmente, um disparate. A taxa de juro é um preço de mercado como qualquer outro preço de mercado. É tão flexível (em novos empréstimos) como qualquer outro preço (como qualquer comparação histórica demonstrará) e muito mais flexível em períodos curtos (especialmente na direção descendente) do que as taxas salariais. Além disso, na economia capitalista moderna, os credores (proprietários de títulos, de depósitos de poupança e de apólices de seguro de vida) não são, regra geral, os “ricos”, e os mutuários (proprietários de ações ordinárias, de empresas privadas e de imóveis) não são os “pobres”.

As taxas de juros estão relacionadas a outros preços e estão constantemente se ajustando eles, assim como outros preços estão para elas.  As taxas salariais estão relacionadas com outros preços e (quando não são fixadas pelo governo ou coerção sindical) estão constantemente se ajustando a outros preços, como outros preços estão para eles. Quando ambos os ajustamentos estão corretos, quando há coordenação de preços, salários e taxas de juro, há pleno emprego e produção máxima equilibrada.

Mas Keynes trata tanto as taxas de juro como os salários como se estivessem completamente fora do sistema de preços, ou pelo menos como se devessem estar. O governo tem de intervir constantemente para manter as taxas salariais e para fazer descer as taxas de juro. Esta, naturalmente, é uma teoria da classe nua do ciclo de negócio e do desemprego, impressionante similar à teoria marxista. Assim como o marxismo, a suposição tácita é que essas políticas governamentais são necessárias para proteger os pobres e desencorajar os ricos. Mas, como também com o marxismo, há a pose de que a moralidade não tem nada a ver com isso; que o “sistema” existente simplesmente não funcionará e deve quebrar.

A principal diferença entre o marxismo e o keynesianismo é que para o primeiro o empregador é o vilão principal, e para o segundo é o emprestador, com sua desagradável e inútil referência à liquidez.

____________________________________________

Notas

[1] Knut Wicksell, Lectures on Political Economy, I, 225.

[2] Essa seção é inserida meramente para indicar o ponto de vista do porquê a teoria de Keynes está sendo aqui criticada. Obviamente este não é o lugar para elaborar uma completa teoria positiva do dinheiro e do crédito, mas alguma teoria deve necessariamente ser impelida em toda crítica. A visão do autor sobre a teoria monetária corresponde de forma próxima àquelas de Benjamin M. Anderson, The Value of Money (1917, 1934) e de Ludwig Von Mises, The Theory of Money and Credit (English edition, 1934), eu sou inspirado por ambas.

[3] Friedrich A. Hayek, The Pure Theory of Capital, (University of Chicago Press, 1941), p. 374.

[4] Alfred Marshall, Principles of Economics, (Oitava edição), p. 102.

[5] The Theory of Interest, 1930. (Nova Iorque: Kelley & Millman, 1954), pp. 316-317.

[6] Alfred Marshall, Principles of Economics, Oitava edição, pp. 460-461.

[7] The Economic Organization, (Nova Iorque: Augustus M. Kelley, 1951), p. 176.

[8] Cf. e.g, Henry Schultz, The Theory and Measurement of Demand, (University of Chicago Press, 1938).